Planejamento econômico no Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O planejamento econômico no Brasil começou na década de 1930.[1] Este artigo segue a linha cronológica dos diversos planos econômicos implantados pelo governo federal desde então.

Lista de planos econômicos[editar | editar código-fonte]

Com a ascensão de Getúlio Vargas à presidência da República, o Brasil inicia um processo de substituição de importações, a fim de diversificar a produção interna, industrializar o país, e reduzir os níveis de dependência dos mercados externos. Para tanto, vários planejamentos econômicos têm sido propostos desde então:

DATA PLANO PRESIDENTE
(1939-1943)[2] Plano Especial de Obras Públicas Getúlio Vargas
(1944-1948)[3] Plano de Obras e Equipamentos José Linhares
(1950-1951)[4] Plano SALTE Eurico Gaspar Dutra
(1956-1961)[5] Plano de Metas Juscelino Kubitschek
(1963-1965)[6] Plano Trienal de Desenvolvimento Econômico e Social João Goulart
(1964-1966)[7] Programa de Ação Econômica do Governo Humberto de Alencar Castelo Branco
(1967-1970)[8] Programa Estratégico de Desenvolvimento Artur da Costa e Silva
(1970-1971)[9] Programa de Integração Nacional Emílio Garrastazu Médici
(1972-1974)[10] I Plano Nacional de Desenvolvimento Emílio Garrastazu Médici
(1975-1979) II Plano Nacional de Desenvolvimento Ernesto Geisel

Planos de estabilização monetária durante a Grande Crise (1979–1994)[editar | editar código-fonte]

Esta seção apresenta a lista de planos de estabilização monetária do Brasil, no período compreendido entre a redemocratização e a implantação do Plano Real. Este período foi caracterizado por uma intensa inflação da moeda local, superior a 2 700% no período de 1989 a 1990, e por grande experimentação econômica (incluindo muitos choques econômicos heterodoxos), compreendendo um caso único de estudo sobre macroeconomia.[11][12]

Planos de estabilização econômica
Plano Data Presidente Ministro da Fazenda Ref
1 Plano Delfim I 1979 João Figueiredo Antônio Delfim Netto
(Ministro do Planejamento)
[1]
2 Plano Delfim II 1981 João Figueiredo [1]
3 Plano Delfim III 1983 João Figueiredo [1]
4 Plano Dornelles abril-junho de 1985 José Sarney Francisco Dornelles [1]
5 Plano Cruzado 28 de fevereiro de 1986 José Sarney Dilson Funaro [13][14]
6 Plano Cruzado II 21 de novembro de 1986 José Sarney Dilson Funaro; [15][16]
7 Plano Bresser 12 de junho de 1987 José Sarney Luiz Carlos Bresser-Pereira [17][18][19]
8 Feijão com Arroz 06 de janeiro de 1988 José Sarney Maílson da Nóbrega [20][21]
9 Plano Verão 15 de janeiro de 1989 José Sarney Maílson da Nóbrega; [22][23][19]
10 Plano Collor 15 de março de 1990 Fernando Collor de Mello Zélia Cardoso de Mello [24][19]
11 Plano Eris maio-dezembro de 1990 Fernando Collor de Mello Zélia Cardoso de Mello [1]
12 Plano Collor II 31 de janeiro de 1991 Fernando Collor de Mello Zélia Cardoso de Mello [25][19]
13 Plano Marcílio 10 de maio de 1991 Fernando Collor de Mello Marcílio Marques Moreira; [1]
14 Plano Real 01 de Julho de 1994 Itamar Franco Fernando Henrique Cardoso [26][27][28]
  Planos mais importantes, que geraram uma queda brusca da inflação (conforme gráfico abaixo)
Gráfico mostrando a inflação mensal (IGP-DI) e as quedas provocadas pelos principais planos econômicos.[1]

Planejamento pós estabilização monetária[editar | editar código-fonte]

DATA PLANO PRESIDENTE MINISTRO DA FAZENDA
(1996-1999) Programa Brasil em Ação Fernando Henrique Cardoso Pedro Malan
(2000-2003) Programa Avança Brasil Fernando Henrique Cardoso Pedro Malan
(2003-2006) Plano Brasil de Todos Luiz Inácio Lula da Silva Antonio Palocci
(2007-2010) Programa de Aceleração do Crescimento Luiz Inácio Lula da Silva Guido Mantega
(2011-2013) Plano Brasil Maior Dilma Rousseff Guido Mantega
(2016-2018) Programa Agora É Avançar [29] Michel Temer Henrique Meirelles
(2019-atual) Plano Mais Brasil Jair Messias Bolsonaro Paulo Guedes

