Portela (escola de samba)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Portela
Bandeira do GRES Portela.jpg
GRES Portela.jpg
Fundação 11 de abril de 1923 (99 anos)[1][2]
Cores
Símbolo Águia[1][2]
Bairro Oswaldo Cruz[1][3]

Madureira[1][4]

Presidente Fábio Pavão
Presidente de honra Tia Surica
Desfile de 2023
Enredo O azul que vem do infinito
Site oficial
«www.gresportela.com.br» 

Grêmio Recreativo Escola de Samba Portela (ou simplesmente Portela) é uma escola de samba brasileira da cidade do Rio de Janeiro. Adotando como símbolo a águia e as cores azul e branco, a Portela detém o posto de maior campeã do carnaval do Rio de Janeiro, com 22 títulos (1935, 1939, 1941, 1942, 1943, 1944, 1945, 1946, 1947, 1951, 1953 (Primeiro Supercampeonato[5]), 1957, 1958, 1959, 1960, 1962, 1964, 1966, 1970, 1980, 1984 e 2017). Essa marca inclui um heptacampeonato e um tetracampeonato, respectivamente entre 1941-1947 e 1957-1960. É carinhosamente chamada de "A Majestade do Samba" e forma, juntamente com a Deixa Falar e a Mangueira, a tríade das escolas fundadoras do carnaval carioca.[6]

A escola foi fundada oficialmente como um bloco carnavalesco, chamado Conjunto Oswaldo Cruz, em 11 de abril de 1923,[7] no bairro de Oswaldo Cruz. Embora haja estudiosos que acreditam que a escola tenha sido fundada em 1926, o ano oficial de fundação é 1923, mesmo ano de criação do bloco "Baianinhas de Oswaldo Cruz", que já continha o embrião da primeira diretoria portelense, com Paulo da Portela, Alcides Dias Lopes (mais conhecido como "Malandro Histórico"), Heitor dos Prazeres, Antônio Caetano, Antônio Rufino, Manuel Bam Bam Bam, Natalino José do Nascimento (o "seu Natal"), Candinho e Cláudio Manuel. Mudou de nome por duas vezes - "Quem Nos Faz É O Capricho" e "Vai Como Pode" -, até assumir definitivamente a denominação Portela, em meados da década de 1930.[6][8] Ao longo das primeiras décadas do carnaval carioca, a Portela tornou-se uma das principais escolas de samba do Rio de Janeiro, compondo ao lado de Mangueira e Beija-Flor, as três maiores campeãs do carnaval carioca.[6]

A agremiação é responsável por algumas inovações nos desfiles de carnaval. Por exemplo, em 1935, foi a primeira escola a introduzir uma alegoria - um globo terrestre idealizado por Antônio Caetano. No carnaval de 1939 apresentou aquele que é considerado o primeiro samba de enredo, além de levar ao desfile fantasias totalmente enquadradas ao enredo. Também introduziu a comissão de frente e, mais tarde, a primeira escola a uniformizá-la.[7]

Além da relevância para o carnaval carioca, a Portela firmou-se como um dos grandes celeiros de grandes compositores do samba, comprovado por sua ativa e tradicional Velha Guarda. Entre bambas portelenses ao longo de sua história, destacam-se além dos fundadores Paulo da Portela e Antônio Rufino, os sambistas Aniceto da Portela, Mijinha, Manacéa, Argemiro, Alberto Lonato, Chico Santana, Casquinha, Alcides Dias Lopes, Alvaiade, Colombo, Picolino, Candeia, Waldir 59, Zé Ketti, Wilson Moreira, Monarco, Noca da Portela, Paulinho da Viola, Marisa Monte entre outros - sem deixar de mencionar de importantes instrumentistas, como Jair do Cavaquinho e Jorge do Violão, a Portela tem uma participação importante na vida cultural do Rio de Janeiro. Prova desse reconhecimento foi a escola ser agraciada, em 2001, com a Ordem do Mérito Cultural.

Apesar da grande tradição no cenário do samba no Rio de Janeiro, a escola vivenciou muitos momentos de atrito, especialmente no relacionamento da diretoria da escola e sambistas. Desavenças culminaram com o afastamento, em 1941, do fundador Paulo da Portela. Durante a década de 1970, novos desentendimentos levaram sambistas como Candeia, Zé Ketti e Paulinho da Viola a deixarem a escola - embora os dois últimos tenham retornado anos depois. Já na década de 1980, uma nova rusga interna gerou uma dissidência, que resultou na criação de uma segunda escola, a Tradição.

Embora ainda seja a maior detentora de carnavais no Rio de Janeiro, a tradicional escola de samba de Oswaldo Cruz chegou a amargar mais de três décadas (1984 a 2017) sem título. Porém figurando sempre entre as dez primeiras colocadas à espera do momento de voltar a ser campeã. O jejum terminou em 2017, com o título dividido com a co-irmã Mocidade Independente de Padre Miguel, com o enredo "Quem nunca sentiu o corpo arrepiar ao ver esse rio passar", do carnavalesco Paulo Barros.

Em 2019, a Portela assumiu a liderança no ranking da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (LIESA), que contabiliza os resultados dos últimos cinco carnavais.[9]

A quadra da Escola em Oswaldo Cruz, é um dos grandes pontos culturais do Rio de Janeiro e recebe visitações e eventos o ano inteiro. A bateria da Portela (Tabajara do Samba) é uma das mais respeitadas baterias de escola de samba do Brasil.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Foliões lotam a Estrada do Portela em Oswaldo Cruz para comemorar o campeonato de 2017. Bairro é o berço da Portela.

A Portela teve origem no bairro de Oswaldo Cruz, na Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro, mas também tem forte ligação com o bairro vizinho, Madureira.[10][11][12][13] O primeiro bloco carnavalesco surgido em Oswaldo Cruz foi fundado por Paulo da Portela e se chamava "Ouro sobre azul". Era considerado um bloco de marcha-rancho. O samba chegou ao bairro através das festas religiosas na casa de Napoleão José do Nascimento, pai de Natal da Portela. As reuniões eram frequentadas pela Turma do Estácio, personalidades como Ismael Silva, Baiaco e Brancura, responsáveis por desenvolver o samba no bairro do Estácio. Através deste intercâmbio, o samba chegou à Oswaldo Cruz, e em pouco tempo, o bairro se tornou um dos redutos do novo ritmo carioca.[14]

Outro bloco da localidade, "Quem fala de nós come mosca", foi fundado por Esther Maria Rodrigues e seu marido Euzébio Rosas. Os dois eram porta-bandeira e mestre-sala do cordão Estrela Solitária, de Madureira, antes de romperem com a agremiação e se mudarem para Osvaldo Cruz.[15] A casa de Dona Esther, na Rua Adelaide Badajós, número 36, recebia a visita de personalidade como Donga, Pixinguinha, Roberto Silva e Candeia, que teve o primeiro contato com o samba durante uma das reuniões.[11][16]

Fundação[editar | editar código-fonte]

Em 1922, uma dissidência do "Quem fala de nós come mosca" decidiu fundar outro bloco para rivalizar com o de Dona Esther. Galdino Marcelino dos Santos, Antônio Rufino dos Reis, Antônio da Silva Caetano e Paulo Benjamim de Oliveira (conhecido como Paulo da Portela por morar na Estrada do Portela), fundaram o “Baianinhas de Osvaldo Cruz”. No ano seguinte, o bloco montou uma diretoria e adotou um estatuto. Porém, após desentendimentos internos, integrantes do "Baianinhas" decidiram se desligar e fundar um novo bloco carnavalesco.[11]

A versão adotada como oficial pela Portela é que no dia 11 de abril 1923, reunidos numa casa, onde também funcionava o Bar do Nozinho, na Estrada do Portela, número 412, Paulo da Portela, Antônio Rufino e Antônio Caetano fundaram o Conjunto Carnavalesco Osvaldo Cruz, que mais tarde, como escola de samba, receberia o nome de Portela. O bloco foi fundado com o preceito de brincar o carnaval com paz e alegria, evitando os confrontos entre blocos, característicos da época. Paulo da Portela foi escolhido o primeiro presidente.[17][18]

Controvérsia

Algumas fontes afirmam que a fundação do Conjunto Oswaldo Cruz ocorreu no ano de 1926, e que a data adotada pela Portela seria a de criação do Bloco Baianinhas de Oswaldo Cruz, considerado o embrião da agremiação por ter os mesmos fundadores.[19]

Atributos[editar | editar código-fonte]

Águia da Portela é um dos momentos mais aguardados do carnaval carioca.[11][20] Na imagem, a águia do desfile de 2014

Nome[editar | editar código-fonte]

A Portela foi fundada como "Conjunto Carnavalesco de Oswaldo Cruz" (em 1923); depois renomeado para "Quem nos faz é o capricho" (em 1930) e "Vai Como Pode" (em 1931); até receber seu nome definitivo em 1 de maio de 1935.[21] No momento de renovar a licença da escola de samba para o desfile de 1936, o delegado Dulcídio Gonçalves considerou o nome "Vai Como Pode" como chulo e determinou que a escola só conseguiria a licença caso trocasse de nome. Após uma longa discussão entre Paulo da Portela e seus amigos, o próprio delegado sugeriu o nome Portela, em referência à Estrada do Portela, onde ficava a sede da agremiação.[11]

Cores[editar | editar código-fonte]

A escola tem como cores o azul e o branco, instituídos por Antônio Caetano em referência às cores do manto de Nossa Senhora da Conceição, padroeira da escola.

Símbolo[editar | editar código-fonte]

O símbolo da agremiação é a águia. A ave escolhida por Caetano teria sido um condor, por sua imponência e por voar mais alto. Porém, as pessoas teriam interpretado o desenho como sendo uma águia, e a ave teve que ser adotada como símbolo.[11] Um dos momentos mais aguardados dos desfiles da Portela é saber como virá representada a águia.[20] Entre as mais lembradas estão a águia fantasiada de 1995 e a "águia redentora" de 2015.[22][23] Também são comuns citações à águia nos sambas da escola: 2001 ("Vai voar, minha águia, meu bem querer"); 2009 ("Lá vem minha águia no céu da paixão! / O azul que faz pulsar meu coração!"); 2010 ("Minha águia guerreira / Vai voar... Viajar!"); 2016 ("Eu sou a Águia, fale de mim quem quiser / Mas é melhor respeitar, sou a Portela"); entre outros.

Alcunha[editar | editar código-fonte]

A Portela é chamada de "A Majestade de Samba", apelido também citado em diversos composições da agremiação. Os torcedores da agremiação são chamados de portelenses.[1]

Padroeiros[editar | editar código-fonte]

Nossa Senhora da Conceição e São Sebastião são os padroeiros da Portela. Os santos foram escolhidos por Dona Martinha, baiana ligada ao candomblé, que batizou o Conjunto Osvaldo Cruz, logo após sua fundação, sendo escolhida por Paulo da Portela para ser a madrinha do bloco.[17]

Bandeira[editar | editar código-fonte]

A primeira bandeira da escola foi desenhada por Heitor dos Prazeres em 1929, quando ainda tinha o nome de "Quem nos faz é o capricho". Consistia num retângulo azul, com um globo rosa ao centro; e ao lado esquerdo, o desenho de uma meia-lua cor de palha de seda.[24]

A bandeira definitiva da Portela foi desenhada em 1931 por Antônio Caetano, desenhista da Marinha e um dos fundadores da escola. Foi inspirada na Bandeira do Sol Nascente, usada pelo Japão até o final da Segunda Guerra Mundial, e posteriormente, adotada como bandeira naval da Força Marítima de Autodefesa do Japão. A bandeira possui 24 raios de cores intercaladas (12 azul-escuros e 12 brancos) partindo de um círculo azul, localizado próximo ao canto superior direito, em direção às extremidades do pavilhão, que tem forma retangular. Em cima do círculo, localiza-se o desenho de uma águia de asas abertas. A águia carrega uma fita com a inscrição "G.R.E.S. PORTELA". Abaixo do círculo com o desenho, localiza-se a inscrição do ano de confecção da bandeira. O modelo de pavilhão criado pela Portela, com raios partindo de um círculo, lembrando o nascer do sol, posteriormente foi adotado pela maioria das escolas de samba.[11]

História[editar | editar código-fonte]

Década de 1920[editar | editar código-fonte]

1923–1929: O Conjunto Carnavalesco de Oswaldo Cruz[editar | editar código-fonte]

Em 1929 acontece o primeiro concurso de sambas conhecido. Organizado pelo pai-de-santo Zé Espinguela, este concurso contou com a participação de sambistas do Estácio, da Mangueira e de Oswaldo Cruz, tendo sido divulgado por Zé Espinguela na coluna que ele tinha no jornal Vanguarda, e sendo vencido pelo Conjunto de Oswaldo Cruz.[25]

Década de 1930[editar | editar código-fonte]

1930: Quem nos faz é o capricho[editar | editar código-fonte]

Após a vitória do concurso de 1929, o bloco muda de nome para Quem nos Faz é o Capricho, por influência de Heitor dos Prazeres, que além de sugerir o nome, desenhou sua bandeira.[26]

1931–1935: Vai Como Pode[editar | editar código-fonte]

Em 1931, quando as escolas de samba ainda estão sendo definidas, o grupo muda novamente de nome, desta vez para Vai como Pode (na verdade, "Vae Como Pode", na grafia da época). Tal mudança foi motivada por uma briga entre seus integrantes, quando em 1930, Heitor dos Prazeres teria se apropriado dos direitos autorais de Rufino, registrando em seu nome o samba "Vai mesmo", prática comum entre os sambistas da época, mas não tolerada em Oswaldo Cruz.[26] Após este evento, Heitor se afastou definitivamente da escola, indo para a agremiação De Mim Ninguém Se Lembra; Paulo também ficou um tempo afastado.

Uma nova bandeira para a agremiação foi desenhada por Antônio Caetano, que passou a ocupar o cargo de presidente e se escolheu como cores o azul e o branco - já associadas à agremiação desde 1929. O modelo de bandeira, com faixas diagonais partindo de um círculo central, mais tarde se tornaria um padrão para a maioria das escolas de samba. Segundo Caetano, tal modelo seria inspirado na Bandeira do Sol Nascente, uma das bandeiras oficiais do Japão.[27] Também na mesma ocasião foi escolhida a águia como símbolo da entidade, pois esta simbolizaria, para Caetano, o voo mais alto que os sambistas desejariam alçar.

Ainda em 1931, mesmo sem um concurso oficial, a agremiação apresentou-se com duas inovações em termos de escolas de samba, trazidas dos ranchos: o enredo "Sua Majestade, O Samba", e uma alegoria de uma figura humana integrada por instrumentos de percussão.[27]

Nos três anos seguintes, disputou os primeiros concursos de Carnaval. O primeiro deles foi organizado em 7 de fevereiro de 1932 pelo jornalista Mário Filho, do jornal "O Mundo Sportivo", com grande repercussão na imprensa. Os dois seguintes foram promovidos pelo jornal rival, O Globo, até que em 1935, a Prefeitura do Rio de Janeiro resolveu subvencionar o evento, oficializando-o como parte do carnaval carioca.[28] Com isso, as escolas de samba precisavam legalizar suas situações perante a Delegacia de Costumes e Diversões, para receber alvará de funcionamento como grêmios recreativos.[29] Em 1935, a escola de samba venceu pela primeira vez o desfile de carnaval carioca, com o enredo "O Samba Dominando o Mundo".[30] Durante o desfile, a escola levou para a avenida um rústico globo terrestre, idealizado por Antônio Caetano, introduzindo, desta forma, as alegorias nos desfiles das escolas de samba.[7]

A partir de 1936: Portela[editar | editar código-fonte]

A dois dias do desfile de carnaval, marcado para 3 de março, o delegado Dulcídio Gonçalves recusou-se a renovar a licença da Vae Como Pode, por considerar o nome chulo e indigno de uma escola de samba.[29][30] Ele próprio sugeriu que a agremiação fosse batizada como Portela, em referência ao logradouro Estrada do Portela, onde os sambistas se reuniam. Assim, Paulo da Portela, Cláudio Manuel, Heitor dos Prazeres, José Natalino (Natal), Candinho, Alcides Dias Lopes (Alcides Malandro Histórico), Manuel Gonçalves (Manuel Bam-Bam-Bam), Antonio Rufino e Antonio Caetano criaram o Grêmio Recreativo Escola de Samba Portela.[31] Nos desfiles de 1936 e 1937, conquistou respectivamente terceiro e segundo lugares com os enredos "Voando para a glória" e "O Carnaval-Samba de Boaventura". Em 1938, o enredo da escola foi "Democracia do Samba", mas não houve competição, por conta das fortes chuvas que impediram que a comissão julgadora chegasse ao local dos desfiles.[32] Já em 1939, a Portela foi novamente campeã com o enredo "Teste ao Samba", que é considerado por muitos como o primeiro samba-enredo[33][nota 1]

Décadas de 1940 e 1950[editar | editar código-fonte]

Em 1940, a escola conquistou o quinto lugar com o enredo "Homenagem à Justiça". Em 1941, após um desentendimento com o mestre-sala Manuel Bambambã, Paulo da Portela não desfilou. Paulo durante muito tempo brigou para que todos os componentes desfilassem devidamente fantasiados ou se não, vestidos com as cores da escola, porém no dia deste desfile ele voltava de uma apresentação em São Paulo, juntamente com Heitor dos Prazeres e Cartola, e estavam todos vestidos de preto e branco. Sem tempo de trocarem de roupa, combinaram assim de desfilar, os três, em cada uma de suas escolas de samba. Porém, na vez de desfilarem pela Portela, Bambambã não permitiu que os outros dois, por não serem da escola e ainda não estarem devidamente vestidos, pudessem desfilar.[34] Na verdade, Bambambã já tinha desentendimentos anteriores com Heitor, quando da passagem deste pela Portela, ocasião em Bambambã o havia esfaqueado. Na hora do ocorrido, poucos portelenses perceberam o que estava ocorrendo, porém, posteriormente ao desfile, muitos ficaram a favor de Bambambã, pois julgaram falta de coerência por parte de Paulo da Portela, que tanto havia brigado pelo respeito as cores da escola no desfile, querer desfilar daquela maneira.[35] Após o incidente, Paulo da Portela jamais desfilou novamente por sua escola do coração. Porém, durante as tentativas dos Estados Unidos de construir uma "relação de boa-vizinhança" com os seus vizinhos da América do Sul, Paulo da Portela foi escolhido para ser o modelo da criação do personagem Zé Carioca, bem como para representar o samba no exterior. Por conta disso a Portela excursionou pelos Estados Unidos, e acabou sendo apresentada no evento pelo próprio Paulo da Portela.[36]

Nas décadas de 1940 e 1950, comandada pelo ilustre bicheiro Natal da Portela, que era amigo de Paulo da Portela, a escola conquistou inúmeros campeonatos, com destaque para o heptacampeonato consecutivo, entre 1941 e 1947, respectivamente com os enredos "Dez Anos de Glória"; "A Vida no Samba"; "Carnaval de Guerra"; "Brasil Glorioso"; "Motivos Patrióticos"; "Alvorada do Novo Mundo"; "Honra ao Mérito". Ainda neste ano, houve um racha no carnaval carioca, com a criação da FBES para fazer frente à UGESB. A Portela manteve-se sempre ao lado da segunda, exceto uma passagem de um ano pela UCES em 1950. Durante os quatro desfiles de racha, a escola conquistou o terceiro lugar em 1948,[nota 2] com o enredo "Princesa Isabel"; nos dois anos seguintes, dois vice-campeonatos, com os enredos "Despertar do Gigante" e "Riquezas do Brasil"; e em 1951, o décimo campeonato da história da escola de samba, com o enredo "A Volta do Filho Pródigo".

Em 1952, o carnaval carioca novamente ficou sob responsabilidade de uma entidade, com a fusão da FBES com a UESB, surgindo a Associação das Escolas de Samba. A partir deste ano, foram criados dois grupos - no primeiro inscreveram-se escolas de samba com um mínimo de 300 componentes e, no segundo, exige-se um mínimo de 100 componentes. No entanto, não houve concurso para o grupo principal, por conta de um forte temporal que provocou o abandono dos jurados. No desfile do ano seguinte, mais um título, desta vez com o enredo "Seis Datas Magnas", este composto por Candeia (então com 17 anos) e Altair Prego. Este desfile de 1953 rendeu o primeiro título de Supercampeã do Carnaval. Em 1954, a escola resolveu homenagear o Quarto Centenário da cidade de São Paulo, com o enredo "São Paulo Quatrocentão", que deu o quarto lugar à agremiação. Nos dois desfiles seguintes, que passaram a contar com acesso e rebaixamento, a Portela chegou apenas a um terceiro e quarto lugares, com os temas "Festas Juninas em Fevereiro" e "Tesouros do Brasil, Riquezas do Brasil ou Gigante Pela Própria Natureza".

De 1957 a 1960, a escola conquistou um tetracampeonato, com os respectivos enredos "Legados de D. João"; "Vultos Efemérides do Brasil"; "Brasil, Panteon de Glórias"; "Rio, Cidade Eterna".[nota 3]

Décadas de 1960 e de 1970[editar | editar código-fonte]

Natal na Inauguração da nova sede da Escola de Samba Portela. Arquivo Nacional
Desfile da Portela de 1972. Arquivo Nacional.

Ainda na década de 1960, a Portela conquistou mais três carnavais, chegando a 18 campeonatos no total. Em 1962, o título veio com o enredo "Rugendas ou Viagens Pitorescas pelo Brasil". Em 1964, com "O Segundo Casamento de D. Pedro II ", sendo que a escola utilizou violinos em sua bateria, realizando uma harmonia durante o desfile da escola.[37] Em 1966, outro título com "Memórias de um Sargento de Milícias" - este, composto pelo jovem Paulinho da Viola.

No primeiro carnaval da década de 1970, a Portela conquistou o campeonato com o enredo "Lendas e Mistérios da Amazônia", que se tornou um clássico dos carnavais cariocas.[38] De autoria dos compositores Catoni, Jabolô e Valtenir, o enredo tinha um inesquecível refrão em onomatopeia "Ô esquindô, lá, lá, esquindô lê, lê", que imitava o som dos instrumentos da bateria.[39] A partir desse carnaval, o carro abre-alas passou a trazer, ininterruptamente, a águia, símbolo da escola – ora de grandes proporções, ora menor; com ou sem movimentos.[38] Entre 1971 e 1979, a escola viveria seu maior jejum de carnavais até então, embora tenha se mantido sempre estre as cinco mais bem colocadas, incluindo três vice-campeonatos (em 1971, 1974 e 1977). Apesar de ficar sem títulos no período, a Portela fez desfiles e teve enredos memoráveis nesse período.

