Planeta super-habitável

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Possível aparência de um planeta super-habitável. O tom avermelhado das massas é devida à cor da vegetação.[1]

Um planeta super-habitável é um tipo de exoplaneta hipotético semelhante à Terra, que apresenta condições mais adequadas para o surgimento e evolução da vida do que o nosso próprio planeta.[2][3] Nos últimos anos, muitos especialistas têm criticado o critério antropocentrista na busca por vida extraterrestre, considerando que há vários pontos onde a Terra não representam o melhor em habitabilidade planetária como o tipo de estrela que orbita, área total, proporção coberta por oceanos (e sua profundidade média), campo magnético, placas tectônicas, a temperatura da superfície, etc.[4] Assim, pode haver exoplanetas no universo que oferecem os melhores cenários para a vida, permitindo que surja com mais facilidade e que perdure por mais tempo.[5]

Em um extenso relatório publicado em janeiro de 2014 para a revista Astrobiology intitulado de Superhabitable Worlds, os astrofísicos René Heller e John Armstrong coletaram e analisadas a maioria dos estudos realizados nos últimos anos nesta matéria.

Até 27 de agosto de 2019, um total geral de 4109 planetas em 3059 sistemas, com 667 sistemas tendo mais de um planeta, foram encontrados usando todos métodos de deteção.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. ««The color of plants on other worlds» (em inglês). Scientific American. Consultado em 17 de junho de 2015 
  2. «Europa, tidally heated oceans, and habitable zones around giant planets» (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2015 
  3. «Habitable Planets with High Obliquities» (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2015 
  4. «Faraway Planets May Be Far Better for Life» (em inglês). Consultado em 17 de junho de 2015 
  5. Rushby, A.J.; Claire, M.W.; Osborn, H.; Watson, A.J. (18 de setembro de 2013). «Habitable Zone Lifetimes of Exoplanets around Main Sequence». Astrobiology (em inglês) (13). pp. 833–849 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]