Portal:Pensilvânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bandeira do Pensilvânia

Portal de Pensilvânia

Keystone State

Editar
 Flag of Pennsylvania.svg  O Portal de Pensilvânia
Localização de Pensilvânia

A Pensilvânia (; ) é um dos 50 Estados dos Estados Unidos, localizado na Região Centro-Atlântico do país. Seu nome oficial é Commonwealth of Pennsylvania (Comunidade da Pensilvânia). O estado, cuja capital é Harrisburg, deu origem ao nome do período geológico Pennsylvaniano.

A Pensilvânia é um dos estados mais industrializados e urbanizados dos Estados Unidos, tendo sido um dos berços da Revolução Industrial no país, que se iniciou em meados do século XIX. A Pensilvânia é uma grande produtora de produtos alimentícios industrializados, e de produtos químicos e eletrônicos em geral. O estado é o único fornecedor de antracito dos Estados Unidos, um tipo de carvão de altíssima qualidade. Além disso, o estado é o maior produtor de carvão betuminoso do país.

Filadélfia é a maior cidade do estado, sendo um grande centro portuário, bancário, financeiro e industrial. A segunda maior cidade do estado é Pittsburgh, que é um pólo educacional e da indústria de alta tecnologia. Ambos são grandes centros históricos e culturais americanos.

A Pensilvânia é famosa pela região de Pennsylvania Dutch, localizado no sul do estado. A região é famosa pela sua cultura — especialmente culinária e arquiteturaalemã, e pela sua grande população de origem alemã. Em inglês, Pennsylvania Dutch significa "Pensilvânia holandesa", fazendo com que muitos anglófonos pensem que a região tenha sido habitada por imigrantes de origem neerlandesa. De fato, o nome "Dutch" foi uma derivação da palavra alemã deutsch, que significa "alemão" na língua alemã e é também a origem do nome da Neerlândia em inglês. A região de Pennsylvania Dutch é famosa nos Estados Unidos e no Canadá, sendo uma região de cunho turístico, histórico e cultural da Pensilvânia.

O nome do estado vem de William Penn. O Rei inglês Carlos II cedeu a região para Penn em 1681. A palavra Pensilvânia significa "Floresta de Penn", que era um quaker que estabeleceu em sua colônia liberdade religiosa, permitindo a grupos religiosos perseguidos tais como os quakers a instalarem-se na região. Por isto, por vezes o estado é apelidada de The Quaker State, porque a maioria de seus habitantes, nos primórdios da colonização europeia do estado, eram quakers. O cognome do estado é The Keystone State.

A Pensilvânia é um dos estados americanos mais ricos historicamente. A Pensilvânia foi inicialmente colonizada por suecos e neerlandeses, tendo sido posteriormente excluídos da região pelos britânicos. A Pensilvânia foi uma das Treze Colônias britânicas que se rebelaram contra o domínio inglês na região na Guerra da Independência dos Estados Unidos da América. Foi na Pensilvânia que a declaração de independência e a constituição americana foram criadas pelos pais da independência americana. A Pensilvânia tornou-se o segundo estado americano, após ter ratificado a Constituição americana em 12 de dezembro de 1787. Durante a Guerra Civil Americana, a Pensilvânia tornou-se palco da batalha mais sangrenta da guerra civil, a Batalha de Gettysburg.

Sumários temáticos

Editar
 Flag of Pennsylvania.svg  Artigos destacados
Estados Unidos - Em Azul: *Condados com maior proporção de falantes da língua; *Em Vermelho: Condados com grande número de falantes da língua.*Em Púrpura: Condados com ambas características já citadas
Alemão da Pensilvânia (Pennsilfaanisch Deitsch) ou Pennsylvania German (em inglês) é uma língua germânica pertencente grupo linguístico classificado como alemão central ocidental ou Westmitteldeutsch (no idioma alemão). Este idioma é falado por cerca de 300 000 - 350 000 pessoas nos estados da Pensilvânia, Indiana e de Ohio mas também, em menor escala, em 29 outros estados, nos Estados Unidos da América, e em quatro províncias do Canadá.


