Política da Líbia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Líbia
Flag of Libya.svg

Este artigo é parte da série:
Política e governo da
Líbia



Outros países · Atlas

A Política da Líbia está em um estado incerto devido ao colapso da Jamahiriya Árabe da Líbia em 2011 e uma guerra civil em curso entre o Conselho de Deputados em Tobruque e seus apoiantes, o Novo Congresso Geral Nacional em Trípoli e seus apoiantes, e vários jihadistas e elementos tribais que controlam partes do país.[1]

Acordo político líbio (2015)[editar | editar código-fonte]

Membros da Câmara dos Deputados e o Novo Congresso Geral Nacional assinaram um acordo político em 18 de dezembro de 2015.[2] Nos termos do acordo, um Conselho presidencial de nove membros e foi formado um intermediário de dezessete membros o Governo de Acordo Nacional, com o objetivo de realizar novas eleições dentro de dois anos.[2] A Câmara dos Deputados continuaria a existir como uma legislatura e um órgão consultivo, para ser conhecido como o Conselho de Estado, foi formado com membros nomeados pelo Novo Congresso Geral Nacional. [3]

Conselho de Deputados / Câmara dos Deputados[editar | editar código-fonte]

O Conselho de Deputados foi formado na sequência Eleições de junho de 2014, quando o Congresso Geral Nacional formado como um corpo de transição após a Revolução da Líbia foi dissolvido. Contudo, Islamistas se saíram mal nas eleições por baixo comparecimento,[4] e os membros do GNC liderado por islâmicos voltou a se reunir em agosto de 2014, recusando-se a reconhecer o novo parlamento dominado por legisladores secularistas e federalistas.[5] Os partidários do Novo Congresso Geral Nacional rapidamente assumiram o controle de Trípoli, capital constitucional da Líbia, forçando o parlamento recém-eleito ao exílio virtual em Tobruque, perto da fronteira do Egito.[6] O Conselho dos Deputados goza de um reconhecimento internacional generalizado como o governo oficial da Líbia. No entanto, o Supremo Tribunal de Trípoli declarou ilegal e anulou os resultados das eleições em novembro de 2014. A decisão do tribunal foi aclamada pelo GNC e seus patrocinadores, mas foi rejeitada como inválida pelo Conselho de Deputados e seus leais.[7][8]

Contra este pano de fundo da divisão, o Estado Islâmico do Iraque e do Levante e Ansar al-Sharia, bem como outros grupos militantes de natureza religiosa e tribal, assumiram o controle de várias cidades e distritos em toda a Líbia, especialmente em Cirenaica, que está teoricamente sob o controle do governo de Tobruque.[9][10][11] Um número de comentaristas descreveu a Líbia como um estado falhado ou sugeriu que está à beira do fracasso.[12][13][14][15]

Congresso Geral Nacional[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Congresso Geral Nacional

O Congresso Geral Nacional foi a autoridade legislativa da Líbia. Foi eleito por voto popular em 7 de julho de 2012, e a partir de 8 de agosto substituiu o Conselho Nacional de Transição que governou o país desde o fim da Guerra civil da Líbia.[16][17][18] O Congresso Geral Nacional foi composto por 200 membros, dos quais 80 foram eleitos através de uma lista do partido sistema de representação proporcional, e 120 foram eleitos como independentes em distritos de múltiplos membros.[19][20]

O poder executivo foi nomeado pelo GNC e liderado pelo Primeiro Ministro, enquanto o Presidente do GNC era o "de facto" chefe de Estado, embora não explicitamente descrito como tal na Declaração.[21]

A principal responsabilidade do GNC era formar uma assembléia constituinte que escreveria a constituição permanente da Líbia, para aprovação por um referendo. A lei da Líbia é baseada em sharia.[22]

Em 30 de março de 2014, o Congresso Geral Nacional votou para se substituir por uma nova Câmara dos Deputados, formalmente conhecida como Conselho dos Deputados. A nova legislatura alocaria 30 cadeiras para mulheres, teria 200 lugares no geral (com pessoas capazes de atuar como membros de partidos políticos) e permitir que os líbios de nacionalidades estrangeiras se candidatem ao cargo.[23] Embora que, as eleições foram realizadas e os legisladores assumiram o cargo, o ex-Conselho Nacional Geral rejeitou os resultados e voltou a se manifestar na oposição para o novo parlamento, que agora se encontra no leste da Líbia na cidade de Tobruque.[7]

