Portal:Arquitetura e urbanismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Bem vindos ao
Portal da Arquitetura e urbanismo

Este portal é parte integrante do Projeto Arquitetura e urbanismo.
O projeto livre que todos podemos editar.

831 artigos de arquitetura e urbanismo em português
1 usuários ativos

Artigo destacado Apresentação
El lissitzky self portrait 1914.jpg

Loudspeaker.svg? Lazar Markovich Lissitzky (em russo: Ла́зарь Ма́ркович Лиси́цкий) (23 de novembro de 189030 de dezembro de 1941), conhecido pelo pseudónimo El Lissitzky (em russo: Эль Лиси́цкий, em iídiche: על ליסיצקי), foi um artista, designer, fotógrafo, tipógrafo e arquiteto russo. Foi uma figura relevante durante a vanguarda russa, contribuindo para a formação do suprematismo em conjunto com o seu mentor, Kazimir Malevich, e autor de inúmeras mostras de arte e trabalhos de propaganda para a então União Soviética. A sua obra exerceu grande influência na Bauhaus e nos movimentos construtivistas, tendo sido pioneiro em técnicas de produção e soluções estéticas que viriam a dominar o design gráfico ao longo do século XX.

Todo o percurso de El Lissitzky está intimamente ligado à crença que o artista podia ser um agente de mudança, mais tarde resumida no seu edito, "das zielbewußte Schaffen" — criação orientada por objetivos. Lissitzky, de fé judaica, iniciou a sua carreira com ilustrações para livros infantis em língua iídiche, como forma de promover a cultura judaica na Rússia, um país em profunda mudança e que revogara as leis antissemitas pouco tempo antes. Começou a lecionar com apenas 15 anos, uma atividade que manteve ao longo de toda a vida. Ao longo de várias décadas, ensinou em diversos cargos nas mais variadas escolas e meios artísticos, divulgando e aprofundando conceitos. Este sentido de dever esteve presente quando trabalhou com Malevich na direção do grupo artístico suprematista UNOVIS, onde desenvolveu uma variante suprematista própria, Proun, e mais tarde, quando em 1921 assumiu o cargo de embaixador cultural da Rússia na República de Weimar, na Alemanha, influenciando figuras relevantes da Bauhaus e do movimento De Stijl durante a sua estadia.

A sua obra influenciou e deu origem a importantes inovações na tipografia, fotomontagem, design de exposições e ilustração literária, sendo o autor de obras consagradas internacionalmente e veneradas pela crítica especializada. Manteve-se produtivo até ao leito de morte, onde viria a produzir, em 1941, um dos seus últimos trabalhos — um cartaz de propaganda soviética de mobilização para a construção de tanques para a guerra contra a Alemanha nazi.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter
Ionian Column icon.png

A Arquitetura refere-se tanto ao processo quanto ao produto de projetar e edificar o ambiente habitado pelo ser humano. Neste sentido, a arquitetura trata destacadamente da organização do espaço e de seus elementos: em última instância, a arquitetura lidaria com qualquer problema de agenciamento, organização, estética e ordenamento de componentes em qualquer situação de arranjo espacial. No entanto, normalmente a arquitetura associa-se diretamente ao problema da organização do homem no espaço (e principalmente no espaço urbano).

A arquitetura como atividade humana existe desde que o homem passou a se abrigar das intempéries. Uma definição mais precisa da área envolve todo o design (ou seja, o projeto) do ambiente construído pelo homem, o que engloba desde o desenho de mobiliário (desenho industrial) até o desenho da paisagem (paisagismo), da cidade (planejamento urbano e urbanismo) e da região (planejamento regional ou Ordenamento do território). Neste percurso, o trabalho de arquitetura passa necessariamente pelo desenho de edificações (considerada a atividade mais comum do arquiteto), como prédios, casas, igrejas, palácios, entre outros edifícios. Segundo este ponto de vista, o trabalho do arquiteto envolveria, portanto, toda a escala da vida do homem, desde a manual até a urbana.

Artigo bom Imagem em destaqueVE
Portal da Índia em Mumbai

O Portal da Índia (em inglês: Gateway of India) é um monumento situado na cidade indiana de Bombaim, construído durante o período colonial britânico (Raj). É um arco do triunfo de basalto, com 26 metros de altura, situado à beira do mar Arábico e de Mumbai Harbour (Front Bay), na zona sul da cidade (South Mumbai), especificamente em Apollo Bunder (ou Wellington Pier), Colaba, no fim da Chhatrapati Shivaji Marg.