Editar
 Messagebox info.png  História de Pensilvânia

O crescimento industrial da Pensilvânia continuou nas primeiras décadas do século XX, atingido seu máximo nos anos da Primeira Guerra Mundial e durante a década de 1920. Porém, a Grande Depressão da década de 1930 interrompeu o crescimento econômico do estado. Milhares de pessoas perderam seus empregos, e várias empresas faliram. Para tentar minimizar estes problemas, o governo do estado começou a construir rodovias, grandes prédios governamentais e reflorestamento, para a geração de empregos, leis que estipulavam um salário mínimo para os trabalhadores e programas de ajuda social. A economia do estado viria a se recuperar por completo com a chegada da Segunda Guerra Mundial.

Várias das cidades da Pensilvânia, por causa do imenso crescimento industrial das décadas anteriores, haviam crescido desorganizadamente. Entre a década de 1940 e a década de 1950, várias cidades do estado começaram a passar por sérios programas de planejamento urbano — especialmente Pittsburgh e Filadélfia, que revitalizaram e modernizaram as cidades da Pensilvânia.

Porém, durante a década de 1950 em diante, a Pensilvânia passou a enfrentar várias recessões econômicas. A demanda por carvão havia diminuído no país, graças ao crescente uso do petróleo como matéria-prima para usinas geradoras de eletricidade. Isto causou o fechamento de várias minas. Durante a década de 1960, muito da indústria têxtil havia movido-se para os estados do sul americano, onde os custos operacionais eram mais baixos. As indústrias têxteis que continuaram gradualmente automatizaram suas fábricas, modernizando-as. Além disso, devido à concorrência do aço estrangeiro, várias das siderúrgicas da Pensilvânia lentamente fecharam durante a década de 1970 e a década de 1980. Tudo isto fez com que milhares de pessoas ficassem desempregadas. Muitos pensilvânios — especialmente os jovens — deixaram o estado, buscando por oportunidades de trabalho em outros cantos do país.

Para resolver estes problemas, o governo da Pensilvânia começou um agressivo programa que visava atrair indústrias para o estado. A Pensilvânia passou a fornecer mais verbas para suas instituições de educação. Para custear este programa, o estado decidiu aumentar seus impostos. A economia da Pensilvânia gradualmente recuperou-se, tendo estabilizado-se por volta da década de 1990. De um estado primariamente industrial, a economia da Pensilvânia diversificara-se, e o estado tornara-se um grande pólo financeiro, comercial, cultural e educacional americano. E apesar da crise da década de 1970 e 1980, a Pensilvânia ainda é o maior produtor de aço nos Estados Unidos.

Em 2 de outubro de 2006, Charles Carl Roberts IV entrou em uma escola em Nickel Mines, uma comunidade amish localizada no Condado de Lancaster, fazendo de estudantes (entre seis e quinze anos de idade), uma auxiliar de professora, pais e uma professora reféns, em uma sala de aula. Roberts liberou três mulheres com crianças pequenas, uma mulher grávida e 15 estudantes, todos do sexo masculino, enquanto que a professora conseguiu escapar, contatando imediatamente a polícia. Roberts permaneceu barricado na sala de aula com 12 estudantes do sexo feminino e a auxiliar da professora. Após a chegada da polícia, Roberts atirou nas meninas (atingindo dez delas), e logo em seguida, cometeu suicídio. Quatro meninas morreram, bem como a auxiliar de professora, e cinco meninas foram hospitalizadas em estado crítico.

Política

Editar
 Messagebox info.png  Política de Pensilvânia
James Buchanan.jpg

James Buchanan Jr. (23 de abril de 17911 de junho de 1868) foi um advogado e político americano que serviu como Presidente dos Estados Unidos de 1857 a 1861. Ele tinha anteriormente servido como Secretário de Estado de 1845 a 1849 e chegou a representar a Pensilvânia em ambas as casas do Congresso. Ele era um defensor do "direito dos estados" e minimizou o papel do governo federal nos últimos anos da escravidão.

Nascido em uma família rica, Buchanan se tornou um proeminente advogado na Pensilvânia e foi eleito para a Assembleia Estadual pelos Federalistas. Ele então se candidatou e conquistou uma vaga na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos em 1820, permanecendo lá por onze anos. Durante esse tempo, se alinhou ideologicamente com o Presidente Andrew Jackson e o Partido Democrata. Buchanan serviu como embaixador na Rússia no governo do Presidente Jackson, em 1832. Ele foi eleito, em 1834, para o Senado Federal pela Pensilvânia, retendo esta posição por onze anos. Buchanan foi então apontado pelo Presidente James K. Polk para servir como seu Secretário de Estado em 1845 e, oito anos mais tarde, foi nomeado, desta vez pelo Presidente Franklin Pierce, como embaixador para o Reino Unido. Em 1846, Buchanan foi eleito membro da American Philosophical Society.

