Gente Pobre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Pobre Gente)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2012).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde setembro de 2012)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Бедные люди
Autor(es) Dostoiévski
Idioma Russo
País  Rússia
Género Romance
Lançamento 1846

Gente Pobre (em russo: Бедные люди, transl. Bednye Lyudi) é o primeiro[1] romance de Dostoiévski, escrito em 1846 quando tinha 25 anos e tem como personagens humildes habitantes de São Petersburgo.

O livro revela uma impressionante maturidade se considerarmos a idade do autor. Podemos vê-lo como um manifesto da sua concepção de literatura, porque encontramos aqui presentes as especificidades que o distinguiriam ao longo de toda a sua obra. Ainda antes da sua publicação, este primeiro romance foi alvo dos elogios entusiastas do crítico literário Belinski, que vaticinou o surgimento de um gigante da literatura e defendeu que Gente Pobre constituía a primeira manifestação do romance social no país dos Czares. Mas Dostoiévski é mais do que um romancista social - ele entra em suas personagens e sonda as profundezas das suas almas, pensando, sentindo e falando como elas. Gente Pobre é um romance epistolar, genialmente construído com um mínimo de descrição, o que obriga o leitor a reinventar tudo aquilo que não é dito.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A história passa-se num dos bairros miseráveis de São Petersburgo, onde um funcionário de meia-idade vai trocando correspondência com uma jovem costureira que é na realidade sua vizinha. Mas, demasiado pobres para se casarem, o seu amor passa todo e apenas por estas cartas de dimensão patética, onde contam um ao outro os pequenos acontecimentos do dia-a-dia e onde relatam as suas vidas sofridas, reflectindo individualidades tornadas insignificantes pela miséria.


Edições em Portugal[editar | editar código-fonte]

  • Dostoiévski, Fiódor. Pobre Gente. Porto : Civilização, 1935.
  • Dostoiévski, Fiódor. Pobre Gente e Outras Novelas. Lisboa : Estúdios Cor, 1963.
  • Dostoiévski, Fiódor. Pobre Gente. Porto : Progredior, 1964.
  • Dostoiévski, Fiódor. Obras Completas. Lisboa : Arcádia, 1964.
  • Dostoiévski, Fiódor. Gente Pobre. Lisboa : Presença. 2006 (1.ª) e 2010 (2.ª), ambas traduzidas diretamente do russo por Nina Guerra e Filipe Guerra.
  • Dostoiévski, Fiódor. Gente Pobre. São Paulo : Editora 34. 2009 traduzida diretamente do russo.

Referências

  1. Pevear, Richard e Volokhonsky, Larissa, ed. (1975 (trad. 1994)). Commentaries on Demons by Fyodor Dostoevsky. 12. Leningrado (Nova York): Academia Soviética de Ciências (em inglês, Alfred A. Knopf, Inc.). p. 715. ISBN 0-679-42314-1  Verifique data em: |data= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.