Bangladesh

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Política de Bangladesh)

República Popular do Bangladesh
গণ প্রজাতন্ত্রী বাংলাদেশ (bengali)
Gônôprôjatôntri Bangladesh
Bandeira do Bangladesh
Brasão de armas do Bangladesh
Bandeira Brasão de armas
Lema: জয় বাংলা (Joy Bangla)[1]
("Vitória a Bangladesh")
Hino nacional: আমার সোনার বাংলা (Amar Shonar Bangla)
("Meu Bangladesh Dourado")
Gentílico: bangladês,[2] bangladense, bengali,[2] bangladexense,[3] bangladexiano, bangladechiano,[4] bangladeshiano, bengalense, bengali.

Localização de República Popular do Bangladesh

Capital Daca
23° 44' N 90° 41' O
Cidade mais populosa Daca
Língua oficial Bengali
Governo República unitária parlamentarista
• Presidente Abdul Hamid
• Primeira-ministra Sheikh Hasina
• Presidente do Parlamento Nacional Shirin Sharmin Chaudhury
• Presidente da Suprema Corte Hasan Foez Siddique
Independência do Paquistão 
• Data 26 de março de 1971 
Área  
  • Total 148 460[5] km² (94.º)
 • Água (%) 6,4 (18 290 km²)[5]
 Fronteira Índia e Myanmar
População  
  • Estimativa para 2018 161 376 708[6] hab. (8.º)
 • Censo 2011 149 772 364[7] hab. 
 • Densidade 1,106 hab./km² (7.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2022
 • Total US$ 1,070 trilhões *[8] (27.º)
 • Per capita US$ 6 630 (125.º)
PIB (nominal) Estimativa de 2022
 • Total US$ 409 bilhões *[9] (33.º)
 • Per capita US$ 2 138 (149.º)
IDH (2021) 0,661 (129.º) – médio[10]
Gini (2018) 39.5[11] 
Moeda Taka (৳) (BDI)
Fuso horário (UTC+6)
 • Verão (DST) não observado (UTC+6)
Cód. ISO BGD
Cód. Internet .bd
Cód. telef. +880
Website governamental www.bangladesh.gov.bd

Bangladesh,[12][13][14] ou Bangladexe[15][14][16][17][18][19][20] (em bengali: বাংলাদেশ; etimologicamente: Nação Bengali), oficialmente República Popular do Bangladesh[21] ou Bangladexe[22] (em bengali: গণপ্রজাতন্ত্রী বাংলাদেশ; romaniz.: Gônôprôjatôntri Bangladesh), é um país asiático, rodeado quase por inteiro pela Índia, exceto a sudeste, onde tem uma pequena fronteira terrestre com Myanmar, e ao sul, onde tem litoral no golfo de Bengala. O país está listado entre as economias do grupo "Próximos Onze". A capital do país é Daca. O nordeste da Índia tem fronteiras com o Bangladesh em três lados.[23] Muitos dos aspectos físicos e culturais do Bangladesh são partilhados com Bengala Ocidental, um estado da Índia vizinho ao Bangladesh.[24][25] Na verdade, o Bangladesh e Bengala Ocidental formam uma região da Ásia conhecida como Bengala. Bangladesh era antigamente conhecido pelo nome de Bengala Oriental.[26] O atual nome Bangladesh significa "nação bengali" ou "nação de Bengala".[27] Existe vida vegetal em abundância no clima quente e úmido da região. A maior parte do país é composta por planícies baixas, fertilizadas pelas enchentes dos rios e cursos d'água que as cruzam. Os rios, durante a época das cheias, depositam solo fértil ao longo de suas margens. Mas muitas dessas enchentes também causam grande destruição nos vilarejos rurais.[28]

O Bangladesh é o oitavo país do mundo em número de habitantes, com cerca de 150 milhões de habitantes em 2012.[29][30] O rápido crescimento populacional do país trouxe um sério problema de superpopulação.[31] O território do país é um pouco maior do que o estado brasileiro do Amapá, mas o número de habitantes é, aproximadamente, 220 vezes maior.[26] Os habitantes locais são chamados bengaleses ou bengalis,[32][33] que representam 98% da população total de Bangladesh. Cerca de 85% dos habitantes são muçulmanos (o que torna Bangladesh no terceiro maior país de maioria muçulmana,[34]), sendo a quase totalidade do restante composta de hindus.[35] A constituição declara Bangladesh um estado secular, ao mesmo tempo que estabelece o islã como religião oficial.[36] Como uma potência média na política mundial,[37] Bangladesh é uma democracia parlamentar unitária e uma república constitucional que segue o sistema Westminster de governança. O país está dividido em oito divisões administrativas e 64 distritos.[carece de fontes?]

A região atualmente conhecida por Bangladesh foi governada, em diversos períodos da sua história, por hindus, muçulmanos e budistas. Tornou-se parte do Império Britânico, quando o Reino Unido, em 1858, assumiu o controle da Índia. Os sangrentos conflitos entre hindus e muçulmanos provocaram a divisão da Índia em duas nações — isso em 1947, quando a Índia se tornou independente. O Paquistão — formado pelo Paquistão Ocidental e Paquistão Oriental — foi criado a partir das regiões nordeste e noroeste da Índia. A maioria da população nas duas áreas é composta de muçulmanos. Bangladesh conquistou sua independência do Paquistão em 1971, depois da guerra civil de nove meses entre o Paquistão Ocidental e o Paquistão Oriental. De 1947 a 1971, a região que hoje é Bangladesh foi o Paquistão Oriental.[38] Mais da metade da população do Paquistão morava lá.[26]

Há muito tempo a região é caracterizada por uma grande pobreza.[39] A maioria dos habitantes é composta de agricultores pobres, que se esforçam para tirar seu sustento de pequenos lotes de terra.[40] Muitos dos trabalhadores das cidades ganham apenas alguns centavos por dia.[41] Cerca de 52,1% da população com mais de 15 anos não sabem ler nem escrever.[35] Atualmente, apesar de Bangladesh continuar enfrentando muitos desafios, incluindo os efeitos adversos das mudança climática,[42] pobreza, analfabetismo,[43] corrupção,[44] autoritarismo, abusos dos direitos humanos e os desafios da crise de refugiados ruaingas,[45] o país é uma das economias emergentes e líderes de crescimento do mundo.[46] Outrora um centro histórico do comércio de tecidos de musseline, Bangladesh é hoje um dos maiores exportadores de roupas modernas do mundo. A economia de Bangladesh é a 39ª maior do mundo em PIB nominal, e a 29ª maior por PPP. A percentagem da população urbana de Bangladesh é inferior à da maioria das nações do sul da Ásia[47] Somente cerca de 18% da população, vive nas cidades.[47] Apesar disso, Daca, a capital e maior cidade do país, é considerada uma das maiores cidades do mundo (em termos de população), tendo mais de sete milhões de habitantes residindo dentro de seus limites e mais de cinco milhões nas cidades e povoados periféricos.[48]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A etimologia de Bangladesh ("país bengali") pode ser atribuída ao início do século XX, quando canções patrióticas bengalis, como "Namo Namo Namo Bangladesh Momo" de Kazi Nazrul Islam e "Aaji Bangladesher Hridoy" de Rabindranath Tagore, usaram o termo.[49] A palavra "Bangladesh" foi muitas vezes escrita no passado como duas palavras separadas, "Bangla Desh". A partir da década de 1950, os nacionalistas bengalis usaram o termo em comícios políticos no Paquistão Oriental. O termo "Bangla" é um nome importante tanto para a região de Bengala quanto para a língua bengali. As origens do termo "Bangla" não são claras, com teorias apontando para uma tribo proto-dravidiana da Idade do Bronze,[50] a palavra áustrica "Bonga" (deus Sol)[51] e o Reino Vanga da Idade do Ferro.[51] O uso mais antigo conhecido do termo é a placa Nesari em 805 d.C.. O termo "Vangaladesa" é encontrado em registros do sul da Índia do século XI.[52][53] O termo ganhou estatuto oficial durante o Sultanato de Bengala no século XIV.[54][55] Shamsuddin Ilyas Shah proclamou-se como o primeiro " de Bangala" em 1342.[54] A palavra "Bangal" tornou-se o nome mais comum para a região durante o período islâmico.[56] O historiador do século XVI Abu'l-Fazl ibn Mubarak menciona em seu Ain-i-Akbari que a adição do sufixo "al" veio do fato de que os antigos rajás levantaram montes de terra de 10 pés de altura e 20 de largura nas planícies ao pé das colinas que eram chamadas de "al". Isso também é mencionado no Riyaz-us-Salatin de Ghulam Husain Salim.[57] O sufixo indo-ariano "Desh" é derivado da palavra sânscrita deśha, que significa "terra" ou "país". Assim, o nome Bangladesh significa "Terra de Bengala" ou "País de Bengala".[53]

