Política de gestão de coleção

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Imagem de uma coleção

A Política de Gestão de Coleção estabelece uma série de normas e bases de como um museu lida com as situações relativas à sua coleção.[1] Em termos práticas trata-se de “uma declaração escrita detalhada que explica por que um museu está em operação e como ele realiza seus negócios."[2]

Uma vez que os museus muitas vezes se deparam com questões que tratam de quais objetos devem adquirir, como lidar com a remoção ou empréstimo de objetos da coleção ou padrões de cuidado com os objetos; é imprescindível ter uma política bem escrita que possa ajudar a prevenir possíveis problemas no lado do museu. A prevenção é a melhor abordagem ao lidar com operações e objetos na coleção, portanto, a política é um documento importante que pode ser visto quase como limites estabelecidos para ajudar a garantir que o museu permaneça fiel à sua missão e, ao mesmo tempo, forneça o melhor atendimento para a coleção.[3]

Formatação de uma política[editar | editar código-fonte]

Cada museu possui uma forma única de como lidar com seu acervo e qual escopo será tratado pelo museu.[4] Dado isto, deve-se observar também que “as políticas de gestão de coleções devem ser escritas para atender às necessidades de um museu específico, de suas coleções e do uso dessas coleções”.[5]

A garantia de uma política de gestão de coleção gera um norteamento ao museu, biblioteca ou arquivo.[1] Este processo de formação de uma política é extremamente complexa e deve ser amplamente pelo grupo de trabalhadores da instituição para que possa se realizar uma política coerente com as capacidades da mesma.[6]

O que uma política deve incluir[editar | editar código-fonte]

Embora cada museu seja diferente, a seguir estão alguns dos fatores-chave comuns que um museu deve incluir em sua política:

Seção introdutória[editar | editar código-fonte]

Dado que quase todas as decisões de um museu são tomadas tendo em mente a sua declaração de missão, é importante que seja incluída na política.[7] Uma declaração de missão aborda o foco do museu em termos de seu propósito e suas funções e responsabilidades para com o público, a sociedade civil e as coleções.[8] Essa declaração é o que ajuda a determinar tudo o que o museu faz e deve ser consultada regularmente para garantir que as decisões ainda estejam alinhadas com o objetivo original do museu.[8] Geralmente, cada país tem suas regras em relação a esta missão de um museu, os Estados Unidos - por exemplo - tem que se vincular com as normas da American Alliance of Museums.[9]

Além da declaração de missão, as políticas geralmente incluem uma seção que descreve o escopo da coleção.[10] Esta é uma parte útil da política que “analisa o histórico da coleção; considera seus pontos fortes, pontos fracos e usos atuais; e afirma o que o museu faz e o que não coleta".[11] A política de coleções ou os critérios de seleção de uma coleção de biblioteca, arquivo ou museu é uma declaração das prioridades da instituição conforme se aplicam à aquisição de novos materiais. As políticas de cobrança orientam o processo de desenvolvimento da coleção.[11]

Mesmo as maiores, mais bem financiadas e mais famosas bibliotecas (como a Biblioteca do Congresso nos Estados Unidos, a Biblioteca Britânica no Reino Unido e a Universidade de Stanford) não podem adquirir, hospedar, catalogar e manter todas as obras, portanto, uma política ou conjunto de critérios é necessário para a seleção que deve ser adquirido.[12][13] Em geral, a política de coleções está relacionada à missão ou ao propósito da biblioteca: por exemplo, as bibliotecas nacionais coletam materiais relacionados a essa nação ou publicados em seu território, as bibliotecas universitárias geralmente coletam materiais usados no ensino e na pesquisa na instituição a que servem e as bibliotecas públicas coletam materiais que devem atender às demandas do público que atendem.[14][15][16][17]

Aquisições[editar | editar código-fonte]

A parte de aquisições de uma política define se os objetos propostos devem ou não ser incluídos na coleção do museu.[18][19][20] Nesta seção, a política também incluirá quem está envolvido neste processo de tomada de decisão e se o museu está ou não adquirindo o objeto por empréstimo permanente ou de curto prazo.[21] Essas aquisições devem se enquadrar no escopo de coleção delineado pelo museu. Esta parte da política também pode incluir informações relativas a recibos de doações e a garantia de que todos os objetos adquiridos têm o título adequado e foram obtidos legalmente.[20] A parte de aquisições da política tende a incluir também diretrizes para lidar com armazenamento, uso potencial e direitos autorais.[20]