No início de 2015, os parlamentos, o GNC e o Conselho dos Deputados, concordaram com uma declaração de princípios que pedia a formação de um comitê conjunto de dez pessoas para nomear um primeiro-ministro interino e dois deputados, levando a novas eleições dentro de dois anos.[24]

Mudanças após a Guerra Civil de 2011[editar | editar código-fonte]

Os partidos políticos foram banidos na Líbia a partir de 1972 até a remoção do governo de Gaddafi, e todas as eleições eram não-partidárias de acordo com a lei. No entanto, durante a revolução, o Conselho Nacional de Transição (NTC), um corpo formado no 27 de fevereiro de 2011 por forças anti-Gaddafi para atuar como "rosto político da revolução", fez a introdução da democracia multipartidária uma pedra angular da sua agenda. Em junho de 2011, Saif al-Islam Gaddafi disse que seu pai concordaria em eleições gerais monitoradas internacionalmente, e desistiria se as perdesse, mas sua oferta foi recusada pelos rebeldes e ignorada pelo Conselho de Segurança da ONU.[25]

Em 8 de março, o NTC emitiu uma declaração em que declarou ser o "único representante em toda a Líbia".[26] O conselho formou um órgão de governo interino em 23 de março. A partir de 20 de outubro de 100 países declarou o apoio total ao conselho, cortando todas as relações com o governo de Gaddafi e reconhecendo o Conselho Nacional de Transição como o representante legítimo da Líbia.

Em 3 de agosto de 2011, o NTC emitiu uma Declaração constitucional que declarou o estado da Líbia como uma democracia com Islam como sua religião do estado, na qual o Estado garante a regra da lei e um judiciário independente bem como direitos civis e humanos direitos básicos (incluindo liberdade de religião e direitos das mulheres), e que contém provisões para uma fase de transição para uma república presidencial com uma assembléia nacional eleita e uma [[constituição] democraticamente legitimada até 2013. O vice-presidente Abdul Hafiz Ghoga declarou a Líbia "liberada" no dia 23 de outubro de 2011, anunciando um fim oficial da guerra. O presidente Mustafa Abdul Jalil disse que a Líbia se tornaria uma democracia islâmica na sequência da morte de Gaddafi, embora a extensão da influência da lei islâmica seja determinada pelos legisladores eleitos.[27] Ghoga lottery confirmou que a Líbia continuará a aderir a todos os acordos internacionais aos quais foi signatário antes da revolta.[28]

Em 7 de julho de 2012, foi realizada uma eleição para o Congresso Geral Nacional (GNC) para substituir o NTC. Foram 2.501 candidatos para os 200 assentos - 136 para partidos políticos e 64 para candidatos independentes. Cerca de 300 pontos de vista dos candidatos foram considerados inaceitáveis e removidos da lista de candidatos, suspeitos de simpatia com as forças derrotadas da Jamahiriya. Os centros de credenciamento também foram organizados em cidades européias com comunidades líbias maiores como Berlim e Paris, a fim de permitir que os cidadãos líbios lã pudessem votar.[29] Em 8 de agosto de 2012 o NTC dissolveu oficialmente e transferiu o poder para o Congresso Geral Nacional.

Partidos políticos e eleições[editar | editar código-fonte]

Em 7 de julho de 2012, o corpo legislativo - Congresso Geral Nacional - foi eleito.