História[editar | editar código-fonte]

Antiguidade e chegada do islão[editar | editar código-fonte]

Vestígios de civilizações na grande região de Bengala remontam a quatro mil anos, quando a área foi colonizada por dravidianos, indo-áricos, tibeto-birmaneses e austro-asiáticos. A origem exata da palavra Bangla ou Bengal não é clara, embora acredita-se seja derivada de Bang/Vanga, a tribo de língua dravidiana que se instalou na região por volta do ano 1 000 a.C. Sob o domínio islâmico, a área passou a ser conhecida no mundo muçulmano em persa como Bangalah.[58][59]

O islão foi introduzido na região de Bengala durante o século VII por comerciantes e missionários árabes muçulmanos sufistas, sendo que a conquista muçulmana subsequente de Bengala no século XII para o enraizamento do islã em toda a região.[60] Bakhtiar Khilji, um general turcomano, derrotou Lakshman Sen da dinastia Sena e conquistou grandes partes da área no ano 1204.[carece de fontes?]

A região então passou a ser governada pelo Sultanato de Bengala e pela Confederação Baro-Bhuiyan pelos próximos cem anos. Por volta do século XV, o Império Mogol passou a controlar Bengala e Daca se tornou um importante centro provincial de administração mogol. A região foi provavelmente a parte mais rica do subcontinente indiano até o século XVI.[carece de fontes?]

Colonização europeia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Índia britânica
A Batalha de Plassey (1757) estabeleceu o domínio britânico na região[61]

De 1517 em diante, os comerciantes portugueses de Goa foram percorrendo o caminho marítimo para Bengala. Apenas em 1537 eles foram autorizados a instalar postos comerciais em Chatigão. Em 1577, o imperador mogol Akbar permitiu que os portugueses construíssem assentamentos permanentes e igrejas em Bengala.[62]

A influência dos comerciantes europeus cresceu até a Companhia Britânica das Índias Orientais conquistar o controle de Bengala após a Batalha de Plassey, em 1757.[63] A sangrenta Rebelião Indiana de 1857 resultou em uma transferência de autoridade para a coroa com o vice-rei britânico executando a administração local.[64] Durante o domínio colonial, houve várias crises de fome na Ásia Meridional, incluindo a Fome de 1943 em Bengala, que foi induzida pela guerra de 1943 e que custou 3 milhões de vidas.[65]

Após a fundação da Índia Britânica, Bengala ainda estava sob a forte influência da cultura britânica, como na arquitetura e na arte. O movimento de independência da Índia ainda estava em andamento no esforço para derrubar o Império Britânico e muitos bengalis contribuíram para esse esforço. Ao mesmo tempo que os conflitos entre islâmicos e hindus ocorriam, entre 1905 e 1911, foi feita uma tentativa frustrada de dividir a província de Bengala em dois Estados.[66]

Paquistão Oriental[editar | editar código-fonte]

Sheikh Mujibur Rahman, o líder fundador do país

Após o colapso do domínio britânico na região em 1947, Bengala foi dividida em áreas religiosas, sendo a parte ocidental anexada pela Índia recém-independente e a parte oriental (de maioria muçulmana) unida ao Paquistão como uma província chamada Bengala Oriental (mais tarde renomeada Paquistão Oriental), com a cidade de Daca como sua capital.[67]

Apesar do peso econômico e demográfico do oriente, o governo e os militares paquistaneses eram amplamente dominados pelas elites do Paquistão Ocidental. O Movimento pela Língua Bengali, em 1952, foi o primeiro sinal de atrito entre as duas regiões que formavam o Paquistão.[68] A insatisfação com o governo central sobre questões econômicas e culturais continuaram a subir durante a década seguinte, durante a qual a Liga Awami surgiu como a voz política da população bengali. Manifestações por autonomia aumentaram na década de 1960 e, em 1966, seu presidente, o Sheikh Mujibur Rahman (Mujib), foi preso; ele foi lançado em 1969 depois de uma revolta popular sem precedentes. Em 1970, um ciclone devastou a costa do Paquistão Oriental e matou até meio milhão de pessoas,[69] sendo que a resposta do governo central foi vista como insuficiente. A raiva da população bengali foi agravada quando Mujibur Rahman, cujo partido, a Liga Awami havia conquistado a maioria parlamentar nas eleições de 1970, foi impedido de assumir a chefia do governo.[70]

O presidente Yahya Khan e os militares então lançaram[71] um ataque militar sustentado no Paquistão Oriental, quando prenderam Mujibur Rahman na madrugada de 26 de março de 1971. Os métodos de Yahya foram extremamente sangrentos e a violência da guerra resultou em muitas mortes de civis.[72] Os principais alvos de Yahya eram intelectuais e hindus, sendo que cerca de um milhão de refugiados fugiram para a vizinha Índia.[73] As estimativas dos massacrados em toda a guerra de independência variam entre 30 mil e 3 milhões de pessoas.[74] Mujibur Rahman foi finalmente solto em 8 de janeiro de 1972, como resultado da intervenção direta dos Estados Unidos.[75]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Mapa do país (em inglês)
Imagem de satélite do território do país, com os rios Padma, Jamuna e Meghna

O Bangladesh é um país com poucas elevações acima do nível do mar, com grandes rios em todo seu território situado ao sul da Ásia. Sua costa é uma imensa selva pantanosa de 710 km de comprimento, limitando ao norte do Golfo de Bengala. Formada por uma grande planície formada pelo delta dos rios Ganges, Bramaputra e Meghna e seus afluentes, as terras de aluvião do Bangladesh são muito férteis, uma vez que são vulneráveis à inundações e à seca.[carece de fontes?]

As únicas montanhas fora da planície são os trechos de colinas de Chatigão, onde situa-se o ponto culminante do país (Keokradong, com 1 230 m de altura), no sudeste, e a divisão de Sylhet, no nordeste. Próximo ao trópico de Câncer, Bangladesh tem um clima subtropical de monções, caracterizado pela temporada de intensas chuvas anuais, temperaturas moderadamente calorosas e uma grande umidade.[carece de fontes?]