A partir de 2019, Paulo Guedes foi anunciado pelo então presidente eleito Jair Bolsonaro como titular do Ministério da Economia, que foi criado mediante a fusão dos ministérios da Fazenda, do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, da Indústria, Comércio Exterior e Serviços e parte do Ministério do Trabalho.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h Pereira, Luiz Carlos Bresser (1998). Economia brasileira: uma introdução crítica 3ª ed. [S.l.]: Editora 34 
  2. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «PLANO ESPECIAL DE OBRAS PUBLICAS E APARELHAMENTO DA DEFESA NACIONAL». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  3. Regional, Escola Brasileira de Administração Pública Curso de Planejamento; Escolas::EBAPE (1955). «Plano de obras e equipamentos» 
  4. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «PLANO SALTE». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  5. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «PROGRAMA DE METAS». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  6. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «PLANO TRIENAL DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO E SOCIAL». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  7. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «PROGRAMA DE ACAO ECONOMICA DO GOVERNO (PAEG)». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  8. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «PROGRAMA ESTRATEGICO DE DESENVOLVIMENTO (PED)». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  9. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «PROGRAMA DE INTEGRACAO NACIONAL (PIN)». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  10. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO (PND)». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 25 de novembro de 2019 
  11. «Os principais planos de combate à inflação no Brasil moderno». epocanegocios.globo.com 
  12. Kuze, Livio (2001). «QUINZE ANOS DE PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO ECONÔMICA: DO PLANO CRUZADO AO PLANO REAL» (PDF). Fundação Getúlio Vargas 
  13. «Decreto-lei nº 2.283, de 27 de fevereiro de 1986». Presidência da República. Consultado em 25 de julho de 2017 
  14. «Plano Cruzado, da euforia ao fiasco». O Globo. Consultado em 24 de fevereiro de 2018 
  15. Decreto-lei Nº 2.290, de 21 de novembro de 1986. Estabelece normas sobre a desindexação da economia e dá outras providências.
  16. «A experiência amarga do Cruzado». Valor Econômico. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  17. Decreto-Lei nº 2.335, de 12 de junho de 1987. Dispõe sobre o congelamento de preços e aluguéis, reajustes mensais de salários e vencimentos, institui a Unidade de Referência de Preços (URP) e dá outras providências.
  18. Decreto-Lei nº 2.336, de 15 de junho de 1987. Altera a redação de dispositivos do Decreto-lei nº 2.335, de 12 de junho de 1987.
  19. a b c d «Entenda os planos econômicos Bresser, Verão, Collor 1, Collor 2 e as perdas na poupança». G1 
  20. «A História Do Plano Cruzado I E Ii, Plano Bresser, Plano Verão E Cruzado Novo – APAPE». apape.org.br. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  21. «Inflação, indexação e 'feijão com arroz' - Economia - Estadão». Estadão 
  22. Medida provisória nº 32, de 15 de janeiro de 1989. Institui o cruzado novo, determina congelamento de preços, estabelece regras de desindexação da economia e dá outras providências.
  23. Lei nº 7.730, de 31 de janeiro de 1989. Conversão da MPV nº 32, de 1989. Institui o cruzado novo, determina congelamento de preços, estabelece regras de desindexação da economia e dá outras providências.
  24. Carvalho, Calos Eduardo. As origens e a gênese do Plano Collor. Nova Economia. Vol.16 No.1. Belo Horizonte. Janeiro-Abril de 2006. Acessado em: 8 set. 2007.
  25. «Plano Collor II». Portal Educação 
  26. «How Fake Money Saved Brazil». NPR.org (em inglês) 
  27. «Plano Real». Fundação Getúlio Vargas 
  28. «20 anos do Plano Real - Época NEGÓCIOS». 20anosdoreal.epocanegocios.globo.com. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  29. «Governo lança Programa para alavancar infraestrutura e investimentos no País». Ministério da Economia. Consultado em 25 de novembro de 2019