American pit bull terrier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Pit bull)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura por cantor de rap, veja Pitbull (rapper).
American Pit Bull Terrier
002 American Pit Bull Terrier.jpg
Cadela jovem com orelhas em fase de mudança de posição
Nome original American Pit Bull Terrier
Outros nomes Pit bull
APBT
Pit bull terrier americano
País de origem  Estados Unidos
Características
Peso macho 15,08 - 27,02 kg[1]
Peso fêmea 13,06 - 22,06 kg[1]
Altura macho 45 - 53 cm na cernelha.[1]
Altura fêmea 43 - 51 cm na cernelha.[1]
Pelo curto, sem subpelo
Cor Todas, com exceção do merle.
Tamanho da ninhada 4 a 10 filhotes
Expectativa de vida 8 a 15 anos
Classificação e padrões
Federação Cinológica Internacional
Grupo
  • CBKC - Grupo 11
  • UKC - Grupo dos Terriers.
Estalão #NR03 CBKC
Notas

Pit bull[a] — “abreviação” de American Pit Bull Terrier — é uma raça de cães oriunda dos Estados Unidos.[3][1] É um cão de raça pura de porte médio e atlético, desenvolvido no século XIX, pertencente ao grupo terrier.[3][1]

Originalmente criado para a rinha de cães, o pit bull atua hoje principalmente como cão de companhia, cão atleta em esportes lícitos e como cão de agarre em caça lícita.[3][1]

O pit bull é um cão atlético de porte médio do tipo terrier, e descende do extinto Bull-and-Terrier, cães que eram gerados pelo cruzamento entre o extinto Antigo Bulldog inglês e o Antigo Terrier inglês.[3][1] O Bull-and-terrier foi criado nas Ilhas britânicas para caça e para o combate em desportos sangrentos, e geralmente é creditado como o ancestral do pit bull.[1] Porém, alguns escritores e criadores, à exemplo de Richard Stratton, defendem que o pit bull é o próprio Antigo Bulldog inglês, e, por isto, muitos deles referem-se ao pit bull pelo nome de “bulldog”.[4]

O pit bull não é indicado para a função de guarda residencial/territorial, de modo que — de acordo com o padrão oficial da raça pelo United Kennel Club — é um cão caracteristicamente bastante dócil com pessoas estranhas, o que é uma qualidade desfavorável para a função.[1][5][6]

Origem do nome[editar | editar código-fonte]

A palavra "pit" é de origem inglesa e um dos seus significados é "fosso", era o nome dado as arenas onde os cães lutavam; "bull" foi herdado do seu ancestral, o Antigo bulldog inglês, que, por sua vez, possuía esse nome por ser utilizado no Bull-baiting (combate entre cães e touros); "terrier" foi herdado dos seus ancestrais terriers, cães utilizados na caça de pragas.[7] American pit bull terrier pode ser traduzido livremente como "Bull-&-terrier americano de fosso".

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Internacionalmente, o pit bull é reconhecido por entidades como a Alianz Canine Worldwide, International Canine Kennel Club e World Kennel Union.[8][9][10] Nos Estados Unidos é reconhecida por várias entidades, tais como o United Kennel Club (UKC)[1], American Dog Breeders Association (ADBA) desde 1909[6], American Preservation Dog Registry (APDR)[5], e All American Dog Registry International (AADRI); sendo as duas primeiras (UKC e ADBA) as mais antigas e importantes. A raça foi reconhecida oficialmente pela primeira vez em 10 de Fevereiro de 1898 pelo UKC, e o primeiro cão registrado era um exemplar chamado Bennett's Ring, de propriedade do fundador deste kennel clube.[1]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Os primeiros cães chegaram ao Brasil entre o final dos anos 1970, no Rio Grande do Sul, e início dos anos 1980 no Rio de Janeiro.[11] Em São Paulo, só em 1986 é que foi importado o primeiro cão, era um macho chamado Playboy.[11] Porém, a grande popularidade da raça só veio a acontecer no final dos anos 1990.[11]

História[editar | editar código-fonte]

Antigo bulldog e um Bull-and-terrier de focinheira. Pintura por Alexandre Gabriel Decamps, circa 1837
Poster da Primeira Guerra Mundial. pit bull representando os EUA.