Em 1972, a escola resolveu apostar em um carnavalesco, o médico Hiram da Costa Araújo, o primeiro da história da escola. Ele ajudou a criar o departamento cultural e de carnaval da Portela, que organizava coletivamente os carnavais da agremiação, e foi o responsável por introduzir muitas inovações nos desfiles da agremiação, que passaram a rivalizar com os luxuosos carnavais de Joãosinho Trinta. No entanto, essa modernização geraria sérios atritos com integrantes mais tradicionais da escola, que criticavam os desfiles grandiloquentes elaborados por Araujo, e distantes dos tempos de ouro da Portela.[40]

Naquele ano de 1972, o enredo "Terra da Vida (Ilu Ayê)", de Cabana e Norival Reis, exaltava a cultura e as tradições negras, se tornando um dos mais importantes da história da escola, que ficou em terceiro lugar no desfile.[41] No ano seguinte, a escola comemorava seus 50 anos, com o enredo "Passárgada, o Amigo do Rei", baseado no poema "Vou-me embora pra Pasárgada", de Manuel Bandeira, com um desfile repleto de alusões ao universo das crianças (com alegorias que lembravam parques de diversões).[40] Com o enredo "O Mundo Melhor de Pixinguinha", em 1974, a escola homenageou Pixinguinha, grande músico brasileiro que havia falecido pouco tempo antes. Além da divisão por conta da proposta de um desfile exuberante - muito distinto dos tempos mais tradicionais da escola -, muitos integrantes ficaram indignados quando o presidente Carlinhos Maracanã convidou a dupla Jair Amorim e Evaldo Gouveia para compor o enredo da Portela daquele ano, quebrando uma tradição de compositores de fora da escola.[40]

  • 1975: "Macunaíma, Herói de Nossa Gente"

No carnaval de 1975, a Portela foi a sexta agremiação a se apresentar entre as doze escolas do Grupo 1, iniciando seu desfile na madrugada da segunda-feira, dia 10 de fevereiro de 1975. O Departamento Cultural, liderado por Hiran Araújo, elaborou um enredo baseado na obra Macunaíma, livro publicado em 1928 pelo escritor brasileiro Mário de Andrade. Carlos Sorensen e Ciro Del Nero foram os responsáveis pelas fantasias e alegorias.[42] O desfile teve cerca de três mil e quinhentos componentes divididos em 61 alas. No carro abre-alas, uma mulher com fantasia prateada e enormes asas coloridas simbolizava a águia da Portela.[43] Participaram do desfile a socialite Beki Klabin e os carnavalescos Clóvis Bornay e Evandro de Castro Lima. O samba-enredo do desfile, composto por David Corrêa e Norival Reis, recebeu o primeiro Estandarte de Ouro de samba-enredo da história da Portela. No desfile, o samba foi interpretado por Silvinho do Pandeiro com auxílio de Clara Nunes, Candeia e o próprio autor da obra, David Corrêa. Com o desfile, a escola obteve a quinta colocação do carnaval.[44] No dia 5 de abril de 1975, morreu Natal da Portela. O velório, na quadra da Portela, e o cortejo com o caixão pelas ruas de Madureira, foi acompanhado por milhares de pessoas. Em homenagem póstuma, a direção da escola elegeu Natal como presidente de honra da agremiação.[45]

  • 1976: "O Homem do Pacoval"

Para o carnaval de 1976, o Departamento Cultural da Portela desenvolveu um enredo sobre a Ilha de Marajó. Hiran Araújo e Maurício Assis assinaram o enredo, enquanto Yarema Ostrower e sua equipe ficaram responsáveis pelas fantasias e alegorias do desfile. A diretoria da Portela tomou uma série de medidas para coibir o excesso de componentes que vinha atrapalhando as exibições da escola. Entre as medidas, foi estabelecida a quantidade máxima de componentes de duas mil e quatrocentas pessoas. Depois de dois anos sendo realizado na Avenida Antônio Carlos, o desfile voltou para a Avenida Presidente Vargas. A Portela foi a décima terceira, e penúltima, agremiação se apresentar pelo Grupo 1 de 1976, iniciando seu desfile por volta das onze horas e trinta minutos da manhã da segunda-feira de carnaval, dia 1 de março de 1976. As quarenta alas do desfile abordaram a história, a cultura e o folclore da Ilha de Marajó. No carro abre-alas, a escultura de águia da Portela tinha em suas garras uma imagem de Natal da Portela.[46] A porta-bandeira Irene desfilou grávida e, junto com o mestre-sala Bagdá, foi o único casal a receber nota máxima dos jurados.[47] Mesmo com as medidas para diminuir o contingente, a Portela ultrapassou o tempo limite de desfile e não recebeu os cinco pontos referentes à cronometragem. A Portela recebeu o prêmio Estandarte de Ouro de melhor escola do ano. O júri da TV Globo também apontou o desfile da escola como o melhor do ano.[48] A Beija-Flor foi a campeã do carnaval com um desfile sobre o jogo do bicho, onde homenageou Natal e a Portela. O clássico samba-enredo da escola de Nilópolis, composto por Neguinho da Beija-Flor, cita Natal e a Portela ("Desta brincadeira / Quem tomou conta em Madureira foi Natal / O bom Natal / Consagrando sua escola / Na tradição do carnaval"). A Mangueira foi a vice-campeã; a Mocidade ficou em terceiro lugar; e a Portela foi a quarta colocada.[49]

  • 1977: "Festa da Aclamação"

A Portela foi a sétima escola a se apresentar entre as doze agremiações do Grupo 1 de 1977. O Departamento Cultural portelense elaborou um enredo sobre a festa da aclamação de Dom João VI como rei de Portugal, realizada no Rio de Janeiro em 1818. O enredo foi baseado no livro Memórias para Servir à História do Reino do Brasil (1825), de Padre Perereca. O livro destaca a decoração da festa, organizada por arquitetos franceses, que misturou motivos asiáticos, ouro, prata, sereias e mitologia. Rosa Magalhães e Lícia Lacerda foram as responsáveis pelas fantasias e alegorias da escola. O desfile marcou o retorno de Benício e Vilma Nascimento ao posto de primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da agremiação.[50] Vilma recebeu o seu primeiro Estandarte de Ouro de melhor porta-bandeira. Nega Pelé recebeu o Estandarte de melhor passista. Em sua crítica, o Jornal do Brasil apontou que a Portela realizou o seu melhor desfile dos últimos dez anos, mas não conseguiu empolgar o público presente na Avenida Presidente Vargas.[51] A Portela foi a vice-campeã do carnaval de 1977 com um ponto a menos que a bicampeã, Beija-Flor. Portela, União da Ilha e Salgueiro somaram a mesma pontuação final. O desempate se deu no quesito bateria, onde a Portela teve pontuação maior.[52] No sábado seguinte ao carnaval, a Portela participou do Desfile dos Campeões, junto com outras agremiações carnavalescas campeãs do ano.[53]

  • 1978: "Mulher à Brasileira"

O carnaval portelense de 1978 ficou marcado pela polêmica escolha do samba-enredo composto por Jair Amorim e Evaldo Gouveia em detrimento dos sambas de Noca da Portela e Luiz Ayrão, que eram os preferidos da comunidade da escola. A situação resultou no afastamento de Paulinho da Viola da escola, por não concordar com a maneira que o presidente Carlinhos Maracanã estava gerindo a agremiação. Paulinho só voltaria à Portela no desfile de 1995, quando Maracanã estava preso e afastado da escola. Luiz Ayrão gravou seu samba, derrotado no concurso da escola, e lançou em seu LP de 1977. A Portela foi a sexta das dez agremiações que se apresentaram no desfile do Grupo 1 de 1978. O enredo, em homenagem à mulheres brasileiras, foi elaborado pelo Departamento Cultural portelense, liderado por Hiram Araújo. Rosa Magalhães e Lícia Lacerda foram as responsáveis pelas fantasias e alegorias da escola. A ideia do enredo surgiu a partir da eleição de Rachel de Queiroz para Academia Brasileira de Letras em 1977, sendo a primeira mulher a ingressar na ABL. Rachel foi homenageada na Comissão de Frente do desfile portelense, que desfilou com os fardões da ABL. Outras dezesseis mulheres foram homenageadas durante o desfile da Portela: Paraguaçu, Marquesa de Santos, Anita Garibaldi, Chica da Silva, Princesa Isabel, Nisia Floresta, Chiquinha Gonzaga, Tia Ciata, Tarsila do Amaral, Maria Bonita, Carmen Miranda, Darcy Vargas, Maria de São Pedro, Eneida de Moraes, Cacilda Becker e Leila Diniz.[54] Durante o desfile foram gravadas cenas para o filme A Idade da Terra, de Glauber Rocha.[55] Em sua crítica, o Jornal do Brasil apontou que a Portela realizou um desfile "correto", mas não conseguiu empolgar o público.[56] Pelo segundo ano consecutivo, Vilma Nascimento recebeu o Estandarte de Ouro de melhor porta-bandeira. Jerônimo Patrocínio recebeu o Estandarte de melhor passista. Com o desfile, a Portela obteve o quinto lugar do carnaval de 1978.[57]

  • 1979: "Incrível, Fantástico, Extraordinário!"
Comissão de Frente e a águia da Portela no desfile de 1979.

Há oito anos sem ganhar o carnaval, a Portela vivia o seu maior jejum de títulos até então. A escola nunca havia ficado mais de quatro anos sem vitórias. O carnaval passava por transformações, com os quesitos visuais, de responsabilidade dos carnavalescos, ganhando cada vez mais importância. A diretoria portelense decidiu que a escola precisava se modernizar para voltar a ser competitiva. Com esse intuito, a Portela extinguiu o Departamento Cultural responsável pelos enredos da escola e contratou como carnavalesco Viriato Ferreira, figurinista de Joãosinho Trinta nos três títulos conquistados pela Beija-Flor nos anos anteriores. Viriato saiu magoado da Beija-Flor após o presidente da escola não citar seu nome entre os diversos agradecimentos que fez durante uma entrevista. Na época, era comum acompanhar as queixas de Viriato a Beija-Flor e Joãosinho na imprensa. Para piorar a situação, os dois carnavalescos escolheram fazer enredos sobre o carnaval e Viriato acusou Joãosinho de copiar sua ideia. A Portela foi a sétima, e penúltima, agremiação a se apresentar pelo Grupo 1-A (antigo Grupo 1) de 1979, iniciando seu desfile pouco depois das quatro horas da manhã.[58] A escola foi saudada pelo público com gritos de "já ganhou" antes mesmo de iniciar sua apresentação. Alas e alegorias da escola fizeram referência a ranchos carnavalescos, frevos carnavalescos, bailes de gala, grandes sociedades, escolas de samba, e finalizava com blocos de sujo.[59] Causou polêmica a decisão de Viriato de não colocar a Velha Guarda na Comissão de Frente, e sim um grupo de reis momos com fantasias nas cores branco e dourado.[60][61] Um dos autores do samba, David Corrêa interpretou a própria obra no desfile, com o apoio de Silvinho do Pandeiro. A Portela recebeu seis prêmios do Estandarte de Ouro: melhor escola, melhor samba-enredo, melhor porta-bandeira (Vilma Nascimento), melhor ala (Velha Guarda), melhor passista feminino (Denise) e melhor passista masculino (Marcelo). Apesar de ser apontada como favorita ao título pela imprensa e especialistas, a escola obteve o terceiro lugar do carnaval de 1979, três pontos atrás da campeã Mocidade Independente de Padre Miguel e um ponto atrás da vice-campeã, Beija-Flor.[62] Causou surpresa nos portelenses a nota nove dada ao casal de mestre-sala e porta-bandeira Benício e Vilma; além das notas nove e sete no quesito evolução.[63]

Década de 1980[editar | editar código-fonte]

  • 1980: "Hoje Tem Marmelada?"

Após o carnaval de 1979, Vilma Nascimento se desentendeu com o presidente da Portela, Carlinhos Maracanã, e se desligou da escola. O segundo casal de mestre-sala e porta-bandeira da agremiação, Mauricinho e Eni, foi promovido ao posto de primeiro casal, substituindo Vilma e Benício. Causou polêmica a decisão da AESCRJ de retirar os quesitos Mestre-Sala e Porta-Bandeira e Comissão de Frente do julgamento oficial do carnaval com a justificativa de que estavam se tornando onerosos, visto que as escolas estavam negociando financeiramente os melhores profissionais. Mesmo sem ser avaliados, a apresentação dos quesitos no desfile foi mantida como obrigatória. Para 1980, o carnavalesco Viriato Ferreira elaborou um enredo sobre o circo. O título do enredo, "Hoje Tem Marmelada?", foi visto como uma referência ao resultado do ano anterior, quando a Portela foi apontada como favorita, mas perdeu o título do carnaval. A Portela foi a oitava escola a se apresentar entre as dez agremiações do Grupo 1-A de 1980. Assim como no ano anterior, David Corrêa, que novamente assinou o samba da escola, interpretou a própria obra no desfile, com o apoio de Silvinho do Pandeiro. Alas e alegorias do desfile simbolizaram personagens característicos do circo como palhaços, mágicos, contorcionistas, mulher barbada e atiradores de faca. Clara Nunes desfilou a frente da Velha Guarda portelense vestida de domadora de animais. Também participaram do desfile Elizeth Cardoso, João Nogueira e o intérprete mangueirense Jamelão. A escola encerrou sua apresentação recebendo gritos de "campeã" do público que assistiu ao desfile na Rua Marquês de Sapucaí.[64][65] A Portela recebeu os prêmios Estandarte de Ouro de melhor escola do ano e de melhor comunicação com o público.[66] Portela, Beija-Flor e Imperatriz Leopoldinense foram as campeãs do carnaval de 1980. As três escolas receberam nota máxima de todos os julgadores, sendo impossível o desempate.[67] A Portela conquistou seu vigésimo título no carnaval carioca, encerrando o jejum de nove anos sem conquistas. Viriato Ferreira conquistou seu único título como carnavalesco na elite do carnaval. No sábado seguinte ao carnaval, a Portela participou do Desfile dos Campeões, junto com as escolas de samba e blocos de enredo campeões do ano.[68]

  • 1981: "Das Maravilhas do Mar, Fez-se o Esplendor de Uma Noite"

Para o carnaval de 1981, o carnavalesco Viriato Ferreira desenvolveu um enredo sobre o mar. Pelo terceiro ano consecutivo David Corrêa venceu o concurso de samba-enredo da escola. A obra, composta junto com Jorge Macedo, fez sucesso durante os períodos pré e pós carnaval, sendo muito executada nas rádios do país. O samba é comumente listado entre os melhores da história do carnaval.[69][70][71] O sucesso do samba e as boas apresentações de anos anteriores fez a Portela ser apontada como a favorita ao título antes do carnaval. A escola foi a sexta das dez agremiações que se apresentaram pelo Grupo 1-A de 1981, iniciando seu desfile por volta das quatro horas da manhã da segunda-feira de carnaval. David Corrêa, Silvinho do Pandeiro e o conjunto vocal As Gatas interpretaram o samba no desfile.[72] A Comissão de Frente, que voltou a ser quesito avaliado pelos julgadores, representou os "príncipes submarinos". As alas do desfile simbolizaram golfinhos, moreias, polvos, cavalos-marinhos e outros seres marinhos de toda espécie.[73] Imprensa e especialistas criticaram o excesso de azul nas fantasias.[74] O desfile da Portela foi prejudicado pelo público que assistia a apresentação na Rua Marquês de Sapucaí e invadiu a pista de desfile, deixando pouco espaço para a escola evoluir. Na avaliação dos julgadores, a Portela recebeu notas oito e nove no quesito Evolução. A bateria da escola "atravessou" após deixar o segundo recuo e recebeu nota sete de um dos julgadores.[75] A agremiação também perdeu pontos no quesito Enredo, recebendo uma nota seis; no quesito Conjunto, com nota dois; e em Alegorias e Adereços, recebendo notas oito e nove. Como resultado, a Portela obteve o terceiro lugar do carnaval de 1981, atrás da campeã Imperatriz e da vice-campeã Beija-Flor, escolas com as quais dividiu o título do ano anterior. A Portela foi premiada com o Estandarte de Ouro de melhor samba-enredo e de melhor Comissão de Frente.

Ainda em 1981, Clara Nunes lançou a música "Portela na Avenida", composta por Paulo César Pinheiro e Mauro Duarte, e gravada com a participação da Velha Guarda portelense. A canção foi um dos maiores sucessos da carreira da cantora e, posteriormente, foi transformada no samba-exaltação oficial da Portela, sendo constantemente cantada em seus ensaios e na abertura de seus desfiles.[76][77]

  • 1982: "Meu Brasil Brasileiro"

Para o carnaval de 1982, o carnavalesco Viriato Ferreira elaborou um enredo sobre as diversas manifestações da cultura popular brasileira como maracatu, congada, maculelê, bumba-meu-boi, capoeira, repentistas, seresteiros e a literatura de cordel.[78] Por discordâncias com a diretoria da Portela, que queria um carnaval mais simples, Viriato se afastou da escola deixando os preparativos do desfile a cargo de seus assistentes, Edmundo Braga e Paulino Espírito Santo.[79] A Portela foi a oitava das doze escolas que se apresentaram pelo Grupo 1-A de 1982, iniciando seu desfile por volta das cinco horas da manhã da segunda-feira de carnaval. Após dois anos sem ser julgado, o quesito Mestre-Sala e Porta-Bandeira voltou a ser avaliado, embora valendo menos pontos do que os demais quesitos. Aos dezoito anos de idade, Átila substituiu seu pai Mauricinho como primeiro mestre-sala da escola.[80] Pelo quarto ano consecutivo, a Portela desfilou com um samba assinado por David Corrêa, que venceu a disputa de samba-enredo da agremiação pela sexta vez em dez anos, igualando Candeia e Waldir 59 como os compositores com mais sambas na história da escola até então.[81] Assim como nos anos anteriores, o próprio David interpretou o samba no desfile, tendo o apoio de Silvinho do Pandeiro. Batendo as asas e se movimentando para os lados, a águia da Portela desfilou em cima de grandes pandeiros coloridos. Elizeth Cardoso desfilou representando a Mucama do Maracatu, e Clara Nunes, como a baiana do candomblé.[82] A Comissão de Frente, formada por membros da Velha Guarda portelense, recebeu o prêmio Estandarte de Ouro. O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da escola, Átila e Eni, foram eleitos pelo público presente no desfile como o melhor casal do ano, recebendo o prêmio Estandarte do Povo.[83][84] Com o desfile, a Portela foi vice-campeã do carnaval de 1982, com dois pontos a menos que o campeão, Império Serrano, que desfilou com o histórico "Bumbum Paticumbum Prugurundum". Torcedores do Império e da Portela lotaram as ruas de Madureira comemorando o título e o vice-campeonato das escolas do bairro.[85][86] No sábado seguinte ao carnaval, a Portela participou do Desfile dos Campeões junto com as escolas de samba e blocos de enredo campeões do ano. O Desfile dos Campeões teve recorde de público, superando o desfile oficial.[87]

  • 1983: "A Ressurreição das Coroas - Reisado, Reino e Reinado"

A Portela foi a oitava escola a se apresentar entre as doze agremiações do Grupo 1-A de 1983, iniciando seu desfile por volta das cinco horas da manhã do domingo de carnaval. O enredo elaborado pelos carnavalescos Edmundo Braga e Paulino Espírito Santo abordou a utilização de coroas nas culturas indígena e negra; no folclore e em manifestações populares do Brasil; além de fazer referência a personalidades coroadas, de verdade ou no imaginário popular, como Chico Rei, Pelé; Dom Pedro I e Dom Pedro II. O desfile foi aberto pela tradicional Comissão de Frente formada por portelenses da Velha Guarda, seguidos de um letreiro que formava o nome da escola e, logo atrás, a escultura de águia da Portela com uma coroa na cabeça, batendo as asas e se movendo para os lados. A direção da escola utilizou walkie-talkies para controlar os cerca de três mil e quinhentos desfilantes e evitar problemas de harmonia e evolução.[88] Aos treze anos de idade, Andréia Machado desfilou como primeira porta-bandeira junto com o mestre-sala Átila, que já estava na escola desde o ano anterior. Andréia é filha de Aluízio Machado, compositor do Império Serrano, e desfilara na escola da Serrinha no ano anterior, o que gerou polêmica entre os sambistas das escolas sobre uma possível "traição" de Andréia a escola imperiana. A Portela foi eleita por voto popular do público presente no desfile como a melhor escola do ano, recebendo o prêmio Estandarte do Povo; enquanto Silvinho foi premiado com o Estandarte de Ouro de melhor intérprete.[89] Com o desfile, a escola conquistou o vice-campeonato do carnaval de 1983, com três pontos a menos que a campeã, Beija-Flor. O resultado é controverso, uma vez que imprensa e especialistas apontavam os desfiles de Império Serrano, Portela e Mocidade como os melhores do ano. Outra polêmica se deu na avaliação do julgador Messias Neiva, do quesito Alegorias e Adereços, que conferiu nota dez apenas à Beija-Flor, enquanto as demais escolas receberam nota igual ou inferior à oito. Entrevistado pelo Jornal O Globo no dia seguinte à apuração, Messias disse que não se lembrava dos enredos das escolas e declarou ter dado nota máxima apenas à Beija-Flor pelo fato da agremiação ter desfilado de dia, quando a visibilidade é maior.[90] As justificativas são contestadas, uma vez que outras escolas também desfilaram de dia e receberam notas menores, como a própria Portela.[91] Após a apuração das notas, o então presidente portelense, Carlinhos Maracanã, protestou contra o resultado e chegou a ameaçar Messias Neiva: "Não me conformo com esse cretino e safado, o tal de Messias Neiva, que julgou Alegorias e Adereços. Não o conheço pessoalmente, mas quando o encontrar na rua vou quebrá-lo todo a tapas e pontapés. Esse cara é um vigarista, safado, ladrão e sem-vergonha!", bradou Maracanã. No sábado seguinte ao carnaval, a Portela participou do Desfile dos Campeões, junto com as escolas de samba e blocos de enredo campeões do ano. A apresentação portelense foi iniciada com Clara Nunes cantando "Portela na Avenida".[92] O desfile foi o último de Clara. Torcedora declarada da Portela e figura constante nos desfiles da agremiação, a cantora se internou dias após o carnaval para realizar uma cirurgia de varizes, mas teve uma reação alérgica ao componente do anestésico, sofrendo uma parada cardíaca e permanecendo durante 28 dias internada na UTI da Clínica São Vicente, no Rio de Janeiro, até sua morte, no dia 2 de abril de 1983, em razão de um choque anafilático. Mais de cinquenta mil pessoas passaram pelo seu velório, realizado na quadra da Portela. Posteriormente, a rua onde fica a quadra portelense, antiga Rua Arruda Câmara, recebeu o nome de Rua Clara Nunes.[93]

Imagens do desfile da Portela no carnaval de 1984, com o qual a escola conquistou seu 21 título de campeã do carnaval.
  • 1984: "Contos de Areia"

No dia 11 de setembro de 1983, o então governador do Rio de Janeiro, Leonel Brizola, anunciou a construção de um local definitivo para os desfiles, o que acabaria com as montagens e desmontagens das arquibancadas de ferro, que causavam prejuízos financeiro e ao trânsito da cidade. O projeto foi executado pelo arquiteto Oscar Niemeyer e concluído em cinco meses, sendo inaugurado no dia 2 de março de 1984. Inicialmente denominado Avenida dos Desfiles, o local ficou popularmente conhecido como "sambódromo", termo criado pelo então vice-governador do Rio, Darcy Ribeiro, idealizador da obra. O sambódromo foi construído na Rua Marquês de Sapucaí, onde desde 1978 eram realizados os desfiles das escolas de samba. Ao final da pista de desfile foi construída a Praça da Apoteose, onde as agremiações deveriam apresentar uma evolução especial para o público. A ideia causou polêmica entre os sambistas, que alegaram não ter sido consultados quando o projeto estava sendo idealizado, e que a tradição das escolas de samba era evoluir de maneira contínua até a dispersão, sem o "espetáculo" final proposto pelos idealizadores do sambódromo.[94][95][96]

Pela primeira vez, o desfile da primeira divisão do carnaval carioca foi dividido em duas noites. A ideia, sugerida pela AESCRJ, foi acatada pela Riotur devido a grande e crescente quantidade de escolas de samba. Ficou definido que uma escola seria campeã da primeira noite de desfiles (iniciada no domingo) e outra escola venceria a segunda noite (iniciada na segunda-feira), sendo que os dois desfiles teriam comissões julgadoras diferentes.[97] Cada agremiação teve 85 minutos para se apresentar, sendo quinze minutos para evoluir na Praça da Apoteose.[98] No sábado seguinte aos desfiles seria realizada uma nova apresentação, valendo o título de supercampeã, disputada pelas três primeiras colocadas do desfile de domingo mais as três melhores classificadas do desfile de segunda-feira e as duas primeiras colocadas do Grupo 1-B (a segunda a divisão do carnaval).[99]

A Portela participou da primeira noite de desfiles, competindo com Império Serrano, Caprichosos de Pilares, Salgueiro, União da Ilha, Império da Tijuca e Unidos da Tijuca. A escola foi a sexta e penúltima agremiação a se apresentar, iniciando seu desfile na manhã de segunda-feira, com o dia claro. Acompanhada da bateria portelense, a cantora Alcione abriu o desfile cantando "Um Ser de Luz", música em homenagem a Clara Nunes. A seguir, foi feito um minuto de silêncio pela morte de Clara.[100] Elaborado pelos carnavalescos Edmundo Braga e Paulino Espírito Santo, o enredo "Contos de Areia" homenageou três ilustres portelenses: Paulo da Portela, um dos fundadores da escola, morto em 1949; Natal da Portela, patrono da escola até sua morte, em 1975; e a cantora Clara Nunes, torcedora da agremiação, falecida no ano anterior. O enredo associou os homenageados à orixás: Paulo com Oraniã; Natal com Oxóssi; e Clara com Iansã.[101][102] O título do enredo é inspirado na música "Conto de Areia", um dos maiores sucessos de Clara Nunes. O primeiro setor do desfile fez referência a Bahia, considerada pelo enredo como a "terra dos orixás". A Comissão de Frente da escola foi formada por portelenses como Manacéa, Alberto Lonato, Ary do Cavaco, Casquinha e Chico Santana. Após a Comissão desfilou a primeira águia do desfile, sendo apenas a cabeça da escultura, como se a ave estivesse submersa no mar. Atrás da águia, desfilaram caravelas, onde as velas eram grandes estandartes com letras que formavam o nome da Portela. Nos setores seguintes do desfile foram homenageados os três portelenses do enredo e os orixás a eles associados.[103] Paulo Roberto e Regina formaram o novo primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da escola. O desfile foi encerrado com outra escultura de águia, que se movimentava e batia as asas. Com quase seis mil componentes em desfile, a Portela teve problemas de harmonia evolução, mas encerrou sua apresentação sendo aplaudida pelo público no sambódromo.[104] Na quarta-feira de cinzas de 1984, a Portela se sagrou campeã do desfile de domingo, conquistando seu vigésimo primeiro título no carnaval carioca. No sábado seguinte, a escola participou do desfile do Supercampeonato, também realizado no sambódromo. Seguindo o regulamento do concurso, os quesitos Alegorias e Adereços, Enredo e Fantasias não foram avaliados. A Portela obteve o segundo lugar, dois pontos atrás da supercampeã Mangueira.[105][106] O samba-enredo do desfile portelense, composto por Dedé da Portela e Norival Reis é comumente listado entre os melhores da história do carnaval.[107][108]