A zona era um molhe simples usado por pescadores que foi renovado e usado como local de desembarque dos governadores britânicos e outras personalidades proeminentes. No passado era a primeira estrutura avistada por quem chegasse de barco a Bombaim, que era o porto de entrada da maior parte dos europeus que iam à Índia. O monumento, por vezes alcunhado Taj Mahal de Bombaim, e é a principal atração turística da cidade.

Foi erigido para comemorar o desembarque do rei Jorge V do Reino Unido e da sua esposa, a rainha Maria, aquando da sua visita à Índia em 1911. Construído em estilo indo-sarraceno, a cerimónia de colocação da primeira pedra ocorreu em 31 de março de 1911, mas o desenho final, da autoria de George Wittet, só foi aprovado em 1914 e a construção só foi concluída em 1924. A partir de então, o monumento passou a ser a entrada cerimonial da Índia para os vice-reis e governadores de Bombaim.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter
Biografia da semanaVE Construção da semanaVE
Antoni Placid Gaudí i Cornet, em foto de 15 de março de 1878, Barcelona, Espanha, por Pau Audouard.

Antoni Gaudí i Cornet (Reus ou Riudoms, 25 de junho de 1852Barcelona, 10 de junho de 1926) foi um famoso arquiteto catalão e figura de ponta do Modernismo catalão. As obras de Gaudi revelam um estilo único e individual e estão em sua maioria na cidade de Barcelona.

Grande parte da obra de Gaudi é marcada pelas suas grandes paixões: arquitetura, natureza e religião. Gaudi dedicava atenção aos mais íntimos detalhes de cada uma das suas obras, incorporando nelas uma série de ofícios que dominava: cerâmica, vitral, ferro forjado e marcenaria. Introduziu novas técnicas no tratamento de materiais, como o trencadís, realizado com base em fragmentos cerâmicos.

Depois de vários anos sob influência do neogótico e de técnicas orientais, Gaudí tornou-se parte do movimento modernista catalão, que atingiu o seu apogeu durante o final do século XIX e início do século XX. O conjunto da sua obra transcende o próprio movimento, culminando num estilo orgânico único inspirado na natureza. Gaudí raramente desenhava projetos detalhados, preferindo a criação de maquetes e modelava os detalhes à medida que os concebia.

A obra de Gaudí é amplamente reconhecida internacionalmente e objeto de inúmeros estudos, sendo apreciada não só por arquitetos como pelo público em geral. A sua obra-prima, a inacabada Sagrada Família, é um dos monumentos mais visitados de Espanha. Entre 1984 e 2005, sete das suas obras foram classificadas como Património Mundial pela UNESCO. A devoção católica de Gaudí intensificou-se ao longo da sua vida e a sua obra é rica no imaginário religioso, o que levou que fosse proposta a sua beatificação.


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter
Maquete do Templo de Ártemis em seu auge no Miniatürk

O Templo de Ártemis ou Templo de Diana foi uma das sete maravilhas do Mundo Antigo, localizado em Éfeso. Era o maior templo do mundo antigo, e durante muito tempo o mais significativo feito da civilização grega e do helenismo, construído para a deusa grega Ártemis, da caça e dos animais selvagens. Foi construído no século VI a.C. no porto mais rico da Ásia Menor pelo arquiteto cretense Quersifrão e por seu filho, Metágenes.

Era composto por 127 colunas de mármore, com 20 metros de altura cada uma. Duzentos anos mais tarde foi destruído por um grande incêndio, e reerguido por Alexandre, o Grande. Atualmente, após sucessivos terremotos e saques, apenas uma solitária coluna do templo reerguida por arqueólogos alemães no século XIX encontra-se de pé.

O primeiro santuário (têmeno) antecedeu a imigração jônica em muitos anos e data da Idade do Bronze. Calímaco, em seu Hino a Ártemis, atribuiu isto às Amazonas. No século VII a.C., o templo foi destruído por uma inundação. Sua reconstrução começou por volta de 550 a.C., sob o arquiteto cretense Quersifrão e seu filho Metágenes, à custa de Creso da Lídia: o projeto levou 10 anos para ser concluído. O templo foi destruído em 356 a.C. por um ato de incêndio por Heróstrato e foi novamente reconstruído, desta vez como a Maravilha.

