Plano Verão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Plano Verão foi um plano de estabilização da economia brasileira instituído em 15 de janeiro de 1989, através da medida provisória nº 32,[1] (depois convertida na Lei nº 7.730 [2] ), durante o governo do presidente José Sarney, tendo sido implementado pelo Ministro da Fazenda Maílson Ferreira da Nóbrega, que havia assumido o lugar de Bresser Pereira.

Maílson da Nóbrega, ex-Ministro da Fazenda
José Sarney, ex- Presidente da República

O Plano Verão seguiu-se ao Plano Bresser e foi o quarto plano de estabilização do governo Sarney. Assim como os planos anteriores, seu principal objetivo era o controle da inflação. A lei que instituiu o Plano modificava o índice de rendimento da caderneta de poupança, congelava preços e salários, criava uma nova moeda, o cruzado novo (inicialmente atrelada em paridade com o dólar). A lei também dispunha sobre a desindexação da economia, como estratégia de combate à inflação. Assim, foi a Obrigação do Tesouro Nacional (OTN), título público cujo variação era usada como índice de correção monetária.

Assim como ocorreu no Plano Bresser, o Plano Verão também gerou grandes desajustes às cadernetas de poupança, cujas perdas chegaram a 20,37%.[3] [4] [5]

Principais medidas[editar | editar código-fonte]

  • Aumento dos juros
  • Redução dos gastos públicos
  • Congelamento de preços por prazo indeterminado
  • Aumento dos preços administrados pelo Governo
  • Reforma monetária e introdução de nova moeda: o cruzado novo (símbolo: NCz$) correspondente a mil cruzados[6]
  • Extinção da Unidade de Referência de Preços (URP)
  • Subindexação dos contratos financeiros para reduzir o valor real da dívida pública

Não houve ajuste fiscal, devido ao calendário eleitoral do governo. Foi um plano de curta duração.

Referências

  1. Medida provisória nº 32, de 15 de janeiro de 1989. Institui o cruzado novo, determina congelamento de preços, estabelece regras de desindexação da economia e dá outras providências.
  2. Lei nº 7.730, de 31 de janeiro de 1989. Conversão da MPV nº 32, de 1989. Institui o cruzado novo, determina congelamento de preços, estabelece regras de desindexação da economia e dá outras providências.
  3. Depois do Bresser, é hora de reaver perdas do Plano Verão. Uol, 1º de junho de 2007.
  4. Justiça manda banco pagar diferenças relativas ao Plano Verão. Por Marina Diana. UOL, 4 de dezembro de 2007.
  5. Perdas de poupadores com Plano Verão chegam a R$ 70 bi. Por Marina Diana. 20 de junho de 2007.
  6. Decreto-Lei nº 2.335, de 12 de junho de 1987. Dispõe sobre o congelamento de preços e aluguéis, reajustes mensais de salários e vencimentos, institui a Unidade de Referência de Preços (URP) e dá outras providências.

Ver também[editar | editar código-fonte]



Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.