Pixel art

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pixel art, exemplo

O pixel art é uma forma de arte digital na qual as imagens são criadas ou editadas tendo como elemento básico os pixels. Elementos gráficos provenientes de sistemas computacionais antigos (ou relativamente limitados), como consoles de video games e telefones celulares seria considerados como pixelados.

Todo artista profissional que gosta de tirar fotos artísticas acaba desenvolvendo um estilo próprio ou, pelo menos, um estilo que acaba adotando em boa parte de seu portfólio. A escolha por um estilo faz parte de criar uma identidade. O pixel art é uma forma de arte digital na qual as imagens são criadas ou editadas tendo como elemento básico os pixels. Elementos gráficos provenientes de sistemas computacionais antigos (ou relativamente limitados). A pixel art está mais presente no nosso dia a dia do que imaginamos. Os traços mais simples de várias imagens, dando origem aos “memes” das redes sociais”, circulam à nossa frente nas telas de computador, tablets e smartphones todos os dias. Essa simplicidade conquistou uma grande parcela dos jovens rendendo além de risadas, diversos produtos estilizados. Pode-se dizer que a familiaridade com a tecnologia seja o principal motivo para a modalidade estar tão popular. Nosso grau de proximidade com aquilo que é digital, ou seja, ver a vida não apenas através de sua retina, mas através de pixels, tem feito com que seja normal estar inserido nesse meio através das imagens “quadriculadas”, na forma mais básica de sua composição.

História[editar | editar código-fonte]

Graffiti de rua de Invader.

Talvez o conceito de "pixel art" tenha tomado uma grande proporção depois da obra inovadora do artista Paul Klee (Castelo e Sol (1928)), um pintor e poeta suíço naturalizado alemão, que tinha como influência várias tendências artísticas diferentes, incluindo o expressionismo, cubismo, e surrealismo.

O termo "pixel art" foi usado pela primeira vez numa publicação de Adele Goldberg e Robert Flegal do Centro de Pesquisas da Xerox em Palo Alto em 1982. O conceito, entretanto, vem de dez anos antes. Por exemplo, o sistema de Richard Shoup SuperPaint de 1972, também na Xerox PARC. Para uma melhor compreensão das definições de pixel art, alguns termos devem ser considerados, como pixel, sistema e paleta de cores, explicados a seguir. Um pixel é o menor elemento endereçável em um dispositivo eletrônico de saída de vídeo, através dele pode-se mapear uma cor com o objetivo de formar uma representação visual para o usuário em uma matriz (LYON, 2006).

O pixel está limitado ao sistema de cores que a máquina utiliza. Entre eles está o RGB que utiliza uma combinação das cores vermelho, verde e azul para exibir uma paleta de mais de 10 mil cores. Uma paleta de cores, em computação gráfica, corresponde a uma combinação finita de cores que podem ser representadas em um dispositivo de saída gráfica (MILLER, 1995). A quantidade de cores varia de acordo com a evolução do hardware.

Em hardwares mais antigos, a limitação de cores gerava figuras menos realistas, logo, era necessário ter criatividade para representar as mais variadas formas em um computador. O termo pixel art foi utilizado pela primeira vez por Goldberg e Robert em 1982, que era descrito como a arte trabalhada a nível de pixel. A limitação antigamente do uso do pixel art era apenas no uso de games.

Invader é o pseudônimo de um artista francês urbano nascido em 1969, que usava em suas artes (80's-70's) imagens 8-bit de vídeo-games famosos da época. Invader fez mosaicos na cidade de Nova York e Hong Kong.  Ele marcou edifícios históricos e outros locais. Em 31 de dezembro de 1999, ele colocou um mosaico na letra D do Signo de Hollywood  para marcar o erro Y2K . Durante viagens subsequentes a Los Angeles, ele colocou mosaicos nas outras oito letras do sinal.

Em junho de 2011, Invader marcou a instalação de sua 1000ª obra em Paris com uma exposição na La Générale intitulada 1000.  Desde 2000, ele instalou mais de 70 obras em torno de Hong Kong.  Em junho de 2011, a Invader criou mosaicos em 77 cidades com 2.692 invasores espaciais, que compõem cerca de 1,5 milhão de telhas cerâmicas; 19 "mapas de invasão" foram publicados.

