Ponte Maurício de Nassau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Nassau, veja Nassau (desambiguação).
Ponte Maurício de Nassau
A ponte Maurício de Nassau
Nome oficial Ponte Maurício de Nassau
Arquitetura e construção
Arquitetos Baltazar de Affonseca
Emílio Henrique Baumgart
Construção Companhia Construtora em Cimento Armado
Mantida por Prefeitura da Cidade do Recife
Início da construção 1640 (a atual é de 1917)
Data de abertura 28 de fevereiro de 1643
Comprimento total 180 m
Largura 16 m
Maior vão livre 13 5 m
Geografia
Via Urbana/Pública - Automóvel e pedestre
Cruza Rio Capibaribe
Localização Recife, PE, Brasil
Coordenadas 8°3'50 S 34°52'31 O

A Ponte Maurício de Nassau localiza-se na cidade do Recife e interliga os bairros do Recife e Santo Antônio. Foi a primeira ponte de grande porte do Brasil.[1]


História[editar | editar código-fonte]

O projeto da ponte teve inicio em meados de 1630, mas recebia pressão de importantes empreendedores que tinham sua renda focada na interligação da ilha com o resto da cidade. A ilha seguia superlotada e seus terrenos começavam a desvalorizar. A lentidão no transporte e a falta de água na ilha deram a força necessária para o projeto prosseguir. Oito anos depois, iniciou-se os estudos para dar inicio a construção. Em 1630, o então Conde de Nassau ordenou a construção de um pilar de pedra com 12 metros de comprimento para analisar a força da correnteza e demonstrar publicamente seu interesse na construção da ponte. Em 1641 abriu-se edital para convocar construtores interessados.[1]

Venceu a concorrência o judeu e arquiteto Baltazar de Affonseca, assegurando que terminaria a ponte dentro de um prazo de dois anos. Em 1642 iniciou-se a obra, já com quinze pilares construídos. Mas logo no ano seguinte a obra teve de ser paralisada. Com medo de ser humilhado, o Conde de Nassau toma a frente da construção e investe dinheiro próprio no projeto. Faltando ainda dez pilares de pedra e o orçamento estourado, o conde resolve usar madeira resistente à água ao invés de pedra. A ponte é então inaugurada em 28 de fevereiro de 1644 com o nome de Ponte do Recife. Parte em pedra, parte em madeira, a Ponte do Recife tinha o dobro do tamanho da atual indo do atual cruzamento da Av. Marquês de Olinda com a rua Madre de Deus até o atual cruzamento das ruas 1° de Março e Imperador D. Pedro II. Ganhando o título de primeira ponte de seu porte do Brasil. E por ainda está em funcionamento é a mais antiga.[1][2][3]

Nas suas extremidades foram construídos dois arcos por ordem do Conde de Nassau, dos quais um deles tinha porta que podia se fechar. O que ficava do lado do Bairro do Recife chama-se Arco da Conceição e o que ficava na outra extremidade, Arco de Santo Antônio.[2] A ponte tinha uma parte levadiça, responsável por um acidente que derrubou cerca de dezesseis pessoas no Rio Capibaribe. Em 1683 a ponte passa por sua primeira reforma, mas ainda mantem os dois arcos de pedra. Em 1742 acontece uma reforma ainda maior remodelando a ponte, mas ainda aproveitando os pilares de pedra e madeira. Os arcos são também reformados e recebem as imagens dos santos católicos que dão o nome de cada um. Também é construída ua série de pequenos estabelecimentos comerciais, provavelmente para, junto com um também provável pedágio, custear a manutenção da ponte. [4]