Com uma altitude de 1 052 metros, o pico mais alto em Bangladesh é o Mowdok Mual (ou Saka Haphong), nas colinas de Chatigão, no sudeste do país.[76]

Clima[editar | editar código-fonte]

Ver também: Delta do Ganges

Por ocupar o trópico de Câncer, o clima do país é predominantemente tropical com um inverno ameno de outubro a março e um verão quente e úmido de março a junho. O país nunca foi congelado em qualquer ponto de seu território, sendo que o recorde de temperatura mais baixa foi de 4,5 °C na cidade de Jessore, sudoeste do país, no inverno de 2011.[77] A estação das monções, quente e úmida, vai de junho a outubro e abrange a maior parte das chuvas do país. Desastres naturais, tais como inundações, ciclones tropicais, tornados e macaréus ocorrem quase todos os anos,[78] combinados com os efeitos do desmatamento, degradação do solo e da erosão provocados pela atividade humana. Os ciclones de 1970 e 1991 foram particularmente devastadores, sendo que o de 1991 matou cerca de 140 mil pessoas.[79]

Em setembro de 1998, o país foi o cenário das inundações mais graves da história do mundo moderno. Os rios Brahmaputra, Ganges e Meghna transbordaram e engoliram 300 mil casas, o que causou a morte de cerca de mil pessoas e deixou 30 milhões de bengalis desabrigados. Além disso, as enchentes causaram a morte de 135 mil bovinos, destruíram 50 quilômetros quadrados de terras e danificaram ou varreram 11 mil quilômetros de estradas. Dois terços do país ficou debaixo d'água. Entre as explicações para um fenômeno tão intenso, estão chuvas de monção anormalmente elevadas e o fato da cordilheira dos Himalaias ter lançado uma quantidade igualmente elevada da água derretida naquele ano. Em terceiro lugar, as árvores que normalmente teriam interceptado a água da chuva tinham sido cortadas para fazer lenha ou para criar espaço para os animais, o que amplificou os danos causados pelas enchentes.[80]

Problemas ambientais[editar | editar código-fonte]

Inundação do rio Karnafuli após a passagem do ciclone tropical de 1991

Bangladesh é amplamente reconhecido como um dos países mais vulneráveis às mudanças climáticas. Os perigos naturais que vêm do aumento das chuvas, elevação do nível do mar e dos ciclones tropicais devem aumentar com as alterações climáticas, o que afetará seriamente a agricultura, o abastecimento de água potável, a segurança alimentar, a saúde humana e os abrigos da população.[81] Acredita-se que nas próximas décadas apenas a elevação do nível do mar vai criar mais de 20 milhões[82] de refugiados climáticos.[83] A água de Bangladesh frequentemente está contaminada com arsênico por causa dos altos conteúdos desta substância no solo. Até 77 milhões de bengalis estão expostos ao arsênico tóxico presente na água potável.[84][85]

O país é um dos mais propensos a inundações naturais, tornados e ciclones tropicais.[86][87] Além disso, há evidências de que os terremotos também representam uma ameaça para o país. Estudos indicam que a tectônica causou mudanças súbitas e dramáticas no curso de rios. Além disso, tem sido demonstrado que a estação das chuvas de Bangladesh, país localizado no maior delta fluvial do mundo, pode empurrar a crosta subjacente para baixo em até seis centímetros, e, possivelmente, perturbar falhas.[88]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Demografia de Bangladesh

Bangladesh tem cerca de 164,7 milhões habitantes (censo de 2020)[89] e é a 8.ª nação mais populosa do mundo. Em 1951, a população era de de 44 milhões de pessoas.[90] É também o país mais densamente povoado do mundo e o 11.º quando pequenos países e cidades-Estados são incluídos. Uma comparação é com a Rússia, que possui um território 115 vezes maior que o de Bangladesh, porém, possui 20 milhões de habitantes a menos.[91][89][92]

Pirâmide etária de Bangladesh (2005)

A taxa de crescimento da população bengali estava entre as mais altas do mundo na década de 1960 e 1970, quando a sua população cresceu de 65 milhões para 110 milhões. Com a promoção do controle de natalidade na década de 1980, a taxa de crescimento começou a desacelerar. A taxa de fecundidade é agora de 2,55 filhos por mulher, inferior a da Índia (2,58) e Paquistão (3,07). A população é relativamente jovem, sendo que 34% dos habitantes tem 15 anos de idade ou são mais jovens e 5% tem 65 anos ou mais. A expectativa de vida ao nascer é estimada em 70 anos para ambos os sexos, em 2012.[35]

Apesar do rápido crescimento econômico, cerca de 26% dos habitantes do país ainda vivem abaixo da linha de pobreza, o que significa viver com menos de 1,25 dólar por dia.[93] A esmagadora maioria dos habitantes de Bangladesh são bengalis, que constituem 98% da população.[94] O restante é principalmente composto por grupos tribais biharis e indígenas. Há também uma população pequena, mas crescente de refugiados ruainga (rohingya) de Myanmar, que Bangladesh pretende repatriar. Os povos indígenas estão concentrados nas colinas de Chatigão, no sudeste. Há 45 grupos tribais localizadas nessa região, sendo o maior deles os chakmas. A região das colinas também tem sido uma fonte de tensão e separatismo antes e desde o início de Bangladesh como entidade independente.[95]

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Línguas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Línguas de Bangladesh

Mais de 98% dos bengaleses falam bengali como seu idioma materno e que também é a língua oficial.[97][98] O inglês também é usado como segunda língua entre as classes média e alta e também é amplamente utilizado no ensino superior e no sistema jurídico.[99] Historicamente, as leis foram escritas em inglês e não foram traduzidos para o bengali até 1987, quando o processo se inverteu. A constituição e as leis de Bangladesh atualmente estão em inglês e bengali.[100] Há também uma população de falantes de línguas minoritárias indígenas.

Religiões[editar | editar código-fonte]

Religiões em Bangladesh
Religião Percentagem
Islão
  
86,6%
Hinduísmo
  
12,1%
Budismo
  
0,6%
Cristianismo
  
0,4%
Outros
  
0,3%

O islão é a religião do Estado, apesar de Bangladesh ser secular. É a maior religião do país e compõe 86,6% da população. O hinduísmo alcança 12,1% da população, o budismo 1% e outras crenças 0,3% dos habitantes. A maioria dos muçulmanos são sunitas e há um pequeno número de xiitas,[101] além de cerca de 100 mil muçulmanos ahmadi.[102] Bangladesh tem a quarta maior população muçulmana do mundo, depois de Indonésia, Paquistão e Índia.[103] Os hindus são o segundo maior grupo religioso do país e o terceiro maior do mundo, depois da Índia e do Nepal.[104]

Depois de Bangladesh conquistar a independência do Paquistão, o secularismo foi incluído na constituição original de 1972, como um dos quatro princípios do Estado, sendo os outros a democracia, o nacionalismo e o socialismo. Em 2010, o Superior Tribunal manteve os princípios seculares da Constituição, mas autorizados a manter o islão como a religião do Estado. Bangladesh segue sistema de governo secular e democrático. No entanto, o país também segue sistema misto de leis governamentais e religiosas, que são aplicadas apenas ao respectivo grupo religioso.[105]

Alguns dos habitantes praticam o sufismo, visto que historicamente o islão foi trazido ao país por sufistas. As influências sufistas na região remontam há muitos séculos.[106] A maior reunião de muçulmanos no país é o "Bishwa Ijtema", realizada anualmente pela Tablighi Jamaat. O Ijtema é a segunda maior congregação muçulmana do mundo, depois do Hajj.[carece de fontes?]

