Poder temporal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde fevereiro de 2018). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Designa-se por poder temporal a influência de poder, tanto de governação como político, que exerce o Vaticano sobre as pessoas, em especial o poder do Vigário de Cristo - o Papa - em contraste com o seu poder espiritual sobre a Igreja Católica e outros grupos, também chamado de poder eterno.

Este poder ou actividade permitiu o autogoverno dos Estados Pontifícios, que actualmente se limitam ao Estado do Vaticano. No seu apogeu, os Estados Pontifícios tornaram-se um Estado com a sua própria moeda e legislatura, em pé de igualdade com qualquer outra nação da Europa. Há quem chame este estado nacional, governado por uma autoridade religiosa, uma "teocracia", comparando-se assim com alguns regimes islâmicos que vivem também uma forma de teocracia.

Alguns historiadores classificam a coroação de Carlos Magno, em 800, como o momento no qual a Igreja Católica começou a implementar uma política internacional do poder temporal.

O poder temporal sempre foi discutido em política, filosofia e teologia, sobretudo nos países onde o Vaticano exerce esse poder em vários graus, sendo que este poder é aplicado de formas distintas que variam com a personalidade do Papa, o contexto histórico internacional, e o apoio popular do povo católico.

Um exemplo do uso questionável dessa influência do poder sobre o mundo deu-se na época da Inquisição. Para alguns críticos, na época da Inquisição Católica, o poder temporal era exercido com mais influência e, portanto, estava mais distante dos Evangelhos e da Cúria Romana. A resposta mais popular a esse tipo de crítica é que o objetivo final dessa política é, ou foi, a extensão do Evangelho a todos os povos.

Por razões práticas, de Realpolitik, o poder temporal do Papa terminou em 20 de setembro de 1870, quando o exército italiano entrou em Roma e completou o movimento denominado Risorgimento. Formalmente, o poder temporal terminou em 1929 com o Tratado de Latrão que estabeleceu a convivência da Cidade do Vaticano com a Itália.

História[editar | editar código-fonte]

O Papa Gregório II desafiou o imperador bizantino imperador bizantino Leão III, o Isauriano como resultado da primeira controvérsia iconoclasta (726 dC) no Império Oriental, e preparou o caminho para uma longa série de revoltas, cismas e guerras civis que eventualmente levaram ao estabelecimento do poder temporal dos papas.

O poder temporal foi abolido por Napoleão Bonaparte, que dissolveu os Estados papais e incorporou Roma e Latium em seu Primeiro Império Francês, em 1809. O poder temporal foi restaurado pelas Grandes Potências na conclusão das Guerras Napoleónicas no Congresso de Viena de 1815]. O Código Napoleônico foi abolido, e a maioria dos funcionários públicos foi retirada do cargo. A oposição popular ao governo clerical corrupto reconstituído levou a numerosas revoltas, que foram suprimidas pela intervenção do exército austríaco.


Em novembro de 1848, após o assassinato de seu ministro Pellegrino Rossi, Papa, Pio IX fugiu de Roma. Durante uma manifestação política em fevereiro de 1849, um jovem herege, o abade Arduini, descreveu o poder temporal dos papas como uma "mentira histórica, uma impostura política e uma imoralidade religiosa".[1] On 9 February 1849, the newly elected Roman Assembly proclaimed the Roman Republic. Subsequently, the Constitution of the Roman Republic[2] aboliu o poder temporal, embora a independência do papa como chefe da Igreja Católica tenha sido garantida pelo artigo 8º do "Principi fondamentali".

Ver também[editar | editar código-fonte]

  • Jasper Ridley, Garibaldi, Viking Press (1976) p. 268
  • [1]