Após o carnaval de 1984, o então presidente da Portela, Carlinhos Maracanã, extinguiu sete alas da escola. Diretores e componentes das alas excluídas, além de outros portelenses, protestaram contra a medida e fizeram um abaixo-assinado propondo que Nézio Nascimento (filho de Natal da Portela) assumisse a presidência da agremiação e que Maracanã ficasse com o cargo de presidente de honra da escola. Revoltado, Carlinhos Maracanã expulsou da Portela todos que participaram do movimento contra ele, incluindo Nézio Nascimento e os diretores Paulo Tavares, Mauro Tinoco, Sérgio Aiub, César Augusto Ferreira, Vera Lúcia Correa e Jorge Paes Leme.[109][110] Os expulsos decidiram fundar uma nova escola de samba. À eles se juntaram outras figuras importantes da Portela, como Tia Vicentina (irmã de Natal), Marlene (filha de Nozinho) e Vilma Nascimento (histórica porta-bandeira da agremiação). Os carnavalescos Edmundo Braga e Paulino Espírito Santo e os compositores João Nogueira e Paulo César Pinheiro também aderiram à escola dissidente, que teve como primeiro nome "Sociedade Cultural e Recreativa Portela Tradição". Por conta de processos na Justiça, o nome "Portela" teve de ser retirado, ficando apenas "Tradição".[111][112]

Ainda em 1984, a Portela foi uma das agremiações fundadoras da Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (LIESA). Dirigentes de dez das principais escolas de samba do Rio decidiram se desligar da AESCRJ e fundar a nova entidade com o objetivo de administrar o desfile do grupo principal, negociar diretamente a subvenção com Prefeitura e os direitos de imagem com as emissoras de televisão, além de controlar e repartir o lucro dos desfiles com as agremiações.[113][114][115]

O desfile portelense de 1985.
Desfile da Portela em 1986.
  • 1985: "Recordar É Viver"

Com a transferência de seus carnavalescos para a Tradição, a Portela apostou em Alexandre Louzada, jovem desenhista, com experiência no carnaval de Niterói, para ocupar a função de carnavalesco da escola. Cizinho e Sandra formaram o novo primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da agremiação. A Portela foi a última escola a se apresentar pelo Grupo 1-A, encerrando os desfiles de 1985. O desfile estava previsto para começar às cinco horas da manhã, mas, por causa de diversos atrasos ocorridos nos desfiles anteriores, a Portela iniciou sua apresentação por volta do meio-dia da terça-feira de carnaval, encerrando seu desfile por voltas das 14 horas da tarde. Devido ao forte calor, o Corpo de Bombeiros utilizou mangueiras com jatos de água para refrescar o público presente no sambódromo. O enredo da Portela, que tinha a proposta de relembrar momentos do passado, foi dividido em três partes: o sonho e a imaginação; os prazeres da noite; e os encantos do circo. O desfile relembrou antigos bailes, cassinos, os teatros de revista, as chanchadas da Atlântida, a Rádio Nacional, e os desfiles anteriores da Portela. Trajando fraque e cartola, a Comissão de Frente reuniu portelenses como Wilson Moreira, Ary do Cavaco, Alberto Lonato, entre outros.[116] Com o desfile, a Portela obteve o quarto lugar no carnaval de 1985.[115]

Luíza Brunet no desfile de 1987.
No desfile de 1988, um tripé em homenagem ao carnavalesco Arlindo Rodrigues, morto no ano anterior.
Alegoria da Portela em 1989.
  • 1986: "Morfeu no Carnaval, a Utopia Brasileira"

A Portela foi a sétima e última escola a se apresentar na primeira noite do Grupo 1-A de 1986. O enredo elaborado pelo carnavalesco Alexandre Louzada partiu do mito de Morfeu, deus grego do sono, para fazer uma crítica à realidade brasileira da época, através de uma viagem pelos sonhos e pelos pesadelos dos brasileiros. Entre os temas abordados no desfile estava o Plano Cruzado; o desmatamento das florestas; a reforma agrária; o desemprego; a violência; a derrota na Copa do Mundo de 1982; e a expectativa pela Copa de 1986.[117] A escola realizou um desfile colorido, com pouco uso das cores azul e branco. As fantasias estavam luxuosas, com esplendores grandes e muitas plumas.[118] A escola recebeu dois prêmios do Estandarte de Ouro: de melhor bateria e de melhor ala. A Portela obteve a quarta colocação do carnaval de 1986. Causou polêmica a nota nove dada pelo jogador de futebol Sócrates à premiada bateria portelense. O presidente do Salgueiro, Miro Garcia, chegou a pedir a anulação das notas, alegando que Sócrates estava bêbado na cabine de jurados, mas não teve o pedido atendido. O desfile marcou a despedida de Silvinho da Portela, que se aposentou da função de intérprete após o carnaval.[119]

  • 1987: "Adelaide, a Pomba da Paz"

Para o carnaval de 1987, Mestre Timbó assumiu o comando da bateria e Geraldo Cavalcante substituiu Alexandre Louzada como carnavalesco da Portela. Compositor e cantor de apoio da escola desde 1984, Dedé da Portela foi efetivado como novo intérprete da escola. Sétima, e penúltima, agremiação a se apresentar na segunda noite do Grupo 1 (antigo 1-A) de 1987, a Portela desfilou com um enredo inspirado no poema infantil A Pomba da Paz, de 1974, do romancista Walmir Ayala, resgatando a tradição de apresentar enredos sobre obras literárias. O poema de Walmir narra a história de uma pomba que vai até a floresta para cumprir uma missão que lhe valeria um emprego. Ao ajudar os bichos e a natureza da floresta, a pomba Adelaide vai ganhando letras até formar a palavra "amor" e se tornar uma mensageira da paz, concluindo sua missão.[120] As alas do desfile simbolizaram os diversos animais que a pomba encontrava durante sua trajetória pela floresta como o Tucano Jornaleiro e a Aranha Tecelã. A cantora Elizeth Cardoso desfilou representando a Cigarra Seresteira.[121][122] Em sua crítica, o Jornal do Brasil elogiou o samba, a bateria e o desempenho dos componentes, mas criticou as fantasias e alegorias e apontou que o desenvolvimento do enredo foi confuso.[123] Com o desfile, a Portela obteve o terceiro lugar do carnaval, com três pontos de diferença para a campeã Mangueira, e garantiu seu retorno no Desfile das Campeãs. O samba-enredo do desfile recebeu o prêmio Estandarte de Ouro.[124]

  • 1988: "Na Lenda Carioca, os Sonhos do Vice-Rei"

Em 1988, a Tradição, escola fundada por dissidentes da Portela, chegou à elite do carnaval e, pela primeira vez, disputaria no mesmo grupo que a Portela. O carnavalesco Geraldo Cavalcante elaborou um enredo inspirado no livro A Fonte dos Amores, de Câmara Cascudo. A obra narra a lenda da paixão do Vice-Rei do Brasil, Dom Luís de Vasconcelos e Sousa, por uma jovem chamada Susana. Arrependido de separar a jovem de seu noivo, o Vice-Rei consegue unir novamente o casal e, como presente, ordena a Mestre Valentim a urbanização da Lagoa do Boqueirão (mais tarde, Passeio Público), onde a jovem morava, dando origem a construção da Fonte dos Amores. A história serviu como pano de fundo para homenagear o Centro do Rio de Janeiro, onde se passa o romance de Câmara Cascudo.[125] O refrão do samba-enredo da escola ("Briga, eu, eu quero briga / Hoje eu venho reclamar / Esta praça ainda é minha / Eu também estou fominha / Jacaré quer me abraçar") foi visto como uma provocação à Tradição. O então presidente da Portela, Carlinhos Maracanã, negou que o samba da escola fosse uma indireta à Tradição. Segundo Maracanã, a briga citada no samba é da Cinelândia, que se transformou numa praça de manifestações populares. Antes do carnaval, a Portela entrou na Justiça para tentar impedir que a Tradição utilizasse um condor em seu carro abre-alas, alegando que se tratava de uma cópia da águia portelense.[109] A Portela foi a oitava e última escola da primeira noite do Grupo 1 de 1988, iniciando seu desfile por volta das oito horas da manhã, já com o dia claro. A Comissão de Frente da agremiação foi formada portelenses ilustres como Argemiro, Ary do Cavaco, Carioca, Periquito, Monarco, Wilson Moreira, Casquinha, Manacéia, Alberto Lonato, Edir, Gaúcho e Casemiro. No carro abre-alas, desfilou a escultura de águia da Portela, branca com recortes de espelhos. O desfile começou abordando as três etnias que formaram o povo brasileiro, com destaque para os negros, representados por alas coreografadas pelo passista Jerônymo Patrocínio. Também abordou a construção da Avenida Central (mais tarde, Rio Branco), da Avenida Beira-Mar e do Passeio Público; além da Cinelândia e da Lapa. Participaram do desfile as atrizes Claudia Raia e Vera Gimenez.[126] Grávida, a modelo Luiza Brunet se afastou do cargo de madrinha da bateria, desfilando em cima de um tripé.[127][128] Em sua crítica, o Jornal do Brasil publicou que a animação do desfile "compensou o enredo confuso".[129] A Portela obteve o quinto lugar do carnaval de 1988; enquanto a Tradição foi a oitava colocada.[130][131]

  • 1989: "Achado não É Roubado"

A Portela foi a sétima agremiação a se apresentar na segunda noite do Grupo 1 de 1990. A escola cortou cerca de 23 alas para compactar o desfile e facilitar a evolução. Fazendo sua estreia na escola, o carnavalesco Sílvio Cunha desenvolveu um enredo em que questionava o descobrimento do Brasil por Pedro Álvares Cabral. O enredo foi dividido em três partes: "Os que Vieram Antes", apontando diversos povos que poderiam ter chegado ao Brasil antes de Cabral, como fenícios, assírios, gregos, egípcios, vikings e chineses; "Navegar É Preciso", abordando a chegada de Cabral ao Brasil; e "Os Verdadeiros Donos da Terra" sobre os indígenas.[132][133] O primeiro setor do desfile homenageou os 65 anos de fundação da Portela.[134] Participaram do desfile a atriz Claudia Raia e a cantora Elizeth Cardoso; enquanto a modelo Luiza Brunet foi a madrinha de bateria. A imprensa apontou que a escola realizou um desfile luxuoso, utilizando muitas plumas em fantasias, mas não conseguiu animar o público presente no sambódromo.[135] Com o desfile, a escola conquistou a sexta colocação do carnaval de 1989, igualando a pior colocação de sua história, conquistada também em 1967.[136]

Década de 1990[editar | editar código-fonte]

Ala dos espetáculos mambembes no desfile da Portela de 1990.
  • 1990: "É de Ouro e Prata Esse Chão"

Pela primeira vez uma mulher venceu a disputa de samba-enredo da Portela. Gracíola Silva, conhecida como Cila, assinou o samba do desfile de 1990 em parceria com Juan Espanhol e Sylvio Paulo. Antes de fazer parte da ala de compositores, Cila desfilou como destaque em 1978 e foi cantora de sambas de quadra da escola. Mantendo a mesma equipe dos anos anteriores, a Portela foi a oitava e última escola a se apresentar na primeira noite do Grupo Especial (antigo Grupo 1) de 1990. O carnavalesco Sílvio Cunha elaborou um enredo sobre manifestações populares brasileiras. Na Comissão de Frente, desfilaram personalidades portelenses como Bretas, Casquinha, Carioca, Monarco, Wilson Moreira, Periquito, Alberto Lonato, Jorge do Violão, Casemiro, Marcus, Jaú, Edir e Zeca Pagodinho. A fantasia de Ary do Cavaco chegou incompleta à concentração e compositor preferiu não desfilar para não prejudicar a escola. Também participaram do desfile as cantoras Jovelina Pérola Negra e Elizeth Cardoso (que viria a falecer em maio do mesmo ano).[137] No carro abre-alas, a escultura de águia da Portela foi articulada com movimento das asas, cabeça e bico. A escola foi prejudicada por um grave problema: a armação da saia da primeira porta-bandeira, Gisele, quebrou durante o desfile e o casal não se apresentou nos dois últimos módulos de julgadores, recebendo notas cinco (descartada seguindo o regulamento do concurso) e seis. Com o desfile, a Portela obteve o décimo lugar do carnaval de 1990, o pior resultado de sua história até então.[138] Solange Couto foi premiada com o Estandarte de Ouro de melhor passista feminina. Um dos fundadores da Portela, Claudio Bernardo da Costa recebeu o Estandarte de Personalidade do ano.

A premiada Comissão de Frente da Portela em 1991, com a águia da escola ao fundo.
  • 1991: "Tributo à Vaidade"

No carnaval de 1991, a Portela realizou um desfile sobre a vaidade. O título do enredo, desenvolvido pelo carnavalesco Sílvio Cunha, é também o nome de uma premiada fantasia do carnavalesco e figurinista Evandro de Castro Lima, morto em 1985. A Portela foi a quarta escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial de 1991. Com o tradicional traje de fraque e cartola, a Comissão de Frente foi formada por Zeca Pagodinho, Chico Santana, Monarco, Casquinha, Ari do Cavaco, Alberto Lonato, Wilson Moreira, Carioca, Jair do Cavaquinho, Casemiro, Marcos, Edir Gomes, Periquito e Jorge do Violão. A escultura de águia da Portela, no carro abre-alas, foi confeccionada com material furta-cor que, sob as luzes do Sambódromo, refletia variadas cores e tons. Ao final do desfile, a imprensa apontou a Portela como uma das favoritas ao título.[139] Na quarta-feira de cinzas, quando as notas dos julgadores foram apuradas, o favoritismo não se confirmou. A escola chegou a ficar em segundo lugar na apuração até o penúltimo quesito. Assim como no ano anterior, a Portela perdeu pontos no quesito Mestre-sala e Porta-bandeira. A escola somou a mesma pontuação que a quarta e a quinta colocada mas, no quesito de desempate, obteve o sexto lugar, perdendo a vaga no Desfile das Campeãs.[140] A Portela recebeu quatro prêmios do Estandarte de Ouro: melhor samba-enredo; melhor Comissão de Frente; melhor ala para a Ala das Damas, comandada por Dona Dodô; e Revelação para a passista Patrícia Costa.[141]

Comissão de Frente e carro abre-alas da Portela no desfile de 1992.
A tradicional Comissão de Frente formada pela Velha Guarda da Portela desfila pela última vez em 1993. Atrás, um casal de águias no carro abre-alas.
  • 1992: "Todo o Azul que o Azul Tem"

A Portela foi a sétima e última escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial, encerrando os desfiles de 1992. Em seu último carnaval na escola, o carnavalesco Sílvio Cunha elaborou um enredo sobre a cor azul. O enredo foi desenvolvido em sete setores: o azul do céu; o azul do mar; o azul da natureza; o azul da morada dos deuses; o azul da nobreza; o azul dos poetas; e o azul da Portela.[142] O desfile começou com atraso devido a uma queda de energia que acabou com a luz do sambódromo. A Comissão de Frente repetiu a formação do ano anterior. O novo primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da escola, Edson e Márcia, foram escolhidos através de um concurso. Com o desfile, a Portela obteve o quinto lugar do carnaval de 1992, garantindo seu retorno ao Desfile das Campeãs após cinco anos.[143]

  • 1993: "Cerimônia de Casamento"

Campeão do carnaval de 1992 com a Estácio de Sá, Mário Monteiro foi contratado pra ser o novo carnavalesco da Portela. Figurinista da Rede Globo, Beth Filipecki ficou responsável pelas fantasias.[144] A escola chegou ao carnaval como favorita ao campeonato, mas o desfile não correspondeu às expectativas.[145] Sexta e penúltima escola a se apresentar na primeira noite do Grupo Especial de 1993, a Portela realizou um desfile sobre o casamento na sociedade ocidental. O enredo abordou Adão e Eva, as sociedades matriarcais e patriarcais, a união entre os povos, e os elementos presentes antes, durante e depois das cerimônias de casamento como noivado, despedida de solteiro, chá de panela, cerimônia religiosa, lua-de-mel, nascimento dos filhos, crises conjugais, traições, e as bodas de prata, ouro e diamante, além de temas modernos como casamento entre pessoas do mesmo sexo e os relacionamentos sem compromisso. Carlinhos de Jesus coreografou algumas alas e a alegoria do casamento na roça. No carro abre-alas, a escultura de águia da Portela desfilou acompanhada de uma outra escultura de águia fêmea carregando um ninho com filhotes. Ao chegar na Praça da Apoteose, a bateria da escola ficou do lado onde passariam as alegorias, o que gerou um princípio de tumulto na dispersão. Pela última vez a Comissão de Frente da Portela foi formada por membros da Velha Guarda. Na época, o modelo portelense era considerado ultrapassado, uma vez que todas as demais agremiações apresentavam comissões coreografadas. A imprensa apontou que a escola realizou um desfile "frio", sem animação.[146][147] A Portela obteve o décimo lugar no carnaval de 1993, repetindo a pior colocação de sua história até então, conquistada também em 1990.[148]

Abre-alas da Portela em 1994.
  • 1994: "Quando o Samba Era Samba"

Em maio de 1993, quatorze contraventores do Rio de Janeiro, envolvidos com o jogo do bicho, foram presos pelo crime de formação de quadrilha. Entre os presos estava Carlinhos Maracanã, presidente da Portela.[149] Com a prisão de Maracanã, o vice-presidente da escola, Paulo Miranda, assumiu o comando da agremiação. Para o carnaval de 1994, a Portela contratou um novo carnavalesco, José Félix. Ex passista da Portela, Jerônymo Patrocínio retornou à escola como primeiro mestre-sala e coreógrafo da Comissão de Frente. A Portela foi a oitava e última escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial, encerrando os desfiles de 1994. A escola realizou um desfile sobre o samba, dos ritmos africanos até a mistura com outros gêneros e ritmos que resultou no samba carioca. No carro abre-alas, a escultura de águia da Portela desfilou enfeitada com um chapéu-palheta, característico das primeiras décadas do século XX. Pela primeira vez a Portela desfilou com uma Comissão de Frente coreografada. Sete mulheres e sete homens negros dançaram passos de lundu, dança propagada no Brasil pelos escravizados e que teria sido a origem dos passos de samba. Vindos da Imperatriz Leopoldinense, Jerônymo e Neide formaram o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da Portela. A escola teve problemas com duas alegorias que quebraram na concentração e não participaram do desfile.[150][151] Com a apresentação, a Portela obteve o sétimo lugar do carnaval. A Tradição, escola fundada por dissidentes portelenses, foi a sexta colocada, se classificando à frente da Portela pela primeira vez.[152]

  • 1995: "Gosto que Me Enrosco"
Comissão de Frente da Portela, com a águia da escola ao fundo, no desfile vice-campeão de 1995.

Com Carlinhos Maracanã preso, a Portela elegeu Luiz Carlos Scafura para presidente. Assim, a escola teve um novo presidente após 23 anos sob a gestão de Maracanã. Algumas mudanças foram realizadas na equipe de carnaval. Arnaldo Manoel de Jesus, o Mestre Mug da Portela, assumiu a direção da bateria. Rixxah assumiu o posto de intérprete oficial da escola, substituindo Dedé da Portela, que passou a ser cantor de apoio junto com Carlinhos de Pilares, Rogerinho e Celino Dias. Andréia Machado substituiu Neide como porta-bandeira. A passista Nega Pelé foi escolhida como madrinha de bateria, substituindo Luiza Brunet, que se transferiu para a Imperatriz Leopoldinense. A passista mirim Caroline Dantas, de onze anos de idade, desfilou como rainha de bateria.[153] O carnaval de 1995 marcou o retorno de diversos torcedores portelenses à escola, como Paulinho da Viola (afastado da agremiação há 17 anos), João Nogueira, Noca da Portela e Wilson Moreira. A Portela foi a oitava e penúltima escola a se apresentar na primeira noite do Grupo Especial. A escola desfilou no amanhecer do dia. O enredo desenvolvido pelo carnavalesco José Félix abordou a história do carnaval no Brasil. A comissão de frente, coreografada por Jerônymo Patrocínio, que também foi o mestre-sala do desfile, representou o triângulo amoroso formado por Pierrot, Colombina e Arlequim. No carro abre-alas, a escultura de águia da Portela desfilou enfeitada com máscara dourada nos olhos, chapéu em formato de cone e guizo pendurado no bico. As fantasias, com capas, plumas e predomínio das cores azul e branco, remetiam a carnavais antigos. Mangueirense, Dona Zica desfilou na última alegoria, que homenageava as escolas de samba. A escola encerrou sua apresentação recebendo gritos de "campeã" do público presente no sambódromo.[154] Após o desfile, imprensa e especialistas apontaram a Portela como favorita ao campeonato. A Portela recebeu o prêmio Estandarte de Ouro de melhor escola do ano; de melhor intérprete para Rixxah; e de melhor samba-enredo para a obra composta por Noca da Portela, Colombo e Gelson. Apesar do favoritismo, a Portela ficou com o vice-campeonato por meio ponto de diferença para a campeã, Imperatriz Leopoldinense. A escola perdeu o título no quesito Evolução, onde recebeu duas notas 9,5, sendo que, seguindo o regulamento do concurso, apenas uma pode ser descartada.[155][156] O resultado é contestado por torcedores e especialistas, que apontam uma superioridade na apresentação portelense. A campeã Imperatriz não foi despontuada por desfilar sem uma de suas alegorias, o que também gerou controvérsia sobre o resultado.[157][63][158] O carnaval marcou o retorno da Portela ao Desfile das Campeãs, o que não ocorria desde 1992; e o melhor desempenho da escola desde 1984, quando foi campeã junto com a Mangueira. No Desfile das Campeãs, a Portela foi aclamada pelo público presente no sambódromo com gritos de "campeã".[159]

  • 1996: "Essa Gente Bronzeada Mostra Seu Valor"

Após o vice-campeonato de 1995, era grande a expectativa para o desfile da Portela. Poucas mudanças foram feitas na equipe da escola. O coreógrafo Gabriel Cortez assumiu a direção da Comissão de Frente. Oriundo da Caprichosos de Pilares, Mestre Paulinho Botelho se juntou a Mestre Mug no comando da bateria. A passista Nilce Fran assumiu o posto de rainha da bateria.[160] A Portela foi a sexta escola a se apresentar na primeira noite do Grupo Especial de 1996. O carnavalesco José Félix desenvolveu um enredo sobre a Música Popular Brasileira. No carro abre-alas do desfile, a escultura da águia da Portela desfilou enfeitada com chapéu de coco e violão, batendo as asas, piscando os olhos e fazendo reverência ao público. Participaram do desfile personalidades como Adriane Galisteu, Helô Pinheiro, Clóvis Bornay, Dona Zica, Jerry Adriani, Pery Ribeiro, João Nogueira, Luiz Ayrão, Wanderley Cardoso, Leci Brandão, Elza Soares e Alcione.[161] Citado no samba-enredo do desfile, Paulinho da Viola não participou da apresentação. Quase no fim do desfile, a quinta alegoria da escola teve o eixo de direção quebrado próximo à Praça da Apoteose.[162] A quebra do carro atrasou o encerramento da apresentação. A escola ultrapassou o tempo máximo de desfile em dois minutos, sendo penalizada com a perda de dois pontos (um para cada minuto ultrapassado).[163] Com um desfile aquém da expectativa, a Portela foi a oitava colocada do carnaval de 1996, ficando de fora do Desfile das Campeãs.[164]

Águia da Portela no carro abre-alas do desfile de 1997.
  • 1997: "Linda, Eternamente Olinda"