Política[editar | editar código-fonte]

Bangladesh é um Estado unitário e uma democracia parlamentar. As eleições diretas em que todos os cidadãos, com idades entre 18 anos ou mais, podem votar são realizadas a cada cinco anos para o parlamento unicameral conhecido como o Jatiyo Sangshad. Atualmente, possui 350 membros (incluindo 50 assentos reservados para as mulheres) eleitos por círculos uninominais. O primeiro-ministro, como chefe de governo, forma o gabinete e executa os assuntos do dia-a-dia do governo. Ele é formalmente nomeado pelo presidente, mas também deve ser um membro do parlamento e líder da maioria.[107]

O presidente é o chefe de Estado, embora o cargo seja principalmente cerimonial;[108] no entanto, os poderes do presidente são substancialmente alargados durante o mandato de um governo interino, que é responsável pela realização de eleições e pela transferência de poder. Os oficiais do governo devem ser apartidários e têm três meses para completar a sua tarefa. Este regime transitório foi lançada por Bangladesh na eleição de 1991 e, em seguida, institucionalizado em 1996, através de sua 13ª emenda constitucional.[109]

Direitos Humanos[editar | editar código-fonte]

Conforme um relatório da Amnistia Internacional de 2021, a liberdade de expressão continua a ser fortemente cerceada por leis draconianas. As autoridades levaram a cabo graves violações dos direitos humanos, incluindo desaparecimentos forçados, detenções ilegais, tortura e execuções extrajudiciais. Os protestos pacíficos de partidos políticos e estudantes da oposição foram impedidos e reprimidos pelas autoridades, nalgumas ocasiões utilizando força excessiva. A violência contra as mulheres aumentou durante a pandemia de Covid-19. Os povos indígenas sofreram escassez de recursos devido ao aumento da desflorestação e ao roubo de terras. Refugiados e minorias religiosas sofreram ataques violentos.[110]

Corrupção[editar | editar código-fonte]

A corrupção em Bangladesh tem sido um problema contínuo. De acordo com todas as principais instituições de classificação, Bangladesh se encontra rotineiramente entre os países mais corruptos do mundo.[111] O Índice de Percepção da Corrupção de 2017 da Transparency International classifica o país em 143º lugar dentre 180 países.[112] Os setores públicos conduzidos pelo governo são os setores mais corrompidos do país.[113] A Comissão Anti-Corrupção foi criada em 2004, mas é considerada ineficaz na investigação e prevenção da corrupção por causa do controle governamental sobre ela.[114][115]

Relações internacionais e forças armadas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Forças Armadas de Bangladesh

Bangladesh mantém uma política externa moderada que coloca forte ênfase na diplomacia multilateral, especialmente nas Nações Unidas. Em 1974, o país se tornou membro da Commonwealth e da ONU, sendo que foi eleito para dois mandatos no Conselho de Segurança (1978-1979 e 2000-2001). Na década de 1980, Bangladesh foi pioneiro na criação da Associação Sul-Asiática para a Cooperação Regional (SAARC), o primeiro organismo intergovernamental regional da Ásia Meridional.[carece de fontes?]

O relacionamento internacional mais importante e complexa de Bangladesh é com a vizinha Índia. A relação é corroborada por afinidades históricas e culturais, como a aliança da Índia com os nacionalistas bengalis durante a independência do país em 1971. No entanto, as relações bilaterais passaram por vários "tropeços" nos últimos quarenta anos. A grande fonte de tensão é a partilha da água de 56 rios comuns, bem como a segurança das fronteiras e barreiras da Índia para comércio e investimentos. Ambos os países têm também, por vezes, feito acusações de abrigar grupos insurgentes.[116]

Em 2012, a força atual do exército é de cerca de 300 mil soldados, incluindo reservistas;[117] 22 mil da força aérea e 24 mil da marinha.[118] Além de papéis tradicionais de defesa, os militares bengalis devem prestar apoio às autoridades civis para alívio de desastres e segurança interna durante períodos de instabilidade política. Bangladesh não está ativo no momento em qualquer guerra em curso, mas contribuiu com 2 300 soldados durante a Operação Tempestade no Deserto, em 1991, e é o maior contribuinte do mundo (10 736) para as forças de paz da ONU. Em maio de 2007, Bangladesh teve grandes intervenções República Democrática do Congo, Libéria, Sudão, Timor-Leste e Costa do Marfim.[119][120]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

O sistema educacional bengali é dividido em cinco níveis: primário (primeiro ao quinto ano), ensino médio (sexto ao oitavo ano), secundário (nono e décimo ano), ensino médio (11º e 12º ano) e terciário. Cinco anos de ensino médio (incluindo o ensino médio) terminam com um exame chamado Certificado de Escola Secundária (SSC). Desde 2009, o exame de encerramento da educação primária (PEC) também foi introduzido. Os alunos aprovados no exame PEC passam para o estágio secundário ou matriculatório, culminando no exame do Certificado de Escola Secundária. Os alunos que passam no exame PEC progridem para três anos do ensino médio, culminando no exame de Certificado de Escola Júnior (JSC). Os alunos aprovados neste exame passam para dois anos do ensino secundário, culminando no exame SSC. Os alunos que passarem neste exame avançam para dois anos do ensino médio, culminando no exame de Certificado de Escola Secundária Superior (HSC).[121]

Taxas de alfabetização nos distritos de Bangladesh

O sistema educacional do país opera com muitas escolas nos níveis primário, secundário e secundário, além de outras instituições de ensino privadas. No setor de educação superior, o governo de Bangladesh financia mais de 45 universidades estatais por meio da University Grants Commission. A educação formal é oferecida em bengali, mas o inglês também é permitido e comumente ensinado e usado.[122]

Bangladesh tem uma taxa de alfabetização de 74,7% (2019), sendo maior entre homens (77,4%) do que entre mulheres (71,9%).[123][124] A expectativa de vida escolar, do ensino primário ao ensino superior, era de 12 anos de estudos em 2018.[125] O governo investe cerca de 1,3% de seu Produto interno bruto (PIB) no setor de educação, o que se revela o segundo índice mais baixo no mundo, sendo superior apenas à República Centro-Africana.[125][126]

As universidades em Bangladesh são de três tipos gerais: públicas (de propriedade do governo e subsidiadas), privadas (universidades de propriedade privada) e internacionais (operadas e financiadas por organizações internacionais). Elas são credenciados e afiliados à University Grants Commission (UGC), criada pela Ordem Presidencial 10 em 1973.[127] O país tem 47 universidades públicas, 105 privadas e 2 universidades internacionais.[128] A Universidade Nacional de Bangladesh tem o maior número de matrículas, e a Universidade de Daca (fundada em 1921) é a mais antiga. A Universidade Asiática para Mulheres, em Chittagong, é voltada para as artes liberais para mulheres do Sul da Ásia, representando 14 países asiáticos; seu corpo docente vem de instituições acadêmicas notáveis ​​na América do Norte, Europa, Ásia, Austrália e Oriente Médio.[129]

O país está de acordo com os objetivos do movimento global Educação para Todos, da UNESCO, bem como aderiu formalmente aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, das Nações Unidas e outras declarações internacionais. A Constituição bengali, em seu artigo 17, prevê que todas as crianças detém o direito a receber educação básica gratuita, bem como professa um sistema educacional universal, voltado para as massas e denota a eliminação do analfabetismo como garantia constitucional.[130]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Divisões de Bangladesh
RangpurRajshahi (divisão)KhulnaMymensinghDacaBarisalSylhetChatigãoUm mapa clicável do Bangladesh exibindo suas divisões.
Sobre esta imagem

Bangladesh é dividido em sete divisões administrativas, cada nomeada por suas respectivas sedes regionais: Barisal, Chatigão, Daca, Khulna, Rajshahi e Sylhet.[35][131]

As divisões são subdivididas em distritos (zila). Há 64 distritos em Bangladesh, cada subdivide-se em upazila (subdistritos) ou thana. A área dentro de cada delegacia, exceto para aquelas em áreas metropolitanas, é dividido em vários sindicatos, sendo cada sindicato constituído por várias aldeias. Nas regiões metropolitanas, as delegacias estão divididos em alas, que são divididas em mahallas.[carece de fontes?]

