Ponte City Apartments

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ponte City Apartments
Tipo Residencial
Estilo dominante Brutalismo
Arquiteto Mannie Feldman
Dimensões
Altura 173
Número de andares 55
Geografia
País África do Sul
Cidade Joanesburgo
Bairro Berea
Coordenadas 26° 11' 26" S 28° 3' 25" E
Ponte City Apartments está localizado em: Grande Joanesburgo
Ponte City Apartments
Geolocalização no mapa: Grande Joanesburgo
Localização em mapa dinâmico

O Ponte City Apartments é um arranha-céu no bairro de Berea em Joanesburgo, África do Sul, sendo o o edifício residencial mais alto da África, com uma altura de 173 metros e 55 andares.[1]

O edifício, construído em 1975, é facilmente reconhecível por sua forma cilíndrica, com um vão no centro que permite mais luz e ventilação nos apartamentos. O espaço central é conhecido como "o núcleo", e no térreo há um piso de rocha irregular. Quando construído, o Ponte City era visto como um endereço extremamente desejável, devido às suas vistas sobre Joanesburgo e seus arredores. O letreiro de néon no topo do prédio é o maior letreiro do hemisfério sul e era locado para a Coca-Cola Company até 2000.[2] Atualmente, anuncia a empresa de telefonia móvel sul-africana Vodacom.[3]

História[editar | editar código-fonte]

O principal arquiteto do Ponte foi Mannie Feldman, trabalhando em equipe com Manfred Hermer e Rodney Grosskopff.[4][5] Grosskopff tomou a decisão de tornar o edifício circular, o primeiro arranha-céu cilíndrico da África,[6] na época, a lei de zoneamento de Joanesburgo exigiam que cozinhas e banheiros tivessem ao menos uma janela, então Grosskopff projetou o prédio com um interior oco, permitindo que a luz penetrasse nos apartamentos de ambos os lados. No térreo do edifício haveria lojas de varejo e os planos iniciais incluíam uma pista de esqui coberta nos 3 mil metros quadrados do térreo do núcleo. O prédio era tão alto porque os desenvolvedores queriam um grande número de unidades, mas tinham um terreno limitado para construir. O edifício está localizado a 35 minutos do Aeroporto Internacional Oliver Tambo e a uma curta distância do centro da cidade, com teatros como o Market e o Civic a 5 quilômetros.[3]

Decadência[editar | editar código-fonte]

Durante o final da década de 1980, a atividade de gangues fez com que a taxa de criminalidade subisse na torre e nos arredores.[3] Na década de 1990, muitas gangues se mudaram para o prédio, que se tornou extremamente inseguro. O Ponte City tornou-se um símbolo do crime e da deterioração urbana que dominou o outrora cosmopolita bairro de Berea. O núcleo se encheu de escombros alcançando uma altura de cinco andares, e os proprietários deixaram o prédio decair.[6] Em meados da década de 1990 houve propostas em para transformar o edifício em uma prisão vertical. Em 2001, a Trafalgar Properties assumiu a administração do edifício e começou a fazer inúmeras melhorias.[7]

New Ponte[editar | editar código-fonte]

Ponte City (esquerda) e aHillbrow Tower

Em maio de 2007, o Ponte mudou de proprietário e um projeto de re-desenvolvimento foi iniciado, chamado "New Ponte". David Selvan e Nour Addine Ayyoub, da empresa de Ayyoub, Investagain, planejavam revitalizar completamente o edifício.[8] O empreendimento planejado continha 467 unidades residenciais, lojas e áreas de lazer. Nos próximos anos, a Agência de Desenvolvimento de Joanesburgo planejou investir cerca de R900 milhões nas áreas próximas a Ponte City, como o projeto Ellis Park Precinct, bem como uma atualização de Hillbrow e Berea, em parte como preparação para a Copa do Mundo da FIFA de 2010.

A crise das hipotecas subprime levou os bancos a não fornecerem o financiamento necessário para concluir a revitalização e, portanto, o projeto foi cancelado e a propriedade foi devolvida ao Grupo Kempston.[8]

Em 2010, os vestiários da piscina ainda exibiam "Damas europeias" e "Cavalheiros europeus", vestígios do apartheid.[9]

Em 2011, quase todos os 54 andares ocupáveis foram reformados.[10] Em 2015, 3.000 pessoas moravam nos apartamentos da torre.[11]

Nas artes[editar | editar código-fonte]

Filmes[editar | editar código-fonte]