No começo de 1844, Buchanan se tornou um candidato frequente para a nomeação do Partido Democrata para a presidência. Ele finalmente conquistou a nomeação do seu partido em 1856, derrotando o Presidente Franklin Pierce e o senador Stephen A. Douglas na Covenção Nacional Democrata; ele se beneficiou do fato de ter estado fora do país (como embaixador em Londres) e, portanto, não tinha se envolvido na questão da escravidão, que estava dividindo a nação. Buchanan e seu candidato a vice, John C. Breckinridge do Kentucky, venceram a eleição em cada estado escravagista da União exceto Maryland, derrotando o republicano John C. Frémont e o Know Nothing Millard Fillmore, ganhando por uma boa margem a eleição presidencial de 1856.

Como presidente, Buchanan interveio na Suprema Corte para reunir apoio da maioria na decisão pró-escravidão e anti-negros no Caso Dred Scott. Ele fez o que os líderes sulistas queriam na tentativa de projetar a entrada do Território do Kansas na União como um estado escravagista sob a Constituição de Lecompton. Com isso, ele irritou não apenas os Republicanos, mas também muitos democratas do norte. Buchanan honrou sua promessa de servir apenas um mandato e apoiou seu vice Breckinridge na sua tentativa malsucedida de ganhar a eleição presidencial de 1860. Ele falhou em reconciliar um fragmentado Partido Democrata devido a um rancor fervente contra Stephen Douglas, o que levou o partido a se dividir em dois na eleição, garantindo a vitória do republicano Abraham Lincoln.

Poucas semanas após Lincoln ser eleito como sucessor de Buchanan, os estados do Sul começaram a declarar independência da União, precipitando a Guerra Civil Americana. A fraca liderança de Buchanan entre o período da eleição em novembro de 1860 e a posse do seu sucessor em março de 1861, foi altamente criticada tanto na época quanto por acadêmicos em anos posteriores. Ele irritou simultaneamente o Norte por não parar a secessão e o Sul por não ter aderido à sua secessão. Ele apoiou o fracassado Acordo Corwin, em uma tentativa de reconciliar o país, mas foi muito pouco e tarde demais. Ele tentou sem sucesso reforçar e ressuprir a guarnição em Forte Sumter, mas não tomou nenhuma ação para prepara o exército para a guerra. Seu fracasso em evitar a Guerra Civil foi descrito alternativamente como inação incompetente ou aceitação passiva da causa do Sul. Muitos contemporâneos o culparam pela guerra e ele foi uma pessoa odiada após deixar a presidência. Ele passaria os últimos anos de sua vida tentando salvar sua reputação. Em sua vida pessoal, Buchanan nunca foi casado e, até a presente data, ele é o único presidente que nunca se casou no decorrer de sua vida. Biógrafos sugeriram de várias maneiras que ele era celibatário, homossexual ou assexuado. Buchanan morreu de insuficiência respiratória em em 1868 e foi enterrado em Lancaster, Pensilvânia, onde ele havia vivido por quase 60 anos. A maioria dos historiadores modernos condenam ele por não ter tentado resolver a questão da escravidão ou ter se esforçado para evitar a Guerra Civil e impedir a secessão do sul. Acadêmicos frequentemente o classificam como um dos piores presidentes na história dos Estados Unidos.

Geografia

Editar
 Messagebox info.png  Geografia de Pensilvânia
A linha negra indica a fronteira meridional do Triângulo de Erie no Condado de Erie
.
Compras de terra aos ameríndios na Pensilvânia.

O Triângulo de Erie é uma região no noroeste da Pensilvânia, nos Estados Unidos, que é alvo de múltiplas reivindicações concorrentes durante o período colonial e que foi seguidamente adquirida pelo governo federal dos Estados Unidos e vendido à Pensilvânia de modo que o estado de Pensilvânia tivesse acesso a um porto de água doce no lago Erie. O Triângulo de Erie compõe uma grande parte do atual Condado de Erie.