Desapropriação[editar | editar código-fonte]

Desapropriação é o "processo usado para remover permanentemente um objeto da coleção de um museu ou para documentar as razões para uma remoção involuntária".[22][23] Semelhante a novas aquisições, a política delineará totalmente as etapas que o museu tomará ao considerar a remoção permanente de um objeto da coleção. Inclua também os motivos pelos quais o objeto deve ser removido, quem pode propor a remoção e quem tem o voto final sobre a remoção.[24]

Empréstimos[editar | editar código-fonte]

A seção de empréstimos de uma apólice normalmente inclui procedimentos para empréstimos recebidos e efetuados.[21] Uma política de empréstimo forte garantirá que o empréstimo atenda ao propósito do museu, que o objeto seja cuidado adequadamente e que o sistema de registro possa rastrear o objeto durante a duração do empréstimo.[25]

Cuidado das coleções[editar | editar código-fonte]

Os museus têm como objetivo proteger e preservar os objetos de seu acervo - e uma política de gestão deve abarcar esse tema.[26][27] Para garantir que os objetos recebam o melhor cuidado possível, o museu usa essa parte da política para tratar de todos os fatores que dizem respeito aos cuidados com a coleção do museu.[28][29] Ele também identificará os principais membros da equipe, os níveis necessários de treinamento para manusear objetos e quem tem acesso à coleção. Esta seção definirá os padrões relativos a tópicos como armazenamento em museus, gerenciamento integrado de pragas, conservação, gerenciamento de registros, inventários e gerenciamento de risco.[30] A política deve definir claramente as responsabilidades de cada membro da equipe para proteger os objetos da coleção.[30]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Os museus trabalham duro para garantir que os objetos da coleção sejam devidamente cuidados, mas a conservação ainda é necessária de vez em quando para ajudar a manter os objetos em seu estado ideal.[26] A parte de conservação da política identificará quem tem o voto final sobre se os objetos podem ou não ser tratados, se a equipe tem ou não responsabilidades de monitorar ativamente os objetos e como o museu cobrirá o custo do financiamento para a conservação.[31] Também incluirá conservadores específicos para contato e se existem ou não métodos de tratamento cujo uso é proibido. Se o museu tem um plano de conservação de longo prazo, ele pode ser mencionado aqui.[31]

Armazenamento[editar | editar código-fonte]

Comumente nem todas as peças do museu sejam exibidas em um determinado ponto.[32] Portanto, é importante que a política descreva os padrões de armazenamento, seja no local ou fora dele.[33] A política aborda as condições ambientais adequadas em áreas de armazenamento relacionadas a itens como níveis de luz, temperatura e umidade relativa.[34][35][36] Esta parte da política também descreve os padrões que tratam da embalagem adequada de objetos no armazenamento para garantir que os materiais adequados sejam usados e que os objetos semelhantes sejam agrupados.[33]

Controle de pragas[editar | editar código-fonte]

Para gerar uma boa política de gestão de coleção é necessária pensar maneiras para evitar a proliferação de pragas, insetos e traças no arquivo.[37][38] Os insetos promovem diversos danos em arquivos, museus, bibliotecas e portanto urge por um bom sistema de controle de pragas.[37][39]

Gestão de registros e documentação[editar | editar código-fonte]

Esta é uma das principais funções dos membros da equipe que trabalham com coleções.[16] Sem a documentação adequada, é quase como se o objeto não existisse.[40] Portanto, é imperativo que a política aborde os padrões relativos ao gerenciamento adequado de registros e documentação relacionada aos objetos na coleção.[41]

Inventário[editar | editar código-fonte]

O inventário da coleção do museu é usado para garantir que todos os objetos dentro da coleção sejam contabilizados e no local correto.[41][42] Esta seção da política observará as etapas necessárias a serem executadas ao concluir um inventário.[43] Esta parte da política também indica as etapas a serem executadas e a quem notificar se algo estiver faltando.[44][45]

Gerenciamento de riscos[editar | editar código-fonte]