Lista de partidos com assentos no Congresso Geral Nacional[editar | editar código-fonte]

Lista de partidos sem cadeiras no Congresso Nacional Geral[editar | editar código-fonte]

  • Movimento nacional popular líbio
  • Partido Democrata
  • Partido da Pátria[31][32]
  • Partido de Reforma e Desenvolvimento[33]
  • União Constitucional da Líbia
  • Congresso amazigh da Líbia
  • Alhaque e Partido da Democracia de Bengazi
  • Partido do Congresso Nacional da Líbia
  • Partido Nova Líbia
  • Partido da Unidade Nacional da Líbia
  • Partido da Liberdade e Desenvolvimento da Líbia
  • O Partido da Reforma Patriótica
  • Partido da Solidariedade Nacional
  • O Partido Nacional da Líbia
  • Partido Umma
  • Partido da Justiça e Democracia da Líbia
  • Partido Futuro da Líbia
  • Partido do Centro da Líbia
  • Assembleia Nacional Democrática para Justiça e Progresso
  • Partido de Desenvolvimento da Líbia
  • Partido Universal da Líbia
  • Aliança Nacional Democrática
  • Novo Partido Nacional do Congresso
  • Partido Tawasul
  • Partido Democrata Nacional da Líbia para Justiça e Desenvolvimento
  • Partido Líbia Nosso Lar e Tribo
  • Partido de Libertação da Líbia
  • Partido Líbia para Todos
  • Movimento da Unidade
  • Partido da Juventude Democrática
  • Assembleia Nacional Democrata
  • Partido Wefaq
  • Assembléia Nacional Democrata da Líbia
  • Ansar Al Horria
  • Partido Unionista da Líbia[34]

Participação na organização internacional[editar | editar código-fonte]

O Conselho Nacional de Transição prometeu homenagear os compromissos internacionais da Líbia até as Eleições de 2012.

A Líbia é membro do ABEDA, AfDB, AFESD, AL, AMF, AMU, AU, CAEU, ECA, FAO, G-77, IAEA, IBRD, ICAO, IDA, IDB, IFAD, IFC, IFRCS, ILO, IMF, IMO, Inmarsat, Intelsat, Interpol, IOC, ISO, ITU, MONUC, NAM, OAPEC, OIC, OPEC, PCA, UN, UNCTAD, UNESCO, UNHRC (suspenso), UNIDO, UPU, WCO, WFTU, WHO, WIPO, WMO, UNWTO e UNHABITAT.

Política líbia sob Muammar Gaddafi[editar | editar código-fonte]

Depois de subir originalmente ao poder através de um militar coup d'etat em 1969, a governança da Líbia pelo Coronel Muammar Gaddafi tornou-se cada vez mais centrada nos ensinamentos do seu Green Book, que ele publicou em meados da década de 1970, capítulo por capítulo, como base para uma nova forma de governo.[35] Este jamahiriya, como ele chamou, era supostamente uma forma de democracia direta em que o poder foi equilibrado entre um Congresso Geral do Povo, composto por 2.700 representantes do Congresso Popular básico, e um executivo Comitê Geral do Povo, chefiado por um Secretário Geral, que relatava ao primeiro ministro e ao presidente. No entanto, Gaddafi manteve praticamente todo o poder, continuando a operar e controlar os vestígios da junta militar implantados em 1969.

Figuras buscadas[editar | editar código-fonte]

A Interpol em 4 de março de 2011, emitiu um alerta de segurança sobre o "possível movimento de indivíduos e bens perigosos", baseado na Resolução de Segurança das Nações Unidas 1970, que impôs uma proibição de viagem e congelamento de ativos. O alerta lista o próprio Gaddafi e 15 membros-chave do seu governo:[36]

