Plexo braquial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nervo: Plexo braquial
Gray808.png
Plexo braquial direito com seus pequenos ramos, visto da frente.
Latim plexus brachialis
Gray's subject #210 930
Ramo do C5, C6, C7, C8, T1
MeSH Brachial+plexus

O plexo braquial consiste em um conjunto de nervos formado pelo ramo anterior da medula espinhal dos quatro nervos cervicais e o primeiro nervo torácico (C5, C6, C7, C8 e do T1). Esse plexo se estende desde a medula espinhal, através do canal cervical axilar, sobre a primeira costela, e na axila. Ele fornece aferentes e fibras nervosas eferentes no peito, ombro, braço e mão.

Suas raízes, que saem dos forames intervertebrais, são cinco: C5, C6, C7, C8 e T1. As raízes dão origem aos troncos superior (C5+C6), médio (C7) e inferior (C8+T1). Cada tronco divide-se em divisões anteriores e posteriores. As divisões anteriores dos troncos superior e médio dão origem ao fascículo lateral. As divisões posteriores dos três troncos dão origem ao fascículo posterior. Enquanto a divisão anterior do tronco inferior dá origem ao fascículo medial. Esses fascículos terão vários ramificações que inervarão os membros superiores. A maior dessas ramificações é o nervo radial. Do fascículo lateral originam o nervo musculocutâneo e sai um ramo que vai formar o nervo mediano. Do fascículo posterior originam o nervo radial e axilar, e por fim, do fascículo medial originam o nervo ulnar e o outro ramo que vai formar o nervo mediano.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

O plexo braquial é dividido em cinco "raízes", três "troncos", seis "divisões", três "fascículos" e cinco "ramos". Há cinco ramos terminais e inúmeros outros ramos "pré-terminais" ou "colaterais", que saem do plexo em vários pontos ao longo de seu comprimento. A estrutura comum usada para identificar parte do plexo braquial na dissecção de cadáveres é em forma da letra "M" ou "W" feita pelo nervo musculo-cutâneo, fascículo lateral, nervo mediano, fascículo medial e nervo ulnar.

Raízes[editar | editar código-fonte]

As cinco raízes constituem os cinco anterior rami dos nervos espinhais, depois de terem desprendido seu fornecimento segmentar para os músculos do pescoço.

O plexo braquial emerge em cinco níveis diferentes: C5, C6, C7, C8 e T1. O C5 e C6 fundem-se para estabelecer a parte superior do tronco; C7 forma contínua o tronco meio e o C8 e o T1 se fundem para estabelecer o tronco inferior.

Formações pré ou pós-fixadas envolvem, em alguns casos, o C4 ou o T2, respectivamente.

O nervo dorsal da escápula tem sua origem no nível C5 e inerva os músculos romboides que retraem a escápula. O nervo subclávia origina tanto em C5 e C6 e inerva o músculo subclavius, que envolve o levantamento das primeiras costelas durante a respiração. O nervo torácico longo surge a partir de C5, C6 e C7 e inerva o músculo serrátil anterior, que chama a escápula lateralmente e fornece a força motriz em ações como aquelas em que se está empurrando algo.

Troncos[editar | editar código-fonte]

Ao se juntarem, as raízes foram três troncos:

Divisões[editar | editar código-fonte]

Cada tronco, por sua vez, divide-se em dois, formando assim seis divisões:

  • divisões anteriores dos troncos superior, médio e inferior
  • divisões posteriores dos troncos superior, médio e inferior
  • Quando se observa o corpo em uma posição anatômica, as divisões anteriores são superficiais em relação às divisões posteriores

Fascículos[editar | editar código-fonte]

Essas seis divisões reagrupam-se e se tornam três fascículos, três grandes feixes de fibras. Essas espécies de "cabos" recebem nomes em função de suas posições em relação à artéria axilar.

  • O fascículo posterior, formado a partir das três divisões posteriores dos troncos (C5-C8, T1)
  • O fascículo lateral, formado a partir das divisões anteriores dos troncos superior e médio (C5-C7)
  • O fascículo medial, simplesmente uma continuação da divisão anterior do tronco inferior (C8, T1)

Ramos[editar | editar código-fonte]

A maioria dos ramos tem origem dos fascículos, mas alguns pouco (indicados em itálico) podem ter origem em outras estruturas. Os cinco ramos à esquerda são considerados "ramos terminais". Há variações reportadas no padrão de ramificação, mas se trata de casos atípicos.[1]

Diagrama[editar | editar código-fonte]