A maior parte da Pensilvânia do noroeste estava sob domínio norte-americano a seguir ao tratado de paz de 1784 de Fort Stanwix entre os ameríndios iroqueses e os norte-americanos, pois os índios tinham sido ignorados no Tratado de Paris de 1783. Em 1785, um conflito de fronteira estalou entre o Estado de Nova Iorque e a Pensilvânia. Após um esforço de análise feito por Andrew Ellicott representando os pensilvanianos e James Clinton e Simeon DeWitt representando os nova-iorquinos, a fronteira ocidental de Nova Iorque foi colocada 32 km a leste da Presque Isle da Pensilvânia, uma pequena península saída da costa do lago Erie. Assim, tal deixou um setor não-reivindicado, que ficou conhecido com as Triangle Lands.

O problema é que as Triangle Lands não se encontram nem no mapa de Nova Iorque nem no da Pensilvânia, enquanto o Connecticut e o Massachusetts reclamam também essas terras, fazendo valer os seus direitos de acesso ao mar que datam da época colonial.

Destes quatro estados em conflito (Pensilvânia, Nova Iorque, Connecticut e Massachusetts), só a Pensilvânia não tinha litoral. Após uma certa pressão do novo governo federal, cada um dos quatro estados renunciou às suas reclamações, e em 1792 o governo federal vendeu os 202187 acres (818,22 km²) de terra à Pensilvânia por 151640,25 dólares (75¢ por acre). Os iroqueses cederam a terra à Pensilvânia em janeiro de 1789 por uma quantia de 2000 dólares da Pensilvânia e de 1200 do governo federal. Os Senecas arranjaram reclamações de terras à Pensilvânia em fevereiro de 1791 pela soma de 800 dólares, o que foi acordado sem aprovação do governo federal violando a lei federal que tinha reservado o direito de fazer tratados em nome do governo dos Estados Unidos. Com este acesso aos Grandes Lagos da América do Norte, a Pensilvânia pôde ser persuadida a aceitar uma fronteira ocidental consideravelmente a leste do que inicialmente pretenderia, e que era talvez tão a oeste como Cleveland no Ohio.

O Triângulo de Erie é muitas vezes descrito como a "chaminé" adjacente à Pensilvânia.

  • {Explore PA History
  • Helene Smith; George Swetnam: A Guidebook to Historic Western Pennsylvania, 2d. ed. (Pittsburgh: University of Pittsburgh Press, 1991): 256-271.
  • Joy Ann Bilharz: The Allegany Senecas and Kinzua Dam: Forced Relocation Through Two Generations (Lincoln: University of Nebraska Press,, 1998).
  • Samuel P. Bates: History of Erie County, Pennsylvania (Chicago: Warner, Beers and Company, 1884).


Editar
 Messagebox info.png  Clima de Pensilvânia

O clima da Pensilvânia é temperado, com quatro distintas estações, com verões quentes, e invernos longos e frios. A proximidade de grandes massas de água no noroeste e no sudeste do estado tornam estas áreas mais amenas ao longo do ano, enquanto que o nordeste e o oeste do estado possuem as menores temperaturas da Pensilvânia no inverno.

A temperatura média do estado no inverno é de -3,3 °C no norte do estado, -2,8 °C no noroeste e de 1 °C no sudeste. No verão, as maiores temperaturas são registradas no sudeste do estado. A temperatura média, no verão, no noroeste é de 21 °C, de 24 °C no sudoeste e de 25 °C no sudeste. A temperatura mais alta já registrada na Pensilvânia é de 44 °C, registrada em 10 de julho de 1936, em Phoenixville; e a temperatura baixa já registrada no estado é de -41 °C, registrada em 5 de janeiro de 1904.

As taxas de precipitação média anual de chuva da Pensilvânia é de 104 centímetros. As maiores médias são registradas na região metropolitana de Pittsburgh e no leste do estado, onde a média é de 130 centímetros. Já o centro-norte e o oeste do estado possuem as menores médias de precipitação, de apenas 98 centímetros. As taxas de precipitação média anual de neve variam entre 50 centímetros no sudoeste a 230 centímetros no noroeste da Pensilvânia.