Antípatro de Sídon, que compilou a lista das Sete Maravilhas, descreve o templo:


Compartilhe: Compartilhe via Facebook Compartilhe via Google+ Compartilhe via Twitter
21 de julho na arquitetura e urbanismoVE Eventos atuaisVE

» 21 de julho de 2018

Lina Bo Bardi
Vídeo da semanaVE Sabia que...VE
Ver no Commons
Pormenores dos entalhes do Portal principal da Catedral de Notre-Dame de Paris
Créditos: Trabalho próprio de usuário do Commons, c:User:Argent-Vif.

Apresentação em slides dos pormenores dos entalhes acima do portal principal da Catedral de Notre-Dame de Paris e da coluna que separa as portas.



... Frank Lloyd Wright teve que retirar as escoras da laje da Casa da Cascata com as próprias mãos, pois os operários temiam que ela viesse abaixo?

... o edifício Millennium Palace, na cidade de Balneário Camboriú, com 177,3 metros de altura e 52 andares, é a maior estrutura de concreto armado do Brasil?

... Oscar Niemeyer iniciou sua carreira, aos 28 anos, trabalhando sem remuneração no escritório de Lúcio Costa e Carlos Leão?

... Sérgio Bernardes, ao vencer a Bienal de Veneza, em 1964, trocou o prêmio em dinheiro por uma Ferrari, que levava em suas viagens ao exterior e pilotava em autódromos?

Categorias ColaboreVE
Colabore

Ex-Artigos Destacados que precisam de Revisão
Arquitetura da Espanha | Arquitetura desconstrutivista | Arquitetura do Renascimento | Azulejo | Capela Sistina | Castelo dos Mouros (Sintra) | Catedral de Notre-Dame de Paris | Estilo Gótico | Fortaleza de Sagres | História da Arquitetura | Mosteiro da batalha | Ordem arquitetónica | Palácio do Príncipe de Mônaco | Palácio Heian | Palácio Nacional da Pena | Pirâmides de Gizé | Taj Mahal | Urbanismo


Fundir/Traduzir:
International Style (architecture) | Arquitetura brutalista


Desenvolver:
arquitrave | canelura | cornija | estereóbata | estilóbata | entablamento | entasis | equino (arquitetura) | fuste | frontão | métopa | mútulo | propileus | tríglifo | Tímpano (arquitetura) | obra de arquitetura | espaço arquitetônico | ordem dórica | ordem jónica | ordem compósita | ordem toscana | | gentrificação | arquitectura da Roma Antiga | arquitetura do Egito Antigo | arquitetura high-tech | arquitetura orgânica | arquitectura islâmica | basílica | Rafael Moneo | catedral de Santiago de Compostela | Carta de Atenas | regionalismo crítico | arquitetura racionalista | clarabóia | tipologia (arquitectura) | arquitetura contemporânea | arquitetura historicista | reabilitação | arquitetura da Pré-História | arquitetura brutalista | conforto ambiental mais:[1][2][3][4][5]


Pedidos
firmitas | utilitas | venustas | planejamento urbano participativo | planejamento urbano estratégico | pendente | Igreja de Santa Maria (Marco de Canavases) | cartas patrimoniais | beira seveira | polinucleação | Plano de Barcelona | trânsito de passagem | arquitetura das Américas | arquitetura da Oceania | Mecanoo | sistema estrutural | história do urbanismo | solo criado | instrumento urbanístico | disneyficação | Ermínia Maricato | uso e ocupação do solo | instrumento urbanístico | renda da terra | Carlos Milan | Edifício Sarti | L'architecture d'aujourd'hui | David Chipperfield | Josiah Conder | George Grant Elmslie | Calvert Vaux | David Adjaye | Richard Upjohn


Sem imagens
Instituto de Arquitetos do Brasil | Unidade de vizinhança | Obra do Berço | Conjunto Residencial Prefeito Mendes de Moraes | mais

Portais e projetos relacionadosVE
Arquitetura e urbanismo em outros projetos WikimediaVE