  1. Muammar Gaddafi: Responsabilidade pela ordenação de repressão de manifestações, abusos de direitos humanos. * Morreu 20 de outubro de 2011 em Sirte *
  2. Dr. Baghdadi Mahmudi: Chefe do Gabinete de Ligação dos Comités Revolucionários. Comités revolucionários envolvidos na violência contra manifestantes.
  3. Abuzed Omar Dorda: Diretor, Organização de Segurança Externa. Lealista do governo. Chefe da agência de inteligência externa.
  4. Major General Abu-Bakr Yunis Jabr: Ministro da Defesa. Responsabilidade geral das ações das forças armadas.
  5. Ayesha Gaddafi: Filha de Muammar Gaddafi. A proximidade da associação com o governo.
  6. Hannibal Muammar Gaddafi: Filho de Muammar Gaddafi. A proximidade da associação com o governo.
  7. Mutassim Gaddafi: Conselheiro de Segurança Nacional. Filho de Muammar Gaddafi. Proximidade da associação com o governo
  8. Al-Saadi Gaddafi: Comandante das Forças Especiais. Filho de Muammar Gaddafi. A proximidade da associação com o governo. Comando de unidades militares envolvidas na repressão de manifestações.
  9. Saif al-Islam Gaddafi: Diretor da Fundação Gaddafi. Filho de Muammar Gaddafi. A proximidade da associação com o governo. Declarações públicas inflamatórias que incentivam a violência contra manifestantes.
  10. Abdulqader Yusef Dibri: Chefe da segurança pessoal da Muammar Gaddafi. Responsabilidade pela segurança do governo. História de dirigir violência contra dissidentes.
  11. Matuq Mohammed Matuq: Secretário de Utilidades. Membro sênior do governo. Envolvimento com Comitês Revolucionários. História passada de envolvimento na supressão da dissidência e da violência.
  12. Sayyid Mohammed Qadhaf Al-dam: Primo de Muammar Gaddafi. Na década de 1980, Sayyid esteve envolvido na campanha dissidente de assassinato e alegadamente responsável por várias mortes na Europa. Também se pensa que ele esteve envolvido na aquisição de armas.
  13. Khamis Gaddafi: Filho de Muammar Gaddafi. A proximidade da associação com o governo. Comando de unidades militares envolvidas na repressão de manifestações.
  14. Muhammad Gaddafi: Filho de Muammar Gaddafi. A proximidade da associação com o governo.
  15. Saif al-Arab Gaddafi: Filho de Muammar Gaddafi. A proximidade da associação com o governo.
  16. Colonel Abdullah Senussi: Diretor de Inteligência Militar. Envolvimento da Inteligência Militar na supressão de manifestações. A história passada inclui suspeita de envolvimento no massacre da prisão de Abu Selim. Condenado na ausência por bombardeio do voo da UTA. Cunhado de Muammar Gaddafi.

O NTC esteve em negociações com Argélia e Níger, países vizinhos aos quais membros do governo e comandantes militares desviados haviam fugido, tentando garantir a prisão e a extradição de Al-Saadi Gaddafi e outros.[37]

