Plano Marshall

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mapa da Europa dos países que receberam ajuda do Plano Marshall. As colunas azuis mostram a quantidade total relativa de ajuda por país.

O Plano Marshall (conhecido oficialmente como Programa de Recuperação Europeia), um aprofundamento da Doutrina Truman, foi o principal plano dos Estados Unidos para a reconstrução dos países aliados da Europa nos anos seguintes à Segunda Guerra Mundial. A iniciativa recebeu o nome do Secretário de Estado dos Estados Unidos, George Marshall. Os americanos deram ajuda econômica no valor de cerca de 14 bilhões de dólares na época[1] (equivalente a cerca de cem bilhões de dólares em 2018 ajustado pela inflação)[2], que foram entregues para ajudar na recuperação dos países europeus que juntaram-se à Organização Europeia para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico.

Substituindo o anterior Plano Morgenthau, operou por quatro anos a partir de 3 de abril de 1948.[3] Os objetivos dos Estados Unidos eram reconstruir regiões devastadas pela guerra, remover barreiras comerciais e modernizar a indústria, melhorar a prosperidade europeia e impedir a disseminação do comunismo.[4] O Plano Marshall exigiu uma redução das barreiras interestaduais, uma queda de muitos regulamentos e encorajou um aumento da produtividade, bem o sindicalismo e os novos modelos de negócios "modernos".[5]

A ajuda do Plano foi dividida entre os países beneficiários em uma base per capita. Maiores quantidades foram dadas às grandes potências industriais, já que a principal ideia era de que seu renascimento seria essencial para a prosperidade geral da Europa. Essas nações aliadas receberam um pouco mais de ajuda per capita do que os ex-membros do Eixo ou os países que permaneceram neutros. O maior beneficiário do dinheiro do Plano Marshall foi o Reino Unido (que recebeu cerca de 26% do total), seguido da França (18%) e da Alemanha Ocidental (11%).[6] Cerca de dezoito países europeus receberam benefícios do Plano. Apesar de ter sido prometida, durante a guerra, que receberia ajuda financeira, a União Soviética recusou-se a participar do programa por medo de perder sua independência econômica; além disso, também bloqueou a possível participação de países da Europa Oriental, como a Alemanha Oriental, Checoslováquia, Hungria e Polônia.[7] Os Estados Unidos forneceram programas de ajuda similares na Ásia, mas não faziam parte do Plano Marshall.[8]

Destaca-se, no entanto, que o papel dos Estados Unidos na rápida recuperação tem sido debatido. Muitos rejeitam a ideia de que apenas o país milagrosamente reviveu a Europa, já que as evidências mostram que uma recuperação geral já estava em andamento. As subvenções do Plano Marshall foram concedidas a uma taxa que não era muito maior em termos de fluxo do que a ajuda anterior da UNRRA e representavam menos de três por cento da renda nacional combinada dos países receptores entre 1948 e 1951,[9] o que significaria um aumento no crescimento do PIB de apenas 0,3%.[10]

Ajuda financeira recebida[editar | editar código-fonte]

A tabela abaixo, cujas informações foram tirada do livro The Marshall Plan Fifty Years Later, mostra a ajuda do Plano Marshall por país e ano (em milhões de dólares). Não existe um consenso claro sobre os valores exatos, já que diferentes estudiosos diferem em exatamente quais elementos da ajuda americana durante este período faziam parte do Plano.[11]

País 1948-49
(milhões
de dólares)
1949-50
(milhões
de dólares)
1950-51
(milhões
de dólares)
Total
(milhões
de dólares)
 Reino Unido 1,316 921 1,060 3,297
 França 1,085 691 520 2,296
 Itália e Free Territory Trieste Flag.svg Trieste 594 405 205 1,204
 Alemanha 540 438 500 1,448
 Países Baixos 471 302 355 1,128
 Bélgica e  Luxemburgo 195 222 360 777
Suíça 125 125 250 500
 Áustria 232 166 70 488
 Dinamarca 103 87 195 385
 Noruega 82 90 200 372
 Grécia 175 156 45 366
 Suécia 39 48 260 347
Portugal Portugal 35 35 70 140
 Turquia 28 59 50 137
 Irlanda 88 45 13 133
 Islândia 6 22 15 43

Efeitos[editar | editar código-fonte]

O Plano Marshall resultou em incrível crescimento econômico para os países europeus envolvidos e grande influência, fazendo os beneficiados terem dívidas em dólares para depois pagá-las. De 1948 a 1952, a Europa experimentou o período de máximo crescimento econômico de sua história. A produção industrial cresceu 35%, e a produção agrícola havia superado níveis dos anos pré-guerra.[12]

Referências

  1. «Milestones: 1945–1952 - Office of the Historian». Office of the Historian. Consultado em 11 de julho de 2019 
  2. Thomas, Ryland; Williamson, Samuel H. (2019). "What Was the U.S. GDP Then?". MeasuringWorth.
  3. «Marshall Plan». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 11 de julho de 2019 
  4. Hogan, Michael J. The Marshall Plan: America, Britain, and the Reconstruction of Western Europe, 1947–1952 (Cambridge UP, 1987).
  5. Carew, Anthony, 1943- (1987). Labour under the Marshall plan : the politics of productivity and the marketing of management science. Manchester, U.K.: Manchester University Press. ISBN 0719019869. OCLC 18778731 
  6. Schain, Martin (2001). The Marshall plan : fifty years after 1.ª ed. Nova Iorque: Palgrave. ISBN 0312229623. OCLC 45284585. Consultado em 11 de julho de 2019 
  7. Sobell (15 de dezembro de 2007). «A Look back at the Marshall Plan». Open Society Archives. Consultado em 11 de julho de 2019 
  8. Price, Harry Bayard (1955). The Marshall plan and its meaning (em English). Ithaca: Universidade Cornell. OCLC 958198605. Consultado em 11 de julho de 2019 
  9. DeLong, J. Bradford; Eichengreen, Barry (1993). Postwar Economic Reconstruction and Lessons for the East Today (em inglês). [S.l.]: MIT Press. ISBN 9780262041362 
  10. Crafts, Nicholas (2011). The Marshall Plan: A Reality Check. [S.l.: s.n.] 
  11. Schain, Martin (2001). The Marshall Plan: Fifty Years After 1.ª ed. Nova Iorque: Palgrave. ISBN 0312229623. OCLC 45284585 
  12. Grogin 2000, p. 118.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Grogin, Robert C (2000). Natural Enemies: The United States and the Soviet Union in the Cold War 1917-1991. [S.l.]: Lexington Books. ISBN 978-0739101605 

Ver também[editar | editar código-fonte]

  • COMECON (resposta soviética ao Plano Marshall)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]