A Portela promoveu mudanças em sua equipe de carnaval. O carnavalesco Ilvamar Magalhães foi contratado para substituir José Felix. Paulinho Botelho assumiu a direção da bateria, substituindo Mestre Mug. Alexandre e Babi formaram o novo primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da escola. O coreógrafo Luiz Monteiro assumiu a direção da Comissão de Frente. Para o carnaval de 1997, a Portela escolheu um enredo em homenagem a cidade de Olinda. O desfile recebeu patrocínio financeiro do Governo de Pernambuco. O então governador pernambucano, Miguel Arraes, e o secretário de cultura do Estado, Ariano Suassuna, visitaram o barracão da Portela para acompanhar os preparativos para o desfile. Em retribuição à homenagem recebida, a comissão de carnaval de Olinda decidiu que a decoração do carnaval na cidade seria feita nas cores da Portela, azul e branco. O samba-enredo do desfile foi uma das músicas mais tocadas nas rádios pernambucanas. No dia do desfile, a Prefeitura de Olinda instalou telões em sua sede para o público acompanhar a apresentação da escola de samba.[165] A Portela foi a sexta agremiação a se apresentar na segunda noite de desfiles do Grupo Especial. O desfile teve diversos problemas. A escultura de águia, que estava no carro abre-alas, teve a pata direita quebrada e precisou ser amarrada às presas antes do desfile iniciar. Também no abre-alas, o letreiro com o nome da Portela, em neon, não acendeu totalmente. A alegoria "Sacadas do Carnaval", em que estava o cantor Ricky Martin, teve problemas no eixo dianteiro e desfilou ziguezagueando pela pista. Outras três alegorias sofreram avarias ao passar por um viaduto a caminho do desfile. A escola também teve problemas de evolução, com espaços abertos entre alas. No final do desfile, a escola precisou "correr" para não ultrapassar o tempo máximo de apresentação.[166][167] A escola recebeu nota máxima dos julgadores apenas nos quesitos Mestre-sala e Porta-bandeira e Comissão de Frente. A Portela se classificou em oitavo lugar no Grupo Especial de 1997, ficando de fora do Desfile das Campeãs.[168]

Comissão de Frente e a águia da Portela ao fundo no desfile de 1998.
  • 1998: "Os Olhos da Noite"

Vice-presidente na gestão de Carlinhos Maracanã e presidente do Conselho Deliberativo na gestão de Luiz Carlos Escafura, Paulo Miranda foi eleito presidente da Portela.[169] O intérprete Rixxah deixou a escola, se transferindo para a União da Ilha. Cantor de apoio do carro de som portelense, Rogerinho foi promovido ao posto de intérprete oficial.[170] Marcelo Alves dos Santos, o Marcelinho, e Rute Alves, formaram o novo primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da escola. A Portela foi a sétima e última agremiação a se apresentar na primeira noite do Grupo Especial de 1998. Paulinho da Viola abriu o desfile cantando o clássico "Foi Um Rio que Passou em Minha Vida" junto com o intérprete Rogerinho. A escola realizou um desfile sobre a noite. O enredo do carnavalesco Ilvamar Magalhães abordou os trabalhadores noturnos; lendas e histórias sobre a noite, como o clássico "As Mil e Uma Noites"; a criação do Universo; as festas e a boemia da noite; os astros e as aves que enfeitam o céu noturno.[171] Causou polêmica uma encenação de pichação numa alegoria sobre os "personagens da madrugada". A Guarda Municipal do Rio de Janeiro ameaçou tomar providências contra a alegoria. No desfile, a encenação dos falsos pichadores passou despercebida.[172] Assim como no ano anterior, a Comissão de Frente, coreografada por Luiz Monteiro, recebeu nota máxima de todos os julgadores. Na coreografia, componentes formavam um olho que piscava, reverenciando o público e os jurados. A bateria da escola, sob o comando de Mestre Mug, também recebeu nota máxima de todos os julgadores. O samba-enredo, composto por Noca da Portela, Darcy Maravilha, Colombo, J. Rocha e Celino Dias recebeu a nota máxima dos jurados e foi premiado com o Estandarte de Ouro e o Troféu Manchete. Com o desfile, a Portela conquistou o quarto lugar do carnaval de 1998, garantindo sua classificação para o Desfile das Campeãs.[173]

  • 1999: "De Volta aos Caminhos de Minas Gerais"

No carnaval de 1999, a Portela realizou um desfile sobre o estado brasileiro de Minas Gerais. O enredo foi desenvolvido pelo carnavalesco Ilvamar Magalhães, que deixou a escola antes do início dos preparativos para o desfile, sendo substituído por José Felix. Era esperado um apoio financeiro do governo mineiro, o que não se concretizou. A Portela foi a terceira escola a se apresentar na primeira noite do Grupo Especial. Participaram do desfile torcedores famosos da escola, como Paulinho da Viola, João Nogueira, Zeca Pagodinho e Marisa Monte.[174] A atriz Taís Araújo desfilou interpretando Chica da Silva. Um destaque do carro abre-alas passou mal e precisou de atendimento médico, paralisando a evolução da escola por cerca de cinco minutos.[175] A Portela não se classificou para o Desfile das Campeãs, obtendo o oitavo lugar do Grupo Especial. Bateria foi o único quesito em que a escola recebeu nota máxima de todos os julgadores.[176][177]

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

  • 2000: "Trabalhadores do Brasil - A Época de Getúlio Vargas"

Carlinhos Maracanã reassumiu a presidência da Portela. Para o carnaval de 2000, a escola contratou o intérprete Gera, que deixou a Unidos de Vila Isabel após dezenove anos na agremiação.[178] Em comemoração ao aniversário de quinhentos anos da descoberta do Brasil pelos portugueses, a LIESA decidiu que os enredos das escolas abordariam períodos específicos do país. A própria Liga forneceu 21 opções temáticas para as agremiações. Cada escola recebeu uma quantia extra de quinhentos mil reais da Prefeitura do Rio de Janeiro para confeccionar os desfiles.[179] A Portela escolheu um enredo sobre os períodos em que Getúlio Vargas governou o Brasil: a Era Vargas (de 1930 a 1945) e sua eleição presidencial em 1950, até sua morte, em 1954. A Portela foi a sétima e última escola a se apresentar na primeira noite do Grupo Especial de 2000. No carro abre-alas da escola, cinco esculturas de águias fizeram referência ao Palácio do Catete, sede da Presidência da República entre 1897 e 1960, conhecido como "Palácio das Águias" por causa das sete esculturas de harpias que decoram o topo da fachada do prédio. O samba-enredo do desfile foi criticado por enaltecer a figura de Vargas e minorar o seu período como ditador.[180] O desfile abordou a ditadura do Estado Novo. Uma alegoria simbolizou a prática de tortura, utilizada na ditadura getulista.[181] Durante a apuração das notas do carnaval, a Portela chegou a ficar na zona do rebaixamento, mas terminou classificada na décima colocação, repetindo o pior resultado de sua história até então, também conquistados em 1990 e 1993.[182]

  • 2001: "Querer É Poder"

Campeão com a Mangueira em 1998, Alexandre Louzada retornou à Portela após quinze anos de sua saída da escola. O carnavalesco desenvolveu um enredo sobre as diversas formas de poder, como o poder da Portela, o poder da Natureza, o poder da mente, o poder da fé, os poderes mágicos, os "podres poderes", o poder bélico das superpotências, e o poder do povo. O coreógrafo Gabriel Cortez foi contratado para assumir a direção da Comissão de Frente. Os irmãos Marcelo Alves da Mota (Marcelinho) e Andréa Alves da Mota formaram o novo primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da escola. A Portela foi a sexta agremiação a se apresentar na primeira noite do Grupo Especial de 2001. Nas cores dourado e branco, e sem movimentos, como nos anos anteriores, a águia da Portela formou a parte frontal do carro abre-alas. A velha guarda da escola desfilou no abre-alas, simbolizando o poder da Portela.[183] A escola precisou correr no final do desfile para não ultrapassar o tempo limite de apresentação.[184][185] A Comissão de Frente, que representou os "soldados guardiões da Águia portelense", foi o único quesito da escola a receber nota máxima de todos os julgadores. A comissão também foi premiada com o Estandarte de Ouro. A Portela obteve o décimo lugar do carnaval de 2001, repetindo a colocação do ano anterior.[186]

A águia no carro abre-alas (esquerda) e a madrinha da bateria Adriane Galisteu (direita) no desfile da Portela de 2002.
  • 2002: "Amazonas, Esse Desconhecido. Delírios e Verdade do Eldorado Verde"

No carnaval de 2002, a Portela realizou um desfile sobre o estado brasileiro do Amazonas. O Governo Amazonense e empresas do estado patrocinaram a apresentação. David Correia venceu o concurso para escolha do samba-enredo da escola pela sétima vez, se tornando o compositor com mais sambas na história da Portela. Pela primeira vez a escola teve alas da comunidade. Cerca de mil e quinhentas fantasias foram doadas para pessoas da região de Osvaldo Cruz e Madureira desfilar. A Portela foi a sétima e última escola a desfilar na segunda noite do Grupo Especial, encerrando os desfiles de 2002. No carro abre-alas, a águia da escola, com as cores do gavião real, ave característica do Amazonas, era articulada com movimentos criados por artistas do Festival de Parintins. Outras alegorias também tinham movimentos criados por artistas de Parintins. Fabrício Pires (ex segundo mestre-sala da Imperatriz) e Cristiane Caldas (ex primeira porta-bandeira do Paraíso do Tuiuti) formaram o novo primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da Portela. A cantora Fafá de Belém desfilou após o carro abre-alas, com uma roupa em homenagem a Clara Nunes. O cantor Paulinho da Viola desfilou de mãos dadas com a ex porta-bandeira Dodô. O carnavalesco Alexandre Louzada criou fantasias leves, que facilitaram a evolução da escola. A agremiação encerrou seu desfile com o dia claro. Apesar do desfile ter sido elogiado por especialistas, a Portela perdeu décimos em todos os quesitos, se classificando na oitava colocação. Causou revolta nos torcedores portelenses as notas 8 e 8,1 recebidas no quesito harmonia. A diretoria da escola organizou um ato público de protesto em Madureira, do qual também participou o Império Serrano, onde foi simulado um enterro dos dois julgadores de harmonia.[187][188][189]

Comissão de Frente e águia da Portela no desfile de 2003.
  • 2003: "Ontem, Hoje e Sempre Cinelândia - O Samba Entra em Cena na Broadway Brasileira"

Em agosto de 2002, Carlinhos Maracanã foi reeleito presidente da Portela.[190] A única mudança na equipe da escola foi no comando da bateria com a substituição de Mestre Mug por Carlinhos Catanha. No carnaval de 2003, a Portela realizou um desfile sobre a Cinelândia, bairro do Rio de Janeiro, palco de movimentos políticos, estudantis, culturais e boêmios. A Portela foi a sétima e última escola a se apresentar na primeira noite do Grupo Especial. A escola desfilou no início da manhã, com o dia claro. O carnavalesco Alexandre Louzada reclamou da dificuldade de fazer o carnaval devido à falta de recursos financeiros. O destaque da apresentação foi a interação da águia da escola, no carro abre-alas, com a Comissão de Frente. Coreografada por Gabriel Cortez, a comissão foi formada por casais representando os personagens Rhett Butler e Scarlett O'Hara, do filme ... E o Vento Levou. Uma componente, interpretando a personagem Mammy, do mesmo filme, exibia uma estatueta do Óscar para a águia do abre-alas, que se movimentava e chegava perto do chão, além de executar outros movimentos, articulados por artistas do Festival de Parintins. Na ala que fez referência aos tipos humanos que passaram pela Cinelândia, desfilaram bonecos de políticos como Dante de Oliveira, Tancredo Neves, Ulysses Guimarães e o recém empossado presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva. A quarta alegoria da escola teve um problema mecânico em frente a uma das cabines de jurados. Duas alas tiveram que ultrapassar o carro para preencher o espaço vazio à frente da alegoria, até que ela voltasse a andar. Apesar de receber gritos de "campeã" do público presente no sambódromo, a Portela repetiu a colocação do ano anterior, se classificando em oitavo lugar.[191][192][193]

Águia da Portela, simbolizando a lenda do eldorado, no carro abre-alas.
Alegoria sobre a lenda do boto.
Alegoria representando a lenda da lua que "apaixonada chorou tanto", como diz a letra do samba-enredo.
  • 2004: "Lendas e Mistérios da Amazônia"

Terminado o carnaval de 2003, o carnavalesco Alexandre Louzada pediu demissão da escola alegando falta de investimento da gestão de Carlinhos Maracanã. Campeão pela Gaviões da Fiel, no carnaval de São Paulo, e com passagens pela Unidos de Vila Isabel, Jorge Freitas foi contratado para substituir Louzada. Após três anos dirigindo a Comissão de Frente, Gabriel Cortes se desligou da escola, sendo substituído pela coreógrafa Mariza Estrela.[194] Em abril de 2003, um grupo de cerca de cem pessoas ocupou a quadra da Portela em protesto contra a administração de Carlinhos Maracanã. A assessoria da escola informou que vinte homens armados invadiram o local. A Polícia foi acionada, mas não encontrou pessoas armadas na quadra. Os ocupantes exigiram a renúncia de Carlinhos e sua substituição por Nilo Figueiredo, que havia sido vice-presidente na gestão de Natal da Portela. A ocupação durou cerca de 24 horas.[190] Para o carnaval de 2004, em comemoração aos vinte anos da LIESA, as escolas foram incentivadas a reeditar sambas antigos. Quatro agremiações aderiram à proposta: Portela, Império Serrano, Viradouro e Tradição. A Portela escolheu reeditar o samba-enredo "Lendas e Mistérios da Amazônia", de 1970, composto por Catoni, Jabolô e Valtenir. A Tradição escolheu reeditar o samba-enredo da Portela de 1984, "Contos de Areia".[195] Faltando quarenta dias para o desfile, o mestre de bateria, Carlinhos Catanha, foi afastado da escola, em virtude de desentendimentos com a diretoria da agremiação. Mestre Mug retomou o comando da bateria, substituindo Catanha.[196] Assim como no ano anterior, a Portela foi a sétima e última escola a se apresentar na primeira noite do Grupo Especial de 2004. A escola desfilou no início da manhã, com o dia claro. O carnavalesco Jorge Freitas ampliou o enredo de 1970. Além das três lendas abordadas no enredo original, Jorge adicionou mais quatro, que compuseram os sete setores do desfile de 2004. Paulinho da Viola, Marisa Monte, Zeca Pagodinho e integrantes da Velha Guarda da escola desfilaram após a Comissão de Frente, remetendo à antigas comissões. Em tons de dourado, a águia, símbolo da escola, representou a lenda do Eldorado no carro abre-alas. No desfile também foram abordadas as lendas do Sol e da Lua; da Vitória-régia; do Reino da Cobra Grande; das Amazonas; do boto; e do Uirapuru. Porta-bandeira histórica da escola, Dona Dodô desfilou como madrinha de bateria, aos 84 anos de idade, recebendo os prêmios Estandarte de Ouro e Tamborim de Ouro de Personalidade do Ano. Dodô substituiu Adriane Galisteu, que foi desligada da escola por causa de sua ausência nos ensaios e pelo fato de ter aceito desfilar pela Acadêmicos da Rocinha no Grupo de Acesso.[197] A Portela encerrou sua apresentação recebendo gritos de "campeã" do público presente no sambódromo.[198] Apesar dos elogios do público e da imprensa, a escola se classificou em sétimo lugar, ficando de fora do Desfile das Campeãs por mais um ano.[199][200]

  • 2005: "Nós Podemos: Oito Ideias para Mudar o Mundo!"

Alvo de críticas pelos sucessivos fracassos nos carnavais anteriores, Carlinhos Maracanã se afastou do comando da Portela após mais de três décadas a frente da agremiação. Uma eleição presidencial foi convocada para 16 de abril de 2004. Para ocupar o seu lugar, Carlinhos lançou seu assessor, Marcos Aurélio Fernandes, que no carnaval de 2004 ocupou a função de diretor de carnaval da escola. A oposição não inscreveu chapa para concorrer à eleição alegando ter sido expulsa da escola. Também alegaram que havia um acordo, feito com Carlinhos Maracanã, pelo qual a presidência seria repassada ao líder da oposição, Nilo Figueiredo. Sem concorrentes, Marcos Aurélio, de 29 anos de idade, foi declarado vencedor, sendo o mais jovem presidente da história da Portela. Paulo Miranda foi empossado vice-presidente. A nova diretoria da escola recebeu uma proposta da ONU para realizar um desfile sobre os oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, estabelecidos após a Cúpula do Milênio das Nações Unidas em 2000. Devido ao enredo, Marcos Aurélio se tornou o primeiro representante de escola de samba a participar de um encontro na sede das Nações Unidas. Enquanto isso, a oposição conseguiu na Justiça a anulação da eleição presidencial. Em acordo judicial, foi marcada uma nova eleição. Também foi determinado o recadastramento de todos os sócios da escola. Interinamente, o vice-presidente, Paulo Miranda, assumiu a administração da agremiação. As duas chapas concorrentes, lideradas por Marcos Aurélio e por Nilo Figueiredo, acordaram em manter o enredo escolhido, independente do resultado da eleição. Os preparativos para o desfile foram paralisados até a definição do pleito. O processo eleitoral foi conturbado com denúncias de assinaturas falsas no recadastramento dos sócios e um acordo entre as duas chapas concorrentes para que a Velha Guarda da escola fosse proibida de votar. Às vésperas da eleição, a Velha Guarda entrou na Justiça e conseguiu o direito de votar. Em 29 de julho de 2004, a chapa "Nova Portela" venceu a eleição e Nilo Figueiredo foi eleito presidente da escola com 131 votos contra 116 de Marcos Aurélio. A nova diretoria trocou toda a equipe de carnaval da escola. Bruno Ribas foi contratado para substituir Gera como intérprete oficial. Paulo Roberto e Andréa Neves formaram o novo primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, substituindo Fabrício Pires e Cristiane Caldas.[201] A coreógrafa Alice Arja assumiu a direção da Comissão de Frente, fazendo sua estreia no Grupo Especial.[194] Filho de Mestre Marçal, Marçalzinho, assumiu o comando da bateria, substituindo Mestre Mug. Valéria Valenssa voltou a ocupar o posto de rainha de bateria. O carnavalesco Jorge Freitas foi demitido, sendo substituído por uma Comissão de Carnaval formada por Orlando Júnior, Nelson Ricardo e Amarildo de Mello. Posteriormente, Orlando deixou a equipe. Os carnavalescos desenvolveram uma nova sinopse para o enredo. O título do enredo também foi trocado. Na polêmica disputa para escolha do samba de 2004, a obra da parceria liderada por Noca da Portela venceu o samba apontado como favorito, da parceria liderada por Júnior Scafura. Na noite da final do concurso, o anúncio do samba vencedor teve confusão e vaias do público presente na quadra da escola.[202]

Nilo Figueiredo, Lula e Marisa Letícia (então, respectivamente, presidente da Portela, Presidente do Brasil e primeira-dama do Brasil), na quadra da escola em 2004.

Por causa do enredo de cunho social, a quadra da escola foi visitada nos meses anteriores ao carnaval por autoridades políticas como o então presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva; o Ministro da Cultura, Gilberto Gil; o presidente da Câmara dos Deputados, João Paulo Cunha; e o presidente do Supremo Tribunal Federal, Nelson Jobim. A escola teve dificuldades para captar recursos para o desfile através das empresas indicadas pela ONU. A falta de dinheiro atrasou a finalização dos trabalhos no barracão. Dois dias antes do desfile, a parte traseira do carro abre-alas pegou fogo no barracão e não houve tempo para ser refeita.[203] A Portela foi a quarta escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial de 2005. Na concentração do desfile, a equipe da escola não conseguiu encaixar as asas da escultura de águia do carro abre-alas. Depois de várias tentativas frustradas e do atraso na entrada da escola, a diretoria decidiu que a águia desfilaria sem as asas.[204] Portelenses famosos, Paulinho da Viola, Dona Dodô, Clóvis Bornay, Marisa Monte e Noca da Portela desfilaram à frente da escola. A modelo Naomi Campbell desfilou na segunda alegoria do desfile; enquanto Renato Aragão foi o destaque do terceiro carro alegórico. Com muitos componentes, a escola teve que "correr" no final do desfile para não ultrapassar o tempo limite de apresentação. A última alegoria, onde desfilaria a Velha Guarda da Portela, enguiçou na concentração. O diretor de harmonia, Chopp, alegou que houve falta de combustível no carro. Sem tempo para resolver o problema, a diretoria da escola permitiu o fechamento do portão da concentração e, com isso, a Velha Guarda e a ala de compositores da agremiação foram impedidos de desfilar.[205][206] Alguns componentes passaram mal e foram atendidos no posto médico do sambódromo.[207] Outros tentaram pular o portão e invadir a pista, sendo perseguidos por seguranças da LIESA. Depois de cerca de vinte minutos de discussão entre a diretoria da Portela e da LIESA, o portão foi reaberto e a Velha Guarda pode passar pela pista do sambódromo com o desfile encerrado e o som desligado.[208] A imprensa deu destaque para o dramático desfile portelense e apontou a escola como a favorita ao rebaixamento.[209] A Portela foi a penúltima colocada do carnaval de 2005, a pior colocação de sua história até então, ficando a uma posição do rebaixamento, que coube à Tradição.[210][211] À convite da Beija-Flor, campeã de 2005, a Velha Guarda da Portela desfilou com a escola de Nilópolis no Desfile das Campeãs.[212][213] Fazendo sua estreia como intérprete oficial do Grupo Especial, Bruno Ribas foi premiado com o Estandarte de Ouro de Revelação do ano.

2006: Quincy Jones ao lado de Robson Caetano no alto da alegoria sobre a contribuição da população negra para a formação do Brasil.
  • 2006: "Brasil, Marca a Tua Cara e Mostra para o Mundo"

Depois do desastroso desfile de 2005, a Portela passou por uma reformulação em seu quadro de segmentos. Gilsinho venceu um concurso para ser intérprete da escola, substituindo Bruno Ribas. Marçalzinho pediu dispensa da agremiação, sendo substituído por Nilo Sérgio, que já participava da direção de bateria desde 2003.[214] A dançarina Adriana Bombom foi escolhida como nova rainha de bateria da escola. Jerônymo Patrocínio assinou a coreografia da Comissão de Frente.[194] Segundo casal de mestre-sala e porta-bandeira em 2005, Andréa Machado e Diego Falcão foram promovidos ao posto de primeiro casal.[201] Também houve mudanças na direção de carnaval e de harmonia. Em abril de 2005 morreu Nelson Ricardo, um dos carnavalescos da escola.[215] Para o carnaval de 2006, Ilvamar Magalhães foi contratado para ser carnavalesco da Portela junto com Amarildo de Mello, que foi mantido no cargo. O enredo escolhido abordou a formação do povo brasileiro com a miscigenação racial e a contribuição dos imigrantes; além de homenagear brasileiros notáveis. A Portela foi a sétima e última escola a desfilar na segunda noite do Grupo Especial, encerrando os desfiles de 2006. A escola desfilou no início da manhã, com o dia claro, e debaixo de chuva. Impedidos de desfilar no ano anterior, integrantes da Velha Guarda desfilaram em posição de destaque no carro abre-alas da agremiação. O produtor musical estadunidense Quincy Jones participou do desfile.[216][217] A Portela obteve o sétimo lugar do carnaval de 2006, ficando a uma posição de se classificar para o Desfile das Campeãs.[218] Mestre Nilo Sérgio foi premiado com o Estandarte de Ouro de Revelação.

Águia da Portela em 2007.
  • 2007: "Os Deuses do Olimpo na Terra do Carnaval: Uma Festa dos Esportes, da Saúde e da Beleza"

Para o carnaval de 2007, Ilvamar Magalhães foi substituído por Cahê Rodrigues. Amarildo de Mello foi mantido como carnavalesco da escola junto com Cahê.[219] Jorge Teixeira foi contratado para coreografar a Comissão de Frente.[194] Faltando cerca de dois meses para o desfile, a porta-bandeira Andréa Machado passou por uma cirurgia no joelho, tendo que se afastar da escola por recomendação médica. Para substituir Andréa, e dançar com o mestre-sala Diego Falcão, a Portela promoveu sua segunda porta-bandeira, Alessandra Bessa.[220] A Portela foi a quarta escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial de 2007. A escola recebeu 1,8 milhões de reais de patrocínio do Ministérios dos Esportes para realizar um desfile sobre esportes olímpicos e divulgar os Jogos Pan-Americanos de 2007, que seriam realizados no Rio de Janeiro, meses após o carnaval. O desfile teve a participação de mais de quarenta atletas brasileiros, entre eles: Giovane Gávio, Jaqueline Silva, Robson Caetano, Daniele Hypólito, Diego Hypólito, Daiane dos Santos, Gustavo Borges e Clodoaldo Silva. Também desfilaram o Ministro dos Esportes Orlando Silva, o secretário estadual de esportes Eduardo Paes, e o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman.[221][222] Com o desfile, a escola se classificou em oitavo lugar, ficando de fora do Desfile das Campeãs por mais um ano.[223] A porta-bandeira Alessandra Bessa recebeu o Estandarte de Ouro de Revelação.