Divisão Bengali Censo de 2011[132] Área (km²)[132] Densidade populacional
(2011) (pessoas/km²)[132]
Maior cidade
Barisal বরিশাল 8 325 666 13 297 626 Barisal (328 278)
Chatigão চট্টগ্রাম 28 423 019 33 771 841 Chatigão (2 592 439)
Daca ঢাকা 47 424 418 31 120 1 523 Daca (7 033 075)
Khulna খুলনা 15 687 759 22 272 704 Khulna (663 342)
Rajshahi রাজশাহী 18 484 858 18 197 1 015 Rajshahi (449 756)
Rangpur রংপুর 15 787 758 16 317 960 Rangpur (343 122)
Sylhet সিলেট 9 910 219 12 596 780 Sylhet (479 837)
Bangladesh বাংলাদেশ 144 043 697 147 570 976 Daca (7 033 075)

[133]

Economia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Economia de Bangladesh
Indústria têxtil em Bangladesh
Cultivo de arroz em Sylhet

Bangladesh é um país subdesenvolvido, mas tem uma economia de mercado em rápido crescimento. É um dos principais exportadores mundiais de têxteis e vestuário, bem como peixes, frutos do mar e juta, além de ter indústrias emergentes competitivas internacionalmente em áreas como construção naval, ciências da vida e tecnologia. O país também tem um setor empresarial social forte e é o berço das microfinanças.[134][135][136]

O país tem diminuído substancialmente sua dependência de empréstimos estrangeiros, de 85% (em 1988)[137] para 2% (em 2010)[138] para o seu orçamento anual. Sua renda per capita em 2013 era de 1 044 dólares, em comparação com a média mundial de 8 985 dólares.[139]

De acordo com estimativas de 2008 da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, Bangladesh é um dos maiores produtores mundiais de pescados (5.º),[140] arroz (4.º), batata (11.º), manga (9.º), abacaxi (16.º), frutas tropicais (5.º), cebola (16.º), banana (17.º), juta (2.º) e chá (11.º).[141]

A juta já foi o motor econômico do país. Sua participação no mercado mundial de exportação atingiu o pico na Segunda Guerra Mundial e até o início dos anos 1970 era responsável por 70% das receitas de exportação do país. No entanto, produtos de polipropileno começou a substituir produtos de juta em todo o mundo e da indústria de juta começou a declinar. Bangladesh cresce muito significativas quantidades de arroz, de chá, de batata, manga, cebola e mostarda.

Em 2005, mais de três quartos das receitas de exportação de Bangladesh veio da indústria de vestuário.[142] A indústria começou a atrair investidores estrangeiros na década de 1980 por causa da mão de obra barata e o baixo custo do país. Em 2014, Bangladesh era o segundo maior exportador de roupas do mundo.[143]

Muitas multinacionais ocidentais utilizam mão de obra no Bangladesh, que é um dos mais baratos do mundo: 30 euros por mês contra 150 ou 200 na China. Quatro dias é suficiente para que o CEO de uma das cinco principais marcas têxteis globais ganhe o que uma trabalhadora de vestuário de Bangladesh ganhará em sua vida. Em abril de 2013, pelo menos 1 135 trabalhadores têxteis morreram no colapso de sua fábrica. Outros acidentes fatais devido a fábricas não sanitárias afectaram o Bangladesh: em 2005, uma fábrica entrou em colapso e causou a morte de 64 pessoas. Em 2006, uma série de incêndios matou 85 pessoas e feriu 207 outras. Em 2010, cerca de 30 pessoas morreram de asfixia e queimaduras em dois incêndios graves.[144]

Em 2006, dezenas de milhares de trabalhadores se mobilizaram em um dos maiores movimentos grevistas do país, afetando quase todas as 4 000 fábricas. A Bangladesh Garment Manufacturers and Exporters Association (BGMEA) usa forças policiais para reprimir. Três trabalhadores foram mortos, centenas mais foram feridos por balas ou presos. Em 2010, após um novo movimento de greve, quase mil pessoas foram feridas entre os trabalhadores como resultado da repressão.[144]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Tamak' (d.) E Tumdak' (e.) - tambores típicos do povo Santhal, fotografados em uma vila no distrito de Dinajpur

A cultura do Bangladesh conta com diversas formas artísticas e culturais.

A história da cultura do Bangladesh data de há mais de 2 500 anos. A terra, os rios e as vidas do povo bangla formam uma rica herança com marcantes diferenças em relação a países e regiões vizinhos.[carece de fontes?]

Cultura composta, assimilou influências do hinduísmo, jainismo, budismo e islão. manifesta-se de forma variada, na música, dança, teatro e literatura; na arte e artesanato; no folclore e lendas; nas línguas, filosofia e religião, festivais e celebrações, e na tradição culinária.[carece de fontes?]

Música[editar | editar código-fonte]

A tradição musical de Bangladesh é baseada em letras, com um acompanhamento instrumental mínimo (Baniprodhan). A tradição baul é uma herança única da música folclórica bengali, além de muitas outras que variam de região para região: Gombhira, Bhatiali e Bhawaiya são alguns dos gêneros musicais mais conhecidos. A música folclórica de Bengala é frequentemente acompanhada pelo Ektara gopichand - um instrumento musical de corda única - o dotara, a mirwas, a flauta e a tabla. Bangladesh também tem uma herança ativa na música clássica hindu. Da mesma forma, as formas de dança no país se originam de tradições folclóricas, especialmente aquelas de grupos tribais, bem como da ampla tradição da dança indiana.[145]

Esportes[editar | editar código-fonte]

O kabaddi é o esporte nacional, embora o críquete seja mais popular, seguido de perto pelo futebol. A seleção nacional de críquete participou pela primeira vez de um campeonato mundial em 1999. Desde então, já logrou êxito em partidas contra outras nações incluindo o Paquistão, Escócia, Austrália, Nova Zelândia, Sri Lanka, África do Sul e Índia.[146] Por outro lado, as seleções de futebol feminino e masculino de Bangladesh nunca conseguiram se classificar para uma Copa do Mundo.[147] Bangladesh participou sete vezes das Olimpíadas, sem obter nenhuma medalha.[148]