Durante o século XIX, no Reino Unido os esportes sangrentos (combates que envolviam animais) eram muito populares e apreciados. Dentre estes "esportes", o mais popular era o bull-baiting, uma prática sádica em que os extintos Antigos Bulldogs eram usados para atacar touros trazidos para uma arena em frente a um grande público composto por várias classes sociais. O touro ficava amarrado por uma longa corda, e os cães atacavam-o evitando coices e chifradas, agarravam o seu nariz ou orelha, e seguravam-se até que o touro caísse. Os súditos e a realeza da época compareciam a estes espetáculos sangrentos em busca de diversão, na tentativa de distração da pobreza e doenças de seu tempo. Contudo, uma nova opinião pública forçou o governo a tomar uma medida.[1] Em 1835, o parlamento inglês proibiu todos os esportes sangrentos, incluindo o popular bull-baiting. Uma vez que este foi banido, os criadores que apreciavam as qualidades combativas dos antigos buldogues utilizados nestes eventos, voltaram sua atenção para a briga de cães contra cães, que apesar de proibida era fácil de esconder. Começaram utilizando o antigo bulldog, mas percebendo que lhes faltava mais agilidade, cruzaram-no com o Antigo Terrier inglês, e produziram cães conhecidos como Bull-and-terrier, que eram animais de porte médio com extrema força, dotados de maior agilidade que os bulldogues e com grande resistência física e persistência; um cão que cumpria todas as expectativas dos criadores de cães de briga. Na rinha o Bull-and-terrier mostrava bravura, alta tolerância à dor, determinação, afeição e muito apego aos humanos e ao seu dono.[1]

Posteriormente, entre os anos de 1845 e 1850, durante o evento histórico conhecido como a Fome da batata na Irlanda, boa parte desses cães Bull-and-terrier foram levados por imigrantes das Ilhas Britânicas (por ingleses e principalmente por irlandeses) para os Estados Unidos, onde foram utilizados como cães de boiadeiro, cães de briga, cães de caça pesada (caça a javalis), e como proteção contra animais selvagens. Em solo americano, o bull-and-terrier foi aperfeiçoado, dando origem a nova raça que em 1898 foi reconhecida pelo UKC (United Kennel Club) com o nome de American Pit Bull Terrier.[1]

Após o reconhecimento a raça passou a ser cada vez mais utilizada em rinhas, atingindo o auge entre as décadas de 1920 e 1970, quando a prática finalmente foi proibida em todos os estados do país americano.

Atualmente o American pit bull Terrier demonstra sua versatilidade, participando com sucesso em campeonatos de Obediência, Faro, Agility, Schutzhund, Tração (Weight pull), Pit gameness e Dock diving, bem como em shows de conformação.[3][1][12]

Rinhas de cães[editar | editar código-fonte]

Cão American pit bull Terrier chamado Colby's Twister, no ano de 1903

A prática do combate entre cães foi "importada" das Ilhas britânicas para os Estados Unidos em meados do século XIX, quando pioneiros, principalmente imigrantes, como o britânico "Cockney" Charlie Lloyd em 1845, começaram a trazer e comprar cães bull-and-terrier de linhagens famosas de combate. Alguns cães tonaram-se especialmente famosos campeões nos EUA, à exemplo de Lloyd's Pilot, um dos cães importados por Charlie Lloyd, e o cão McDonald's Grip, também conhecido como The Gas House Dog.[13][14][15] Os combates envolviam apostas, e, cães imbatíveis geravam certo miticismo e seus donos ficavam famosos e endinheirados, o que contribuiu para o crescimento da popularidade da prática.[16][17]

Ao final do século XIX, um jovem chamado John P Colby começou sua criação comprando e negociando cães nos portos de Boston, e teve grande sucesso alcançando fama e status, vendendo cães como combatentes mas também como pets para famílias, popularizando a raça em construção e tendo como fruto a famosa linhagem Colby ainda preservada hoje.[18][19][20]