Águia da Portela no carro abre-alas do desfile de 2008.
  • 2008: "Reconstruindo a Natureza, Recriando a Vida: O Sonho Vira Realidade"

Após três carnavais na escola, Amarildo de Mello pediu demissão da Portela.[224] Cahê Rodrigues foi mantido como único carnavalesco da escola. Nilo Figueiredo foi reeleito presidente da agremiação.[225] Para o carnaval de 2008 foi escolhido um enredo sobre a preservação da natureza. A Portela foi a quarta escola a se apresentar na primeira noite do Grupo Especial. Foram utilizados seis mil litros de água no carro abre-alas. A águia da Portela, com 23 metros de comprimento e oito metros de altura, foi decorada com dois quilômetros de luz neon. Um dos destaques do desfile, a quinta alegoria apresentava a escultura de um bebê subnutrido e decoração simulando natureza morta, mas sofria uma transformação durante a apresentação: o bebê subnutrido dava lugar a uma escultura de bebê saudável e os componentes abriam flores de várias cores, deixando o carro colorido e florido. A alegoria recebeu aplausos ao longo do desfile. Outras alegorias apresentavam esculturas de animais como onças, gorilas e baleias.[226] A escola encerrou seu desfile recebendo gritos de "campeã" do público presente no sambódromo.[227] A Portela se classificou em quarto lugar no carnaval de 2008, seu melhor resultado em dez anos. Desde o quarto lugar de 1998 a escola não se classificava para o Desfile das Campeãs.[228][229] A Portela recebeu o prêmio Tamborim de Ouro de melhor enredo do ano.

Alegoria do Taj Mahal (esquerda) e Luma de Oliveira (direita) no desfile da Portela de 2009.
  • 2009: "E por Falar em Amor, Onde Anda Você?"

Passado o carnaval de 2008, o carnavalesco Cahê Rodrigues se desligou da Portela, se transferindo para a Grande Rio.[230] Para substituir Cahê, a Portela contratou os carnavalescos Lane Santana e Jorge Caribé, que trabalhariam juntos pela primeira vez.[231] Adriana Bombom foi desligada do cargo de rainha de bateria. Luma de Oliveira aceitou o convite para assumir o posto. A modelo estava afastada do carnaval desde 2005.[232] A Portela também trocou seu primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira. Fabrício Pires e Danielle Nascimento foram contratados para substituir Diego Falcão e Alessandra Bessa. A contratação dos dois foi pedida pelos torcedores portelenses. Danielle é filha de Vilma Nascimento, porta-bandeira histórica da escola.[233] A Portela foi a quarta escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial de 2009. Lane e Caribé desenvolveram um enredo sobre o amor. O desfile abordou histórias de amor, como Romeu e Julieta, o Feitiço de Áquila, a construção do Taj Mahal, o amor de Chica da Silva pelo contratador João Fernandes, e o amor dos portelenses pela Portela. O primeiro bailarino do Royal Ballet de Londres, Thiago Soares, desfilou na comissão de frente, representando Rei Arthur. Zeca Pagodinho, Paulinho da Viola, Zezé Di Camargo e Luciano também participaram do desfile.[234][235] A escola foi a terceira colocada do carnaval de 2009, se classificando para o Desfile das Campeãs.[236]

Década de 2010[editar | editar código-fonte]

Águia da Portela em 2010.
  • 2010: "Derrubando Fronteiras, Conquistando a Liberdade... Rio de Paz, em Estado de Graça!"

A Portela teve um período pré-carnaval conturbado. Após o desfile de 2009, os carnavalescos Jorge Caribé e Lane Santana se desligaram da escola. Para substituí-los, a agremiação contratou Amauri Santos e Alex de Oliveira.[237] A contratação não foi bem recebida pelos torcedores da escola, uma vez que a dupla não tinha experiência no Grupo Especial. O enredo escolhido para o carnaval de 2010, sobre a informática e a inclusão digital, também não agradou os portelenses. O desfile da escola teve patrocínio da Positivo Tecnologia. A marca é citada no samba-enredo, o que também gerou críticas. O cantor e compositor Diogo Nogueira venceu o concurso de samba da escola pela quarta vez consecutiva.[238] O coreógrafo da Comissão de Frente, Henrique Talmah, assistente de Jorge Teixeira em 2007 e 2008, foi contratado no final de dezembro de 2009 e teve pouco tempo para montar e ensaiar a Comissão até o carnaval. A escola também sofreu com atrasos para concluir os trabalhos no barracão.[239] A Portela desligou o casal de mestre-sala e porta-bandeira Fabrício Pires e Danielle Nascimento. Brigada com Fabrício, Danielle chegou a oferecer para escola um novo mestre-sala para formar par com ela no carnaval de 2010, mas a diretoria da Portela preferiu apostar em um casal pronto, Lucinha Nobre e Rogerinho, que estavam na Unidos da Tijuca.[240] Juliana Portela foi escolhida como nova rainha da bateria, substituindo Luma de Oliveira.[241] A Portela foi a terceira escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial de 2010. A escola recebeu nota máxima dos julgadores apenas nos quesitos Harmonia e Mestre-sala e Porta-bandeira, perdendo muitos décimos nos demais quesitos. A Portela obteve o nono lugar do carnaval entre as doze escolas concorrentes, ficando de fora do Desfile das Campeãs.[242] A bateria da escola recebeu o terceiro Estandarte de Ouro de sua história. O prêmio anterior havia sido conquistado em 1986.

Bombeiros agem para controlar o incêndio no barracão da Portela.
Carro abre-alas da Portela em 2011.
  • 2011: "Rio, Azul da Cor do Mar"

Em maio de 2010, Nilo Figueiredo foi reeleito presidente da Portela. Aos 73 anos, Nilo assumiu seu terceiro mandato consecutivo na escola.[243] Roberto Szaniecki foi contratado para substituir os carnavalescos Amauri Santos e Alex de Oliveira. A atriz Sheron Menezzes foi escolhida como nova rainha de bateria.[244] Inicialmente, Nilo Figueiredo anunciou que o enredo para o carnaval de 2011 seria "Portela dos Grandes Carnavais", sobre a própria escola, mas, depois de reeleito, voltou atrás, alegando falta de patrocínio. O novo enredo escolhido, desenvolvido por Roberto Szaniecki junto com a publicitária Marta Queiroz e o jornalista Cláudio Vieira, abordou a relação do homem com o mar. Mais uma vez, prejudicada pela falta de recursos, a escola sofreu com atrasos em sua preparação para o desfile.[245]

Na manhã do dia 7 de fevereiro de 2011, faltando 27 dias para o desfile, um incêndio atingiu os barracões de Portela, Grande Rio, União da Ilha e da LIESA.[246][247] Mais de 120 bombeiros de quatro quartéis e vinte veículos antichamas levaram aproximadamente quatro horas para combater o fogo. Ninguém ficou ferido. O barracão da Portela foi atingido na parte superior, onde estavam sendo confeccionadas fantasias e esculturas que compõem os carros alegóricos. Cerca de 2,5 mil fantasias da escola foram destruídas pelo incêndio. As alegorias, que estavam no andar térreo, não foram atingidas.[248] No mesmo dia do incêndio, a LIESA se reuniu e decidiu que nenhuma agremiação seria rebaixada e as três escolas atingidas pelo incêndio, desfilariam como hors concours, não sendo julgadas.[249][250] A Portela foi a terceira escola a se apresentar na primeira noite do Grupo Especial de 2011. Duas alegorias, com problemas mecânicos, tiveram dificuldade para entrar na pista de desfile. As alegorias também apresentavam mal acabamento, com ferragens e madeiras à mostra. A escola ultrapassou o tempo limite de desfile em três minutos, o que lhe gerou uma multa de cem mil reais.[245][251] O jogador Ronaldinho Gaúcho desfilou pela escola. Apesar dos problemas, os componentes demonstraram empolgação durante o desfile.[252]

Águia da Portela em 2012.
Águia da Portela em 2012.
  • 2012: "...E o Povo na Rua Cantando... É Feito Uma Reza, Um Ritual... "

Após o desfile de 2011, diretores de harmonia, carnaval e bateria, e o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira pediram demissão, insatisfeitos com a administração da escola. Torcedores da agremiação organizaram um protesto pedindo a saída do presidente Nilo Figueiredo. A direção da Portela conseguiu contornar a situação e acertou a permanência dos diretores e do casal de mestre-sala e porta-bandeira. O carnavalesco Paulo Menezes foi contratado para substituir Roberto Szaniecki. Paulo desenvolveu um enredo em que Clara Nunes conduzia os portelenses até a Bahia para conhecer as festas do estado. A escola sofreu com atrasos na confecção das fantasias e alegorias para o desfile e enfrentou uma greve de funcionários no barracão poucos dias antes do carnaval.[253] A Portela foi a segunda escola a se apresentar na primeira noite do Grupo Especial de 2012. Na Comissão de Frente, que simbolizou o sincretismo religioso, o ator Milton Gonçalves interpretou um babalorixá. Barroca e dourada, a águia da escola desfilou atrás da Comissão de Frente, num tripé com a presença dos cantores portelenses Marisa Monte e Paulinho da Viola. Rogerinho e Lucinha Nobre desfilaram vestidos de Oxóssi e Iansã, sincretizados com São Sebastião e Nossa Senhora da Conceição, santos padroeiros da Portela. O carro abre-alas representou a Igreja Nosso Senhor do Bonfim e foi decorado com 150 mil fitas originais abençoadas pelo padre da igreja de Salvador. A festa de São João foi representada numa alegoria com uma escultura de sanfoneiro com o rosto de Gilberto Gil. A cantora Vanessa da Mata desfilou na última alegoria, representando Clara Nunes. Daniela Mercury e integrantes da Timbalada também participaram do desfile. A bateria da Portela, comandada por Nilo Sérgio, desfilou com atabaques em referência às batidas do afoxé Filhos de Gandhy, tradicional grupo do carnaval baiano.[254] A escola encerrou sua apresentação recebendo gritos de "campeã" do público presente no sambódromo.[255]

Refrão principal do samba de 2012, conhecido como "Madureira Sobe o Pelô", vencedor de todos os prêmios do ano e eleito o melhor samba da década.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

A Portela se classificou em sexto lugar no carnaval de 2012, conquistando a última vaga do Desfile das Campeãs.[256] O intérprete Gilsinho recebeu os prêmios Estandarte de Ouro, Tamborim de Ouro, SRzd e Gato de Prata. Lucinha Nobre e Rogerinho foram premiados com o Estrela do Carnaval e o Troféu Tupi. A bateria da escola recebeu o quarto Estandarte de Ouro de sua história. O samba-enredo do desfile, composto por Luiz Carlos Máximo, Naldo, Toninho Nascimento e Wanderley Monteiro, recebeu todos os prêmios do ano, incluindo o Estandarte de Ouro, sendo o oitavo da Portela na categoria. Com três refrãos e uma estrutura melódica diferente da habitual, se aproximando do samba de roda, a obra se destacou ainda no concurso para escolha do samba oficial, ganhando apoio massivo dos torcedores da escola nas redes sociais. Em 2020, o samba foi premiado pelo jornal O Globo como o melhor da década. Um júri especializado, formado por compositores e jornalistas, colocou a obra entre as dez melhores da década. Numa votação popular online, o samba da Portela foi eleito o melhor entre os dez concorrentes com 28% dos votos contra 26% de "História pra Ninar Gente Grande" (Mangueira/2019).[257]

Com homenagem a Madureira, Portela foi a sétima colocada do carnaval de 2013.
  • 2013: "Madureira... Onde o Meu Coração se Deixou Levar"

Para o carnaval de 2013, Paulo Menezes desenvolveu um enredo sobre os quatrocentos anos do bairro de Madureira, onde está sediada a Portela; além de homenagear os setenta anos do cantor e compositor portelense Paulinho da Viola (o fio-condutor do enredo) e os noventa anos da própria Portela. Presidente da agremiação, Nilo Figueiredo surpreendeu ao demitir o premiado casal de mestre-sala e porta-bandeira Rogerinho e Lucinha Nobre.[258] Robson Sensação e Ana Paula foram contratados para assumir o posto de primeiro casal da escola.[259] Nascida e criada em Madureira, a publicitária Patrícia Nery, de 38 anos, foi escolhida como nova rainha de bateria da escola, substituindo a atriz Sheron Menezzes, que estava há dois anos na função.[260] A Portela foi a sexta e última escola a se apresentar na primeira noite do Grupo Especial de 2013. Assim como no ano anterior, a escola sofreu com atrasos na confecção das fantasias e alegorias para o desfile. No abre-alas de cinquenta metros, a águia-símbolo da escola, estilizada com motivos indígenas em referência ao enredo "Lendas e Mistérios da Amazônia", de 1970, não agradou o público e torcedores. O desfile lembrou de símbolos do bairro homenageado como o jongo, o baile charme, o Mercadão de Madureira e o Império Serrano.[261] O terceiro mestre-sala da escola, Diogo Fran, representou um grafiteiro e desfilou pintando a saia da porta-bandeira Roselaine.[262][263] O diretor Jorge Fernando desfilou na Comissão de Frente e o ator Milton Gonçalves encerrou o desfile interpretando Natal da Portela. Com a apresentação, a Portela obteve o sétimo lugar e não conseguiu se classificar para o Desfile das Campeãs.[264] Assim como no carnaval anterior, a bateria da escola foi premiada com o Estandarte de Ouro, sendo o quinto de sua história.[265] A escola ainda recebeu os prêmios Tamborim de Ouro e S@mba-Net de melhor enredo.

Acima, o abre-alas da Portela em 2014. Abaixo, o tripé "Desperta o Gigante", um dos destaques do desfile.
  • 2014: "Um Rio de Mar a Mar: Do Valongo à Glória de São Sebastião"

Após o carnaval de 2013, o intérprete Gilsinho se desligou da Portela após oito carnavais na agremiação.[266] Em maio de 2013, o compositor e membro da Velha Guarda portelense, Serginho Procópio, foi eleito o novo presidente da Portela, tendo Marcos Falcon como vice. A chapa "Portela Verdade", liderada por Serginho, venceu a chapa da situação, "Portela, Nossa Paixão", liderada por Nilo Figueiredo, que buscava a reeleição, por três votos de diferença. A nova presidência assumiu a Portela com dívidas de mais de quinhentos mil reais e com serviços suspensos na quadra, na sede e no barracão.[267] A nova diretoria renovou o quadro de segmentos da agremiação. Foram contratados o intérprete Wantuir, o diretor de carnaval Luiz Carlos Bruno, a porta-bandeira Danielle Nascimento, além da coreógrafa de Comissão de Frente, Ghislaine Cavalcanti, multicampeã pela Beija-Flor. O terceiro mestre-sala da Portela, Diogo Jesus, foi promovido à primeiro. O carnavalesco Alexandre Louzada, contratado na gestão anterior para substituir Paulo Menezes, teve sua contratação confirmada pela nova gestão. O cantor e compositor portelense Monarco foi escolhido como novo presidente de honra da escola. Também houveram mudanças na direção de harmonia e de barracão. Para o carnaval de 2014, a Portela escolheu um enredo sobre as transformações sofridas ao longo dos tempos pela região compreendida entre o Cais do Valongo e o bairro da Glória, no centro do Rio de Janeiro.[268] A Portela foi a quinta e penúltima escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial. O desfile foi aberto com um drone em forma de águia sobrevoando o sambódromo. No carro abre-alas da escola, 21 esculturas de águia representaram os 21 títulos da Portela no carnaval, além de uma águia maior, simbolizando a esperança no vigésimo segundo título. Diversas alas simbolizaram a transformação do Rio após a chegada da família imperial. Duas alegorias reproduziram edifícios históricos da cidade: o Theatro Municipal, inaugurado em 1909, e o Palácio Monroe, que foi demolido em 1976. O desfile também abordou os protestos políticos na Cinelândia e a repressão policial durante a ditadura militar, com um tripé em forma de tanque de guerra.[269][270] Um dos destaques do desfile foi o tripé "Desperta o Gigante", uma enorme escultura, com movimentos expressivos, rodeado de componentes representando manifestantes, com cartazes em prol da cidadania. Para passar por baixo da torre do sambódromo, a escultura se curvou, recebendo aplausos do público. O tripé "Ídolos do Rádio", que desfilaria no setor sobre a Rádio Nacional, quebrou na concentração do desfile e não entrou na avenida, fazendo a escola perder décimos no quesito enredo.[271] Apontada como uma das favoritas ao título, ao lado de Salgueiro e Unidos da Tijuca, a Portela obteve o terceiro lugar do carnaval, atrás da campeã Tijuca e do vice-campeão Salgueiro. Foi o melhor resultado da Portela desde 2009 e a escola retornou ao Desfile das Campeãs.[272] A Portela recebeu os prêmios Estrela do Carnaval, SRzd e Gato de Prata de melhor escola/desfile de 2014. O samba-enredo da agremiação foi o mais premiado do carnaval, recebendo os prêmios Estrela do Carnaval, Veja Rio Carnaval, Troféu Apoteose e Tupi Carnaval Total.

A "Águia Redentora" foi o destaque do desfile de 2015. Na imagem de baixo, o momento em que a escultura se curva para passar pela torre.
  • 2015: "ImagináRIO, 450 Janeiros de Uma Cidade Surreal"

Para o carnaval de 2015, a Portela contratou o intérprete Wander Pires para formar dupla com Wantuir. O mestre-sala Diogo Jesus se desligou da escola, sendo substituído por Alex Marcelino.[273][274] Cerca de um mês antes do desfile, em janeiro de 2015, morreu, aos 95 anos, Dodô da Portela, ex-porta-bandeira histórica da agremiação.[275] A Portela foi a segunda escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial de 2015. A escola homenageou a cidade do Rio de Janeiro, que completava 450 anos de fundação. O carnavalesco Alexandre Louzada desenvolveu um enredo em que o Rio era retratado de forma surrealista, com inspiração na obra de Salvador Dalí.[276] A escola recebeu patrocínio de empresas privadas, incluindo da Concessionária Porto Novo.[277] O desfile foi aberto com quatro paraquedistas, com o nome da escola estampado em seus paraquedas, sobrevoando o sambódromo e pousando no meio da pista. O drone em forma de águia, utilizado no carnaval anterior, voou novamente pelo sambódromo. O destaque do desfile portelense foi a "Águia Redentora", como ficou conhecida a escultura de águia no formato do Cristo Redentor, apresentada no abre-alas da escola.[278] Participaram do desfile portelenses famosos como Paulinho da Viola, Maria Rita, Zeca Pagodinho, Glória Pires, Orlando Morais, além dos atores Ailton Graça e da ex-rainha de bateria da escola, Sheron Menezzes. O cantor Carlinhos Brown desfilou junto com a rainha de bateria Patrícia Neri à frente dos ritmistas. Apontada como uma das favoritas ao título na fase pré-carnaval, a Portela enfrentou diversos problemas em seu desfile, o que afastou a escola da briga pelo campeonato. Duas alegorias tiveram problemas de iluminação, fazendo a escola perder décimos no quesito. Para passar por baixo da torre do sambódromo, a "Águia Redentora" se curvou, recebendo aplausos do público, mas a manobra demorou, o que fez a escola perder décimos no quesito Evolução. A agremiação também perdeu décimos no quesito Comissão de Frente. A Portela obteve o quinto lugar do carnaval de 2015, se classificando para o Desfile das Campeãs.[279][280] O samba-enredo da escola recebeu os prêmios Tamborim de Ouro e Troféu SRzd. Um dos autores do samba, Noca da Portela assinou o samba-enredo da escola pela sétima vez, igualando a marca de David Corrêa na condição de compositores com mais sambas na história da Portela até então. A escola também recebeu os prêmios Estrela do Carnaval e Gato de Prata de originalidade pela "Águia Redentora". O estreante mestre-sala Alex Marcelino foi premiado com o Estandarte de Ouro de Revelação.

Comissão de Frente (esquerda) e alegoria do Gulliver (direita) no desfile da Portela de 2016.
  • 2016: "No Voo da Águia, Uma Viagem sem Fim..."

Para o carnaval de 2016, a Portela contratou o carnavalesco Paulo Barros, que desenvolveu um enredo autoral sobre as grandes viagens da Humanidade.[281][282] O intérprete Gilsinho retornou à escola após uma passagem de dois anos na Vila Isabel. Wantuir foi mantido como intérprete da Portela, enquanto Wander Pires se transferiu para a Estácio de Sá.[283] Insatisfeita com as notas recebidas no carnaval de 2015, a coreógrafa Ghislaine Cavalcanti pediu demissão da escola, sendo substituída por seus assistentes, Marcelo Sandryni e Roberta Nogueira.[284] A Portela foi a quarta escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial de 2016. Entre os destaques do desfile estava a Comissão de Frente, em que um componente, representando Poseidom, "flutuou" num tanque com trinta toneladas de água, praticando flyboard. A águia da Portela apareceu na ala após a Comissão. Montado na águia, um componente, representando o personagem bíblico Moisés, atravessou a ala que simbolizava o Mar Vermelho, até um tripé representando o Monte Sinai, onde a ave pousava. Outro destaque foi a alegoria sobre As Viagens de Gulliver, em que um enorme boneco de dezoito metros de altura do ator Jack Black (que interpretou Gulliver no cinema) era escalado por componentes que encenavam os personagens de Lilliput, ilha fictícia onde a história se passava. O público presente no sambódromo saudou a escola com gritos de "campeã".[285][286] Apontada por especialistas como uma das favoritas ao título, a Portela obteve o terceiro lugar do carnaval, com um décimo de diferença para a campeã, Mangueira.[287][288] A Portela recebeu os prêmios Estrela do Carnaval, SRZD e Gato de Prata de melhor escola/desfile do ano. Seu samba-enredo foi o mais premiado do ano, recebendo, entre outros prêmios, o Estandarte de Ouro.

Águia da Portela no desfile de 2017.
A elogiada alegoria do Rio Doce.
Diretoria com o troféu de campeã.
A festa do título em Madureira.

Em maio de 2016, a Portela elegeu o seu vice-presidente, Marcos Falcon, como novo presidente da escola.[289] Para o carnaval de 2017, a agremiação escolheu um enredo autoral de Paulo Barros, sobre rios.[290] Wantuir foi desligado da escola e Gilsinho foi mantido como único intérprete oficial.[291] Passista da Portela desde os treze anos de idade, Bianca Monteiro foi coroada como nova rainha de bateria da escola, substituindo Patrícia Nery, que estava no posto desde 2013.[292][293] O coreografo Renato Vieira foi contratado para dirigir a Comissão de Frente da escola, mas, devido a discordâncias com Paulo Barros, foi desligado da função, sendo substituído pelos bailarinos Kelly Siqueira e Leo Senna.[294] Candidato a vereador nas eleições de 2016, Marcos Falcon foi assassinado a tiros em seu comitê de campanha, em Madureira, no dia 29 de setembro de 2016.[295] O vice-presidente da Portela, Luiz Carlos Magalhães, assumiu a presidência da escola.[296] A Portela foi a quinta e penúltima escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial de 2017. Um dos destaques do desfile foi a alegoria que lembrou o Rio Doce, atingido pelo rompimento de uma barragem em Mariana, município de Minas Gerais, em 2015. Também foram lembrados outros rios famosos como o Nilo, Mississipi e São Francisco; além de lendas como Iara, Boiúna e o boto-cor-de-rosa.[297] Com o desfile, a Portela foi campeã do carnaval de 2017, conquistando seu 22.º título, quebrando o jejum de 33 anos sem conquistas. Seu campeonato anterior foi conquistado em 1984.[298] Na avaliação dos jurados, a Portela perdeu apenas um décimo das notas válidas. O desconto foi no quesito Comissão de Frente, onde componentes, vestidos de peixe, representavam a piracema num tripé com água corrente, simulando a nascente de um rio. A Portela encerrou o Desfile das Campeãs de 2017, recebendo a aclamação do público presente na Sapucaí.[299] A Mocidade Independente de Padre Miguel terminou a apuração das notas em segundo lugar, com um décimo a menos que a Portela. Cerca de um mês após o desfile, a LIESA divulgou as justificativas dos julgadores para as notas dadas. Valmir Aleixo, do quesito Enredo, descontou um décimo da Mocidade pela falta de um destaque de chão. A destaque seria Camila Silva, que foi promovida à Rainha de Bateria após a empresária angolana Carmen Mouro desistir de desfilar à frente dos ritmistas. A Mocidade rebateu a avaliação do julgador alegando que ele se baseou na versão antiga do livro abre-alas (roteiro do desfile) enviado pela agremiação. A escola alegou que enviou para a LIESA, dentro do prazo estipulado, uma versão retificada do livro abre-alas excluindo a presença de Camila Silva como destaque de chão. A LIESA, por sua vez, não teria repassado a nova versão ao julgador, ocasionando o desconto de um décimo.[300] A escola entrou com recurso na Liga contra o resultado e ameaçou procurar seus direitos na Justiça.[301] Em uma plenária realizada no dia 5 de abril de 2017, a LIESA decidiu dividir o título de campeã entre Portela e Mocidade. Foram sete votos a favor; cinco abstenções; e apenas a presidência da Portela votou contra a divisão de título.[302][303]

Detalhe do abre-alas do desfile de 2018 com a águia da Portela.
  • 2018: "De Repente de Lá pra Cá e 'Dirrepente' Daqui para Lá"

Após a conquista do título de 2017, Paulo Barros se desligou da Portela, migrando para a Vila Isabel.[304] Para substituir o carnavalesco, a Portela contratou Rosa Magalhães, que estava na São Clemente.[305] A carnavalesca desenvolveu um enredo sobre judeus europeus que se estabeleceram na cidade do Recife, no século XVII, e que, anos depois, expulsos pelos portugueses, foram para os Estados Unidos onde ajudaram a fundar a cidade de Nova Iorque. A Portela também trocou seu primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira. Com a saída de Alex Marcelino e Danielle Nascimento, Lucinha Nobre retornou à escola, junto a um novo parceiro, o paulistano Marlon Lamar. Os dois dançaram juntos pela primeira vez em 2017 na Unidos do Porto da Pedra.[306] Sergio Lobato foi contratado para coreografar a Comissão de Frente, substituindo Leo Senna e Kelly Siqueira.[307] O carnaval teve um período de preparação conturbado.[308] Em junho de 2017, a Prefeitura do Rio de Janeiro anunciou o corte de 50% do repasse de verbas públicas para as escolas de samba.[309] A LIESA ameaçou cancelar os desfiles e sambistas organizaram protestos, mas o prefeito Marcelo Crivella manteve o corte.[310] Em outubro do mesmo ano, faltando cerca de quatro meses para os desfiles, o Ministério do Trabalho interditou os barracões de todas as escolas na Cidade do Samba.[311] Os barracões foram liberados ao final de novembro, após as escolas cumprirem uma série de exigências visando melhores condições de trabalho.[312] A Portela foi a segunda escola a se apresentar na segunda noite de desfiles do Grupo Especial de 2018. Apesar do visual simples devido ao corte de verbas do carnaval, o samba-enredo animou o público nas arquibancadas e a escola recebeu gritos de "campeã".[313][314] No julgamento oficial do desfile, a Comissão de Frente da escola foi penalizada por todos os jurados. A Portela obteve o quarto lugar no carnaval de 2018, dois décimos atrás da campeã, Beija-Flor.[315]

Lucinha Nobre caracterizada como Clara Nunes e Marlon Lamar como a águia da Portela no desfile de 2019.
  • 2019: "Na Madureira Moderníssima, Hei Sempre de Ouvir Cantar Uma Sabiá"

Para o carnaval de 2019, Rosa Magalhães desenvolveu um enredo em homenagem à cantora Clara Nunes, célebre torcedora da escola, morta em 1983. Clara foi homenageada pela escola em 1984, junto com Paulo da Portela e Natal da Portela, mas era um desejo dos torcedores da agremiação que a cantora fosse tema de enredo sozinha.[316] Carlinhos de Jesus foi contratado para coreografar a Comissão de Frente da escola, substituindo Sérgio Lobato, que foi dispensado.[317] Pelo segundo ano consecutivo, o prefeito Marcelo Crivella cortou 50% da verba destinada às escolas que desfilam no Sambódromo.[318] A Portela foi a terceira escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial.[319][320] Assim como no ano anterior, a escola obteve o quarto lugar, se classificando para o Desfile das Campeãs.[321] A Comissão de Frente da escola, que teve a participação da cantora Mariene de Castro, perdeu pontos de todos os jurados do desfile, mas recebeu os prêmios Estandarte de Ouro e Tamborim de Ouro. O intérprete Gilsinho também recebeu o Estandarte, além do prêmio Estrela do Carnaval. A bateria da escola, que também perdeu décimos no julgamento, recebeu o Troféu SRZD-Carnaval.