Outros esportes populares incluem hóquei em campo, tênis, badminton, handebol, voleibol, xadrez e tiro esportivo. O Bangladesh Sports Board regula as vinte e nove federações esportivas diferentes. Em 2011, o país sediou a Copa do Mundo de Críquete juntamente com Índia e Sri Lanka .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Nossa Língua - Busca no Vocabulário», Academia Brasileira de Letras, academia.org.br 
  2. da Fonseca, F. V. Peixoto, «Bangladexe, bangladexense», Ciberdúvidas da língua portuguesa, ISCTE IUL .
  3. a b «Bangladesh — The World Factbook» (em inglês). Central Intelligence Agency (CIA). Consultado em 6 de janeiro de 2022 
  4. «Census – Bangladesh Bureau of Statistics» (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 4 de setembro de 2011 
  5. «World Economic Outlook Database» (em inglês). Fundo Monetário Internacional (FMI). Outubro de 2021. Consultado em 6 de janeiro de 2022 
  6. Byron, Rejaul Karim (2 de novembro de 2021). «Bangladesh now a $409b economy: GDP size up, growth down as new base year takes effect». The Daily Star (em inglês). Consultado em 6 de janeiro de 2022 
  7. «Relatório do Desenvolvimento Humano 2021/2022» (PDF). Programa de Desenvolvimento das Nações Unida. Consultado em 8 de setembro de 2022 
  8. «Bangladesh - Gini Index» (em inglês). Knoema. Consultado em 6 de janeiro de 2022. Cópia arquivada em 7 de setembro de 2013 
  9. «WhatsApp está ameaçado de bloqueio em vários países; entenda por quê». Folha de S. Paulo. 26 de fevereiro de 2015 
  10. «Blogueiro americano ateu é assassinado a golpes de facão em Bangladesh». O Globo. 27 de fevereiro de 2015 
  11. a b «Hiroxima e Bangladeche». ciberduvidas.iscte-iul.pt. Consultado em 22 de novembro de 2015 
  12. Serviço das Publicações da União Europeia. «Anexo A5: Lista dos Estados, territórios e moedas». Código de Redacção Interinstitucional. Consultado em 16 de junho de 2020 
  13. «Textos aprovados - Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2001 - Bangladexe». www.europarl.europa.eu. Consultado em 22 de novembro de 2015 
  14. «1 Taka bangladexense vale R$ 0,05 em reais». Quanto vale o real ao redor do mundo?. Consultado em 22 de novembro de 2015 
  15. Correia, Paulo (Direção-Geral da Tradução – Comissão Europeia) (Primavera de 2015). «EIIL/Daexe — geografias e transliterações» (PDF). «a folha» – Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (n.º 50). ISSN 1830-7809. Consultado em 21 de junho de 2016 
  16. Instituto Internacional da Língua Portuguesa. «Bangladexe». Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa. Consultado em 28 de abril de 2017 
  17. Correia, Paulo (Primavera de 2019). «Duxambé, Chechénia e os estados Xã e Chim» (PDF). Sítio web da Direcção-Geral da Tradução da Comissão Europeia no portal da União Europeia. A Folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias (n.º 59): 5-14. ISSN 1830-7809. Consultado em 8 de julho de 2019 
  18. «Mensagem do Presidente da República Portuguesa dirigida ao Presidente da República Popular do Bangladesh, Lajuddin Ahmed, a propósito dos efeitos trágicos do ciclone que atingiu o país». www.presidencia.pt. Consultado em 22 de novembro de 2015 
  19. Resolução do Parlamento Europeu sobre o Bangladexe, Parlamento Europeu, 18 de janeiro de 2001 
  20. Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos. Bangladesh Land boundaries. CIA World Factbook. 2012-03-26. URL:http://www.indexmundi.com/bangladesh/land_boundaries.html. Accessed: 2012-03-26. (Archived by WebCite® at http://www.webcitation.org/66SZ9tFWf)
  21. Bangladesh.com. Discover the Diverse Culture of Bangladesh. Bangladesh.com. 2012-03-26. URL:http://www.bangladesh.com/culture/. Accessed: 2012-03-26. (Archived by WebCite® at http://www.webcitation.org/66SaMGP1d)
  22. Indianetzone. Culture of West Bengal. Indianetzone. 2012-03-26. URL:http://www.indianetzone.com/5/culture_west_bengal.htm. Accessed: 2012-03-26. (Archived by WebCite® at http://www.webcitation.org/66Saftu94)
  23. a b c «Bangladesh». Enciclopédia Delta Universal. volume 2. Rio de Janeiro: Delta. 1982. 1135 páginas 
  24. Online Etymology Dictionary (2012). «Verbete "Bangladesh"» (em inglês). Online Etymology Dictionary. Consultado em 28 de março de 2012 
  25. NewMedia Holdings (2012). «Geography - Diverse Landscape and Natural Beauty». Bangladesh.com. Consultado em 28 de março de 2012 
  26. Governo dos Estados Unidos (julho de 2012). «Country comparison: population» (em inglês). Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos. Consultado em 28 de março de 2012 
  27. «Report for Selected Countries and Subjects». www.imf.org. Consultado em 26 de março de 2021 
  28. Tour to Bangladesh (2012). «Disadvantages of over population» (em inglês). Tour to Bangladesh. Consultado em 28 de março de 2012 
  29. Verbete "Bengali" do Dicionário Aulete da Língua Portuguesa
  30. Verbete "Bengalês" do Dicionário Aulete da Língua Portuguesa
  31. «Mapping the Global Muslim Population: A Report on the Size and Distribution of the World's Muslim Population». Pew Research Center. 7 de outubro de 2009. Consultado em 30 de novembro de 2019 
  32. a b c d Governo dos Estados Unidos (2012). «Bangladesh» (em inglês). Agência Central de Inteligência. Consultado em 28 de março de 2012 
  33. The Constitution of the People's Republic of Bangladesh. bdlaws.minlaw.gov.bd. [S.l.]: Ministry of Law, The People's Republic of Bangladesh. Consultado em 17 de abril de 2019. Article 2A. – The state religion and Article 12. – Secularism and freedom of religion 
  34. Oosterveld, Willem; Torossian, Bianca. «A Balancing Act: The Role of Middle Powers in Contemporary Diplomacy». Strategic Monitor 2018–2019. Clingendael Institute. Consultado em 25 de abril de 2019 
  35. Discovery Bangladesh (2012). «History of Bangladesh». Discovery Bangladesh. Consultado em 28 de março de 2012. Arquivado do original em 9 de junho de 2007 
  36. Banco Mundial (7 de junho de 2006). «Poverty in Bangladesh» (em inglês). Banco Mundial. Consultado em 28 de março de 2012 
  37. Rural Povert Portal (2012). «Rural poverty in Bangladesh» (em inglês). Rural Povert Portal 
  38. Urban Poverty in Bangladesh (2012). «Urban Poverty in Bangladesh» (em inglês). Blog Oficial do Assunto. Consultado em 28 de março de 2012 
  39. Braun, David Maxwell (20 de outubro de 2010). «Bangladesh, India Most Threatened by Climate Change, Risk Study Finds». National Geographic. Consultado em 14 de julho de 2017. Arquivado do original em 3 de maio de 2016 
  40. «1 in 4 illiterate in Bangladesh». Dhaka Tribune. 8 de setembro de 2019 
  41. Zafarullah, Habib; Siddiquee, Noore Alam (1 de dezembro de 2001). «Dissecting Public Sector Corruption in Bangladesh: Issues and Problems of Control». Public Organization Review (em inglês). 1 (4): 465–486. ISSN 1566-7170. doi:10.1023/A:1013740000213 
  42. Lisa Schlein (3 de março de 2020). «Rohingya Refugee Crisis Has Bangladesh, UN Calling for Help | Voice of America – English». VOA News (em inglês). Cópia arquivada em 5 de março de 2020 