Parte do trabalho de um museólogo é cuidar para que não aconteça acidentes dentro de uma instituição.[30][46] Na política de gestão deve-se incluir tópicos que tratam da proteção contra incêndio, formas de prevenir o mofo e segurança.[30] O museu também deve ter um plano de resposta a emergências implementado.[47]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Política de desenvolvimento de coleções: uma introdução». Portal do Bibliotecário. 20 de abril de 2016. Consultado em 7 de abril de 2021 
  2. «Developing a Collections Management Policy» (PDF). American Alliance of Museums. Consultado em 7 de abril de 2021 
  3. Lima, Fábio Rogério Batista; Santos, Plácida Leopoldina V. A. C.; Santarém Segundo, José Eduardo (setembro de 2016). «Padrão de metadados no domínio museológico». Perspectivas em Ciência da Informação (3): 50–69. ISSN 1413-9936. doi:10.1590/1981-5344/2639. Consultado em 7 de abril de 2021 
  4. «Legislação sobre museus» (PDF). Câmara dos Deputados do Brasil. 2013. Consultado em 7 de abril de 2021 
  5. «Collection management policies». Routledge. 25 de julho de 2005: 23–40. ISBN 978-0-203-97439-1. Consultado em 7 de abril de 2021 
  6. Cury, Marília Xavier (21 de dezembro de 2020). «Política de gestão de coleções: museu universitário, curadoria indígena e processo colaborativo». Revista CPC (30esp): 165–191. ISSN 1980-4466. doi:10.11606/issn.1980-4466.v15i30espp165-191. Consultado em 7 de abril de 2021 
  7. «Missão, visão e valores – Museu Regional de São João Del Rei». Consultado em 7 de abril de 2021 
  8. a b «Competências e atividades». Biblioteca Nacional do Brasil. Consultado em 7 de abril de 2021 
  9. Museums, American Alliance of. «American Alliance of Museums». American Alliance of Museums (em inglês). Consultado em 7 de abril de 2021 
  10. «Política de Gestão de Acervos» (PDF). Museu da Casa Brasileira. 2019. Consultado em 7 de abril de 2021 
  11. a b Silva, Maria Celina Soares de Mello e (8 de outubro de 2013). «Arquivos de museus: características e funções». Museologia & Interdisciplinaridade (4). ISSN 2238-5436. doi:10.26512/museologia.v2i4.16362. Consultado em 7 de abril de 2021 
  12. «Cataloging and Acquisitions (Library of Congress)». Biblioteca do Congresso. Consultado em 7 de abril de 2021 
  13. «Collections Policy Statements and Supplementary Guidelines». Biblioteca do Congresso. Consultado em 7 de abril de 2021 
  14. Miranda, Antônio (1978). «A missão da biblioteca pública no Brasil». Universidade de Brasília. Consultado em 7 de abril de 2021 
  15. «Depósito Legal». Biblioteca Nacional do Brasil. Consultado em 7 de abril de 2021 
  16. a b «MISSÃO, VALORES E PRINCÍPIOS». Sistemas de Biblioteca da Universidade Estadual de Campinas. Consultado em 7 de abril de 2021 
  17. «Bibliotecas». Universidade de São Paulo. Consultado em 7 de abril de 2021 
  18. Silva, Carlos (2013). «O Estado Novo (1937-1945) e a política de aquisição de acervo do Museu Nacional de Belas Artes» (PDF). Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Consultado em 7 de abril de 2021 
  19. «POLÍTICA DE GESTÃO DE ACERVOS». Museu da Cidade de São Paulo (MCSP). Consultado em 7 de abril de 2021 
  20. a b c «Comics and Cartoons» (PDF). LIBRARY OF CONGRESS COLLECTIONS POLICY STATEMENTS (Biblioteca do Congresso). 2008. Consultado em 7 de abril de 2021 
  21. a b Santos, Marcos. «Material para empréstimo – Museu de Zoologia da USP». Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo. Consultado em 7 de abril de 2021 
  22. «How art works move from one museum to another». Fahrenheit Magazine (em inglês). 4 de março de 2019. Consultado em 7 de abril de 2021 
  23. Pogrebin, Robin (16 de setembro de 2020). «Brooklyn Museum to Sell 12 Works as Pandemic Changes the Rules». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 7 de abril de 2021 
  24. «Projeto torna mais rápido processo de desapropriação por utilidade pública - Notícias». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 7 de abril de 2021 
  25. «Pedido de empréstimo | Museu Paulista». Museu Paulista. Consultado em 7 de abril de 2021 