Década de 2020[editar | editar código-fonte]

Alegoria da Portela em 2020.
  • 2020: "Guajupiá, Terra sem Males"

Para o carnaval de 2020, a Portela não renovou o contrato com Rosa Magalhães.[322] Para substituir a carnavalesca, a escola contratou Renato Lage e Márcia Lage.[323] O casal desenvolveu um enredo sobre o mito Guajupiá dos índios tupinambás, tribo que habitava a região do Rio de Janeiro antes da chegada dos portugueses.[324] Após dois anos cortando a verba pela metade, o prefeito Marcelo Crivella decidiu cortar integralmente a subvenção das escolas que desfilam no Sambódromo.[325] A Portela foi a sétima e última escola a se apresentar na primeira noite do Grupo Especial, encerrando seu desfile com o dia claro.[326] No julgamento oficial, a escola perdeu décimos por sua Comissão de Frente, que encenava a decapitação de um índio, e no casal de mestre-sala e porta-bandeira, que encenou o nascimento de uma criança.[327] A escola se classificou em sétimo lugar no carnaval, ficando de fora do Desfile das Campeãs, algo que não acontecia desde 2013.[328] A águia do desfile, cujo as asas eram feitas com tiras de ferro que se mexiam, recebeu o prêmio Estandarte de Ouro de inovação.[329] A escola também foi a campeã do Troféu Tamborim de Ouro 2020, recebendo os prêmios de melhor escola, bateria, primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, baianas e intérprete para Gilsinho.[330] Em fevereiro de 2020, morreu o ex-presidente da escola, Carlinhos Maracanã, aos 93 anos, em decorrência de Alzheimer.[331]

  • 2021/2022: "Igi Osè Baobá"
Morto em 2021, Monarco foi homenageado com uma escultura na última alegoria do desfile de 2022.

Após o desfile de 2020, a Portela dispensou o coreógrafo Carlinhos de Jesus.[332] Responsáveis pela comissão de 2017, ano em que a escola foi campeã, Leo Senna e Kelly Siqueira foram reconduzidos ao posto de coreógrafos da Portela.[333] Por causa do avanço da Pandemia de COVID-19 em todo o mundo, o desfile das escolas de samba de 2021 foi cancelado, sendo a primeira vez, desde a criação do concurso, em 1932, que o evento não foi realizado.[334][335] Com o agravamento da pandemia, as escolas de samba paralisaram suas atividades presenciais nas quadras e barracões, mas seguiram se programando para o desfile futuro. Para o carnaval de 2022, Renato e Márcia Lage desenvolveram um enredo sobre histórias e simbologias dos baobás, árvores gigantescas e milenares de origem africana, abordando aspectos como ancestralidade, religiosidade, identidade e memória.[336] Com o retorno de Eduardo Paes à Prefeitura do Rio de Janeiro, a subvenção voltou a ser paga às agremiações.[337] Em julho de 2021, morreu o ex-presidente da escola, Paulo Miranda, aos 96 anos.[169] No final de 2021, com a campanha de vacinação contra a COVID e a diminuição de mortes pela doença, as escolas retomaram os ensaios para o carnaval de 2022.[338] Em dezembro de 2021 morreu o compositor e presidente de honra da Portela, Monarco, aos 88 anos.[339] Ex-presidente da escola, Nilo Figueiredo morreu em janeiro de 2022, aos 85 anos, em decorrência de Alzheimer.[340] Com o aumento dos casos de COVID no país devido ao avanço da variante Ómicron, o desfile das escolas de samba que ocorreriam no carnaval de 2022 foram adiados para abril do mesmo ano, durante o feriado de Tiradentes.[341] A Portela foi a segunda escola a se apresentar na segunda noite do Grupo Especial de 2022, conquistando a quinta colocação do carnaval e se classificando para o Desfile das Campeãs.[342][343] A Portela recebeu quatro Estandartes de Ouro: melhor porta-bandeira (Lucinha Nobre), melhor intérprete (Gilsinho); Destaque (Carlos Reis); e melhor ala ("Tia Ciata").[344]

  • 2023: "O Azul que Vem do Infinito"

Em maio de 2022, o então vice-presidente da Portela, Fábio Pavão, foi eleito como novo presidente da agremiação, dando continuidade à gestão Portela Verdade à frente da escola. Tia Surica foi escolhida como nova presidente de honra.[345] Para o carnaval de 2023, Renato e Márcia Lage desenvolveram um enredo sobre o centenário da Portela, comemorado em 2023. No enredo, os cem anos da Portela são narrados por cinco baluartes da escola: Paulo da Portela, Natal da Portela, Monarco, Tia Dodô e David Corrêa.[346]

Carnavais[editar | editar código-fonte]

Carnavais da Portela
Ano Colocação Divisão Enredo Carnavalesco Ref.
1932 Vice-campeã Grupo Único "Carnaval moderno" Antônio Caetano [347]
1933 4.º Lugar Grupo Único "Voando para a glória" Antônio Caetano [348]
[349]
1934 Vice-campeã Grupo Único "Academia do samba" Antônio Caetano [350]
[351]
1935 Campeã Desfile Oficial "O samba dominando o mundo" Antônio Caetano [352]
[353]
1936 3.º Lugar Desfile Oficial (Não houve enredo) Lino Manuel dos Reis [354]
[355]
1937 Vice-campeã Desfile Oficial "O carnaval" Lino Manuel dos Reis [356]
[357]
1938 Não houve julgamento Desfile Oficial "Democracia do samba" Paulo da Portela e Lino Manuel dos Reis [358]
[359]
1939 Campeã Desfile Oficial "Teste ao samba"
(Samba-enredo composto por Paulo da Portela)
Paulo da Portela e Lino Manuel dos Reis [360]
[361]
1940 5.º Lugar Desfile Oficial "Homenagem à justiça"
(Samba-enredo composto por Paulo da Portela)
Paulo da Portela e Lino Manuel dos Reis [362][363]
1941 Campeã Desfile Oficial "Dez anos de glória"
(Samba-enredo composto por Bibi e Chatim)
Paulo da Portela e Lino Manuel dos Reis [364]

[363]

1942 Campeã Desfile Oficial "A vida do samba"
(Samba-enredo composto por Alvaiade e Chatim)
Lino Manuel dos Reis [363][365]
1943 Campeã Desfile Oficial "Carnaval de guerra"
(Samba-enredo composto por Alvaiade e Nilson)
Liga da Defesa Nacional [366]

[363]

1944 Campeã Desfile Oficial "Brasil glorioso"
(Samba-enredo composto por Ventura)
Liga da Defesa Nacional [367]

[363]

1945 Campeã Desfile Oficial "Motivos patrióticos"
(Samba-enredo composto por Nilton Batatinha e Zé Barriga Dura)
Liga da Defesa Nacional [363][368]
1946 Campeã Desfile Oficial "Alvorada do novo mundo"
(Samba-enredo composto por Ventura)
Lino Manuel dos Reis [369]

[363]

1947 Campeã Desfile Oficial "Honra ao mérito"
(Samba-enredo composto por Alvaiade e Ventura)
Euzébio e Lino Manuel dos Reis [370]

[363]

1948 3.º Lugar Desfile Oficial "Exaltação à redentora"
(Samba-enredo composto por Manacéia e Nilson)
Lino Manuel dos Reis [371][363]
1949 Vice-campeã Desfile Oficial "O despertar de um gigante"
(Samba-enredo composto por Manacéia)
Lino Manuel dos Reis [372][363]
1950 Vice-campeã ÚNICO "Riquezas do Brasil"
(Samba-enredo composto por Aniceto da Portela e Manacéia)
Lino Manuel dos Reis [363][373]
1951 Campeã Grupo 1 "A volta do filho pródigo"
(Samba-enredo composto por Josias e Chatim)
Lino Manuel dos Reis [374]

[363]

1952 Resultado não divulgado Grupo 1 "Brasil de ontem"
(Samba-enredo composto por Manacéia)
Lino Manuel dos Reis [363][375]
1953 Campeã Grupo 1 "Seis datas magnas"
(Samba-enredo composto por Altair Prego e Candeia)
Lino Manuel dos Reis [376]

[363]

1954 4.º Lugar Grupo 1 "São Paulo quatrocentão"
(Samba-enredo composto por Picolino e Waldir 59)
Lino Manuel dos Reis [377][363]
1955 3.º Lugar Grupo 1 "Uma festa junina no mês de fevereiro"
(Samba-enredo composto por Candeia e Waldir 59)
Armando Santos [378][363]
1956 Vice-campeã Grupo 1 "Riquezas do Brasil ou Gigante pela própria natureza"
(Samba-enredo composto por Candeia e Waldir 59)
Lino Manuel dos Reis [379][363]
1957 Campeã Grupo 1 "Legados de D. João VI"
(Samba-enredo composto por Candeia, Picolino, e Waldir 59)
Comissão de Carnaval
(Candeia, Djalma Vogue e Joacir)
[380]

[363]

1958 Campeã Grupo 1 "Vultos e efemérides do Brasil"
(Samba-enredo composto por Jorge Porqueiro e Simeão)
Djalma Vogue [381]

[363]

1959 Campeã Grupo 1 "Brasil, pantheon de glórias"
(Samba-enredo composto por Bubu, Candeia, Casquinha, Picolino e Waldir 59)
Djalma Vogue [382]

[363]

1960 Campeã Grupo 1 "Rio, capital eterna do samba ou Rio, cidade eterna"
(Samba-enredo composto por Walter Rosa)
Djalma Vogue [383]

[363]

1961 3.º Lugar Grupo 1 "Jóias das lendas brasileiras"
(Samba-enredo composto por Walter Rosa)
Djalma Vogue [384][363]
1962 Campeã Grupo 1 "Rugendas (Viagens pitorescas através do Brasil)"
(Samba-enredo composto por Batatinha, Carlos Elias e Marques Balbino e Zé Keti)
Nelson de Andrade [385]

[363]

1963 4.º Lugar Grupo 1 "Barão de Mauá e suas realizações"
(Samba-enredo composto por Antonio Alves e Walter Rosa)
Comissão de Carnaval
(Finfas, Nilton, Oreba e Peres)
[386][363]
1964 Campeã Grupo 1 "O segundo casamento de D. Pedro I"
(Samba-enredo composto por Antônio Alves e Marques Balbino)
Nelson de Andrade [387]

[363]

1965 3.º Lugar Grupo 1 "Histórias e tradições do Rio quatrocentão"
(Samba-enredo composto por Candeia e Waldir 59)
Nelson de Andrade [388][363]
1966 Campeã Grupo 1 "Memórias de um sargento de milícias"
(Samba-enredo composto por Paulinho da Viola)
Nelson de Andrade [389]

[363]

1967 6.º Lugar Grupo 1 "Tal dia é o batizado"
(Samba-enredo composto por Catoni, Jabolô e Valtenir)
Comissão de Carnaval
(Juvenal Portela, Laurênio e Nelson de Andrade)
[390][363]
1968 4.º Lugar Grupo 1 "O tronco do ipê"
(Samba-enredo composto por Cabana)
João Pacheco [391][363]
1969 3.º Lugar Grupo 1 "Treze naus"
(Samba-enredo composto por Ary do Cavaco e Rubens)
Clóvis Bornay [392][363]
1970 Campeã Grupo 1 "Lendas e mistérios da Amazônia"
(Samba-enredo composto por Catoni, Jabolô e Waltenir)
Clóvis Bornay e Arnaldo Pederneiras [393]

[363]

1971 Vice-campeã Grupo 1 "A Lapa em três tempos"
(Samba-enredo composto por Ary do Cavaco e Rubens)
Arnaldo Pederneiras [394][363]
1972 3.º Lugar Grupo 1 "Ilu Ayê"
(Samba-enredo composto por Cabana e Norival Reis)
Comissão de Carnaval
(Candeia, Edson Carneiro, Hiran Araújo, Raimundo de Souza)
[395][363]
1973 4.º Lugar Grupo 1 "Pasárgada, o amigo do rei"
(Samba-enredo composto por David Corrêa)
Hiran Araújo [396][363]
1974 Vice-campeã Grupo 1 "O mundo melhor de Pixinguinha"
(Samba-enredo composto por Evaldo Gouveia, Jair Amorim e Velha)
Hiran Araújo e Cláudio Pinheiro [397][363]
1975 5.º Lugar Grupo 1 "Macunaíma, herói de nossa gente"
(Samba-enredo composto por David Corrêa e Norival Reis)
Hiran Araújo e Departamento Cultural (enredo);
Carlos Sorensen e Ciro del Nero (alegorias e fantasias)
[398][363]
1976 4.º Lugar Grupo 1 "O homem do pacoval"
(Samba-enredo composto por Noca da Portela, Colombo e Edir)
Hiran Araújo e Maurício Assis (enredo); Yarema Ostrower (alegorias e fantasias) [399][363]
1977 Vice-campeã Grupo 1 "Festa da aclamação"
(Samba-enredo composto por Catoni, Dedé da Portela, Jabolô e Waltenir)
Hiran Araújo e Arnaldo Pederneiras (enredo);
Lícia Lacerda e Rosa Magalhães (alegorias e fantasias)
[400][363]
1978 5.º Lugar Grupo 1 "Mulher à brasileira"
(Samba-enredo composto por Evaldo Gouveia e Jair Amorim)
Hiran Araújo e Departamento Cultural (enredo);
Lícia Lacerda e Rosa Magalhães (alegorias e fantasias)
[401][363]
1979 3.º Lugar Grupo 1A "Incrível, fantástico, extraordinário"
(Samba-enredo composto por David Corrêa, J. Rodrigues e Tião Nascimento)
Viriato Ferreira [402][363]
1980 Campeã Grupo 1A "Hoje tem marmelada?"
(Samba-enredo composto por David Corrêa, Jorge Macedo e Norival Reis)
Viriato Ferreira [403]

[363]

1981 3.º Lugar Grupo 1A "Das maravilhas do mar, fez-se o esplendor de uma noite"
(Samba-enredo composto por David Corrêa e Jorge Macedo)
Viriato Ferreira [404][363]
1982 Vice-campeã Grupo 1A "Meu Brasil brasileiro"
(Samba-enredo composto por David Corrêa e Jorge Macedo)
Edmundo Braga e Paulino Espírito Santo [405][363]
1983 Vice-campeã Grupo 1A "A ressurreição das coroas - Reisado, reino e reinado"
(Samba-enredo composto por Hilton Veneno e Mazinho da Piedade)
Edmundo Braga e Paulino Espírito Santo [406][363]
1984 Campeã Grupo 1A

(Domingo)

"Contos de areia"
(Samba-enredo composto por Dedé da Portela e Norival Reis)
Edmundo Braga e Paulino Espírito Santo [407][363][408]
Vice-campeã Supercampeonato
1985 4.º Lugar Grupo 1A "Recordar é viver"
(Samba-enredo composto por Edir, J. Rocha, Noca da Portela e Poly)
Alexandre Louzada [409][363]
1986 4.º Lugar Grupo 1A "Morfeu no carnaval, a utopia brasileira"
(Samba-enredo composto por Ary do Cavaco, Carlito Cavalcante, Nilson Melodia, Paulinho e Vanderlei)
Alexandre Louzada [410][363]
1987 3.º Lugar Grupo 1 "Adelaide, a pomba da paz"
(Samba-enredo composto por Arizão, Carlinhos Madureira, Isaac, Mauro Silva e Neném)
Geraldo Cavalcanti [411][363]
1988 5.º Lugar Grupo 1 "Na lenda carioca, os sonhos do vice-rei"
(Samba-enredo composto por Carlinhos Madureira, Isaac, Luizinho, Mauro Silva e Neném)
Geraldo Cavalcanti [412][363]
1989 6.º Lugar Grupo 1 "Achado não é roubado"
(Samba-enredo composto por Carlinhos Madureira, Mauro Silva e Neném)
Sílvio Cunha [363][413]
1990 10.º Lugar Grupo Especial "É de ouro e prata esse chão"
(Samba-enredo composto por Cila da Portela, Juan Espanhol e Sylvio Paulo)
Sílvio Cunha [414][363]
1991 6.º Lugar Grupo Especial "Tributo à vaidade"
(Samba-enredo composto por Café da Portela, Carlinhos Madureira e Iran Silva)
Sílvio Cunha [415][363]
1992 5.º Lugar Grupo Especial "Todo o azul que o azul tem"
(Samba-enredo composto por Ary do Cavaco, Café da Portela e Carlinhos Madureira)
Sílvio Cunha [416][363]
1993 10.º Lugar Grupo Especial "Cerimônia de casamento"
(Samba-enredo composto por Cláudio Russo, Jorginho Estrela Negra e Wilson Cruz)
Mário Monteiro [417][363]
1994 7.º Lugar Grupo Especial "Quando o samba era samba"
(Samba-enredo composto por Cláudio Russo, Wilson Cruz e Zé Luiz)
José Félix [418][363]
1995 Vice-campeã Grupo Especial "Gosto que me enrosco"
(Samba-enredo composto por Colombo, Gelson e Noca da Portela)
José Félix [419][363]
1996 8.º Lugar Grupo Especial "Essa gente bronzeada mostra seu valor"
(Samba-enredo composto por Carlinhos Careca, Jorginho Don, Picolé da Portela e Renatinho do Sambola)
José Félix [420][363]
1997 8.º Lugar Grupo Especial "Linda, eternamente Olinda"
(Samba-enredo composto por Doutor, Eli Penteado, Renato Valle e Tonico da Portela)
Ilvamar Magalhães [421][363]
1998 4.º Lugar Grupo Especial "Os olhos da noite"
(Samba-enredo composto por Celino Dias, Colombo, Darcy Maravilha, J. Rocha e Noca da Portela)
Ilvamar Magalhães [422][363]
1999 8.º Lugar Grupo Especial "De volta aos caminhos de Minas Gerais"
(Samba-enredo composto por Colombo, Darcy Maravilha, J. Rocha e Noca da Portela)
José Félix [423][363]
2000 10.º Lugar Grupo Especial "Trabalhadores do Brasil, a época de Getúlio Vargas"
(Samba-enredo composto por Ailton Damião, Amilton Damião, Edinho Leal, Edynel e Zezé do Pandeiro)
José Félix [424][363]
2001 10.º Lugar Grupo Especial "Querer é poder"
(Samba-enredo composto por Flávio Bororó, Paulo Aparício, Wagner Alves e Zeca Sereno)
Alexandre Louzada [425][363]
2002 8.º Lugar Grupo Especial "Amazonas, esse desconhecido. Delírios e verdade do eldorado verde"
(Samba-enredo composto por David Corrêa, Grillo e Naldo)
Alexandre Louzada [426][363]
2003 8.º Lugar Grupo Especial "Ontem, hoje e sempre Cinelândia - o samba entra em cena na Broadway brasileira"
(Samba-enredo composto por Alexandre Fernandes, Caixa d'Água, Lílian Martins, Júlio Alves)
Alexandre Louzada [427][363]
2004 7.º Lugar Grupo Especial "Lendas e mistérios da Amazônia"
(Reedição do enredo de 1970)
(Samba-enredo composto por Catoni, Jabolô e Valtenir)
Jorge Freitas [428][363]
2005 13.º Lugar Grupo Especial "Nós podemos: Oito ideias para mudar o mundo!"
(Samba-enredo composto por Darcy Maravilha, J. Rocha, Noca da Portela e Noquinha)
Amarildo de Mello, Nelson Ricardo e Orlando Júnior [429][363]
2006 7.º Lugar Grupo Especial "Brasil marca a tua cara e mostra para o mundo"
(Samba-enredo composto por Ary do Cavaco, Júnior Scafura, Marquinhos de Oswaldo Cruz, Mauro Diniz e Naldo)
Amarildo de Mello e Ilvamar Magalhães [430][363]
2007 8.º Lugar Grupo Especial "Os deuses do Olimpo na terra do carnaval: Uma festa dos esportes, da saúde e da beleza"
(Samba-enredo composto por Celsinho de Andrade, Ciraninho e Diogo Nogueira)
Amarildo de Mello e Cahê Rodrigues [431][363]
2008 4.º Lugar Grupo Especial "Reconstruindo a natureza, recriando a vida: O Sonho vira realidade"
(Samba-enredo composto por Ary do Cavaco, Celsinho de Andrade, Ciraninho, Diogo Nogueira e Júnior Scafura)
Cahê Rodrigues [432][363]
2009 3.º Lugar Grupo Especial "E por falar em amor, onde anda você?"
(Samba-enredo composto por Ciraninho, Diogo Nogueira, Júnior Scafura, Luiz Carlos Máximo e Wanderley Monteiro)
Lane Santana e Jorge Caribé [433][363]
2010 9.º Lugar Grupo Especial "Derrubando fronteiras, conquistando a liberdade... Rio de paz, em estado de graça!"
(Samba-enredo composto por Ciraninho, Diogo Nogueira, Júnior Scafura, Naldo e Rafael dos Santos)
Amauri Santos e Alex de Oliveira [434][363]
2011 Não foi julgada Grupo Especial "Rio, azul da cor do mar"
(Samba-enredo composto por Júnior Scafura, Luiz Carlos Máximo, Gilsinho, Naldo e Wanderley Monteiro)
Roberto Szaniecki [435][363]
2012 6.º Lugar Grupo Especial "...E o povo na rua cantando... É feito uma reza, um ritual... "
(Samba-enredo composto por Luiz Carlos Máximo, Naldo, Toninho Nascimento e Wanderley Monteiro)
Paulo Menezes [436][363]
2013 7.º Lugar Grupo Especial "Madureira... Onde o meu coração se deixou levar"
(Samba-enredo composto por André do Posto 7, Luiz Carlos Máximo, Toninho Nascimento e Wanderley Monteiro)
Paulo Menezes [437][363]
2014 3.º Lugar Grupo Especial "Um Rio de mar a mar: Do Valongo à glória de São Sebastião"
(Samba-enredo composto por Edson Alves, J.Amaral, Luiz Carlos Máximo, Toninho Nascimento e Waguinho)
Alexandre Louzada [438][363]
2015 5.º Lugar Grupo Especial "ImagináRIO, 450 janeiros de uma cidade surreal"
(Samba-enredo composto por Celso Lopes, Charlles André, Noca da Portela, Vinicius Ferreira e Xandy Azevedo)
Alexandre Louzada [439][363]
2016 3.º Lugar Grupo Especial "No voo da águia, uma viagem sem fim..."
(Samba-enredo composto por Dimenor e Edmar Jr., Elson Ramires, Lopita 77, Samir Trindade e Wanderley Monteiro)
Paulo Barros [440][363]
2017 Campeã Grupo Especial "Quem nunca sentiu o corpo arrepiar ao ver esse rio passar?"
(Samba-enredo composto por Samir Trindade, Elson Ramires, Neyzinho do Cavaco, Paulo Lolita 77, Beto Rocha, Girão e J.Sales)
Paulo Barros [441]
2018 4.º Lugar Grupo Especial "De repente de lá pra cá e "dirrepente" daqui para lá"

