Porco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Porco (desambiguação).
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde janeiro de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como ler uma infocaixa de taxonomiaPorco
Caititu num zoológico
Caititu num zoológico
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Artiodactyla
Subordem: Suiformes

Porco é a denominação dada às diferentes espécies de mamíferos bunodontes, artiodáctilos, não ruminantes da subordem dos suiformes,[1][2] a que pertence o porco-doméstico e outras espécies e gêneros.

O porco foi introduzido no Brasil na década de 1550 por Martim Afonso de Souza.[3] Domesticados, os porcos são usados como animais de companhia, ou criados para fim de abate.

Características[editar | editar código-fonte]

Têm 44 dentes, dentre os quais, caninos curvos e incisivos inferiores alongados, formando uma pá; patas curtas com quatro dedos revestidos por cascos, cabeça de perfil triangular e focinho cartilaginoso. Origina-se do javali, porém existente quase em toda parte como animal doméstico, e sua carne é bastante apreciada.[4]

O tempo de gestação das porcas é de 112 dias, aproximadamente, dando depois à luz entre seis e doze crias, a que se chamam leitões, ou bácoros. Um porco livre pode viver cerca de 12 anos.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Esqueleto de Suíno (Sus)

Pode-se considerar duas famílias taxonômicas de porcos:

Família Suidae[editar | editar código-fonte]

Família Tayassuidae[editar | editar código-fonte]

Raças Autóctones Portuguesas[editar | editar código-fonte]

Portugal conta com a presença de 3 raças autóctones de suínos domésticos[5]:

  • Alentejana
  • Bisara
  • Malhado de Alcobaça

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Em fazendas é muito comum a utilização de artifícios, como a inseminação artificial, para que se obtenha um rebanho com o menor número de indivíduos fisiologicamente deficientes. Com esta seleção artificial é possível se obter uma prole mais resistente a doenças e com porte que torna viável a comercialização de derivados suínos.

A inseminação artificial ou inseminação intrauterina é uma técnica de reprodução medicamente assistida que consiste na retirada artificial do sêmen nas vias genitais da fêmea.[6] Utiliza-se em casos em que os espermatozoides não conseguem atingir as trompas ou simplesmente por escolha do proprietário do animal. Consiste em transferir, para a cavidade uterina, os espermatozoides previamente recolhidos e processados, com a seleção dos espermatozoides morfologicamente mais normais e móveis.

Galeria (anatomia)[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikilivros Livros e manuais no Wikilivros
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies

Referências

  1. «Porco». Dicio. Consultado em 6 de janeiro de 2019 
  2. Infopédia. «Definição ou significado de porco no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 6 de janeiro de 2019 
  3. «História dos Suínos». www.abcs.org.br. Consultado em 15 de novembro de 2016 
  4. «Do porco tudo se aproveita». Consultado em 9 de março de 2012 
  5. Portaria n.º 55/2015, Diário da República n.º 41/2015, Série I de 2015-02-27.
  6. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 950.
Ícone de esboço Este artigo sobre artiodáctilos, integrado no Projeto Mamíferos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.