Em 1898, a nova raça americana foi registrada com a fundação do United Kennel Club, que começou a emitir títulos de campeões de combate e promover e sancionar eventos do tipo. Os cães lutavam dentro de pequenas arenas chamadas de pit, e com o tempo foram desenvolvidas as Cajun Rules, um conjunto de regras que definiam as dimensões do pit, escolha do juiz, protocolo de combate, etc, como uma forma de padronizar a prática.[21][22] Porém havia mais de uma versão das Cajun Rules, ainda que houvesse as mais populares, como a desenvolvida pelo comissário de polícia G A "Gaboon" Trahan em meados do século XX.[23][22][16]

"A Dog Fight at Kit Burn’s". Um combate de cães dentro de um pit no estabelecimento Kit Burn's em Nova Iorque, EUA, 1868.

Por muitas décadas a briga de cães floresceu com muitos adeptos nos EUA e a raça pit bull se desenvolveu e atingiu seu auge genético ao longo do século XX. Os cães lutavam em categorias classificadas por peso. Eles ganhavam condicionamento físico com treinos de corrida em esteira mecânica (treadmill) e catmill (aparato em que o cão é preso para correr em círculo), treinos de natação e spring pole, tudo para aumentar a estamina, fortalecer os músculos e alcançar o peso magro desejável.[19] A habilidade em combate e a tendência a agressividade contra outros cães, era fator genético, aperfeiçoado com o ganho de experiência individual.[19] Os criadores viam a rinha como um teste duro de temperamento, uma forma de seleção genética buscando uma qualidade muito desejada chamada gameness.[24][25][26][27] Até que, pouco a pouco, cada estado do país americano começou a tomar medidas e fizeram leis proibindo este desporto sangrento e o United Kennel Club deixou de compactuar com a prática.[17][22] Em 1976, o combate entre cães já era proibido em todos os estados americanos, alguns com leis mais brandas, outros mais rigorosos.[28] Porém a prática continuou, de forma cada vez mais secreta.[28]

Nos anos 1970 e 1980, a utilização de pit bulls em provas de conformação e esportes legais e caça de javali começou a ganhar muitos adeptos, popularizando utilidades lícitas para a raça, que se manteve bem conservada.[1]

Ainda hoje as rinhas persistem de forma ilegal em muitos países do mundo, porém com números menores se comparados ao século XX.[22][28]

Características[editar | editar código-fonte]

As características essenciais do pit bull (segundo o Padrão Oficial da Raça, descrito pelo UKC) são a resistência e auto-confiança. São cães com um alto nível de energia, com aptidão para esportes de resistência, não devendo assim ficarem presos num espaço pequeno, muito menos em correntes curtas por muito tempo. Precisam de bastante exercício, oferecido de forma correta, conforme o condicionamento físico e idade do cão, para evitar lesões.[1]

Cadela pit bull

Devido a sua herança terrier, e ao propósito inicial de seleção da raça, possuem predisposição para apresentar agressividade contra outros cães e animais, possuindo um impulso de caça elevado, necessitando de socialização e adestramento.[1] A agressividade contra humanos é altamente indesejável pelos criadores.[1]

Em relação às características físicas, de acordo com o padrão UKC é preferível que os machos pesem entre 15 e 27 kg e possuam entre 45 e 53 cm na altura da cernelha; e que as fêmeas possuam entre 13 e 22 kg, e entre 43 e 51 cm na altura da cernelha. Já o padrão estabelecido pela ADBA, possui um limite de peso oficialmente fixado, e relata que um pit bull condicionado deve pesar exatamente entre 13 e 34 kg, machos ou fêmeas; A altura deve ser proporcional ao peso e possuem um cintura mais esgalgada. Os cães não devem ser pernaltas e nem muito pesados para seu tamanho. São cães de estrutura "quadrada" quando vistos de perfil de pé apoiados sobre as quatro patas. Possuem musculatura aparente, porém não exageradamente volumosa, transparecendo força e ao mesmo tempo agilidade.[1][6]