(Samba-enredo Composto por Samir Trindade, Elson Ramires, Neyzinho do Cavaco, Paulo Lopita 77, Beto Rocha, Girão e J. Sales)

Rosa Magalhães [442]
2019 4.º Lugar Grupo Especial "Na Madureira moderníssima, hei sempre de ouvir cantar uma sabiá"

(Samba-enredo composto por Jorge do Batuke, Valtinho Botafogo, Rogério Lobo, Beto Aquino, Claudinho Oliveira, José Carlos, Zé Miranda, D’Sousa e Araguaci)

Rosa Magalhães [443][444]
2020 7.º Lugar Grupo Especial "Guajupiá, Terra sem males"

(Samba-enredo composto por Valtinho Botafogo, Rogério Lobo, José Carlos, Zé Miranda, Beto Aquino, Pecê Ribeiro, D´Sousa e Araguaci)

Renato Lage e Márcia Lage [445]
Inicialmente adiados para o mês de julho, os desfiles do Carnaval 2021 foram cancelados devido a pandemia de Covid-19 [446]
2022 5.º Lugar Grupo Especial "Igi Osè Baobá"

(Samba-enredo composto por Wanderley Monteiro, Vinicius Ferreira, Rafael Gigante, Bira, Edmar Jr, Paulo Borges e André do Posto 7)

Renato Lage e Márcia Lage [447]
2023 Grupo Especial “O azul que vem do infinito”

(Samba-enredo composto por Wanderley Monteiro, Vinicius Ferreira, Rafael Gigante, Edmar Jr, Bira e Marcelāo)

Renato Lage e Márcia Lage [448][449]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Títulos da Portela
Divisão Títulos Carnavais
WikiCup Trophy Gold.png Primeira Divisão 22 1935, 1939, 1941, 1942, 1943, 1944, 1945, 1946, 1947, 1951, 1953, 1957, 1958, 1959, 1960, 1962, 1964, 1966, 1970, 1980, 1984 e 2017[nota 4]

Premiações[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Prêmios recebidos pela Portela

A Portela tem uma vasta lista de premiações recebidas ao longo de sua história. A escola é uma das maiores vencedoras do prêmio Estandarte de Ouro, considerado o "óscar do carnaval carioca". Também conquistou diversos outros prêmios como Tamborim de Ouro; S@mba-Net; Estrela do Carnaval; Troféu SRzd; Gato de Prata; Prêmio Plumas & Paetês; Troféu Tupi; entre outros. Em 2001, a escola foi condecorada com a Ordem do Mérito Cultural.

Segmentos[editar | editar código-fonte]

Presidentes[editar | editar código-fonte]

Nome Mandato Ref.
Benício Alberto dos Santos 1932 - 1933 [450][348]
Armando Passos 1934 - 1935 [450][352]
Nicanor Lopes 1936 - 1937 [450][356]
Alberto Machado 1938 - 1939 [450][360]
Sr. Antônio 1940 - 1941 [450]
Benício Alberto dos Santos 1942 - 1947 [450][370]
Antenor dos Santos 1948 - 1950 [450][371]
Armando Santos 1951 - 1955 [450][378]
Armando Santos 1956 - 1957 [450][380]
João ("Calça Curta") 1958 - 1959 [450]
Lino Manuel dos Reis 1960 - 1961 [450]
Nelson de Andrade 1962 - 1966 [450][389]
Caetano Piloto 1967 - 1971 [450][390]
Carlinhos Maracanã 1972 - 1994 [450][395]
Luiz Carlos Scafura 1995 - 1997 [450][421]
Paulo Miranda 1998 - 1999 [450][423]
Carlinhos Maracanã 2000 - 2004 [450][428]
Nilo Mendes Figueiredo 2004 - 2007 [243][451]
2007 - 2010
2010 - 2013
Serginho Procópio 2013 - 2016 [452][453]
Marcos Falcon 05/2016 - 09/2016 [289]
Luis Carlos Magalhães 2016 - 2019 [454][455]
2019 - 2022
Fábio Pavão 2022 - presente [345]

Vice-presidentes[editar | editar código-fonte]

Nome Período Referências
Marcos Falcon 2013 - 2016 [452][453]
Luis Carlos Magalhães 05/2016 - 09/2016 [289]
Fábio Pavão 2016 - 2022 [454][455]
Júnior Escafura 2022 - presente [345]

Presidentes de honra[editar | editar código-fonte]

Nome Período Referências
Natal da Portela
(in memoriam)
1976 - 2013 [456]
Monarco 2013 - 2022 [456]
Tia Surica 2022 - presente [345]

Intérpretes[editar | editar código-fonte]

Intérprete oficial Carnavais Referências
Abílio Martins 1964 - 1965 [457]
Catoni, Tia Surica e Maninho 1966 [389]
Catoni 1967 - 1968 [390][391]
Silvinho da Portela 1969 [458]
Marcos Moran e Silvinho da Portela 1970 [458][459][460]
Silvinho da Portela 1971 - 1972 [458]
David Corrêa 1973 [461][462]
Silvinho da Portela 1974 [458]
David Corrêa, Silvinho da Portela, Clara Nunes e Candeia 1975 [458][461][463]
Silvinho da Portela 1976 - 1978 [458]
David Corrêa e Silvinho da Portela 1979 - 1982 [458][461]
Silvinho da Portela 1983 - 1986 [458]
Dedé da Portela 1987 - 1994 [464]
Rixxah 1995 - 1997 [465]
Rogerinho 1998 - 1999 [170]
Gera 2000 - 2004 [178]
Bruno Ribas 2005 [466]
Gilsinho 2006 - 2013 [467]
Wantuir 2014 [468]
Wantuir e Wander Pires 2015 [468][469]
Wantuir e Gilsinho 2016 [467][468]
Gilsinho 2017 - presente [467]

Comissão de frente[editar | editar código-fonte]

Coreógrafo(a) Carnavais Referência
Ângelo Silva Bretas 1990 - 1992 [414][416]
Galo 1993 [417]
Jerônymo Patrocínio 1994 - 1995 [418][419]
Gabriel Cortes 1996 [420]
Luiz Monteiro 1997 - 1999 [421][423]
Jorge 2000 [424][470]
Gabriel Cortez 2001 - 2003 [425][427]
Mariza Estrela 2004 [428][471]
Alice Arja 2005 [429][472]
Jerônymo Patrocínio 2006 [430][473]
Jorge Teixeira 2007 - 2009 [194]
Henrique Talmah 2010 [239]
Márcio Moura 2011 - 2013 [434][437]
Ghislaine Cavalcanti 2014 - 2016 [438][284]
Marcelo Sandryni e Roberta Nogueira 2016 [284][474]
Leo Senna e Kelly Siqueira 2017 [294]
Sergio Lobato 2018 [307]
Carlinhos de Jesus 2019 - 2020 [317]
Leo Senna e Kelly Siqueira 2022 - presente [333]

Mestre-sala e Porta-bandeira[editar | editar código-fonte]

Primeiro Casal[editar | editar código-fonte]

Casal Carnavais Referência
Manuel Bam-Bam-Bam e Dodô da Portela 1934 - 1947 [352][475]
Antônio David e Alzira 1948 [371]
Manuel Bam-Bam-Bam e Dodô da Portela 1949 - 1953 [372][376]
Ari e Edna 1954 [377]
Manuel Bam-Bam-Bam e Dodô da Portela 1955 - 1956 [378][379]
Benício e Vilma Nascimento 1957 - 1960 [380][383]
Ari e Vilma Nascimento 1961 [384]
Benício e Vilma Nascimento 1962 - 1968 [391][385]
Zequinha e Irene 1969 - 1971 [392][394]
Bagdá e Irene 1972 - 1976 [395][399]
Benício e Vilma Nascimento 1978 - 1979 [400][402]
Mauricinho e Eni 1980 - 1981 [403]
Átila e Eni 1982 [405]
Átila e Andréia Machado 1983 [406]
Paulo Roberto e Regina 1984 [407]
Cizinho e Sandra 1985 [409]
Cizinho e Gisele 1986 - 1987 [410][411]
Tatu e Gisele 1988 - 1991 [412][415]
Edson e Márcia 1992 - 1993 [416]
Jerônymo Patrocínio e Neide 1994 [418]
Jerônymo Patrocínio e Andréia Machado 1995 - 1996 [419][476]
Alexandre e Babi 1997 [421][477]
Marcelinho e Rute Alves 1998 - 2000 [424][422]
Marcelinho e Andreia 2001 [425][478]
Fabrício Pires e Cristiane Caldas 2002 - 2004 [201]
Paulo Roberto e Andréa Neves 2005 [429][472]
Diego Falcão e Andréia Machado 2006 [430][473]
Diego Falcão e Alessandra Bessa 2007 - 2008 [431][432]
Fabrício Pires e Danielle Nascimento 2009 [233]
Rogerinho Dornelles e Lucinha Nobre 2010 - 2012 [240]
Robson Sensação e Ana Paula 2013 [437]
Diogo Jesus e Danielle Nascimento 2014 [438]
Alex Marcelino e Danielle Nascimento 2015 - 2017 [439]
Marlon Lamar e Lucinha Nobre 2018 - presente [306]

Segundo Casal[editar | editar código-fonte]

Casal Carnavais Referência
Russo e Glória 1988-1991
Marcelo Alves da Mota e Andrea Alves da Mota 1995
Dionízio Mendes e Gizelle 1997
Marcio e Gizelle 1998
Cleber e Daiane Silva da Costa 1999
Marcelo e Daiane Silva da Costa 2000
Márcio Guedes da Costa e Fernanda Silva da Costa 2001
Rafael e Vanessa Ferreira 2002
Luís Fernando dos Santos Santana e Priscila Rosa B. Chaves 2003
Alex Pedreira e Selma de Castro Almeida 2004
Diego Falcão e Andréa Machado 2005
Roberto Vinícius e Alessandra Bessa 2006
Jéferson Souza e Kátia Paz 2007 - 2012
Yuri Souza e Camyllinha Nascimento 2020
Emanuel Lima e Camyllinha Nascimento 2022 - presente

Terceiro Casal[editar | editar código-fonte]

Casal Carnavais Referência
Diogo Conceição (Diogo Fran) e Jeanne Conceição 2010 - 2012
Emanuel Lima e Rosilane Queiroz 2020
Vinícius Jesus e Rosilane Queiroz 2022 - presente

Bateria[editar | editar código-fonte]

A bateria da Portela é denominada "Tabajara do Samba", e tem como característica principal o toque do surdo de terceira, inventado por Sula na década de 1940; e o toque das caixas com uma rufada peculiar. Foi uma das baterias mais pesadas do carnaval carioca e contava com um grande número de surdos de primeira, segunda e terceira. Com o passar do tempo, a escola mudou essa característica para se adaptar ao andamento mais rápido.[479]

Mestres[editar | editar código-fonte]

Diretor de bateria Carnavais Referência
Mestre Betinho 1932 - 1962 [385][479]
Mestres Oscar, Alcides e Wilson 1963 [386]
Mestre Jaburu 1964 [387]
Mestre Oscar 1965 - 1966 [389][388]
Mestre André 1967 [390]
Mestre Betinho 1968 - 1970 [391][393]
Mestre Cinco 1972 - 1975 [395][398]
Mestres Cinco e Marçal 1976 [399]
Mestre Waldemiro 1977 [400]
Mestres Bombeiro, Cinco,
Marçal e Quincas
1978 [401]
Mestres Cinco e Quincas 1979 - 1981 [402][403]
Mestre Marçal 1982 - 1986 [406][410]
Mestre Timbó 1987 - 1994 [418][411]
Mestre Mug da Portela 1995 [419][476]
Mestres Mug da Portela
e Paulinho Botelho
1996 [420]
Paulinho Botelho 1997 [421][477]
Mestre Mug da Portela 1998 - 2002 [422][426]
Mestre Carlinhos Catanha 2003 [427][480]
Mestre Mug da Portela 2004 [428][471]
Marçalzinho 2005 [429][472]
Mestre Nilo Sérgio 2006 - presente [214]

Rainhas[editar | editar código-fonte]

Rainha de bateria Carnavais Referência
Caroline Dantas 1995 [153]
Nilce Fran 1996 [160]
Edicléia das Neves 1997 - 2004 [481]
Valéria Valenssa 2005 [482]
Adriana Bombom 2006 - 2008 [482]
Luma de Oliveira 2009 [232]
Juliana Portela 2010 [241]
Sheron Menezzes 2011 - 2012 [244]
Patrícia Nery 2013 - 2016 [260]
Bianca Monteiro 2017 - presente [293]

Madrinhas[editar | editar código-fonte]

Madrinha de bateria Carnavais Referência
Luíza Brunet 1986 - 1987 [241][483]
1989 - 1994
Nega Pelé 1995 [484]
Nilce Fran 1997 [485]
Adriane Galisteu 2000 - 2003 [486]
Dodô da Portela 2004 [197]

Direção de Carnaval[editar | editar código-fonte]

Diretor de carnaval Carnavais Referência
Lino Manuel dos Reis 1963 [386]
Nelson de Andrade 1964 - 1967 [390][387]
Clóvis Bornay 1969 [392]
Paulette Silva 1974 [397]
Paulo Miranda 1995 - 2003 [419][427]
Marcos Aurélio Fernandes 2004 - 2005 [428][429]
Paulinho do Ouro 2006 [430][473]
Comissão de carnaval 2007 - 2011 [431][435]
Alex Fab e Júnior Escafura 2012 - 2013 [437][436]
Luiz Carlos Bruno 2014 - 2016 [438][440][487]
Paulo Barros, Fábio Pavão, Moisés Carvalho e Claudinho Portela 2017
Marco Aurélio Fernandes, Claudinho Portela, Fabio Pavão e Junior Schall 2018 - 2019 [488]
Marco Aurélio Fernandes, Claudinho Portela, Jr. Scafura e Higor Machado 2020 - presente [489]

Direção de Harmonia[editar | editar código-fonte]

Diretor de harmonia Carnavais Referência
Ventura 1965 [388]
Jaburu 1967 [390]
Waldir 59 1969 [392]
Euzébio do Nascimento 1972 [395]
Waldir 59 1973 - 1974 [396][397]
Paulo Miranda 1980 - 1981 [403][404]
Nilton Batatinha 1982 [405]
Ismael 1986 - 1988 [410][412]
Djalma Vieira Silva 1995 - 1999 [423][419]
Arlete Cordeiro 2000 [424][470]
Mario Moraes 2001 - 2004 [428][425]
Chope 2005 [429][472]
Rômulo Araújo 2006 [430]
Alex Fab e Marcelo Jacob 2007 - 2008 [431][432]
Alex Fab, Júnior Scafura e Marcelo Jacob 2009 - 2011 [433][435]
Marcelo Jacob 2012 - 2013 [437][436]
Jorge Ipanema e Luiz Carlos Bruno 2014 [438]
Jorge Pitanga, Leandro Germano,
Luiz Carlos Bruno e Washington Jorge
2015 [439]
Jeronymo, Leonardo Brandão,
Nilce Fran, Tavinho Novello e Valci Pelé
2016 [490]
Chope, Sérvolo Jorge, Jorge Barbosa, Marcio Emerson, Nilce Fran, Valter Moura, Leonardo Brandão 2017 - presente