Dorsal scapular nerve (rhomboids, levator scapulae) Suprascapular nerve (supraspinatus, infraspinatus) Nervo do músculo subclávio (subclavius) Lateral pectoral nerve (pectoralis major) Musculocutaneous nerve (coracobrachialis, brachialis, biceps brachii) Axillary nerve (deltoid, teres minor) Median nerve (forearm flexors except FCU and ulnar part of FDP, thenar muscles) Ulnar nerve (FCU and ulnar part of FDP, most intrinsic hand muscles Nervo cutâneo medial do antebraço Nervo cutâneo medial do braço Radial nerve (triceps brachii, supinator, anconeus, forearm extensors, brachioradialis) Lower subscapular nerve (lower part of subscapularis, teres major) Thoracodorsal nerve (latissimus dorsi) Medial pectoral nerve (pectoralis major, pectoralis minor) Nervo subscapular superior (upper part of subscapularis) Nervo torácico longo (serratus anterior) Nervo espinhal da coluna cervical 5 Nervo espinhal da coluna cervical 6 Nervo espinhal da coluna cervical 7 Nervo espinhal da coluna cervical 8 Primeiro nervo torácico
Ilustração anatômica do plexo braquial identificando as áreas das raízes, troncos, divisões e os cordões. Clique sobre os nomes para acessar os respectivos artigos. Outra imagem de referência aqui.
Representação esquemática do plexo braquial usando diferentes cores para ilustrar as contribuições de cada raiz nervosa para os ramos.
O plexo braquial, incluindo todos os ramos das divisões primário ventral C5-T1.

Ramos específicos[editar | editar código-fonte]

Os ramos assinalados em negrito indicam a raiz componente espinhal primária do nervo. Quando em itálico indicam as raízes nervosas que por vezes, não sempre, contribuem para o nervo.

Origem Nervo Raízes[2] Músculos Inervação cutânea
raízes nervo escapular dorsal C4, C5 músculos romboides e músculo levantador da escápula -
raízes nervo torácico longo C5, C6, C7 músculo serrátil anterior -
raízes ramo para o nervo frênico C5 músculo diafragma -
tronco superior nervo subclávio C5, C6 músculo subclávio -
tronco superior nervo suprascapular C5, C6 músculo supraespinhal e músculo infraespinhal -
fascículo lateral nervo peitoral lateral C5, C6, C7 músculo peitoral maior e músculo peitoral menor (comunicando-se com o nervo peitoral medial) -
fascículo lateral nervo musculocutâneo C5, C6, C7 músculo coracobraquial, músculo braquial anterior e bíceps braquial torna-se o nervo cutâneo lateral do antebraço
fascículo lateral raiz lateral do nervo mediano C5, C6, C7 fibras para o nervo mediano -
fascículo posterior nervo subescapular superior C5, C6 músculo subescapular (parte superior) -
fascículo posterior nervo toracodorsal (nervo subscapular medial) C6, C7, C8 músculo grande dorsal -
fascículo posterior nervo subscapular inferior C5, C6 subscapularis (parte inferior) e músculo redondo maior -
fascículo posterior nervo axilar C5, C6 ramo anterior: músculo deltoide e uma pequena área da pele sobrejacente
ramo posterior: músculo redondo menor e músculos deltoides
o ramo posterior se torna o nervo cutâneo lateral superior do braço
fascículo posterior nervo radial C5, C6, C7, C8, T1 tríceps braquial, músculo supinador, músculo ancôneo, os músculos extensores do antebraço e músculo braquiorradial pele do braço posterior como o nervo cutâneo posterior do braço. Também ramo superficial do nervo radial fornece costas da mão, incluindo a camada de pele entre o polegar e o dedo indicador.
fascículo medial nervo peitoral medial C8, T1 músculo peitoral maior e músculo peitoral menor -
fascículo medial raiz medial do nervo mediano C8, T1 fibras do nervo mediano partes da mão não alcançadas pelo ulnar ou pelo radial
fascículo medial nervo cutâneo medial do braço C8, T1 - frente e pele medial do braço
fascículo medial nervo cutâneo medial do antebraço C8, T1 - pele medial do antebraço
fascículo medial nervo ulnar C8, T1 músculo flexor ulnar do carpo, os dois ventres mediais do músculo flexor profundo dos dedos, os músculos das mãos, à exceção da eminência tenar e dos dois laterais Músculos lumbricais que são servidos pelo nervo mediano a pele do lado medial da mão, dedo mínimo e metade do anelar nos lados palmar e dorsal da mão

Função[editar | editar código-fonte]

O plexo braquial é responsável pela inervação cutânea e muscular de todo o membro superior, com duas exceções: o trapézio, músculo inervado pelo nervo acessório e uma área de pele perto da axila inervado pelo nervo intercostobraquial. O plexo braquial se comunica através do tronco simpático através de ramos comunicantes cinzentos que se juntam às raízes do plexo. Já as lesões do plexo braquial, por sua vez, podem levar a uma incapacidade funcional grave.[3]

O plexo braquial é um amplo plexo nervoso, compreendido entre o pescoço e até a axila de tal modo que este tem a função de conferir inervação motora e sensitiva para o membro superior, no caso, inervação somática. Em relação aos nervos espinais, pela sua descrição morfo-anatômica, pode-se perceber o porquê de sua conferência à sensibilidade e motricidade de todo o membro. Pelo fato de que este nervo se forma no momento que ocorre a fusão no nível medular de filamentos radiculares de dois sulcos na própria medula espinal, sendo as radículas que deixam o sulco lateral anterior com função motora e as radículas que deixa o sulco lateral posterior com função sensitiva, formando o nervo espinal, um nervo MISTO.