Mesmo com várias reformas entre os anos de 1683 e 1742 a estrutura precária não aguenta e cede em 5 de Outubro de 1815. Uma nova ponte começou a ser construída, agora de ferro. Foi inaugurada em 7 de Setembro de 1865 recebendo o nome de Ponte 7 de Setembro. Mais elegante, mais larga e forte, porem o material mal escolhido foi rapidamente corroído pela ferrugem. Ainda assim detinha os dois arcos, porem, por conta do transito, ordenou-se a demolição de ambos, o da Conceição, em 1913, e o de Santo Antônio em 1917. Só foi em 18 de Dezembro de 1917, cento e oitenta e sete anos depois, que inaugurou-se a Ponte Maurício de Nassau, homenageando o seu construtor.[2][4] Em 30 de março de 1920 Manuel Borba responsável por uma das ultimas grandes reformas, troca todo o calçamento da ponte e encomenda as quatro estátuas de bronze de três metros de altura da Fundição Val d'Ornes, na França dando à ponte o aspecto geral que têm hoje.[5]

  • 1642-1861: Ponte do Recife
  • 1861-1917: Ponte 7 de setembro
  • 1917- atual: Ponte Maurício de Nassau.

Boi Voador[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Boi voador

Antes da inauguração da Ponte do Recife, atual Ponte Mauricio de Nassau, o Conde de Nassau divulgou amplamente que na inauguração da ponte faria um Boi Voar. A ideia era ter um público grande e arrecadar uma boa quantia em dinheiro com a cobrança dos pedágios, para tentar amenizar o rombo no orçamento no projeto.

Com o público enorme e curioso pagando pedágios, o Conde de Nassau finalmente fez o que prometia. Com um mecanismo de cordas e roldanas, fez um boi empalhado passar de um lado da ponte para o outro. O evento rendeu vinte mil e oitocentos florins, não pagando cada pessoa mais que duas placas à ida, e duas à vinda.[6]

Estátua da Justiça da Ponte Maurício de Nassau, do escultor Albert-Ernest Carrier-Belleuse

Obras de arte[editar | editar código-fonte]

A ponte conta com cinco estatuas ao todo, quatro delas sobre pilares nas extremidades em ferro fundido e uma no meio da ponte em concreto, à altura do transeunte. Também se encontram nove brasões de Pernambuco e duas placas. Todos estes objetos são em ferro fundido, confeccionados na Fundição Val d'Osne em 1917, exceto a estatua do poeta, que é em concreto armado polido

As placas foram colocadas pelo Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano e dizem:

Cquote1.svg Na entrada desta ponte, a primeira feita no Brasil e levantada neste local por Maurício de Nassau, o fundador da cidade, existiu o arco da Conceição, com uma das portas que se fechava, edificada em 1645 e demolida em 1913, por exigência do trânsito. Cquote2.svg


As estátuas ali colocadas são:


Atualmente a ponte serve ao trânsito de carros e interliga a Avenida Marquês de Olinda à Rua Primeiro de Março.

Mapa holandês de 1665 mostrando a ponte original, antecessora da atual, que ligava o Recife (Reciffo) à Cidade Maurícia (Stadt Mauritius).

Galeria de Fotos[editar | editar código-fonte]

Galeria[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. a b c «A Primeira Ponte do Recife». Consultado em 16 de outubro de 2015. 
  2. a b c Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  3. «Pontes». Consultado em 16 de outubro de 2015. 
  4. a b «8 - PONTE MAURÍCIO DE NASSAU». Consultado em 16 de outubro de 2015. 
  5. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  6. Erro em Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  7. «Minerve – Minerva – (Pallas de Velletri) Pont Mauricio de Nassau – Recife». Consultado em 6 de agosto de 2015. 
  8. «Cérès-Déméter (l’Agriculture) – Pont Mauricio de Nassau – Recife». Consultado em 6 de agosto de 2015. 
  9. «Correto». Consultado em 6 de agosto de 2015. 
  10. «Le Commerce – Pont Mauricio de Nassau – Recife». Consultado em 6 de agosto de 2015. 
  11. «La Justice – A Justiça – Pont Mauricio de Nassau – Recife». Consultado em 6 de agosto de 2015. 
  12. «CIRCUITO DA POESIA». Consultado em 6 de agosto de 2015. 
  • FRANCA, Rubem. Monumentos do Recife. Recife:Secretaria de Educação e Cultura, 1977.383p. il.
  • GONÇALVES, Fernando Antonio. O Capibaribe e as pontes: dos ontens bravios aos futuros já chegados. Recife: Comunigraf, 1997. 86p.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma ponte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.