Cultura

Editar
 Flag of Pennsylvania.svg  Biografia selecionada
Mckinley.jpg


William McKinley (Niles, 29 de janeiro de 1843Buffalo, 14 de setembro de 1901) foi um político americano que serviu como Presidente dos Estados Unidos de 4 de março de 1897 até seu assassinato em 14 de setembro de 1901. McKinley levou o país a vitória na Guerra Hispano-Americana, aumentou as taxas alfandegárias para proteger a indústria e manteve o padrão-ouro para rejeitar propostas inflacionárias. Apesar de sua administração ter sido encurtada por sua morte, sua presidência marcou o começo de um período de dominação do Partido Republicano que duraria trinta anos.

McKinley foi o último presidente a ter lutado na Guerra de Secessão, começando como um soldado no Exército da União e terminando como major. Após a guerra, ele estabeleceu-se em Canton, Ohio, trabalhando como advogado a casando-se com Ida Saxton. Em 1876, ele foi eleito para o Congresso, tornando-se um especialista Republicano em taxas alfandegárias. Sua Tarifa McKinley em 1890 foi controversa, que, junto com um redistritamento Democrata para Gerrymandering com a intenção de tirá-lo do cargo, levou a sua derrota para os Democratas no mesmo ano. Ele foi eleito governador de Ohio entre 1891 e 1893, moderando-se entre interesses capitalistas e interesses dos trabalhadores. Com a ajuda de seu conselheiro Mark Hanna, McKinley conseguiu a indicação Republicana para presidente em 1896, no meio de uma crise financeira. Ele derrotou William Jennings Bryan em campanha em que defendeu o padrão-ouro e prometeu que altas tarifas iriam restaurar a prosperidade.

Rápido crescimento econômico marcou a presidência de McKinley. Ele aprovou o Ato Dingley em 1897 para proteger trabalhadores de manufaturas e fábricas da competição exterior, e em 1900 ele conseguiu aprovar o Ato Padrão-Ouro. McKinley esperava convencer a Espanha a garantir a independência de Cuba sem conflitos, porém, quando das negociações falharam, a Espanha atacou as colônias norte americanas em Porto Rico, Guam e Filipinas; Cuba havia recebido a promessa de independência mas ficou sob o controle do Exército dos Estados Unidos. Em 1898, os Estados Unidos anexaram a independente República do Havaí e a transformaram em um território.

McKinley derrotou Bryan novamente na eleição de 1900 em campanha focada no imperialismo, prosperidade e prata livre. O presidente McKinley foi assassinado em setembro de 1901 pelo anarquista Leon Czolgosz, sendo sucedido pelo seu vice-presidente Theodore Roosevelt. Sendo o terceiro presidente a ser morto enquanto no cargo (num espaço de trinta anos), o Congresso dos Estados Unidos resolveu agir e autorizou o Serviço Secreto a começar a proteger os presidentes dali em diante. Muitos acadêmicos consideram que a presidência de McKinley iniciou a chamada "Era Progressista". No geral, ele é avaliado por historiadores modernos como um bom presidente.
Editar
 Flag of Pennsylvania.svg  Educação em Pensilvânia

Inicialmente, a grande maioria das escolas da Pensilvânia eram administradas por igrejas. A primeira destas escolas religiosas foi instituída em meados da década de 1640, por suecos luteranos. Em 1682, a primeira constituição colonial da Pensilvânia promoveu o ensino a todas as crianças da colônia de Pensilvânia, e que pessoas já deveriam saber ler e escrever aos 12 anos de idade. Em 1834, uma lei aprovada pelo estado instituiu a obrigatoriedade do ensino a todas as crianças entre seis e dezesseis anos de idade. Também instituiu escolas públicas, para o ensino de crianças de pais pobres.

Atualmente, todas as instituições educacionais na Pensilvânia precisam seguir regras e padrões ditadas pelo Conselho Estadual de Educação da Pensilvânia. Este conselho controla diretamente o sistema de escolas públicas do estado, que está dividido em diferentes distritos escolares. O Conselho é composto por 721 membros, 17 deles escolhidos pelo governador e 4 deles escolhidos pela Assembleia Legislativa, para termos de ofício de até quatro anos de duração. Cada cidade primária (city), diversas cidades secundárias (towns) e cada condado, é servida por um distrito escolar. Nas cidades, a responsabilidade de administrar as escolas é do distrito escolar municipal, enquanto que em regiões menos densamente habitadas, esta responsabilidade é dos distritos escolares operando em todo o condado em geral. A Pensilvânia permite a operação de escolas charter — escolas públicas independentes, que não são administradas por distritos escolares, mas que dependem de verbas públicas para operarem. Atendimento escolar é compulsório para todas as crianças e adolescentes com mais de seis anos de idade, até a conclusão do segundo grau ou até os dezesseis anos de idade.