Contexto clínico[editar | editar código-fonte]

Lesões[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Lesão do plexo braquial
Nesta simulação, indivíduo demonstra posição frequente do impacto de um motociclista contra o solo, num ângulo que habitualmente lesiona o plexo braquial. Proteções adicionais na área do pescoço podem dar suporte no lado oposto da cabeça para evitar o excesso de alongamento do pescoço.

A lesão do plexo braquial refere-se aos danos causados aos nervos do plexo braquial, um conjunto de nervos que conduz sinais da medula espinhal, que está alojada no canal espinhal da coluna vertebral, para os membros superiores. Essas lesões podem ocorrer como resultado de traumas, tumores ou inflamações no ombro.[4][5][6] Em geral, lesões do plexo braquial podem ser classificadas como obstétricas ou traumáticas. As lesões obstétricas podem acometer recém-nascidos, como uma distócia de ombro durante um parto difícil.[7][8] A lesão traumática pode surgir de várias causas, como acidentes de trânsito, principalmente envolvendo motocicletas, e esportes de contato.[9][10] A síndrome de Parsonage-Turner causa inflamação do plexo braquial sem lesão óbvia, mas com sintomas incapacitantes.[4][11]

Acidentes com motocicletas[editar | editar código-fonte]

Os motociclistas que se envolvem em acidentes de trânsito são muito susceptíveis às lesões do plexo braquial. Lesões do plexo braquial foram identificados em 54 de 4538 pacientes que se apresentam a nível regional de traumatismo.[12]

Muitos desses motociclistas acidentados são forçados a passar uma cirurgia reconstrutiva. Durante as posteriores sessões de terapia, a posição do plexo braquial tornou-se muito importante para evitar danos maiores.[13] O risco pode ser reduzido pela libertação completa dos tecidos. A partir da superfície inferior do clavícula antes mobilização de fratura fragmentos.[14] Através do uso de equipamentos de proteção, como um capacete, o motociclista pode prevenir danos nos nervos após colisões.

Lesões esportivas[editar | editar código-fonte]

Uma lesão esportiva que está se tornando prevalentes nos chamados "esportes de contato", especialmente em casos como o do futebol americano, é a lesão chamada pelo nome em inglês de stinger. Nela, um atleta pode lesionar-se numa colisão que pode causar compressão cervical axial, flexão ou extensão das raízes nervosas ou ramos terminais do plexo braquial.[15]

Em um estudo realizado com jogadores de futebol americano na United States Military Academy, pesquisadores descobriram que o mecanismo mais comum de lesão é o de compressão do plexo braquial fixa entre a almofada do ombro e a escápula medial superior quando o bloco é empurrado para dentro da área de ponto de Erb, onde o plexo braquial é mais superficial.[16]

O resultado desse tipo de lesão é uma sensação de "queimadura" ou de "picada" que irradia a partir da região do pescoço para as pontas dos dedos. Embora essa lesão apresente sintomas temporários, em alguns casos eles podem se tornar crônicos.

Feridas de penetração[editar | editar código-fonte]

A maioria das feridas de penetração requer tratamento imediato e não são fáceis de reparar. Uma laceração por faca para o plexo braquial, por exemplo, pode danificar e/ou cortar o nervo. Dependendo de onde o corte for feito, a lesão pode inibir os potenciais de ação necessários para inervar o(s) músculo(s) específico(s) desse nervo.

Lesões durante o parto[editar | editar código-fonte]

Lesões do plexo braquial também podem ser um problema para recém-nascidos. Na literatura médica, houve ao menos 80 lesões do plexo braquial identificados, para uma incidência de 1-3 por 1000 nascidos vivos.[17] A lesão do nervo tem relação com o peso ao nascer, sendo que recém-nascidos de maiores proporções estão mais suscetíveis a esse tipo de lesão. Embora muito difícil de evitar, durante o nascimento, os médicos devem ser cuidadosos e movimentar-se de maneira precisa e suave para diminuir as chances de ferir a criança.

Tumores[editar | editar código-fonte]

Os tumores que podem ocorrer no plexo braquial os de schwannoma, os neurofibromas e o tumor maligno da bainha de nervo periférico.

