Pollyanna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Pollyanna
Cartaz do filme Pollyanna, de 1920, baseado no livro.
Autor (es) Eleanor H. Porter
Idioma Língua inglesa
País  Estados Unidos
Editora L. C. Page
Lançamento 1913
Páginas 310
Cronologia
Último
Miss Billy's Decision
Pollyanna Grows Up
Próximo
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Pollyanna

Pollyanna (Poliana) (ISBN 8504006085) é uma comédia de Eleanor H. Porter, publicado em 1913 e considerado um clássico da literatura infantojuvenil. O livro fez muito sucesso, até que a autora veio a publicar, em 1915, uma continuação chamada Pollyanna Grows Up (no Brasil, "Pollyanna Moça"). Mais onze Pollyannas se seguiram, muitas delas escritas por Elizabeth Borton ou Harriet Lummis Smith. A mais recente sequência de Pollyanna foi publicada no meio da década de 1990, escrita por Colleen L. Reece.

Personagens[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.
  • Pollyanna: protagonista, órfã de pai e mãe com 11 anos de idade.
  • Miss Polly: tia de Pollyanna.
  • Dr. Chilton: médico que conseguiu que Pollyanna voltasse a andar.
  • Dr. Hantom: veio de Nova Iorque para tentar resolver o caso de Pollyanna.
  • Jimmy: menino, órfão como Pollyanna. Ela o encontrou na rua e arranjou-lhe um lar na casa do senhor Pendlenton.
  • Senhor John Pendlenton: homem mais rico da cidade, solteirão e que vivia sozinho em uma mansão.
  • Nancy: empregada da senhorita Polly.
  • Senhora Snow: pobre senhora que, quando conheceu Pollyanna, "saiu" de um quarto escuro e sombrio para um quarto lindo e maravilhoso abrindo janelas e cortinas.

Observação: em algumas traduções do livro, a maioria dos nomes é aportuguesada. Exemplos: Pollyanna - Poliana; Polly - Paulina; Mrs. Snow - Dona Maria etc.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Pollyanna, uma menina de onze anos, após a morte de seu pai, um missionário pobre, se muda de cidade para ir morar com uma tia rica e severa que não conhecia anteriormente. No seu novo lar, passa a ensinar, às pessoas, o "jogo do contente" que havia aprendido de seu pai. O jogo consiste em procurar extrair algo de bom e positivo em tudo, mesmo nas coisas aparentemente mais desagradáveis.[1]

A autora, presbiteriana, trabalhou um aspecto da evangelização cristã, de que é necessário procurar manter a felicidade, o amor e o bem, mesmo nas situações mais adversas. A felicidade em Cristo Jesus. Curiosamente, em psicologia e sociologia, isso passou a ser chamado de "princípio de Pollyanna", mas os autores raramente citam ou entendem a origem cristã, secularizada, desse comportamento descrito.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Traduções em língua portuguesa[editar | editar código-fonte]

Adaptações para o cinema[editar | editar código-fonte]

Em 1920, foi lançado o primeiro filme baseado no livro, com Mary Pickford e dirigido por Paul Powell, um clássico do cinema mudo.[5] Em 1960, foi lançado o filme Pollyanna, dirigido por David Swift e com Hayley Mills no papel-título e Jane Wyman no papel de tia Polly.[6]

Adaptações para a TV[editar | editar código-fonte]

Em 2016, o SBT anunciou a adaptação da obra, que substituirá a novela Carinha de Anjo, com o nome provisório "As Aventuras de Pollyana e João Feijão", que será escrita por Íris Abravanel.[7]

Utilização na programação neurolinguística[editar | editar código-fonte]

Na programação neurolinguística, o livro é utilizado como treinamento de "ressignificação de conteúdo", através do qual o paciente aprende a mudar sua interpretação dos acontecimentos cotidianos, aprendendo a enfatizar o lado positivo e agradável dos fatos, tal como a protagonista Poliana faz no livro com o seu "jogo do contente".[8]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Golfinho: o portal da PNL no Brasil. Disponível em http://www.golfinho.com.br/livros/liv222.asp. Acesso em 3 de maio de 2014.
  2. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas ednacional-acervo.com.br
  3. Traduções de Monteiro Lobato
  4. Catálogo da Companhia Editora Nacional
  5. Pollyanna (1920)
  6. Pollyanna
  7. «Após cinco remakes latinos, SBT terá primeira novela própria». UOL- tv e famosos. Do UOL, em São Paulo. 19/08/2016. Consultado em 19/08/2016. 
  8. Golfinho: o portal da PNL no Brasil. Disponível em http://www.golfinho.com.br/livros/liv222.asp. Acesso em 3 de maio de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.