  43. «World Economic Outlook Database, April 2020». IMF.org. International Monetary Fund. Consultado em 23 de abril de 2020 
  44. a b Governo dos Estados Unidos (2012). «Field listing: Urbanization» (em inglês). Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos. Consultado em 28 de março de 2012 
  45. «Cópia arquivada» (PDF). Consultado em 12 de fevereiro de 2013. Arquivado do original (PDF) em 21 de novembro de 2010 
  46. «Notation of song aaji bangladesher hridoy». Consultado em 10 de setembro de 2015. Arquivado do original em 4 de setembro de 2015 
  47. «Bangladesh: early history, 1000 B.C.–A.D. 1202». Bangladesh: A country study. Washington, DC: Library of Congress. Setembro de 1988. Consultado em 1 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 7 de dezembro de 2013 
  48. a b SenGupta, Amitabh (2012). Scroll Paintings of Bengal: Art in the Village. [S.l.]: AuthorHouse UK. p. 14. ISBN 978-1-4678-9663-4 
  49. Keay, John (2000). India: A History. [S.l.]: Atlantic Monthly Press. p. 220. ISBN 978-0-87113-800-2 
  50. a b Sen, Sailendra Nath (1999) [First published 1988]. Ancient Indian History and Civilization. [S.l.]: New Age International. p. 281. ISBN 978-81-224-1198-0 
  51. a b Ahmed, Salahuddin (2004). Bangladesh: Past and Present. [S.l.]: APH Publishing. p. 23. ISBN 978-81-7648-469-5. Consultado em 14 de maio de 2016. Arquivado do original em 23 de dezembro de 2016 
  52. "But the most important development of this period was that the country for the first time received a name, ie Bangalah." Banglapedia: Islam, Bengal Arquivado 23 julho 2015 no Wayback Machine
  53. Sircar, D.C. (1971) [First published 1960]. Studies in the Geography of Ancient and Medieval India 2nd ed. [S.l.]: Motilal Banarsidass. p. 135. ISBN 978-81-208-0690-0. Consultado em 19 de abril de 2016. Arquivado do original em 10 de junho de 2016 
  54. RIYAZU-S-SALĀTĪN: A History of Bengal Arquivado 2014-12-15 no Wayback Machine, Ghulam Husain Salim, The Asiatic Society, Calcutta, 1902.
  55. James Heitzman and Robert L. Worden, ed. (1989). «Early History, 1000 B.C.-A.D. 1202». Bangladesh: A country study. [S.l.]: Library of Congress. ISBN 82-90584-08-3. OCLC 15653912 
  56. Bharadwaj, G (2003). «The Ancient Period». In: Majumdar, RC. History of Bengal. [S.l.]: B.R. Publishing Corp 
  57. Eaton, R (1996). The Rise of Islam and the Bengal Frontier. [S.l.]: University of California Press. ISBN 0-520-20507-3. OCLC 26634922 
  58. Sat D. Sharma, India Marching: Reflections from a Nationalistic Perspective, page 140, iUniverse, 2012, ISBN 978-1-4759-1422-1
  59. D'Costa, Jerome (1986). Bangladeshey Catholic Mondoli (The Catholic Church in Bangladesh). [S.l.]: Dhaka: Pratibeshi Prakashani 
  60. Baxter
  61. Baxter, pp. 30–32
  62. Sen, Amartya (1973). Poverty and Famines. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 0-19-828463-2. OCLC 10362534 
  63. Baxter, pp. 39–40
  64. Collins, L; D Lapierre (1986). Freedom at Midnight, Ed. 18. [S.l.]: Vikas Publishers, New Delhi. ISBN 0-7069-2770-2 
  65. Baxter, pp. 62–63
  66. Bangladesh cyclone of 1991. Britannica Online Encyclopedia.
  67. Baxter, pp. 78–79
  68. Salik, Siddiq (1978). Witness to Surrender. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 0-19-577264-4 
  69. Rummel, Rudolph J., "Statistics of Democide: Genocide and Mass Murder Since 1900", ISBN 3-8258-4010-7, Capítulo 8, tabela 8.1.
  70. LaPorte, R (1972). «Pakistan in 1971: The Disintegration of a Nation». Asian Survey. 12 (2): 97–108. doi:10.1525/as.1972.12.2.01p0190a 
  71. Rummel, Rudolph J., "Statistics of Democide: Genocide and Mass Murder Since 1900", ISBN 3-8258-4010-7, Chapter 8, Table 8.2 Pakistan Genocide in Bangladesh Estimates, Sources, and Calculations.
  72. Sheikh Mujibur Rehman release and events on 8 January 1972. Pakblog.net (janeiro de 2012). Acessado em 26 de junho de 2012.
  73. SOME FREQUENTLY MISQUOTED ELEVATIONS. sol.co.uk.
  74. "Lowest temperature in Jessore". bdnews24.com. 12 January 2011
  75. Alexander, David E. (1999) [1993]. «The Third World». Natural Disasters. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers. p. 532. ISBN 0-412-04751-9. OCLC 27974924. Consultado em 2 de abril de 2008 
  76. "Beset by Bay's Killer Storms, Bangladesh Prepares and Hopes". Los Angeles Times. 27 de fevereiro de 2005
  77. Haggett, Peter (2002) [2002]. «The Indian Subcontinent». Encyclopedia of World Geography. New York: Marshall Cavendish. pp. 2, 634. ISBN 0-7614-7308-4. OCLC 46578454. Consultado em 2 de abril de 2008 
  78. Bangladesh Climate Change Strategy and Action Plan 2008 Arquivado em 7 de outubro de 2009, no Wayback Machine. Ministry of Environment and Forests Government of the People's Republic of Bangladesh, Setembro de 2008.
  79. The Climate refugee Challenge, ReliefWeb, 14 de abril de 2009
  80. "Another Major Cyclone, Bangladesh Worries About Climate Change", PBS News Hour, 2008
  81. Walker, Brian (21 de junho de 2010). «Study: Millions in Bangladesh exposed to arsenic in drinking water». CNN. Consultado em 3 de julho de 2010. Cópia arquivada em 23 de junho de 2010 
  82. «Bangladesh: 77 m poisoned by arsenic in drinking water». BBC News. 19 de junho de 2010. Consultado em 3 de julho de 2010. Cópia arquivada em 23 de junho de 2010 
  83. cyclone relief effort hampered atualizado em 17 de novembro de 2007. Associated Press
  84. Country Emergency Situation Profile: Bangladesh prone areas
  85. Beneath Bangladesh: The Next Great Earthquake?. earth.columbia.edu (12 de julho de 2011)
  86. a b «Population, total - Bangladesh | Data». data.worldbank.org. Consultado em 18 de julho de 2021 
  87. "Bangladesh – population". Library of Congress Country Studies.
  88. «The Russian federation: general characteristics». web.archive.org. 28 de julho de 2011. Consultado em 18 de julho de 2021 
  89. «Population, total - Russian Federation | Data». data.worldbank.org. Consultado em 18 de julho de 2021 
  90. «Bangladesh: Human Development Indicators». Consultado em 19 de julho de 2013 
  91. "Background Note: Bangladesh". Acessado em 11 de junho de 2008.
  92. Rashiduzzaman, M (1998). «Bangladesh's Chittagong Hill Tracts Peace Accord: Institutional Features and Strategic Concerns». Asian Survey. 38 (7): 653–670. doi:10.1525/as.1998.38.7.01p0370e 
  93. «Bangladesh». citypopulation.de (em alemão) 
  94. «Condition of English in Bangladesh». ESL Teachers Board. Consultado em 21 de outubro de 2012 
  95. Constitution of Bangladesh Arquivado em 15 de janeiro de 2013, no Wayback Machine., Part I, Article 5.
  96. S. M. Mehdi Hasan, Condition of English in Bangladesh: Second Language or Foreign Language. Acessado em 17 de julho de 2007.
  97. «Bangladesh's Constitution in Bengali,Online on Bangladesh Government Website.» 
  98. Syedur Rahman (2010). Historical Dictionary of Bangladesh. [S.l.]: Scarecrow Press. pp. 151–. ISBN 978-0-8108-6766-6 
