Planície de Kedu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Planície de Kedu
Vale do rio Progo
– planície –
Vista do templo de Borobudur, na planície de Kedu
País Indonésia
Ilha Java
Província Java Central
Kabupaten Magelang
Altitude 240 m
Planície de Kedu está localizado em: Java
Planície de Kedu
Localização da planície de Kedu em Java
Coordenadas 7° 36' 30" S 110° 13' E

A planície de Kedu, também conhecida como vale do rio Progo é uma planície vulcânica fértil que se situa entre dois vulcões — o Merbabu e Merapi — na ilha de Java, Indonésia, no kabupaten (regência) de Magelang, Java Central.

A planície é limitada a sudoeste pelos montes Menoreh e pela planície de Prambanan a sudeste. O rio Progo corre ao longo do centro da planície de Kedu, desde a sua nascente na encosta do monte Sumbing e continua o seu curso até à costa sul de Java, no oceano Índico. Kedu é um local importante na história de Java Central desde há mais de um milénio, devido aos seus vestígios da Dinastia Sailendra (séculos VIII a XIII), com destaque para Borobudur, o maior templo budista do mundo e outros sítios budistas. Durante o período colonial holandês, a planície esteve na posse da administração da residência de Kedu, que se estendia pelo que são hoje as regências (subdivisões administrativas indonésias) de Magelang e Temanggung.[carece de fontes?]

Quando o Império Britânico ocupou brevemente Java no início do século XIX, Magelang tornou-se a capital da região. Após o fim das Guerras Napoleónicas, os britânicos devolveram Java aos holandeses em 1816,[1] mas Magelang continuou a desempenhar um papel importante nas Índias Orientais Holandesas.[carece de fontes?]

Perto de Magelang há uma colina chamada monte Tidar que é conhecida como "Unha de Java". Segundo uma lenda javanesa, os deuses colocaram ali a unha para impedir que a ilha de Java se afundasse no mar durante os sismos.[2]

Sítios arqueológicos[editar | editar código-fonte]

Na planície de Kedu situam-se numerosos templos hindus e budistas, datados dos séculos VIII e IX, o que faz com que a área seja considerada o berço da civilização clássica indonésia. Os templos da planície incluem:[3]

  • Borobudur — a mandala budista gigantesca em pedra construída pelos monarcas Sailendra no século VIII.
  • Mendut — outro templo budista do século VIII, que tem três grandes estátuas de Vairocana, Avalokiteshvara e Vajrapani.
  • Pawon — um pequeno templo budista do século VIII junto à margem do rio Progo, situado aproximadamente a meio da linha reta que une Mendut a Borobudur.
  • Ngawen — templo budista do século VIII situado cerca de cinco quilómetros a leste de Mendut.
  • Banon — ruínas de um templo hindu, situado algumas centenas de metros a norte de Pawon. Restam muito poucos vestígios, mas foram encontradas estátuas de Xiva, Vixnu, Agastya e Ganexa, que atualmente estãoe expostas no Museu Nacional da Indonésia em Jacarta.
  • Canggal — também conhecido como Candi Gunung Wukir, é um dos templos hindus mais antigos da região, situado no subdistrito de Muntilan. Junto dele foi encontrada a inscrição de Canggal, ligada ao rei Sanjaya de Mataram.
  • Gunung Sari — ruínas de um templo hindu no cimo de um monte, situado perto de Candi Gunung Wukir, nos arredores de Muntilan.
  • Umbul — situado em Grabag, foi um local de banhos e de descanso dos reis do Sultanato de Mataram.

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Indonesia and the Dutch 1800-1950 by Sanderson Beck». www.san.beck.org. Consultado em 18 de agosto de 2015 
  2. Friend, Theodore (2009), Indonesian Destinies, ISBN 9780674037359, Harvard University Press 
  3. Coedès, George; Cowing, Susan Brown, trad. (1968), Vella,Walter F., ed., The Indianized States of Southeast Asia, ISBN 978-0-8248-0368-1, University of Hawaii Press, pp. 89–90 

Bibliografia complementar[editar | editar código-fonte]

  • Suroyo, Agustina Magdalena Djuliati (1900), «Industri perkebunan dan dampaknya perkebunan kopi di karesidenan Kedu, 1850-1900», Departemen Pendidikan dan Kebudayaan, Direktorat Sejarah dan Nilai Tradisional, Proyek Inventarisasi dan Dokumentasi Sejarah Nasional, Seminar Sejarah Nasional V, Semarang, 27-30 Agustus 1990 
  • Suroyo, Agustina Magdalena Djuliati (2000), Eksploitasi kolonial abad XIX : kerja wajib di Keresidenan Kedu 1800-1890, ISBN 979-8681-56-8, Yogyakarta: Yayasan untuk Indonesia 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Planície de Kedu