  • Uma das cenas finais do filme 9 do distrito 9 foi filmada na torre.[12]
  • O diretor Philip Bloom dirigiu um documentário intitulado Ponte Tower.[13]
  • Ingrid Martens filmou o documentário Africa Shafted: Under one Roof,[14] inteiramente, durante dois anos e meio, nos elevadores do Ponte.
  • O arranha-céu "Peach Trees" apresentado no filme de 2012 Dredd é fortemente inspirado pela Ponte Tower.
  • A cena final do filme SEAL Team 8: Behind Enemy Lines de 2014 foi filmada neste local.
  • Uma das cenas do filme de 2015 Chappie, foi filmada neste local.[15]
  • Uma cena de batalha foi filmada dentro da torre para o filme de 2016 Resident Evil: The Final Chapter.[16]
  • Muitas cenas do videoclipe de Love Supreme para a música "Lonely Feelings" foram filmadas neste local.[17]
  • Uma cena dos Últimos Dias do Crime Americano de 2020 é filmada no centro da torre

Livros[editar | editar código-fonte]

  • O escritor alemão Norman Ohler usou o Ponte como cenário de seu livro Stadt des Goldes (Cidade do Ouro),"o Ponte resume toda a esperança, todas as ideias erradas do modernismo, toda a decadência, toda a loucura da cidade. É um edifício simbólico, uma espécie de baleia branca, é um medo concreto, a torre de Babel, e ainda assim é estranhamente bonita".[18]

Fotografia[editar | editar código-fonte]

  • O fotógrafo sul-africano Mikhael Subotzky e o artista britânico Patrick Waterhouse ganharam o prêmio Discovery no festival de fotografia Rencontres d'Arles em 2011 por seu projeto de três anos "Ponte City", fotografando os residentes, interiores e exteriores do edifício, e que produziu um uma série de quadros gigantes, compostos por centenas de folhas de contato, apresentados em caixas de luz imponentes.[19]

Outros[editar | editar código-fonte]

  • Em 2017, o Ponte City Tower foi o tema de um episódio do programa de rádio Roman Mars e do podcast 99% Invisible.[20]
  • O ator e letrista americano Jeff Blumenkrantz escreveu uma música sobre a torre para o concerto de caridade "Broadway na África do Sul" em 2008.[21]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Pampalone, Tanya (2009). «The Full Ponte». Maverick. Cópia arquivada em 26 de março de 2015 
  2. «Ponte City Apartments». Emporis. 2009 
  3. a b c Davie (9 de novembro de 2007). «Ponte: revival of a Joburg icon». Cópia arquivada em 3 de maio de 2009 
  4. Chipkin, Clive, Johannesburg in Transition, STE Publishers, 2008
  5. Editors note in Housing in Southern Africa, 2006, «Archived copy» (PDF). Cópia arquivada (PDF) em 25 de maio de 2006 
  6. a b Hanes, Stephanie (12 de fevereiro de 2008). «Ponte City – a South African landmark – rises again». The Christian Science Monitor 
  7. Redmond, Gillian (10 de janeiro de 2003). «Johannesburg Landmarks». Randburg Sun 
  8. a b Pampalone, Tania (16 de dezembro de 2008). «Ponte project crashes». Mail & Guardian Online 
  9. «Photos. Grandeur et décadence de la Tour Ponte City». Le Monde.fr (em francês) 
  10. «Ponte's fourth coming: An urban icon reborn». The Mail & Guardian (em inglês). 20 de abril de 2012. Consultado em 23 de julho de 2020 
  11. «Ponte says 'yebo' to new neon sign». www.iol.co.za (em inglês). Consultado em 23 de julho de 2020 
  12. Sailer, Steve (21 de agosto de 2009). «Neill Blomkamp's Giant Apartheid Metaphor». Steve.com 
  13. Bloom, Philip (12 de outubro de 2012), Ponte Tower, consultado em 17 de setembro de 2018 
  14. «I'M Original | Media that Matters». I'M Original | Media that Matters (em inglês). Consultado em 17 de setembro de 2018 
  15. IMDb Chappie movie page. 2015.
  16. Lenora Brown, Ryan (21 de fevereiro de 2017). «The South African Building That Came to Symbolize the Apocalypse». The Atlantic 
  17. [1].
  18. Ohler, Norman (2002). Stadt des Goldes. Rowohlt Tb (em German) 1 April 2002 ed. [S.l.: s.n.] ISBN 3-499-22727-4 - Total pages: 253
  19. Sean O'Hagan, "Tower blocks and tomes dominate the Rencontres d'Arles", The Guardian, 11 July 2011.
  20. «Ponte City Tower - 99% Invisible». 99% Invisible (em inglês). Consultado em 17 de setembro de 2018 
  21. Whitby, Suzanne. "Ponte: Tower of Dreams". Retrieved on 29 September 2018.