Quanto à trufa (narinas) dos cães, há duas colorações: Red Nose (nariz vermelho) e Black Nose(nariz preto). Na pelagem todas as cores são aceitas, exceto o merle. As colorações de pelagem mais comumente observadas são vermelho, preto, e fulvo. O albinismo é desqualificado, porém cães brancos normais (leucísticos) sem albinismo são aceitos. Nos olhos inclusive a cor verde é aceita, no entanto, o azul é completamente abominado. Cães com um olho de cada cor (heterocromia) são desqualificados.[1] As orelhas são normalmente cortadas para shows de conformação do UKC, mas em estado natural elas são de inserção alta e é aceitável semi-eretas ou em formato de rosa.[1]

É um cão de porte médio, de construção sólida, pelagem curta e musculatura bem definida, porém leve, esguio e ágil. Esta raça é poderosa e atlética. Combina resistência, força e atletismo com graça e agilidade. Nunca deve ter aparência desajeitada, pesada ou com musculatura exageradamente saliente, ou mesmo ossos finos e pernalta. Acima de tudo, o American pit bull Terrier deve ter a capacidade funcional de ser um cão de trabalho, forte e saudável. Facilidade de respirar e equilíbrio e harmonia de todas as partes do corpo são componentes muito importantes.[3]

Exemplar Red nose com orelhas naturais em forma de rosa.

Cores[editar | editar código-fonte]

Trufa (nariz) - A raça possui duas colorações:

  • Black nose - "Nariz preto". Trufa (nariz) de coloração preta.
  • Red nose - "Nariz vermelho". Trufa (nariz) de coloração vermelho fígado.

Cães com narinas totalmente despigmentadas são desqualificados.[1]

Cadela pit bull, pelagem Buckskin (fulvo), black nose com orelhas cortadas.

Pelagem: Várias cores são aceitas, desde o chocolate, branco (não-albino), preto, fulvo, até amarelo-creme e variações de tigrado, com exceção da pelagem Merle e do albinismo, que são desqualificados.[1]

Olhos: Todas as cores são aceitas, exceto azul. Cães com heterocromia ocular também são desqualificados.[1]

Peso e altura[editar | editar código-fonte]

De acordo com o padrão imposto pelo UKC, é preferível que os machos possuam entre 45 a 53 cm de altura na cernelha; e as fêmeas entre 43 e 50,8 cm de altura na cernelha; e que o peso seja de 15 a 27 kg para machos adultos e de 13 a 22 kg para fêmeas adultas. Já de acordo com o padrão ADBA, que possui um limite de peso oficialmente estabelecido, um pit bull condicionado deve pesar entre 13 e 34 kg e a altura deve ser proporcional ao peso, para que o cão não seja nem pernalta, nem baixo demais; deve ser harmonioso em suas medidas.[3][1][6]

Temperamento e comportamento[editar | editar código-fonte]

Cão pit bull

São cães que não apresentam agressividade com humanos, sendo bem receptivos com pessoas estranhas, porém, podem apresentar agressividade contra outros cães (característica comum em cães do grupo terrier) ou contra outros animais.[1]

O padrão oficial da raça desenvolvido pelo United Kennel Club (primeiro clube a reconhecer a raça em 1898), estabelece:[1]

É um cão forte, autoconfiante, corajoso, determinado e tem muita alegria de viver. A raça gosta de agradar e é cheia de entusiasmo.[...] Pelo fato de a maioria dos American Pit Bull Terriers apresentar certo nível de agressividade contra outros cães, bem como pelo fato de seu físico ser poderoso, a raça necessita de proprietários que os sociabilizem cuidadosamente e que treinem obediência. O American Pit Bull Terrier não é a melhor escolha para os que procuram cães de guarda, por ser extremamente amigável mesmo com desconhecidos. Comportamento agressivo para com o ser humano não é característico da raça, portanto isso é extremamente indesejável.[3]
— Padrão UKC oficial, traduzido pela CBKC «United Kennel Club» (PDF) 

Qualquer característica que fuja a essas já mencionadas é totalmente indesejável, sendo fator desqualificante no padrão da raça. Portanto, qualquer cão que não possua as características de temperamento mencionadas, é um péssimo exemplo da raça.[29]

É recomendável que por ocasião de passeios públicos estejam sempre com focinheiras que inviabilizam ataques a outros cães.[29]

