Piso tátil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2008).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Piso tátil em Belo Horizonte, no Brasil

Piso tátil,[1] superfície tátil, pavimento tátil[2] ou podotáteis[3] são faixas em alto-relevo fixadas no chão para fornecer auxílio na locomoção pessoal de deficientes visuais.[2][3] Esses pisos têm, como serventia, auxiliar a caminhada das pessoas, sejam elas deficientes visuais, crianças, idosos e até mesmo turistas. Como revestimento de chão, os pisos táteis não funcionam sozinhos e sim com uma composição de peças que caracterizam uma caminhada segura e com autonomia.

Portanto, deve ser levado em consideração o desenho universal deste produto, lembrando que o seu significado deve ser evidente e de fácil reconhecimento, expressando uma linguagem simbólica onde quer que se encontrem. É fundamental que a implementação do piso tátil seja realizada levando em conta a usabilidade de seu usuário. Deve-se evitar de todas as maneiras guiar o deficiente visual a áreas sem saída ou que possam oferecer perigo. Todo obstáculo deve estar devidamente sinalizado com o piso tátil de alerta. São áreas como portas de elevadores, escritórios e banheiros, escadas, catracas, entre outros.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Podo" significa "pé",[1] e "tátil" vem de tato (sentido). Assim, "podotátil" significado "sensação através dos pés".

História[editar | editar código-fonte]

Para ajudar seu amigo, Seiichi Miyake inventou os "tijolos Tenji" (tijolos Braille). Ele os apresentou pela primeira vez a uma escola para cegos na cidade de Okayama, em março de 1967; nos anos seguintes, iniciou-se sua aplicação nas plataformas de trens e metrôs a fim de indicar, aos passageiros, o limite de chegada na beira da plataforma, evitando, assim, acidentes. A ideia de Miyake proliferou na Europa e foi adotada em todo o mundo. Cada país desenvolveu normas e manuais de aplicação do produto.[4][5]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, os pisos táteis já existem há algum tempo. A NBR 9050 apresenta estes produtos desde o ano de 2004. Porém seu conhecimento é relativamente novo, persistindo muito o que fazer para melhorar a acessibilidade no Brasil. A regulamentação da obrigatoriedade do seu uso normalmente é feita no município e de forma independente. Por exemplo: em Londrina, São Paulo, Sorocaba etc.

No Brasil, existem duas tipologias de pisos táteis, descritos pela NBR 9050 como sinalização tátil do piso:

  • Piso direcional conhecido como guia: têm, como função, guiar a pessoa através de uma trilha.
  • Pisos alerta: têm, como função, alertar a pessoa de perigo e obstáculos como mobiliário urbano, por exemplo.
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Piso tátil

Referências

  1. a b FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 351.
  2. a b G1; Portal G1 (1º de outubro de 2011). «Piso tátil para cegos termina em parede em estação de trem de SP». G1 SP. Rede Globo. Consultado em 7 de outubro de 2011 
  3. a b L. Wright, Charles (2001). «4». Facilitando o transporte para todos. [S.l.]: Bando Interamericano de Desenvolvimento. p. 42. 92 páginas. ISBN 1886938881 
  4. Jackson Ryan (17 de março de 2019). «Google Doodle pays tribute to Japanese inventor Seiichi Miyake». CNET 
  5. «Celebrating Seiichi Miyake». Google (em inglês). Consultado em 18 de março de 2019