Pleistoceno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Subdivisões do Quaternário
Sistema/Período Série/Época Andar/Estágio Idade (Ma)
Quaternário Holoceno Meghalaiano 0-0.042
Norte-Gripiano 0.042-0.082
Gronelandês 0.082-0.117
Pleistoceno Taratiano 0.117–0.126
Chibano 0.126–0.781
Calabriano 0.781–1.80
Gelasiano 1.80–2.58
Neogeno Plioceno Piacenziano mais antigo
Subdivisão do Quaternário de acordo com a Tabela Cronoestratigráfica Internacional versão 2015/1 da Comissão Internacional sobre Estratigrafia.

Na escala de tempo geológico, o Plistoceno [nota 1] ou Pleistoceno é a época do período Quaternário da era Cenozoica do éon Fanerozoico que está compreendida entre 2,588 milhões e 11,7 mil anos atrás, abrangendo o período recente no mundo de glaciações repetidas. O termo Pleistoceno deriva do grego πλεῖστος (transl. pleistos, "bastante mais") e καινός (transl. kainos, "novo"), significando "bastante mais novo".

O Pleistoceno sucede o Plioceno e precede o Holoceno, ambos de seu período. Divide-se nas idades Gelasiano, Calabriano, Chibano e Taratiano, da mais antiga para a mais recente.

Paleogeografia e clima[editar | editar código-fonte]

Extensão de gelo durante o último máximo glacial cerca de 20.000 anos atrás. A criação de folhas de gelo de quilômetros de espessura 3-4 causou um declínio global do nível do mar de cerca de 120 m.

O resfriamento gradual e aridez gerou um mundo muito parecido com hoje. Dentro do Círculo Polar Ártico, a tundra estendeu por todo o permafrost, no sul deste cresceu a taiga e ainda mais ao sul, a aridez predominante levou à substituição do deserto e semi-deserto Chaparral, as folhas foram substituídas por pastagens temperadas. No final do Pleistoceno, os seres humanos surgiram na África, descendendo de hominídeos, como Australopiteco.

Durante esse tempo, o mar se retirou a maioria dos Península Ibérica, deixando um abismo encolhendo no Guadalquivir e Murcia e restos de praias de Huelva e da Catalunha. Dentro, mesmo velho o trabalho e os novos são fluviolacustres bacias. Somente no Pleistoceno Superior e nas montanhas ao norte da península de strip há indícios de estágios glaciais. O leste asiático se estende à sudeste, enquanto a Austrália se estende à Norte, pelo intenso tectonismo da região.

As glaciações[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Glaciação

Durante o Pleistoceno grandes extensões de terra foram cobertas com uma imensa camada de gelo, um fenômeno conhecido como glaciação. Em alguns períodos o clima ficou mais quente e houve redução do tamanho das camadas de gelo. Esses períodos são chamados interglaciares.

No último milhão de anos, foram quatro as principais idades do gelo na Europa e receberam os nomes de quatro afluentes do Danúbio, nos quais onde, pela primeira vez, foram identificados os seus depósitos: Würm, Riss, Mindel e Günz (a mais antiga). Na América do Norte as glaciações se denominam Wisconsin, Illinois, Kansas e Nebraska, respectivamente. Com a recente inclusão da idade Gelasiana no Pleistoceno, duas novas glaciações foram incluídas: Donau e Briggen.

Devido às condições meteorológicas, as calotas polares de gelo cresceram e se mudaram para o paralelo 40, em algumas áreas. O nível do mar caiu cerca de 100 metros e a fauna e flora foram conduzidos de acordo com o clima.

Paleobiologia[editar | editar código-fonte]

A preponderância dos mamíferos foi consolidada, e alguns de seus mais proeminentes são Glyptodon e Smilodon. O gênero Mammuthus permaneceu durante grande parte deste período. Animais típicos desta época foram a rena, o urso polar, o rinoceronte lanoso, etc. A vegetação predominante era semelhante à tundra fria, desertos frios de hoje que são cobertos com musgos e líquenes. Na fase interglacial quente, os cavalos propriamente ditos apareceram (Equus) e rinocerontes atuais também, assim como hipopótamos e o extinto tigres dentes de sabre. Houve também surgimento de animais modernos que sobreviveram à mudanças climáticas (alce, raposa, lobo, gato bravo, hiena, bisonte, antilocapra, camelo, auroque, etc.)

Um grande evento de extinção de grandes mamíferos (megafauna), que incluía mamutes, mastodontes, tigres-dente-de-sabre, gliptodontes, o rinoceronte lanudo, vários girafídeos, como o Sivatherium; Preguiças terrestres, o alce-gigante, o urso das cavernas, lobos terríveis e ursos-de-cara-achatada começaram no final do Pleistoceno e continuaram no Holoceno. Hominídeos como os neandertais e denisovanos, também se extinguiram durante esse período. No final da última era glacial, animais de sangue frio, mamíferos menores, como ratos, aves migratórias e animais mais velozes, como o cervo de cauda branca, substituíram a megafauna e migraram para o norte.

As extinções dificilmente afetaram a África, mas foram especialmente severas na América e na Oceania. A África, onde os seres humanos se originaram, mostra muito menos evidências de perda na extinção megafaunal do Pleistoceno, talvez porque a coevolução de animais de grande porte ao lado de humanos primitivos tenha fornecido tempo suficiente para que esses desenvolvessem defesas eficazes. [2] Sua localização nos trópicos também a poupou das glaciações do Pleistoceno e o clima não mudou muito.[3]


Humano durante o Pleistoceno[editar | editar código-fonte]

A evidência científica indica que o ser humano evoluiu em sua forma atual, durante o Pleistoceno. No início do Pleistoceno espécies do gênero Paranthropus ainda estão presentes, assim como os primeiros ancestrais humanos, mas foi durante o paleolítico inferior que eles desapareceram, e a única espécie de hominídeos encontrados em registros fosseis é o Homo erectus para grande parte do Pleistoceno. Esta espécie migrou por boa parte do Velho Mundo, dando origem a muitas variações de hominídeos. Ao final do Paleolítico Médio houve o surgimento de novos tipos de hominídeos, bem como o desenvolvimento de instrumentos mais elaborados do que os encontrados em épocas anteriores. De acordo com o calendário mitocondrial, os humanos modernos migraram da África depois da glaciação Riss no Paleolítico médio durante o Estágio Eemian, se espalhando por todo o mundo livre de gelo durante o Pleistoceno tardio.

Embora a "Origem Africana" da evolução dos hominídeos não foi contestada, alguns pesquisadores têm posto que a última grande expansão não eliminou as populações pré-existentes de hominídeos tanto como assimilá-las em contacto com a homo sapiens. Enquanto isso sugiro que as modificações no homem moderno podem ter sido extensas e de base regional, a teoria permanecendo controversa e geralmente tem perdido terreno ao longo do século passado (XX), devido ao advento de evidências genéticas que contradizem directamente em favor de uma teoria da origem única.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Plistoceno é a forma considerada a mais correta, segundo o Ciberdúvidas.[1]

Referências

  1. [1]
  2. Owen-Smith,N.Pleistocene extinctions; the pivotal role of megaherbivores. Paleobiology; July 1987; v. 13; no. 3; p. 351-362 Página visitada em 6 de setembro de 2012.
  3. P. Brinck.The Relations between the South African Fauna and the Terrestrial and Limnic Animal Life of the Southern Cold Temperate Zone.Proc. Royal Soc. of London. Series B, Vol. 152, No. 949 (1960) Página visitada em 6 de setembro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

No final do período paleolítico, surgiu a época Holocena.