Cadela pit bull

O pit bull é um cão inteligente e versátil, seus exemplares são altamente treináveis. São cães saudáveis, rústicos, que reclamam pouco e oferecem muito aos seus donos. Ao adquirir um exemplar desta raça, o novo dono deve saber de início que por ser um cão atleta nato, necessita de pelo menos uma hora diária de passeios com exercícios frequentes.[3]

A extrema popularidade também gerou problemas para a raça, já que são realizados muitos cruzamentos inescrupulosos e mestiçagens, o que pode gerar cães com temperamento totalmente contrário ao que seria típico dos cães puros.[30]

Segundo a American Temperament Test Society (ATTS),[31] instituição que estuda e avalia o temperamento e comportamento de milhares de cães de diversas raças mediante a uma série de testes em animais com pedigree, o american pit bull terrier teve um dos maiores índices de aprovação, estando dentre os mais dóceis e menos propensos a atacarem pessoas, ficando inclusive a frente de cães das raças rough collie, cocker spaniel, pastor-alemão, golden retriever, e dálmata, por exemplo.[32]

Utilização[editar | editar código-fonte]

Pit bull saltando obstáculo em evento esportivo promovido pela K9 Pro Sports

O pit bull é um cão valente, persistente, treinável e versátil. Possui um alto impulso de caça, que facilita o treino e utilização para atividades que incluem caça legal de javali, esportes de proteção e obediência como o Schutzhund, e como cão de proteção pessoal. É também utilizado como cão policial, na contenção e captura de suspeitos, como também no faro de narcóticos. Seu porte atlético e leve, e sua predisposição natural para atividades físicas de resistência, torna-o um atleta perfeito para esportes lícitos como Agility, Canicross e Top Dog, assim também como um bom cão de companhia para pessoas ativas que praticam corrida, bicicleta e outras modalidades.[1]

Seu uso como cão de guarda residencial/patrimonial não é recomendado, uma vez que, como já mencionado, de acordo com os padrões oficiais da raça, o pit bull é caracteristicamente amigável com pessoas estranhas[1], o que pode facilitar a persuasão deste por suspeitos mesmo em casos de cães treinados, na ausência do dono.[33]

Linhagens[editar | editar código-fonte]

O cão Colby's Pincher, um dos patriarcas da linhagem Colby ainda preservada hoje

As linhagens tradicionais, clássicas ou Game dogs ("Cães com Gameness testado em combate"), são as linhagens mais antigas de pit bull. Estas linhagens foram desenvolvidas e selecionadas por décadas através do Gameness[34] para a prática do combate entre cães. Atualmente, décadas depois da proibição das rinhas, os cães destas linhagens veem sendo preservados e redirecionados para práticas esportivas legais, como o pit gameness (esporte legal de saltos, escalada, etc), TopDog (pela ADBA), e para a caça, especialmente para a caça de javalis nos Estados Unidos.[35][36][37][38] Mas também participam de provas de conformação física, promovidas pela American Dog Breeders Association (ADBA), que registra o pit bull desde 1909.[39]

Entre as dezenas de linhagens tradicionais, algumas das mais conhecidas são: Little gator, Redboy, Jocko, Jeep, Mayday, Rascal, Nigerino, Hall, Eli, Crenshaw, Garner, Patrick, Heinzl, Colby, Old Family Red Nose (OFRN), Bolio, Boudreaux, Carver, Chinaman, Zebo, Clouse, etc.[40][41]

Porém também existem linhagens mais recentes, classificadas como linhagens de conformação. Iniciadas entre as décadas de 1970 e 1980, estas linhagens foram desenvolvidas especialmente para competições de conformação (exposições de beleza) do United Kennel Club. Estas linhagens modernas são conhecidas principalmente pela beleza, mas podem também assumir funções, como cães esportistas. Muitas destas linhagens modernas têm como base de fundação cães da linhagem tradicional/clássica Old Family Red Nose (OFRN). Consequentemente, nas linhagens de conformação os cães Red nose são os mais comuns. Dentre as linhagens modernas mais conhecidas, estão: Castillo's, Lar-san, Vegas, Red-coat e Red ranger.[40][41]

Saúde[editar | editar código-fonte]