Em 1999, as escolas públicas do estado atenderam cerca de 1,817 milhões de estudantes, empregando aproximadamente 114,5 mil professores. Escolas privadas atenderam cerca de 339,5 mil estudantes, empregando aproximadamente 24,5 mil professores. O sistema de escolas públicas do estado consumiu cerca de 13,532 bilhões de dólares, e o gasto das escolas públicas foi de aproximadamente oito mil dólares por estudante. Cerca de 86% dos habitantes do estado com mais de 25 anos de idade possuem um diploma de segundo grau.

A Pensilvânia possui centenas de bibliotecas públicas, administradas por 459 sistemas de bibliotecas públicas diferentes. As bibliotecas públicas do estado movimentam anualmente uma média de 4,7 livros por habitante. A Pensilvânia é um grande centro educacional. A instituição de educação superior mais antiga do estado é a Universidade de Pensilvânia, que foi fundada em 1740, na Filadélfia. Atualmente, a Pensilvânia possui 257 instituições de educação superior, dos quais 68 são públicas e 189 são privadas. O estado possui quatro sistemas públicos de instituições de educação superior: o Sistema Estadual de Educação Superior da Pensilvânia — que é composto de 14 universidades diferentes — e a Universidade Estadual da Pensilvânia. O Sistema de Universidades de Pittsburgh e a Universidade Temple são sistemas públicos de educação superior administradas primariamente por Pittsburgh e Filadélfia.
Editar
 Flag of Pennsylvania.svg  Transportes e comunicações

A Pensilvânia, desde os primórdios da colonização europeia, tem sido um grande polo de transportes. As primeiras estradas do estado datam da década de 1650. A Pensilvânia construiu um grande sistema de canais hidroviários e uma extensiva malha ferroviária ao longo do século XIX. O estado já foi o maior polo ferroviário dos Estados Unidos. A recessão econômica das décadas de 1970 e 1980 levaram ao fechamento de várias delas.

Filadélfia e Pittsburgh continuam a serem grandes centros portuários americanos. Além disso, ambas as cidades são grandes pólos ferroviários e rodoviários. Tanto Filadélfia quanto Pittsburgh dispõem de um aeroporto internacional cada. Em 2002, a Pensilvânia possuía 8 206 quilômetros de ferrovias. Em 2003, o estado possuía 193 802 quilômetros de vias públicas, dos quais 2 869 quilômetros eram rodovias interestaduais, considerados parte do sistema federal rodoviário dos Estados Unidos.

O primeiro jornal publicado na Pensilvânia foi o American Weekly Mercury, publicado pela primeira vez em Filadélfia, em 1719m sendo o primeiro jornal publicado fora de Boston, e a quarta publicada em toda as Treze Colônias. Atualmente são publicados no estado cerca de 400 jornais, dos quais 84 são diários. São impressos em cerca de 875 periódicos. A primeira estação de rádio da Pensilvânia foi fundada em 1919, em Pittsburgh, e a primeira estação de televisão do estado foi fundada em 1941, em Filadélfia. Atualmente, a Pensilvânia possui 373 estações de rádio — dos quais 157 são AM e 216 são FM — e 45 estações de televisão.
Editar
 Flag of Pennsylvania.svg  Demografia de Pensilvânia
Crescimento populacional
Censo Pop.
1790434 373
1800602 36538,7%
1810810 09134,5%
18201 049 45829,5%
18301 348 23328,5%
18401 724 03327,9%
18502 311 78634,1%
18602 906 21525,7%
18703 521 95121,2%
18804 282 89121,6%
18905 258 11322,8%
19006 302 11519,9%
19107 665 11121,6%
19208 720 01713,8%
19309 631 35010,5%
19409 900 1802,8%
195010 498 0126,0%
196011 319 3667,8%
197011 793 9094,2%
198011 863 8950,6%
199011 881 6430,1%
200012 281 0543,4%
201012 702 3793,4%
202013 002 7002,4%
Fonte: US Census

De acordo com o censo nacional de 2000, a população da Pensilvânia em 2000 era de 12 281 054 habitantes, um crescimento de 3% em relação à população do estado em 1990, de 11 924 710 habitantes. Uma estimativa realizada em 2005 estima a população do estado em 12 429 616 habitantes, um crescimento de 4,2% em relação à população do estado em 1990, de 1,2%, em relação à população do estado em 2000, e de 0,3% em relação à população estimada em 2004.