  26. a b Lopes, Fernanda (2020). «A Importância dos Museus para a preservação da Cultura» (PDF). Universidade de São Paulo. Consultado em 7 de abril de 2021 
  27. «The Importance of Museums: Preserving Local Culture». New Jersey Maritime Museum (em inglês). 5 de agosto de 2016. Consultado em 7 de abril de 2021 
  28. Matioli, Paulo Anselmo. «Memorial descritivo das coleções mineralógicas de Museus de Ciências da Terra e Museus de Ciências Naturais do sudeste brasileiro». Consultado em 7 de abril de 2021 
  29. Loureiro, Carlos (2008). «Modelos de gestão de coleções em museus de ciências físicas e tecnológicas». Universidade do Porto. Consultado em 7 de abril de 2021 
  30. a b c d Severo, Helena (12 de março de 2019). «Artigo: Biblioteca Nacional é segura». O Globo. Consultado em 7 de abril de 2021 
  31. a b Lucchi, Elena (1 de janeiro de 2018). «Review of preventive conservation in museum buildings». Journal of Cultural Heritage (em inglês): 180–193. ISSN 1296-2074. doi:10.1016/j.culher.2017.09.003. Consultado em 7 de abril de 2021 
  32. Bradley, Kimberly (5 de fevereiro de 2015). «Obras-primas que os grandes museus não exibem (e por quê)». BBC News Brasil. Consultado em 7 de abril de 2021 
  33. a b «Preservação». Biblioteca Nacional do Brasil. Consultado em 7 de abril de 2021 
  34. Europa, Espacio Visual (11 de junho de 2015). «Museum: Preservation Concept». EVE Museology (em inglês). Consultado em 7 de abril de 2021 
  35. «Temperatura e umidade corretas garantem um ambiente seguro para museus». Terra. 21 de novembro de 2018. Consultado em 7 de abril de 2021 
  36. Charles Gavin: O "cara" do vinil | Entrevista | Alta Fidelidade, consultado em 7 de abril de 2021 
  37. a b Marques, Murilo (2015). «Principais Pragas Urbanas e seus danos em onze Acervos Históricos de São Paulo» (PDF). Universidade Estadual Paulista. Consultado em 7 de abril de 2021 
  38. Rocha, Lucas (21 de fevereiro de 2018). «Inimigos dos livros: cartilha mostra como evitar, detectar e combater insetos». Fiocruz. Consultado em 7 de abril de 2021 
  39. Controle integrado de insetos em bibliotecas e arquivos, consultado em 7 de abril de 2021 
  40. Genkins, Daniel. «Building a digital archive for decaying paper documents, preserving centuries of records about enslaved people». The Conversation (em inglês). Consultado em 7 de abril de 2021 
  41. a b Dal' Evedove, Paula Regina; Fujita, Mariângela Spotti Lopes (dezembro de 2012). «Teoria e prática em catalogação de assunto: a sistematicidade do processo em contexto de bibliotecas universitárias pela perspectiva profissional». Perspectivas em Ciência da Informação (4): 123–141. ISSN 1413-9936. doi:10.1590/S1413-99362012000400008. Consultado em 7 de abril de 2021 
  42. «Conducting (and Maintaining!) a Collection Inventory:Part 1: Introduction to Inventories». Sask Museums (em inglês). Consultado em 7 de abril de 2021 
  43. «Inventory – suggested procedure – Collections Trust». Collection Trust. Consultado em 7 de abril de 2021 
  44. Santos, Renata Ferreira dos; Reis, Alcenir Soares dos; Santos, Renata Ferreira dos; Reis, Alcenir Soares dos (junho de 2018). «O patrimônio bibliográfico no Brasil: trajetória de leis, políticas e instrumentos de proteção legal». Investigación bibliotecológica (75): 223–259. ISSN 0187-358X. doi:10.22201/iibi.24488321xe.2018.75.57970. Consultado em 7 de abril de 2021 
  45. Lino, Lucia. «Política de Preservação no âmbito do gerenciamento de Coleções Especiais: um estudo de caso no Museu de Astronomia e Ciências Afins» (PDF). Biblioteca Nacional do Brasil. Consultado em 7 de abril de 2021 
  46. Nassif, Tamara (6 de abril de 2021). «Museu Nacional resgata fósseis de dinossauro de 80 milhões de anos». Veja. Consultado em 7 de abril de 2021 
  47. Sá, Dominichi Miranda de; Sá, Magali Romero; Lima, Nísia Trindade (29 de novembro de 2018). «O Museu Nacional e seu papel na história das ciências e da saúde no Brasil». Cadernos de Saúde Pública (12). ISSN 1678-4464. doi:10.1590/0102-311x00192818. Consultado em 7 de abril de 2021