Imagiologia[editar | editar código-fonte]

A imagiologia do plexo braquial pode ser realizada de forma eficaz por meio de exames de ressonância magnética de alta capacidade, com equipamentos MRI Scanner de 1,5 T ou maiores. É impossível avaliar o plexos braquial com um simples exame de raio X. Tomografias computadorizadas e exames de ultra-sonografia conseguem visualizar os plexos até certa uma extensão; portanto, a ressonância magnética é o meio padrão em imagiologia para se obter imagens do plexo braquial, devido à possibilidade de planos múltiplos e da diferença de contraste entre o tecido plexo braquial e os vasos adjacentes. Os plexos são melhor visualizados em planos coronal e sagital, mas as imagens axiais podem dar uma ideia sobre as raízes nervosas.

Em anestesiologia[editar | editar código-fonte]

Imagens adicionais[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Goel, Shivi; Rustagi, SM; Kumar, A; Mehta, V; Suri, RK (Mar 13, 2014). «Multiple unilateral variations in medial and lateral cords of brachial plexus and their branches». Anatomy & Cell Biology [S.l.: s.n.] 47 (1): 77–80. doi:10.5115/acb.2014.47.1.77. PMC 3968270. PMID 24693486. 
  2. Moore, K.L.; Agur, A.M. (2007). Essential Clinical Anatomy 3rd ed. (Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins). pp. 430–1. ISBN 978-0-7817-6274-8. 
  3. Moore, K.L.; Agur, A.M. (2007). Essential Clinical Anatomy 3rd ed. (Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins). pp. 434–5. ISBN 978-0-7817-6274-8. 
  4. a b «NINDS Brachial Plexus Injuries: Information Page». National Institute of Neurological Disorders and Stroke. Last updated September 29, 2008 - see bottom of webpage. Consultado em 2009-10-11. 
  5. «Brachial Plexus Injury: Description & illustrations». Cincinnati Children's Hospital, health information website. (revision 9/09 – see bottom of webpage). Consultado em 2009-10-11. 
  6. Glanze, W.D., Anderson, K.N., & Anderson, L.E, : (1990). Mosby's Medical, Nursing & Allied Health Dictionary 3rd ed. (St. Louis, Missouri: The C.V. Mosby Co.). p. 165. ISBN 0-8016-3227-7. 
  7. Santa Fisio. Lesão do Plexo Braquial-visão obstétrica. Acesso em 29 de junho de 2010.
  8. A.D.A.M Healthcare center
  9. FLORES, Leandro Pretto. Estudo epidemiológico das lesões traumáticas de plexo braquial em adultos. Arq. Neuro-Psiquiatr., São Paulo, v. 64, n. 1, mar. 2006. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-282X2006000100018&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 29 jun. 2010. doi: 10.1590/S0004-282X2006000100018.
  10. Clínica Deckers. Lesão do Plexo Braquial (Ferroada). Acesso em 29 de junho de 2010
  11. «Parsonage-Turner Syndrome». Who Named It? (whonamedit.com). Date unclear. Consultado em 2009-10-11. 
  12. Midha, Rajiv (1997). «Epidemiology of Brachial Plexus Injuries in a Multitrauma Population». Neurosurgery [S.l.: s.n.] 40 (6): 1182–8; discussion 1188–9. doi:10.1097/00006123-199706000-00014. PMID 9179891. 
  13. http://www.webmd.com/pain-management/tc/physical-therapy-topic-overview
  14. Ecker, Jeffrey L.; Greenberg, James A.; Norwitz, Errol R.; Nadel, Allan S.; Repke, John T. (1997). «Birth Weight as a Predictor of Brachial Plexus Injury». Obstetrics & Gynecology [S.l.: s.n.] 89 (5): 643–47. doi:10.1016/S0029-7844(97)00007-0. PMID 9166293. 
  15. Elias, Ilan. «Recurrent burner syndrome due to presumed cervical spine osteoblastoma in a collision sport athlete - a case report». Journal of Brachial Plexus and Peripheral Nerve Injury. Consultado em 12/2/15. 
  16. Cunnane, M (2011). «A restrospective study looking at the incidence of 'stinger' injuries in professional rugby union players». British Journal of Sports Medicine [S.l.: s.n.] 45: A19. doi:10.1136/bjsports-2011-090606.60. Consultado em 12/2/15. 
  17. Cooper, DE; Jenkins, RS; Bready, L; Rockwood Jr, CA (1988). «The prevention of injuries of the brachial plexus secondary to malposition of the patient during surgery». Clinical orthopaedics and related research [S.l.: s.n.] (228): 33–41. doi:10.1097/00003086-198803000-00005. PMID 3342585. 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Saladin, Kenneth (2014). Anatomy and Physiology 7th ed. McGraw-Hill Education [S.l.] p. 491. 
  • Kishner, Stephen. «Brachial Plexus Anatomy». WebMD. Consultado em 22 Ago 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Plexo braquial