Destes funcionários, Baghdadi Mahmudi e Abuzed Omar Dorda foram presos,[38][39] enquanto Saif al-Arab Gaddafi foi morto por um ataque aéreo da OTAN durante a guerra,[40] Khamis Gaddafi foi morto em ação depois da queda de Trípoli,[41] e Muammar e Mutassim Gaddafi, bem como Abu-Bakr Yunis Jabr, foram mortos durante a Batalha de Sirte (2011)|queda] de Sirte.[42]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Pelham, Nicolas (Fevereiro de 2015). «Libya Against Itself». The New York Review of Books. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  2. a b https://www.theguardian.com/world/2015/dec/17/libyan-politicians-sign-un-peace-deal-unify-rival-governments
  3. http://english.alarabiya.net/en/vuews/news/middle-east/2015/12/25/Libyan-deal-on-course-but-who-is-on-board-.html
  4. Fetouri, Mustafa (30 de junho de 2014). «Poor election turnout sign of Libya's despair». Al-Monitor. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  5. «Libya's outgoing parliament elects PM». 25 de agosto de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  6. «Libyan capital under Islamist control after Tripoli airport seized». The Guardian. 24 de agosto de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  7. a b «Libya faces chaos as top court rejects elected assembly». Reuters. 6 de novembro de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  8. «Libyan parliament defies supreme court ruling». Al Arabiya. 6 de novembro de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  9. Benotman, Noman (24 de outubro de 2014). «Libya has become the latest Isil conquest». The Telegraph. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  10. «Baghdadi vs. Zawahri: Battle for Global Jihad». U.S. News and World Report. 1 de dezembro de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  11. Moore, Jack (29 de janeiro de 2015). «Al-Qaeda 'Islamic Police' on Patrol in Libyan City Contested With ISIS». Newsweek. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  12. «Libya's government holed up in a 1970s hotel». BBC News. 16 de outubro de 2014. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  13. «The next failed state». The Economist. 10 de janeiro de 2015. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  14. Murray, Rebecca (16 de fevereiro de 2015). «Libya anniversary: 'The situation is just terrible'». Al Jazeera. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  15. Anderson, Jon Lee (23 de fevereiro de 2015). «The Unravelling». The New Yorker. Consultado em 18 de fevereiro de 2015 
  16. Michel Cousins (24 de julho de 2012). «National Congress to meet on 8 August: NTC». Libya Herald. Consultado em 26 de julho de 2012 
  17. «NTC to Transfer Power to Newly-Elected Libyan Assembly August 8». Tripoli Post. 2 de agosto de 2012. Consultado em 4 de agosto de 2012 
  18. Esam Mohamed (8 de agosto de 2012). «Libya's transitional rulers hand over power». Boston.com. Associated Press. Consultado em 8 de agosto de 2012 
  19. «Libya elections: Do any of the parties have a plan?». BBC News. 6 de julho de 2012. Consultado em 6 de setembro de 2012 
  20. Margaret Coker (22 de junho de 2012). «Libya Election Panel Battles Ghosts». The Wall Street Journal 
  21. «Libya leader Magarief vows to disband illegal militias». BBC News. 23 de setembro de 2013. Consultado em 6 de janeiro de 2013. Mr Magarief, the parliamentary speaker who acts as head of state until elections next year. 
  22. http://www.aljazeera.com/news/africa/2013/12/libya-assembly-votes-sharia-law-2013124153217603439.html
  23. «Congress votes to replace itself with new House of Representatives». Libya Herald. 30 de março de 2014. Consultado em 1 de abril de 2014 
  24. «Rival Libyan lawmakers sign proposal for peace deal». Yahoo. Reuters. 6 de dezembro de 2015. Consultado em 7 de dezembro de 2015 
  25. «Rebels dismiss election offer, NATO pounds Tripoli». Reuters. 16 de junho de 2011. Consultado em 18 de setembro de 2011 
  26. «Ferocious battles in Libya as national council meets for first time». NewsCore. 6 de março de 2011 
  27. «Libya declares 'liberation,' path to elections, constitution». The Los Angeles Times. 23 de outubro de 2011. Consultado em 23 de outubro de 2011 
  28. «Sun, 23 de outubro de 2011, 17:09 GMT+3 - Líbia». Al Jazeera Blogs. Consultado em 23 de outubro de 2011 
  29. High National Election Commission: Press Release 16 de junho de 2012
  30. «Libyan Election Party List Results: Seats Per Party by District» (PDF). POMED. Consultado em 29 de maio de 2013 
  31. Citação:
  32. Citação:
  33. «Primeiro partido Islamista emerge na Líbia.». Hurriyet Daily News. 11 de janeiro de 2012. Consultado em 25 de janeiro de 2012 
  34. Citação:
  35. Perfil do País: Líbia (PDF). Biblioteca do Congresso Divisão Federal de Pesquisa (Abril de 2005).  Este artigo incorpora texto desta fonte, que está no domínio público.
  36. Interpol File No.: 2011/108/OS/CCC, 4 de março de 2011.
  37. «NTC Demands Niger Returns Saadi, Officials from Al Qathafi Regime». Tripoli Post. 16 de setembro de 2011. Consultado em 18 de setembro de 2011 
  38. «Former Libyan PM arrested, jailed in Tunisia». Taipei Times. 24 de setembro de 2011. Consultado em 25 de setembro de 2011 
  39. MacLean, William (11 de setembro de 2011). «Exclusive: Gaddafi spy chief Dorda arrested». Reuters. Consultado em 18 de setembro de 2011 
  40. «Saif al-Arab: A playboy known for his hard-living ways». London. The Independent. 2 de maio de 2011. Consultado em 18 de setembro de 2011 
  41. «Gaddafi's feared son Khamis 'confirmed dead', claims NTC». London. The Daily Telegraph. The Telegraph. 4 de setembro de 2011. Consultado em 18 de setembro de 2011 
  42. El Gamal, Rania (23 de outubro de 2011). «Clues to Gaddafi's death concealed from public view». Reuters. Consultado em 23 de outubro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]