O pit bull costuma ser um cão bastante rústico e resistente, porém pode sofrer com alguns problemas de saúde. Entres as principais doenças que podem acometer a raça estão os problemas de pele, incluindo alergias de pele, dermatite atópica canina[42] e fungos. A sarna demodécica também pode acometer alguns cães. Estes problemas afetam principalmente cães Red nose e/ou de pelagem branca. A exposição ao sol, no caso dos cães brancos, também deve ser controlada.[43][44]

Assim como em grande parte dos cães de médio a grande porte, o pit bull também pode sofrer com displasia coxofemural.[44]

Raças assemelhadas[editar | editar código-fonte]

Como uma raça bastante popular, o pit bull costuma ser usado como parâmetro comparativo com diversas outras raças menos conhecidas. Exemplos de raças que são confundidas com pit bull são as que compõem o grupo "terriers de tipo bull", em especial a raça Staffordshire bull terrier, que possui origem conceitual semelhante ao pit bull, sendo também descendente de uma vertente do bull-and-terrier, mas de origem puramente inglesa; e o American staffordshire terrier, uma jovem raça americana derivada do pit bull, mas que hoje possui diferenças físicas (à exemplo de cor, tamanho, peso e morfologia) e comportamentais consideráveis.[45]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae «American Pit Bull Terrier Official Breed Standard» [Padrão Oficial da Raça American Pit Bull Terrier] (PDF) (em inglês). United Kennel Club (UKC). 1 de Maio de 2017 [1978]. Consultado em 16 de abril de 2017 
  2. National Geographic Channel - Dangerous encounters: Bite force
  3. a b c d e f g h i «Padrão American Pit Bull Terrier» (PDF). Tradutor: Claudio Nazaretian Rossi. CBKC. 21 de Outubro de 2018 [2008]. Consultado em 18 de Dezembro de 2019 
  4. Stratton, Richard F. (1981). The Book of the American Pit Bull Terrier (em inglês). [S.l.]: TFH Publications, Incorporated. ISBN 978-0-86622-719-3 
  5. a b «AMERICAN PIT BULL TERRIER». American Preservation Dog Registry (em inglês). Consultado em 15 de dezembro de 2019 
  6. a b c d «Heritage American Pit Bull Terrier Conformation Standard» [Padrão de Conformação do Pit Bull Terrier Americano] (em inglês). Versão atualizada em 2018. ADBA. 27 de Janeiro de 2018 [1ª versão publicada em 1976]. Consultado em 18 de Dezembro de 2019 
  7. «Grupos de raças». Tudo sobre cães. Consultado em 26 de agosto de 2015 
  8. «Perros Terrier - Alianz Federation» 
  9. «ICKC Breed List». International Canine Kennel Club 
  10. «World Kennel Union». worldkennel.org 
  11. a b c «Situação atual do Pit Bull no Brasil». American pit bull terrier. Consultado em 6 de novembro de 2015 
  12. «Pit bull». Tudo sobre cães. Consultado em 26 de agosto de 2015 
  13. O'Neil, Jacqueline (19 de setembro de 1995). The American Pit Bull Terrier: An Owner's Guideto aHappy Healthy Pet (em inglês). [S.l.]: Wiley. ISBN 978-0-87605-383-6 
  14. Glass, Eugene (29 de março de 2011). The Sporting Bull Terrier (Vintage Dog Books Breed Classic - American Pit Bull Terrier) (em inglês). [S.l.]: Read Books Ltd. ISBN 978-1-4465-4902-5 
  15. Armitage, George (1 de julho de 2005). Thirty Years with Fighting Dogs (em inglês). [S.l.]: Read Books. ISBN 978-1-905124-68-8 
  16. a b Hanna, L. B. (6 de março de 2013). Memories of the Pit Bull Terrier and His Master (History of Fighting Dogs Series) (em inglês). [S.l.]: Read Books Ltd. ISBN 978-1-4446-5974-0 
  17. a b Various (1 de janeiro de 2006). Fighting Dogs - The American Pit Bull Terrier - An Anthology (em inglês). [S.l.]: Read Books. ISBN 978-1-84664-257-9 