O crescimento populacional natural da Pensilvânia entre 2000 e 2005 foi de 87 600 habitantes — 761 887 nascimentos menos 674 287 óbitos — o crescimento populacional causado pela imigração foi de 102 470 habitantes, enquanto que a migração interestadual resultou na perda de 28 012 habitantes. Entre 2000 e 2005, a população da Pensilvânia cresceu em 148 562 habitantes, e entre 2004 e 2005, em 35 145 habitantes.

Uma estimativa realizada em 2004 aumenta este número para 12 406 292 habitantes. 4,6% da população do estado (568 800 habitantes) não nasceram nos Estados Unidos. A Pensilvânia possui uma das populações hispânicas e asiáticas em mais rápido crescimento de todo país. O crescimento populacional do estado havia estagnado na década de 1970 e 1980, por causa da recessão econômica que abateu-se sobre o estado à época. Durante a década de 1990, maiores níveis de imigração e a recuperação econômica do estado fizeram com que a população do estado passasse a crescer novamente. Pela primeira vez, níveis de imigração aumentaram desde a Segunda Guerra Mundial.
Editar
 Flag of Pennsylvania.svg  Desportos em Pensilvânia

O Milwaukee Bucks é um time de basquete profissional americano sediado em Milwaukee. Os Bucks competem na National Basketball Association (NBA) como membro da Divisão Central da Conferência Leste.

A equipe foi fundada em 1968 como uma equipe de expansão. Os Bucks ganharam dois títulos da liga (1971, 2021), três títulos da conferência (1971, 1974 e 2021) e 16 títulos da divisão (1971-1974, 1976, 1980-1986, 2001, 2019, 2020 e 2021). Eles apresentaram jogadores notáveis ​​como Giannis Antetokounmpo, Kareem Abdul-Jabbar, Sidney Moncrief, Oscar Robertson, Bob Dandridge, Bob Lanier, Glenn Robinson, Ray Allen, Sam Cassell, Junior Bridgeman, Michael Redd, Terry Cummings, Vin Baker, Jon McGlocklin e Marques Johnson.

O ex-senador norte-americano, Herb Kohl, era o proprietário da equipe, mas em 16 de abril de 2014, um grupo liderado pelos gerentes bilionários, Wes Edens e Marc Lasry, concordaram em comprar uma participação majoritária na equipe, uma venda que foi aprovada pelos proprietários da NBA e seu Conselho de Governadores um mês depois, em 16 de maio. A equipe é gerenciada por Jon Horst, ex-diretor de operações de basquete da equipe, que assumiu o cargo de John Hammond em maio de 2017.
Editar
 Flag of Pennsylvania.svg  Categorias
Editar
 Flag of Pennsylvania.svg  Tópicos
  • Árvore: Tsuga canadensis
  • Bebida: Leite
  • Cpensorro: Dogue alemão
  • Cognomes:
    • Keystone State
    • Quaker State (não oficial)
  • Flor: Kalmia latifolia
  • Fóssil: Trilobita
  • Inseto: Vaga-lume
  • Lema: Virtue, liberty, and independence (Virtude, liberdade e independência)
  • Locomotiva elétrica: Pennsylvania Railroad GG1 #4849
  • Locomotiva a vapor: Pennsylvania Railroad K4s
  • Mamífero: Odocoileus virginianus
  • Música: Pennsylvania
  • Navio: United States Brig Niagara
  • Pássaro: Bob dinker
  • Slogan: Memories last a lifetime, you've got a friend in Pennsylvania (Lembranças duram uma vida inteira, você tem um amigo na Pensilvânia).
Editar
 Flag of Pennsylvania.svg  Portais relacionados




Territórios fronteiriços

Aqueles listados em negrito itálico são Portais em destaque.


Editar
 Flag of Pennsylvania.svg  Wikimedia


Purgar cache do servidor