Plínio de Lima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Plínio de Lima
Nascimento 17 de outubro de 1845
Morte 17 de abril de 1873 (27 anos)
Cidadania Brasil
Ocupação advogado, escritor, poeta

Plínio Augusto Xavier de Lima (Caetité, 17 de outubro de 184517 de abril de 1873) foi um poeta brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Plínio de Lima era filho do Cel. Antônio Joaquim de Lima e D. Francelina de Albuquerque Lima. Estudante de Direito em São Paulo e no Recife, foi colega e amigo de Castro Alves, Ruy Barbosa, Regueira Costa, Sátiro Dias, entre outros, junto aos quais, na rua do Hospício, fundou uma sociedade abolicionista.

Poeta romântico, faleceu aos 27 anos, sem ver publicado nenhum livro – tal como ocorreu ao amigo Castro Alves. Embora tendo publicado em vida diversos poemas, sob pseudônimos, boa parte de sua produção se perdeu, restando um único caderno que, em 1922, foi publicado por ‘’O Estado de S. Paulo’’, com o título de ‘’Pérolas Renascidas’’.

Seu poema ‘’Ainda e Sempre’’ foi musicado por Xisto Bahia, fazendo parte do primeiro disco lançado no Brasil, tendo alcançado no século XIX e começo do XX grande sucesso.

Poema[editar | editar código-fonte]

Seu poema Ainda e Sempre, foi gravado como modinha, constituindo um "clássico do gênero, e uma das mais famosas em sua época" por Xisto Bahia.[1]

A letra, em domínio público, é a seguinte:

Ainda e Sempre

Quis debalde varrer-te da memória
E o teu nome arrancar do coração!
Amo-te sempre! Que martírio infindo!
Tem a força da morte esta paixão!...
Eu sentia-me atado aos teus prestígios
Por grilhões poderosos e fatais;
Nem me vias sequer, – te amava ainda!...
Motejavas de mim, – te amava mais!...
Tu me vias sorrir. Os prantos d’alma
Só confiam-se a Deus e à solidão!...
Tu me vias passar calmo e tranqüilo,
Tinha a morte a gelar-me o coração!...
Quantas vezes lutei co’o sentimento!
Quantas vezes corei da minha dor!...
Quis até odiar-te... amava sempre
Sempre e sempre a esmagar-me o meu amor!

Referências

  1. Luiz Américo Lisboa Júnior (2006). Compositores e Intérpretes Baianos: de Xisto Bahia a Dorival Caymmi. Itabuna/Ilhéus: Via Litterarum / Editus. 62 páginas. ISBN 8598493244  Obs: Esta obra, como muitas outras fontes, dão duas informações erradas: a primeira é o título do poema, que repetem a primeira estrofe; a segunda, diz ser o poeta "pernambucano".