Piso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2017). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Piso (desambiguação).

Em arquitetura, o termo piso se refere ao revestimento de solo sobre o qual se pode caminhar.

Nuvola apps package editors.png

Esta é uma página de testes de Piso, uma subpágina da principal. Serve como um local de testes e espaço de desenvolvimento, desta feita não é um artigo enciclopédico. Para uma página de testes sua, crie uma aqui.

Como editar: TutorialGuia de ediçãoLivro de estiloReferência rápida

Como criar uma página: Guia passo a passoComo criarVerificabilidadeCritérios de notoriedade

O uso do Piso na arquitetura do Brasil Colônia e Império[editar | editar código-fonte]

Os pisos tradicionais de terra batida eram feitos com uma camada de argila bem socada com areia e água. Também era acrescido a mistura sangue de Bovinos para dar consistência. A técnica foi amplamente empregada, e sua origem remonta à tribos africanas, uma tradição vinda dos escravos negros[1]. Acima dessa camada, assentavam-se ladrilhos feitos de barro cozido com 7mm a 8mm de espessura e 20 a 30cm de largura. A disposição dos ladrilhos formavam desenhos em paralelo ou em xadrez. Geralmente esses ladrilhos eram aplicados nas enxovias das Casas de Câmara e Cadeia[2]. Por vezes, nesses ambientes, os pisos eram fortificados e feitos com lastro de couçoeiras ou com tabuas de madeira de lei (assoalho). Em pátios internos, era comum pavimentar o piso com "tijolos-ladrilho", onde nas Casas de Câmara e Cadeia, utilizavam-se pedras[3].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. IPHAN, Revista (1944). Revista Nº08 do IPHAN. São Paulo: IPHAN. 244 páginas 
  2. IPHAN, Revista (1944). Revista Nº011 do IPHAN. São Paulo: IPHAN. 111 páginas 
  3. IPHAN, Revista (1997). IPHAN. São Paulo: IPHAN. 408 páginas