Pornhub

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Pornhub
Proprietário(s) MindGeek, de Feras Antoon e David M. Tassillo
Gênero pornográfico
Cadastro opcional
País de origem  Canadá
Idioma(s)
Lançamento 25 de maio de 2007 (2007-05-25)
Posição no Alexa 52 (janeiro de 2017)
Desenvolvedor Pornhub NETWORK

Pornhub, parte da "Pornhub NETWORK", é um website destinado ao compartilhamento de conteúdo pornográfico, de propriedade da empresa canadense MindGeek, dos empresários canadenses Feras Antoon e David Marmorstein Tassillo.[1] É o segundo maior e mais popular de seu gênero[2][3] Cerca de 100 milhões de pessoas acessam o site, junto dos outros dois maiores portais dedicados ao gênero, XVideos e XNXX[4]

Foram relatados incidentes do Pornhub hospedando pornografia não consensual.[5] A empresa foi criticada por suas respostas lentas ou inadequadas a alguns desses incidentes, incluindo a hospedagem do canal Girls Do Porn, que foi fechado em 2019 após uma ação judicial e acusações de tráfico sexual.[6][7][8] Em dezembro de 2020, após um artigo do New York Times sobre esse tipo de conteúdo, as operadoras de cartões de crédito Mastercard e Visa cortaram seus serviços para o Pornhub. Em resposta, o Pornhub removeu todos os vídeos de usuários não verificados.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Em 2012, o jornal The Huffington Post destacou a tentativa do website em ter um anúncio comercial exibido durante o Super Bowl daquele ano, entretanto, a emissora responsável pelo evento rejeitou a inclusão da esquete, ainda que ela não tivesse conteúdo explicitamente sexualizado, por ser ilegal a exibição de pornografia na televisão americana, e a emissora não pretendia se associar com a promoção do gênero, acreditando que a exibição do comercial poderia ser visto como um endosso ao material promovido, o que poderia gerar um processo de responsabilização pela "Federal Communications Commission".[9]

No dia 16 de março de 2017, o site resolveu fazer uma campanha, pedindo para que os usuários mandassem vídeos fazendo sexo fantasiados de panda-gigante, de forma a incentivar o sexo entre estes animais, que estão ameaçados de extinção pela falta de reprodução. Alguns cientistas levantaram a hipótese de que vídeos desses animais copulando poderia incentivar os pandas a praticar o ato.[10]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2020, Nicholas Kristof no The New York Times descreveu a Pornhub como uma empresa que "monetiza estupros infantis, pornografia de vingança, vídeos de câmera espiã de mulheres tomando banho, conteúdo racista e misógino e imagens de mulheres sendo asfixiadas em sacos plásticos."[11] Em resposta ao relatório, o Pornhub anunciou que não aceitaria mais vídeos de usuários não identificados e desativaria os downloads dos mesmos.[12] Visa e Mastercard também anunciaram que revisariam seus laços financeiros com o Pornhub.[13][14][15] Em 10 de dezembro de 2020, Mastercard e Visa bloquearam o uso de seus cartões no Pornhub.[16][17][18] O Pornhub disse ao New York Times que essas afirmações eram "irresponsáveis ​​e flagrantemente falsas".[19]

Em 14 de dezembro de 2020, o Pornhub anunciou que todos os vídeos postados por usuários não verificados foram removidos do acesso público para "verificação e revisão pendentes".[20][21]

No Brasil, segundo Clayton Nunes, CEO da Brasileirinhas, os responsáveis por enviar pornografia não consensual ao Pornhub são os mesmos que enviavam pornografia violando direitos autorais. Como prova disso, ele apontou o fato dos vídeos piratas do Brasileirinhas no Pornhub ter caído para zero, após o banimento das contas. Já no Xvideos, Spank Bang e XHamster, que não verifica os usuários, a produtora ainda precisa pedir para remover vídeos por direitos autorais.[22]

Em 12 de março de 2014, o Pornhub foi banido da Rússia pelo Serviço Federal de Supervisão de Comunicações, Tecnologia da Informação e Meios de Comunicação de Massa (Roskomnadzor). O motivo foi a publicação de um vídeo pornográfico, cuja atriz parecia muito jovem, por denúncia de alguns usuários do portal.[23]

Referências

  1. Vampire Porn
  2. «Talk Talk fails to block Pornhub». The Inquirer. 6 de dezembro de 2011. Consultado em 23 de maio de 2013 
  3. «World's biggest porn site reveals how major events affect viewing habits». Consultado em 30 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 24 de maio de 2014 
  4. Lanxon, Nate (22 de maio de 2009). «Twitter more popular than free porn: fact! | CNET UK». Crave.cnet.co.uk. Consultado em 23 de maio de 2013. Arquivado do original em 24 de abril de 2012 
  5. «I was raped at 14, and the video ended up on a porn site». BBC (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  6. «How Pornhub Enables Doxing and Harassment». Vice (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  7. «Pornhub pulls Girls Do Porn videos amid sex trafficking charges». Daily Dog (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  8. «Pornhub Finally Removes Girls Do Porn». Vice (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  9. Stuart, Hunter (30 de janeiro de 2013). «Pornhub Super Bowl Commercial Rejected By CBS, Won't Air Despite SFW Content (VIDEO)». The Huffington Post. Consultado em 23 de maio de 2013 
  10. NALONEY, Alison (18 de março de 2017). «MEETS SHOOTS AND LEAVES Pornhub want people to dress up as pandas to have sex.. and some obliging porn stars already have». The Sun. Consultado em 19 de julho de 2017 
  11. «Opinion - The Children of Pornhub». The New York Times (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  12. «Pornhub limits uploads and disables downloads after New York Times exposé». The Verge (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  13. «Pornhub under investigation by Visa, MasterCard amid abuse allegations». Ars Techinica (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  14. «Visa and Mastercard to Investigate Financial Ties to Pornhub». New York Times (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  15. «Pornhub bans user uploads after abuse allegations». BBc (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  16. «Discover Joins Mastercard, Visa in Cutting Ties With Pornhub». Bloomberg (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  17. «Mastercard and Visa stop allowing their cards to be used on Pornhub» (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  18. «Porn site abandoned by credit card companies after investigation» (em inglês). News.com.au. Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  19. «Pornhub to ban unverified uploads after child abuse content claims». The Guardian (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  20. «Pornhub Just Purged All Unverified Content From the Platform». Vice (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  21. «Pornhub purges millions of unverified videos amid allegation of hosting child pornography». Business Insider (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2020 
  22. Ricardo Feltrin (18 de dezembro de 2020). «Exclusivo: Cerco ao Pornhub reduz pirataria de pornô até no Brasil». Splash. UOL. Consultado em 31 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2020 
  23. «Роскомнадзор заблокировал порносайт Pornhub». Look At Me (em russo). 13 de março de 2014. Consultado em 27 de março de 2022 
Ícone de esboço Este artigo sobre um website é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.