  99. «Bangladesh: Researched and compiled by the Refugee Documentation Centre of Ireland on 12 January 2010» (PDF). US Department of Justice. Consultado em 31 de março de 2014 
  100. «Muslim Population by Country». Pew Research. 27 de janeiro de 2011. Consultado em 23 de outubro de 2013 
  101. «[Analysis] Are there any takeaways for Muslims from the Narendra Modi government?». DNA. 27 de abril de 2014. Consultado em 30 de abril de 2014 
  102. JULHAS ALAM – Associated Press (21 de junho de 2011). «Bangladesh moves to retain Islam as state religion – Yahoo!! News Malaysia». Yahoo! News. Consultado em 8 de janeiro de 2013 
  103. «Community: Sufism in Bangladesh». Sufism Journal. Consultado em 3 de julho de 2010. Cópia arquivada em 14 de julho de 2010 
  104. «Constitution of Bangladesh». Parliament.gov.bd. Consultado em 28 de novembro de 2010. Arquivado do original em 15 de janeiro de 2013 
  105. Background Note: Bangladesh, Departamento de Estado dos Estados Unidos, Maio de 2007
  106. Khan, Zillur R. (1997). «Bangladesh's experiments with parliamentary democracy». Asian Survey. 37 (6): 575–589. JSTOR 2645531. doi:10.1525/as.1997.37.6.01p0256x 
  107. «Bangladesh 2021». Amnesty International (em inglês). 2022 
  108. "Business Corruption in Bangladesh". Business Anti-corruption Portal. Business Anti-corruption Portal. Dezembro de 2015. Acessado em 18 de maio de 2016.
  109. e.V., Transparency International. "Corruption Perceptions Index 2017". www.transparency.org. Acessado em 6 de março de 2018..
  110. Zafarullah, Habib; Siddiquee, Noore Alam (1 de dezembro de 2001). "Dissecting Public Sector Corruption in Bangladesh: Issues and Problems of Control". Public Organization Review. 1 (4): 465–486. doi:10.1023/A:1013740000213. ISSN 1566-7170.
  111. "ACC largely ineffective". The Daily Star. 21 de maio de 2014. Acessado em 1 de junho de 2016.
  112. "Anti Corruption Commission and Political Government: An Evaluation of Awami League Regime (2009–2012) | Government and Politics, JU". govpoliju.com. Acessado em 1 de junho de 2016.
  113. Ali, M.M. (Março de 1997). «India's Major Gains and Losses in World Affairs». Washington Report on Middle East Affairs. 0397: 25. Consultado em 29 de abril de 2008. Cópia arquivada em 10 de abril de 2005 
  114. Bangladesh troops lead global peacekeeping. Acessado em 29 de maio de 2012.
  115. Including service and civilian personnel. Veja Bangladesh Navy Arquivado em 12 de janeiro de 2012, no Wayback Machine.. Acessado em 17 de julho de 2007.
  116. «TOTAL BD PARTICIPATION IN UN DEPL (COMPLETED)». Bangladesh Army. Fevereiro de 2007. Consultado em 2 de abril de 2008. Arquivado do original em 11 de junho de 2008 
  117. «Bangladeshi officers enhance UN troops' logistical support in Darfur». UN News Center. Nações Unidas. 23 de outubro de 2008. Consultado em 4 de fevereiro de 2010 
  118. T. Neville Postlethwaite (1988). The Encyclopedia of Comparative Education and National Systems of Education. Pergamon Press. [S.l.: s.n.] pp. 130 |. ISBN 978-0-08-030853-1 
  119. «University Grants Commission of Bangladesh» (em inglês). University Grants Commission. Consultado em 22 de maio de 2021 
  120. «state minister: Literacy rate now 74.7%» (em inglês). dhakatribune. 8 de setembro de 2020 
  121. «Bangladesh» (em inglês). UNESCO Institute for Statistics. Consultado em 30 de março de 2021 
  122. a b The World Factbook. «People and society - Bangladesh» (em inglês). CIA. Consultado em 22 de maio de 2021 
  123. The World Factbook. «Education expenditures compares the public expenditure on education as a percent of GDP» (em inglês). CIA. Consultado em 22 de maio de 2021 
  124. «University Grant Commission (UGC)» (em inglês). Ministry of Education, Government of Bangladesh. Consultado em 29 de março de 2008. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2012 
  125. «List of Private Universities» (em inglês). University Grants Commission of Bangladesh. Consultado em 22 de maio de 2021 
  126. «IUT is categorized as International University by UGC» (em inglês). UGC, Bangladesh. Consultado em 23 de junho de 2013. Cópia arquivada em 22 de julho de 2013 
  127. «A Constituição da República Popular de Bangladesh - Princípios Fundamentais da Política de Estado» (em inglês). Governo de Bangladesh. Consultado em 22 de maio de 2021 
  128. «Rangpur becomes a division». bdnews24.com. 25 de janeiro de 2010. Consultado em 6 de agosto de 2011. Arquivado do original em 7 de abril de 2013 
  129. a b c «2011 Population & Housing Census: Preliminary Results» (PDF). Bangladesh Bureau of Statistics. Consultado em 12 de janeiro de 2012. Arquivado do original (PDF) em 15 de janeiro de 2013 
  130. «Bangladesh: Divisions, Districts, Major Cities & Municipalities – Statistics & Maps on City Population». Citypopulation.de. Consultado em 11 de abril de 2013 
  131. "Reproductive Health and Rights is Fundamental for Sound Economic Development and Poverty Alleviation," United Nations Population Fund. Acessado em 17 de julho de 2007
  132. Star Online Report (20 de junho de 2013). «Number of poor declines by 26pc: WB». The Daily Star. Consultado em 6 de julho de 2013 
  133. Saleh Khan. «About Bangladesh». Un-bd.org. Consultado em 11 de abril de 2013 
  134. «Development Budget». countrystudies.us. Consultado em 3 de abril de 2007 
  135. «Achievements and challenges of Bangladesh». The Daily Star. Consultado em 26 de março de 2010. Cópia arquivada em 27 de março de 2010 
  136. «World Economic Outlook Database, October 2010». IMF.ORG. Consultado em 11 de outubro de 2010 
  137. «Bangladesh becomes 5th largest fisheries producer by FAOSTAT». bonikbarta.com. Consultado em 7 de setembro de 2013 
  138. «FAOSTAT 2008 by Production». faostat.fao.org. Consultado em 6 de junho de 2008. Cópia arquivada em 12 de maio de 2008 
  139. Roland, B (6 de janeiro de 2005). «Bangladesh Garments Aim to Compete». BBC. Consultado em 1 de janeiro de 2010 
  140. «Despite Low Pay, Poor Work Conditions, Garment Factories Empowering Millions Of Bangladeshi Women». International Business Times. 25 de março de 2014. Consultado em 26 de março de 2021 
  141. a b Weiler, Nolwenn. «Em Bangladesh, um trabalhador têxtil morre a cada dois dias». Basta (em francês). Consultado em 13 de maio de 2019 
  142. Sociedad Asiática de Bangladesh (2007). «Dance». Banglapedia.com (em inglês). Consultado em 27 de março de 2010. Cópia arquivada em 27 de maio de 2008 
  143. BBC (2009). «Bangladesh secure series victory». BBC Sports.co.uk (em inglês). Consultado em 27 de março de 2010 
  144. FIFA (2010). «Bangladesh:Clasificación Mundial/FIFA Coca Cola». FIFA.com (em inglês). Consultado em 27 de março de 2010 
  145. «Bangladesh». Sports Reference.com (em inglês). 2010. Consultado em 27 de março de 2010. Cópia arquivada em 20 de fevereiro de 2009 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Wikilivros Livros e manuais no Wikilivros
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage
Wikidata Base de dados no Wikidata