Plataforma como serviço

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

PaaSPlatform as a Service — em computação, consiste no serviço propriamente dito de hospedagem e implementação de hardware e software, que é usado para prover aplicações (software como serviço) por meio da Internet. Oferece a possibilidade de substituir o paradigma de aplicações tradicional, no qual programas de computador são instalados na máquina do usuário e ficam assim muito mais restritos às configurações de hardware e software disponíveis nela, principalmente ao sistema operacional.

Plataforma como serviço é uma das  principais formas de contratar a Computação em Nuvem. Considerada um meio termo entre a IaaS - infraestrutura como serviço e SaaS [1] - software como serviço, a plataforma como serviço oferece as licenças de software, infraestrutura, manutenção, sistemas de comunicação e tudo o mais que for necessário para a publicação de um aplicativo/site. A liberdade de configuração e utilização vai depender do fornecedor de PaaS - se for mais ou menos flexível no quanto o usuário pode configurar da plataforma.

Vantagens[editar | editar código-fonte]

O modelo de PaaS é considerado benéfico para desenvolvedores, já que “é uma boa maneira de o profissional dedicar-se, de fato, ao trabalho de construção de aplicativos, deixando o restante com o fornecedor, como gerenciamento, licenças de uso, atualização e manutenção da infraestrutura, entre outras agruras, com a vantagem da redução de custos da operação”[2]. Para projetos em que a equipe é reduzida, o uso de PaaS é apontado como uma boa solução, pois permite o foco em desenvolvimento, sem a necessidade de gerenciar, fazer a manutenção e garantir a segurança do servidor, optando por uma plataforma pronta. Como é característica de soluções Cloud Computing, nas soluções de PaaS é possível ajustar o consumo de recursos de acordo com a demanda, assim como a cobrança também é feita por demanda.

Desvantagens[editar | editar código-fonte]

As possíveis desvantagens percebidas de vários provedores de PaaS, conforme citadas por seus usuários, incluem aumento de preços em escalas maiores, falta de recursos operacionais, controle reduzido e os caprichos dos sistemas de roteamento de tráfego.</ref>

Implementação[editar | editar código-fonte]

PaaS facilita a implementação, pois reduz o custo, a complexidade de instalação e de gerenciamento de requisitos de hardware e software (do desenvolvedor da aplicação e também de cada usuário final).[3][4]

O fornecedor da plataforma de computação em nuvem, com o objetivo de diminuir custo e complexidade para os desenvolvedores de aplicações, normalmente incluem em seu produto que é vendido como serviço:

  • sistema operacional
  • ambiente de execução de ferramentas de programação
  • sistemas gerenciadores de base de dados
  • software servidor web
  • processo de implantação de aplicações facilitado e documentado

Algumas dessas plataformas permitem o escalonamento automático dos recursos computacionais, ou da capacidade de armazenamento, de forma a atender aos requisitos técnicos da aplicação que é implantada pelo cliente desenvolvedor de software.

Tipos[editar | editar código-fonte]

Público, privado e híbrido (PAAS)[editar | editar código-fonte]

Existem vários tipos de PaaS, incluindo público, privado e híbrido.  A PaaS foi originalmente planejada para aplicativos em serviços de nuvem pública, antes de ser expandida para incluir opções privadas e híbridas. 

A PaaS pública é derivada do software como serviço (SaaS), e está situada na computação em nuvem entre SaaS e infraestrutura como serviço (IaaS).  SaaS é um software que está hospedado na nuvem, para que não ocupe disco rígido do computador do usuário ou dos servidores de uma empresa. O IaaS fornece hardware virtual de um provedor com escalabilidade ajustável.  Com IaaS, o usuário ainda tem que gerenciar o servidor, enquanto que com PaaS o gerenciamento do servidor é feito pelo provedor.[5]

Normalmente, uma PaaS privada pode ser baixada e instalada no data centerlocal de uma empresa ou em uma nuvem pública. Quando o software é instalado em uma ou mais máquinas, a PaaS privada organiza os componentes do aplicativo e do banco de dados em uma única plataforma de hospedagem. Os fornecedores de PaaS privados incluem o Apprenda , que começou na plataforma Microsoft .NET antes de lançar um Java PaaS; Red Hat 's OpenShift e Pivotal Cloud Foundry . 

A PaaS híbrida é tipicamente uma implantação que consiste em uma combinação de implantações públicas e privadas.

Plataforma de comunicação como serviço[editar | editar código-fonte]

Uma plataforma de comunicações como serviço (CPaaS) é uma plataforma baseada em nuvem que permite aos desenvolvedores adicionar recursos de comunicação em tempo real (voz, vídeo e mensagens) em seus próprios aplicativos sem construir infraestrutura de back-end e interfaces. Além disso, o CPaaS e as especificações de hardware e software são projetados especificamente para oferecer suporte a aplicativos de comunicações (tele). Esses aplicativos e seu uso são muito mais sensíveis a jitter, latência e perdas de pacotes. PABX hospedado, redes celulares, aplicativos (quase em tempo real) normalmente são implantados em plataformas CPaaS.

Exemplos de Soluções PaaS [6][editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «O que é SaaS, IaaS e PaaS em Cloud Computing? (Conceitos básicos)». AntonioRicardo.org. 28 de março de 2013. Consultado em 3 de março de 2017 
  2. «PaaS beneficia desenvolvedores». COMPUTERWORLD. 1 de outubro de 2012 
  3. «Google angles for business users with 'platform as a service'» (em inglês). The Guardian. Consultado em 15 de Janeiro de 2016 
  4. «Fast and easy continuous deployment» (em inglês). Tsuru. Consultado em 15 de Janeiro de 2016 
  5. Rajkumar Buyya, James Broberg, Andrzej M. Goscinski (2011). Cloud Computing Principles and Paradigms. [S.l.]: Wiley. ISBN 978-0470887998 
  6. «PaaS (Platform as a Service): the top five cloud players». Cloud Academy Blog (em inglês). 14 de maio de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]