  18. The Dog Fancier (em inglês). [S.l.: s.n.] 1916 
  19. a b c Colby, Joseph L. (29 de março de 2011). The American Pit Bull Terrier (History of Fighting Dogs Series) (em inglês). [S.l.]: Read Books Ltd. ISBN 978-1-4465-4887-5 
  20. Colby, Louis B.; Jessup, Diane (1997). Colby's Book of the American Pit Bull Terrier (em inglês). [S.l.]: T.F.H. Publications. ISBN 978-0-7938-2091-7 
  21. Kemmer, Mitch (2019). Cajun Rules by Gaboon Trahan: Courtesy of Norman Kemmer and His Life with the American Pit Bull Terrier (em inglês). [S.l.]: ARCADE PUB. ISBN 978-1-73282-832-2 
  22. a b c d «How Dogfighting Works». HowStuffWorks (em inglês). 27 de julho de 2007. Consultado em 16 de dezembro de 2019 
  23. «Cajun Rules by G.A. (Gaboon) Trahan». www.sporting-dog.com. Consultado em 16 de dezembro de 2019 
  24. Stahlkuppe, Joe (Abril de 2000). American Pit Bull Terrier Handbook (em inglês). [S.l.]: Barron's Educational Series. ISBN 978-1-4380-8141-0 
  25. Stratton, Richard F. (1981). The Book of the American Pit Bull Terrier (em inglês). [S.l.]: TFH Publications, Incorporated. ISBN 978-0-86622-719-3 
  26. Cummins, Bryan D. (7 de novembro de 2013). Our Debt to the Dog: How the Domestic Dog Helped Shape Human Societies (em inglês). [S.l.]: Carolina Academic Press. ISBN 978-1-61163-556-0 
  27. Stratton, Richard F. (1976). This is the American Pit Bull Terrier (em inglês). [S.l.]: T.F.H. Publications. ISBN 978-0-87666-660-9 
  28. a b c «Overview of Dog Fighting | Animal Legal & Historical Center». www.animallaw.info. Consultado em 16 de dezembro de 2019 
  29. a b «American Pit Bull Terrier Network Temperament» (em inglês). Apbtconformation.com. Consultado em 8 de novembro de 2010 
  30. «Pit Bull - Leis». Saúde Animal. Consultado em 30 de Dezembro de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  31. «ATTS Breed Statistics». American Temperament Test Society, Inc. (em inglês) 
  32. «American Temperament Test Society pg.1» (em inglês). Atts.org. Consultado em 26 de agosto de 2015 
  33. «PM recupera pitbull roubado e prende homem por receptação». VG Notícias. 20 de maio de 2019. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  34. «HAPK - American Pit Bull Terrier & Staffordshire Bull Terrier». www.hapk.com.br. Consultado em 4 de novembro de 2017 
  35. https://www.pitgameness.com/ Associação Paulista de Pit Gameness
  36. «Bryant's Red Devils Red Nose Pit Bull Breeders in Georgia. Old Family Red Nose Pitbull Puppies for Sale.». www.bryantsreddevils.com. Consultado em 17 de dezembro de 2019 
  37. «:: PITSLANDKENNELS.COM ::». www.pitislandkennels.com. Consultado em 17 de dezembro de 2019 
  38. Condicionamento Físico para Eventos de Exposição e Esporte de TopDog ADBA/BRASÍLIA
  39. Bullock, Tyler (16 de maio de 2016). «History of the ADBA». American Dog Breeders Association (em inglês). Consultado em 17 de dezembro de 2019 
  40. a b «Bloodlines of American pit bull terrier» (em inglês). Dog breed info. Consultado em 27 de Julho de 2016 
  41. a b Linhagens (em inglês)
  42. meupetadestrado (2 de setembro de 2019). «Guia de Raças Caninas: Hoje Temos o Cachorro Pit Bull». Meu Pet Adestrado. Consultado em 4 de setembro de 2019 
  43. «Raças de cães - American pit bull terrier». Site Cachorrogato. Consultado em 30 de novembro de 2015 
  44. a b «Pit Bull - American pit bull terrier». Site Blog do Cachorro. Consultado em 30 de novembro de 2015 
  45. «Revista Pet». Consultado em 18 de novembro de 2017. Arquivado do original em 1 de dezembro de 2017 

Notas

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre American pit bull terrier