Software[editar | editar código-fonte]

Logo do Wikipedia em pixel art
  • GrafX2, um editor de bitmaps gratuito.
  • Cosmigo Pro Motion, um editor de gráficos profissional, usado para criar imagens e animações com precisão à nivel de pixel. Tem design similar ao Deluxe Paint.
  • Microsoft Paint, O editor de gráficos raster que acompanha o Microsoft Windows.
  • Pixen, um editor de gráficos e animações para Mac OS X, adaptado para pixel art.
  • Pixly, um editor de animações e pixel art grátis, gratuito e a nivel completo para Android.
  • Adobe Photoshop, programa profissional de edição de imagem.
  • Make Pixel Art, ferramenta online exclusiva para criação de pixel arts.
  • Pyxel Edit, editor de arte de pixel projetado para tornar o processo mais fácil e divertido.
  • Pixel Studio, editor exclusivo para criação e manipulação de pixel arts.



Usos[editar | editar código-fonte]

Pixel art foi muito usada em sistemas computacionais mais antigos e consoles de video game, já que a limitição grafíca da época só permitia este tipo de desenho. Com o aumento das resoluções e outras técnicas de geração de gráficos, como 3D, pixel art perdeu um pouco de seu uso. A despeito disto, ainda há uma comunidade bastante ativa de profissionais e amadores, produzindo imagens para jogos retro e para platafomas com resoluções de tela limitadas.

Toda a animação feita em pixel art na época era feita por programadores através de linhas de códigos, que compiladas viravam pixels, cada pixel era colocado em seu respectivo lugar e colorido manualmente no desenho, um a um, apesar da criação das pixel arts serem feitas através de computadores, elas eram testadas em consoles da época, resumindo, a criação e representação das pixels arts eram bem complexas, porém eram a unica forma de representar uma arte digital na época devido ao baixo poder computacional presente na década.

A partir da década de 90 após a popularização de computadores com interface gráfica, houve um grande avanço para a criação da arte, houve uma simplificação no processo de criação das artes, podendo estas serem geradas através de softwares de simples compreensão, um exemplo clássico disso é o Paint da microsoft, responsável por muitas das pixels arts existentes.

É notável a facilidade adquirida através da evolução da interface gráfica e do hardware, fazendo com que assim a arte seja criada pela criatividade do artista, deixando a complexidade de códigos das décadas anteriores. Ícones para sistemas operacionais com resoluções limitadas também podem ser consideradas pixel art.

A pixel art moderna foi vista como uma reação aos gráficos 3D por hobistas. [1][2] Muitos entusiastas do retro frequentemente escolhem imitar este estilo presente no passado. [3]

Referências

[1] [2] [3] [4] [5] [6] [7] [8] [9]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Pixel art
  1. Credidio, Diego; Silva, Allyson e Neves, André. "Adaptabilidade de imagens para jogos móveis: O processo de produção e adaptação das imagens em pixel art para as telas de telefones móveis" UFPE, 2006.
  2. Goldberg, Adele, and Robert Flegal. "ACM president's letter: Pixel Art." Communications of the ACM 25.12 (1982): 861-862. Kopf, Johannes, and Dani Lischinski. "Depixelizing pixel art." ACM Transactions on graphics (TOG). Vol. 30. No. 4. ACM, 2011.
  3. Lyon, Richard F. "A brief history of'pixel'." Electronic Imaging 2006. International
  4. Society for Optics and Photonics, 2006.
  5. Miller, Robert F., and Steven M. Blonstein. "Electronic paintbrush and color palette."
  6. U.S. Patent No. 5,420,607. 30 May 1995.
  7. Paint, Microsoft. “Uso do Paint” Disponível em: <http://windows.microsoft.com/ptbr/windows/using-paint>
  8. Photoshop, Adobe. "4.0 User Manual." Adobe Systems Incorporated, San Jose, CA (1996).
  9. http://www.revistaeletronica.unicruz.edu.br/index.php/computacao/article/view/3912/714