Referências

  1. a b c d e «Resultados - Sambas - Histórico». Site Sambario Carnaval. Consultado em 8 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2017 
  2. a b «Dados Básicos». Site Galeria do Samba. Consultado em 8 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017 
  3. «Oswaldo Cruz». Site Portal Geo Rio. Consultado em 8 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017 
  4. &area=088 «Madureira» Verifique valor |url= (ajuda). Site Portal Geo Rio. Consultado em 8 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017 
  5. «Espaço Aberto - A PRIMEIRA SUPER CAMPEÃ DO CARNAVAL CARIOCA.». Galeria do Samba - As escolas de samba do Rio de Janeiro (em inglês). Consultado em 22 de maio de 2020 
  6. a b c «Portela (G.R.E.S.)». Arquivado do original em 15 de junho de 2011 
  7. a b c Portela faz 88 anos na próxima segunda-feira
  8. Portela - Infoescola
  9. «LIESA - Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Alessandra Pirotelli/Camarote Brasil)». liesa.globo.com. Consultado em 23 de dezembro de 2019 
  10. «Portela: águia altaneira, maior campeã do carnaval carioca». Site O Globo. Consultado em 8 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 13 de julho de 2015 
  11. a b c d e f g «A Semente». Site oficial da Portela. Consultado em 8 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2017 
  12. Simas, Luiz Antonio (2012). Tantas páginas belas: Histórias da Portela 1.ª ed. Rio de Janeiro: Verso Brasil Editora. pp. 25–31. ISBN 978-85-62767-04-3 
  13. Baptista M. Vargens, João; Monte, Carlos (2001). A Velha Guarda da Portela 1.ª ed. Rio de Janeiro: Manati Produções Editoriais. pp. 19–38. ISBN 85-86218-10-3 
  14. Simas, Luiz Antonio (2012). Tantas páginas belas: Histórias da Portela 1.ª ed. Rio de Janeiro: Verso Brasil Editora. pp. 33–42. ISBN 978-85-62767-04-3 
  15. «Quem Fala de Nós Come Môsca e Baianinhas de Oswaldo Cruz». Site Portela Cultural. Consultado em 8 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017 
  16. «Oswaldo Cruz: berço da escola de samba Portela». Site Multirio. Consultado em 8 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017 
  17. a b «História da Portela». Site Portelamor. Consultado em 8 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 13 de novembro de 2016 
  18. «Portela - A maior campeã do Carnaval Carioca - Sambando.com» 
  19. «Portela: uma religião trajada de azul e branco». Site O Globo. Consultado em 8 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017 
  20. a b «Águias da Portela». Site Carnaval Interativo. Consultado em 8 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017 
  21. Lisboa, Salete; Loureiro, Marcelo (2013). Portela: 90 Anos de História/Years of History 1.ª ed. Rio de Janeiro: Sade Comunicação Social. p. 34 
  22. «Águias da Portela». Site do Jornal Extra. Consultado em 8 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017 
  23. «Águia Redentora». Site O Globo. Consultado em 8 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017 
  24. Lisboa, Salete; Loureiro, Marcelo (2013). Portela: 90 Anos de História/Years of History 1.ª ed. Rio de Janeiro: Sade Comunicação Social. p. 168 
  25. Cláudio Vieira, para o Portal Academia do Samba. «História do Carnaval - Capítulo 1 - Disputa começa no Terreiro - Pai-de-Santo inventa campeonato de sambas em 1929.». Consultado em 3 de junho de 2010 
  26. a b Nélson da Nóbrega Fernandes. Escolas de Samba: Sujeitos Celebrantes e Objetos Celebrados, pág. 69 (87 do e-book)
  27. a b Nélson da Nóbrega Fernandes. Escolas de Samba: Sujeitos Celebrantes e Objetos Celebrados, pág. 70 (88 do e-book)
  28. CARNAVAL RJ – As Escolas de Samba
  29. a b Cronologia do Carnaval - Revista Veja
  30. a b Desfile 1935
  31. Portela - Dicionário Cravo Albin de Música Popular Brasileira
  32. Desfile 1938
  33. Wenderson Silva, para Samba Rio Carnaval. «De Paulo da Portela à Nilo Figueiredo... Essa é a história da escola de samba mais brasileira, fazendo o voo com a Águia Altaneira! (Engenho da Rainha - 2011)». Consultado em 3 de junho de 2010 
  34. Nélson da Nóbrega Fernandes. Escolas de Samba: Sujeitos Celebrantes e Objetos Celebrados, pág. 115 (133 do e-book)
  35. Nélson da Nóbrega Fernandes. Escolas de Samba: Sujeitos Celebrantes e Objetos Celebrados, pág. 117 (135 do e-book)
  36. Nélson da Nóbrega Fernandes. Escolas de Samba: Sujeitos Celebrantes e Objetos Celebrados, págs. 117 a 120
  37. Desfile 1964
  38. a b Enredo 1970
  39. «Academia do Samba - Artigos». www.academiadosamba.com.br 
  40. a b c Hiram Araujo - Samba Rio Carnaval
  41. Enredo 1972
  42. «Portela, 1975 - Crônica - Jornal do Brasil». Jornal do Brasil: 5. 12 de fevereiro de 1975. Consultado em 8 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2020 
  43. «Portela: Macunaíma com todas as cores do arco-íris». O Globo. 12 de fevereiro de 1975. p. 6. Consultado em 22 de julho de 2019. Arquivado do original em 22 de julho de 2019 
  44. «Portela, 1975». www.gresportela.org.br. Consultado em 13 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2023 
  45. Gomyde Brasil 2015, p. 54.
  46. «Portela, 1976». www.gresportela.org.br. Consultado em 12 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2023 
  47. Gomyde Brasil 2015, p. 62.
  48. «Portela Redimida». O Globo. 3 de março de 1976. p. 7. Consultado em 22 de julho de 2019. Arquivado do original em 22 de julho de 2019 
  49. Reis, Thomas; Antan, Leonardo. «Os 115 anos de Natal, o anti-herói portelense». Carnavalize. Consultado em 12 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2023 
  50. «Portela, 1977». www.gresportela.org.br. Consultado em 10 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2023 
  51. «Portela: Uma aula não compreendida». Jornal do Brasil: 6. 23 de fevereiro de 1977. Consultado em 15 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2020 
  52. «Beija-Flor bicampeã. Portela fica em segundo. Durante a apuração, gritos, insultos, ataques e agressões». O Globo. 26 de fevereiro de 1977. p. 7. Consultado em 23 de julho de 2019. Arquivado do original em 23 de julho de 2019 
  53. «Beija-Flor saiu ao amanhecer no Desfile dos Campeões». O Globo. 28 de fevereiro de 1977. p. 11. Consultado em 4 de junho de 2021. Arquivado do original em 4 de junho de 2021 
  54. «1978: Beija-Flor baila no ar, entoa um canto de alegria e leva o tricampeonato». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 31 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 31 de outubro de 2017 
  55. «Portela, 1978». www.gresportela.org.br. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2023 
  56. «Portela: Mulher à brasileira, mas sem emoção». Jornal do Brasil: 4. 8 de fevereiro de 1978. Consultado em 27 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2020 
  57. «Beija-Flor, a vencedora, é tricampeã do carnaval». O Globo. 11 de fevereiro de 1978. p. 10. Consultado em 25 de julho de 2019. Arquivado do original em 25 de julho de 2019 
  58. «Portela, 1979». www.gresportela.org.br. Consultado em 6 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2023 
  59. «Portela, União da Ilha e Mocidade, as três favoritas». O Globo. 28 de fevereiro de 1979. p. 8. Consultado em 25 de julho de 2019. Arquivado do original em 25 de julho de 2019 
  60. «1979: O descobrimento do Brasil e da glória maior para a Mocidade Independente». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 19 de fevereiro de 2017 
  61. «Portela: A Avenida Arrepiada». Jornal do Brasil: 5. 28 de fevereiro de 1979. Consultado em 5 de julho de 2020. Cópia arquivada em 5 de julho de 2020 
  62. «Mocidade Independente, a campeã do carnaval». O Globo. 2 de março de 1979. p. 10. Consultado em 25 de julho de 2019. Arquivado do original em 25 de julho de 2019 
  63. a b «Perdeu o título, ganhou a história: A versão dos derrotados». Site do Jornal O Globo. Consultado em 15 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 2 de abril de 2017 
  64. «Portela, 1980». www.gresportela.org.br. Consultado em 6 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2023 
  65. «Portela e Beija-Flor, as favoritas». O Globo. 20 de fevereiro de 1980. p. 3. Consultado em 26 de julho de 2019. Arquivado do original em 26 de julho de 2019 
  66. «1980: Desfile épico, sambas históricos e três campeãs num ano de regulamento confuso». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 19 de fevereiro de 2017 
  67. «Portela, Beija-Flor e Imperatriz, as campeãs». O Globo. 22 de fevereiro de 1980. p. 8. Consultado em 26 de julho de 2019. Arquivado do original em 26 de julho de 2019 
  68. «Campeões do samba desfilam para 200 mil pessoas até as 7 da manhã». O Globo. 25 de fevereiro de 1980. p. 9. Consultado em 2 de junho de 2021. Arquivado do original em 2 de junho de 2021 
  69. «Relembre 20 sambas-enredos inesquecíveis que marcaram o Carnaval do Rio». Site UOL. Consultado em 31 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 11 de março de 2016 
  70. «Os maiores sambas de todos os tempos da última semana». Site Sambario Carnaval. Consultado em 30 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 9 de agosto de 2016 
  71. «100 sambas-enredo inesquecíveis». Site Na Avenida. Consultado em 31 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2016 
  72. «Portela em 1981». O Globo. 1 de março de 1981. p. 7. Consultado em 26 de julho de 2019. Arquivado do original em 26 de julho de 2019 
  73. «Portela, 1981». www.gresportela.org.br. Consultado em 5 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 5 de janeiro de 2023 
  74. «Portela: Madrugada sem Esplendor». Jornal do Brasil: 5. 4 de março de 1981. Consultado em 30 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2020 
  75. «1981: Só deu o imortal Lalá e a Imperatriz Leopoldinense brilhou no palco iluminado». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 25 de dezembro de 2017 
  76. «Quadro Coisas Nossas conta história do samba "Portela na Avenida"». EBC Rádios. 3 de março de 2021. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2023 
  77. Migão, Pedro (27 de junho de 2010). «Portela na Avenida, a História – por Paulo César Pinheiro». Ouro de Tolo. Consultado em 7 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2023 
  78. «Portela em 1982». O Globo. 21 de fevereiro de 1982. p. 8. Consultado em 29 de julho de 2019. Arquivado do original em 29 de julho de 2019 
  79. «Portela: Mesmo de rei a lacaio, um desfile para ganhar». Jornal do Brasil: 9. 24 de fevereiro de 1982. Consultado em 11 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2020 
  80. «Prêmio dá confiança maior a mestre-sala». Jornal do Brasil: 4. 25 de fevereiro de 1982. Consultado em 11 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2020 
  81. «Portela, 1982». www.gresportela.org.br. Consultado em 5 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 5 de janeiro de 2023 
  82. «1982: Bumbum, paticumbum, prugurundum ecoa no ar e Império contagia a Sapucaí». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 5 de maio de 2018 
  83. «O Estandarte do Povo é da Imperatriz». Jornal do Brasil: 1. 24 de fevereiro de 1982. Consultado em 11 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2020 
  84. «Átila e Eni, a vitória de um par portelense». Jornal do Brasil: 11. 24 de fevereiro de 1982. Consultado em 11 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2020 
  85. «Madureira em festa pára com a vitória de suas escolas». O Globo. 26 de fevereiro de 1982. p. 9. Consultado em 29 de julho de 2019. Arquivado do original em 29 de julho de 2019 
  86. «Madureira parou e cantou para festejar suas escolas». Jornal do Brasil: 9. 26 de fevereiro de 1982. Consultado em 11 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2020 
  87. «Desfile dos campeões leva público recorde à Sapucaí». O Globo. 1 de março de 1982. p. 11. Consultado em 29 de julho de 2019. Arquivado do original em 29 de julho de 2019 
  88. «Portela, 1983». www.gresportela.org.br. Consultado em 4 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2023 
  89. «Portela ganha o Estandarte do Povo». Jornal do Brasil. 16 de fevereiro de 1983. Consultado em 26 de janeiro de 2018 
  90. «Entrevista Messias Neiva». O Globo. 19 de fevereiro de 1983. p. 7. Consultado em 30 de julho de 2019. Arquivado do original em 30 de julho de 2019 
  91. «Samba de Terça – "A Grande Constelação das Estrelas Negras"». Pedro Migão – Ouro de Tolo. Consultado em 12 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  92. «Seis escolas saem com a Portela na festa do protesto». O Globo. 20 de fevereiro de 1983. p. 9. Consultado em 30 de julho de 2019. Arquivado do original em 30 de julho de 2019 
  93. «1983: Estrelas negras superam mãe baiana e índios do Xingu de forma bem polêmica…». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 24 de maio de 2017 
  94. «Sambódromo completa 30 anos em 2014: relembre momentos marcantes». O Dia. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 12 de agosto de 2018 
  95. «Títulos, polêmicas e histórias: lembre os 30 anos do Sambódromo do Rio». Portal G1. Consultado em 16 de junho de 2018. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  96. «Mangueira é campeã na inauguração do Sambódromo, palco definitivo do carnaval». O Globo. Consultado em 16 de junho de 2018. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2018 
  97. «Prefeito: Desfile das escolas de samba será mesmo em dois dias». acervo.oglobo.globo.com. O Globo. 17 de novembro de 1983. Consultado em 21 de junho de 2021. Arquivado do original em 21 de junho de 2021 
  98. «O que mudou no regulamento dos desfiles». O Globo. 4 de março de 1984. p. 2. Consultado em 31 de julho de 2019. Arquivado do original em 31 de julho de 2019 
  99. «Resultado 1984». Site Academia do Samba. Consultado em 17 de abril de 2018. Cópia arquivada em 27 de março de 2016 
  100. Rezende, Luiz Eduardo (7 de março de 1984). «Portela: Pouca imaginação na homenagem aos deuses». Jornal do Brasil: 10. Consultado em 26 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 26 de outubro de 2020 
  101. «Em 1984, Portela era campeã. E o Carnaval nunca mais foi o mesmo». Veja. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 7 de março de 2017 
  102. «Carnaval de 1984 – A Inauguração da Passarela do Samba». Site Sambario Carnaval. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 17 de março de 2017 
  103. «Portela, 1984». www.gresportela.org.br. Consultado em 3 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2023 
  104. «1984: O brilho de Portela e Mangueira na inauguração». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  105. «Mangueira confirma favoritismo e é campeã das campeãs». O Globo. 12 de março de 1984. p. 9. Consultado em 7 de agosto de 2019. Arquivado do original em 7 de agosto de 2019 
  106. «Mangueira derrota Portela no desfile das campeãs». Jornal do Brasil: 7. 12 de março de 1984. Consultado em 26 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 26 de outubro de 2020 
  107. «Sambódromo 30 anos: histórias do desfile da Portela de 1984». Site Carnavalesco. Consultado em 25 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 25 de agosto de 2018 
  108. «Relembre 20 sambas-enredos inesquecíveis que marcaram o Carnaval do Rio». Site UOL. Consultado em 31 de outubro de 2017. Cópia arquivada em 11 de março de 2016 
  109. a b «Portela desfila pensando na Tradição». O Globo. 16 de fevereiro de 1988. p. 3. Consultado em 13 de agosto de 2019. Arquivado do original em 13 de agosto de 2019 
  110. «Fundação da Tradição». www.academiadosamba.com.br. Consultado em 4 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2023 
  111. Bruno, Leonardo; Melo, Gustavo (18 de janeiro de 2012). «Portela tem sua história marcada por brigas e dissidências: a saída de Paulo, a Quilombo de Candeia e a Tradição». Extra. Consultado em 3 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2023 
  112. «Tradição». www.sambariocarnaval.com. Consultado em 3 de janeiro de 2023. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2023 
  113. «Ordem dos Desfiles 1985». Site Apoteose. Consultado em 20 de abril de 2018. Cópia arquivada em 20 de abril de 2018 
  114. «Resultado 1985 – Grupo 1». Site Academia do Samba. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2017 
  115. a b «1985: Polêmicas universais e uma Mocidade de outro planeta». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  116. «Portela, 1985». www.gresportela.org.br. Consultado em 31 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2022 
  117. «Portela, 1986». www.gresportela.org.br. Consultado em 31 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2022 
  118. «Portela, um desfile correto e bateria excepcional». O Globo. 12 de fevereiro de 1986. p. 6. Consultado em 8 de agosto de 2019. Arquivado do original em 8 de agosto de 2019 
  119. «1986: Tamborim e samba no pé sacudindo essa galera». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 3 de abril de 2016 
  120. «Portela: Uma águia pacifista». Jornal do Brasil: 16. 1 de março de 1987. Consultado em 12 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2021 
  121. «Portela, 1987». www.gresportela.org.br. Consultado em 31 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2022 
  122. «Portela em 1987». O Globo. 1 de março de 1987. p. 20. Consultado em 12 de agosto de 2019. Arquivado do original em 12 de agosto de 2019 
  123. «Portela: Pomba deve voltar a bater asas no sábado». Jornal do Brasil: 8. 4 de março de 1987. Consultado em 12 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2021 
  124. «1987: Equilíbrio incrível e bicampeonato injusto». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  125. «Portela: No romantismo, no amor e no sonho, os grandes trunfos da escola». O Globo. 14 de fevereiro de 1988. p. 9. Consultado em 13 de agosto de 2019. Arquivado do original em 13 de agosto de 2019 
  126. «Portela, 1988». www.gresportela.org.br. Consultado em 30 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2022 
  127. «Guerra das estrelas dá mais beleza à Passarela. Na Mocidade, uma briga à parte, após a saída de Monique Evans». O Globo. 16 de fevereiro de 1988. p. 10. Consultado em 13 de agosto de 2019. Arquivado do original em 13 de agosto de 2019 
  128. «Portela: Onde acontece tudo». Jornal do Brasil: 8. 14 de fevereiro de 1988. Consultado em 15 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2021 
  129. Andrade, Moacyr (17 de fevereiro de 1988). «Portela: Muita animação compensou o enredo confuso». Jornal do Brasil: 4. Consultado em 16 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2021 
  130. «1988: A Vila 'kizombou' e quem viu, viu!». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  131. «O vôo da águia fica adiado: Para portelenses, resultado foi justo». O Globo. 19 de fevereiro de 1988. p. 12. Consultado em 13 de agosto de 2019. Arquivado do original em 13 de agosto de 2019 
  132. «Tradição homenageará Tia Vicentina e virá com samba forte; Portela, a águia na cabeça; Império confia na criatividade». O Globo. 3 de fevereiro de 1989. p. 8, 9. Consultado em 14 de agosto de 2019. Arquivado do original em 14 de agosto de 2019 
  133. «Portela: Um retorno às raízes da escola». O Globo. 6 de fevereiro de 1989. p. 9. Consultado em 14 de agosto de 2019. Arquivado do original em 14 de agosto de 2019 
  134. «Portela, 1989». www.gresportela.org.br. Consultado em 30 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2022 
  135. «Portela não transmite animação». O Globo. 10 de fevereiro de 1989. p. 8, 9. Consultado em 14 de agosto de 2019. Arquivado do original em 14 de agosto de 2019 
  136. «1989: No ano que não terminou, foi a Imperatriz que levou». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  137. «Portela, 1990». www.gresportela.org.br. Consultado em 29 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2022 
  138. «1990: Mocidade virou o jogo e todo o povo aplaudiu». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  139. «Portela: Apresentação justifica falta de modéstia». Jornal do Brasil: 7. 13 de fevereiro de 1991. Consultado em 27 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2021 
  140. «1991: Mocidade navega rumo ao bicampeonato». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  141. «Portela, 1991». www.gresportela.org.br. Consultado em 29 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2022 
  142. «Portela, 1992». www.gresportela.org.br. Consultado em 29 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2022 
  143. «1992: A exibição inesquecivelmente desvairada da Estácio». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  144. «Beth Filipeck, a figurinista da Portela, poderá ter hoje sua noite de glória». O Globo. 21 de fevereiro de 1993. p. 8. Consultado em 21 de agosto de 2019. Arquivado do original em 21 de agosto de 2019 
  145. «1993: Na maior felicidade, Salgueiro explodiu a Sapucaí». Site Pedro Migão. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  146. «Portela: Águia voa baixa e frustra sonho dos portelenses». O Globo. 23 de fevereiro de 1993. p. 4. Consultado em 21 de agosto de 2019. Arquivado do original em 21 de agosto de 2019 
  147. «Portela: Tristeza de um casamento sem amor na avenida». Jornal do Brasil: 7. 23 de fevereiro de 1993. Consultado em 3 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2021 
  148. «Portela, 1993». www.gresportela.org.br. Consultado em 28 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 28 de dezembro de 2022 
  149. «Em 1993, 14 chefões do bicho foram condenados por formação de quadrilha». Acervo O Globo. Consultado em 27 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2022 
  150. «Portela, 1994». www.gresportela.org.br. Consultado em 28 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 28 de dezembro de 2022 
  151. «Portela: Escola enfrentou vários obstáculos para mostrar seu enredo na passarela». Jornal do Brasil: 8. 16 de fevereiro de 1994. Consultado em 5 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2021 
  152. «1994: O brilho da Imperatriz em meio ao grande equilíbrio». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  153. a b «Portela, um rio que volta a correr». O Globo. 28 de fevereiro de 1995. p. 5. Consultado em 10 de fevereiro de 2021. Arquivado do original em 10 de fevereiro de 2021 
  154. «Portela é 1ª a levantar a arquibancada». Folha de S.Paulo. Consultado em 21 de julho de 2018. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2016 
  155. «Imperatriz é bicampeã do carnaval. Escola verde e branca de Ramos ganha da Portela por uma diferença de apenas meio ponto». O Globo. 2 de março de 1995. p. 13. Consultado em 1 de setembro de 2019. Arquivado do original em 1 de setembro de 2019 
  156. «Madureira chorou e depois sorriu; E Paulinho da Viola não abriu o champanhe. Para compositor, samba está em segundo plano». O Globo. 2 de março de 1995. p. 15. Consultado em 1 de setembro de 2019. Arquivado do original em 1 de setembro de 2019 
  157. «1995: A doída derrota portelense para a Imperatriz». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  158. «Portela, 1995». www.gresportela.org.br. Consultado em 27 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2022 
  159. «Público consagra Portela durante o desfile das campeãs». O Globo. 6 de março de 1995. p. 5. Consultado em 1 de setembro de 2019. Arquivado do original em 1 de setembro de 2019 
  160. a b «Portela, 1995». www.gresportela.org.br. Consultado em 26 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2022 
  161. «Garota de Ipanema desfila na Portela; Mangueirense sai na Portela pela 2ª vez; Paulinho é lembrado, mesmo sem desfilar; Homenageados não aparecem no desfile». www1.folha.uol.com.br. Folha de S.Paulo. 20 de fevereiro de 1996. Consultado em 26 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 30 de junho de 2021 
  162. «Portela atrasa e Castor exige a perda de pontos. 'Banqueiro' de bicho telefona da cadeia várias vezes depois do desfile pressionando para que escola rival seja punida». O Globo. 20 de fevereiro de 1996. p. 5. Consultado em 9 de setembro de 2019. Arquivado do original em 9 de setembro de 2019 
  163. «Portela perde dois pontos por atraso». Folha de S.Paulo. Consultado em 15 de julho de 2018. Cópia arquivada em 15 de julho de 2018 
  164. «1996: O fim do reinado da Imperatriz e a explosão da Mocidade». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  165. «Portela, 1997». www.gresportela.org.br. Consultado em 23 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2022 
  166. «Correria abre 'buracos' em alas da Portela». Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de julho de 2018. Cópia arquivada em 14 de julho de 2018 
  167. «A águia se atrapalha no ritmo do frevo. Parte das fantasias não fica pronta e Portela tropeça em vários problemas com seus carros alegóricos». O Globo. 12 de fevereiro de 1997. p. 6. Consultado em 10 de setembro de 2019. Arquivado do original em 10 de setembro de 2019 
  168. «1997: Das trevas deu-se o big bang da Viradouro». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  169. a b «Morre Paulo Miranda, ex-presidente da Portela». O Dia. 13 de julho de 2021. Consultado em 27 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2022 
  170. a b «Rogerinho». Sambario Carnaval. Consultado em 17 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2022 
  171. «Portela, 1998». www.gresportela.org.br. Consultado em 22 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2022 
  172. «Portela: Simpatia da escola não supera o cansaço da platéia». O Globo. 24 de fevereiro de 1998. p. 12. Consultado em 11 de setembro de 2019. Arquivado do original em 11 de setembro de 2019 
  173. «1998: O polêmico empate entre Mangueira e Beija-Flor». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  174. «Portela: Marisa Monte defende o manto azul-e-branco». Jornal do Brasil: 6. 16 de fevereiro de 1999. Consultado em 23 de fevereiro de 2021. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2021 
  175. «Portela: Águia de Madureira não consegue levantar vôo. Num desfile que não cativou a platéia, azul e branco teve probelmas com o abre-alas, que ficou parado por cinco minutos». O Globo. 16 de fevereiro de 1999. p. 6. Consultado em 12 de setembro de 2019. Arquivado do original em 12 de setembro de 2019 
  176. «Portela, 1999». www.gresportela.org.br. Consultado em 22 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2022 
  177. «1999: A campeã que apenas os jurados viram». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  178. a b «Gera». Sambario Carnaval. Consultado em 17 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2022 
  179. «Prefeitura do Rio deu R$ 7 mi às 14 escolas do Grupo Especial». Folha de S.Paulo. Consultado em 2 de julho de 2018. Cópia arquivada em 2 de julho de 2018 
  180. «Portela: Garra portelense segura desfile fraco». O Globo. 7 de março de 2000. p. 6. Consultado em 13 de setembro de 2019. Arquivado do original em 13 de setembro de 2019 
  181. «Portela, 2000». www.gresportela.org.br. Consultado em 22 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2022 
  182. «2000: Na festa dos 500 anos, Imperatriz fatura o bicampeonato». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  183. «Portela, 2001». www.gresportela.org.br. Consultado em 21 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2022 
  184. «Natureza, poder e paz sob as asas da águia da Portela». Pelourinho. Consultado em 1 de julho de 2018. Arquivado do original em 22 de junho de 2016 
  185. «Portela: O vôo acanhado de uma águia renovada». O Globo. 27 de fevereiro de 2001. p. 9. Consultado em 16 de setembro de 2019. Arquivado do original em 16 de setembro de 2019 
  186. «2001: Beija-Flor sobra, mas 'perfeita' Imperatriz leva de novo». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  187. «Portela, 2002». www.gresportela.org.br. Consultado em 21 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 21 de dezembro de 2022 
  188. «2002: Tensão até a última nota e festa verde e rosa». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  189. «Portela: Um desfile para lavar a alma de Madureira». O Globo. 13 de fevereiro de 2002. p. 12. Consultado em 23 de setembro de 2019. Arquivado do original em 23 de setembro de 2019 
  190. a b Leiras, Daniela (29 de abril de 2003). «Quadra da Portela é invadida em protesto contra a atual presidência». O Globo. Arquivado do original em 8 de março de 2017 
  191. «Portela, 2003». www.gresportela.org.br. Consultado em 19 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 19 de dezembro de 2022 
  192. «Portela: Cinelândia em azul e branco. Sem o peso do favoritismo, a escola de Madureira fecha o primeiro dia de desfile empolgando». O Globo. 4 de março de 2003. p. 12. Consultado em 24 de setembro de 2019. Arquivado do original em 24 de setembro de 2019 
  193. «2003: Beija-Flor, a campeã dos jurados; no Acesso, teve até palavrão no ar». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  194. a b c d e «Comissões de Frente da Portela». Portela Web. 26 de fevereiro de 2021. Consultado em 15 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2022 
  195. «Inédita reedição de sambas causa polêmica no Rio». Portal Terra. Consultado em 23 de junho de 2018. Arquivado do original em 23 de junho de 2018 
  196. «Portela, 2004». www.gresportela.org.br. Consultado em 18 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2022 
  197. a b «Substituta de Adriana Galisteu na Portela é veterana de 83 anos». Perfil News. 1 de dezembro de 2003. Consultado em 26 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2022 
  198. «Última a desfilar, Portela arranca gritos de "É campeã!"». O Estado de S. Paulo. Consultado em 6 de maio de 2018. Arquivado do original em 30 de novembro de 2004 
  199. «Portela: A emoção volta em azul e branco. Escola desfila de dia e canta com orgulho samba antigo». O Globo. 24 de fevereiro de 2004. p. 4. Consultado em 25 de setembro de 2019. Arquivado do original em 25 de setembro de 2019 
  200. «2004: Surge Paulo Barros; Beija-Flor vence desfile equilibrado». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 24 de junho de 2017 
  201. a b c «Casais da Portela». Portela Web. 27 de fevereiro de 2021. Consultado em 15 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2022 
  202. Migão, Pedro (16 de novembro de 2010). «Samba de Terça: "Nós Podemos: Oito Idéias Para Mudar o Mundo"». Consultado em 18 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  203. «Incêndio destrói carro do abre-alas da Portela: Fogo no barracão consome acabamento em isopor, espuma e resina. Escola corre para refazer trabalho». O Globo. 7 de fevereiro de 2005. p. 12. Consultado em 7 de outubro de 2019. Arquivado do original em 7 de outubro de 2019 
  204. «Portela: O tombo da águia. Em desfile trágico, escola exibe ave-símbolo sem asas e carros com problemas». O Globo. 9 de fevereiro de 2005. p. 8. Consultado em 7 de outubro de 2019. Arquivado do original em 7 de outubro de 2019 
  205. «"A culpa é minha, assumo a responsabilidade", diz presidente da Portela». Folha de S.Paulo. Consultado em 22 de junho de 2018. Arquivado do original em 2 de abril de 2016 
  206. «Portela deixa dois carros e Velha Guarda na concentração». Folha de S.Paulo. Consultado em 22 de junho de 2018. Arquivado do original em 14 de novembro de 2011 
  207. «Portela barra velha guarda em desfile na Sapucaí». UOL. Consultado em 22 de junho de 2018. Arquivado do original em 6 de outubro de 2015 
  208. «Portela: Velha guarda é humilhada. Veteranos contrariam ordem da Liesa e reabrem o Sambódromo fechado antes da passagem deles». O Globo. 9 de fevereiro de 2005. p. 9. Consultado em 7 de outubro de 2019. Arquivado do original em 7 de outubro de 2019 
  209. «Portela, 2005». www.gresportela.org.br. Consultado em 18 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2022 
  210. «2005: Beija-Flor supera Tijuca para faturar o tricampeonato». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 24 de junho de 2017 
  211. «Livre do rebaixamento, Portela vibra com o pior resultado de sua história: Foliões comemoram penúltimo lugar e o triunfo sobre a rival Tradição». O Globo. 10 de fevereiro de 2005. p. 17. Consultado em 7 de outubro de 2019. Arquivado do original em 7 de outubro de 2019 
  212. «Beija-Flor chama Velha Guarda da Portela para desfile de sábado». UOL. Consultado em 22 de junho de 2018. Arquivado do original em 22 de junho de 2018 
  213. «Velha guarda da Portela entre as campeãs: Homenagem inédita no Sambódromo une veteranos da penúltima colocada aos da vencedora Beija-Flor». O Globo. 14 de fevereiro de 2005. p. 10. Consultado em 7 de outubro de 2019. Arquivado do original em 7 de outubro de 2019 
  214. a b «Nilo Sergio». Portela Web. 19 de março de 2021. Consultado em 15 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2022 
  215. «Morre no Rio carnavalesco da Portela». Perfil News. 8 de abril de 2005. Consultado em 15 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2022 
  216. «Com homenagem aos brasileiros, Portela encerra desfiles no Rio». Folha de S.Paulo. Consultado em 17 de junho de 2018. Arquivado do original em 7 de maio de 2006 
  217. «Portela encerra desfile sob chuva e mostra a cara do Brasil». UOL. Consultado em 17 de junho de 2018. Arquivado do original em 18 de fevereiro de 2007 
  218. «2006: Vila surpreende favoritas em briga apertada». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  219. Silva, Fábio (23 de março de 2006). «Cahe Rodrigues na Portela». Galeria do Samba. Consultado em 15 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2022 
  220. Silva, Fábio (14 de dezembro de 2006). «Andréa Machado é substituída na Portela». Galeria do Samba. Consultado em 15 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2022 
  221. «O Olimpo grego e o Olimpo da Portela unem-se na Marquês de Sapucaí». UOL. Consultado em 16 de junho de 2018. Arquivado do original em 8 de março de 2016 
  222. «Portela busca o pódio com o Pan; Porto da Pedra desfila Mandela». O Globo. 21 de fevereiro de 2007. p. 10. Consultado em 26 de outubro de 2019. Arquivado do original em 26 de outubro de 2019 
  223. «2007: Beija-Flor recupera título em ano de desfiles frios». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  224. Silva, Fábio (28 de março de 2007). «Amarildo de Mello pede demissão da Portela». Galeria do Samba. Consultado em 14 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2022 
  225. «Cahe fica e Amarildo sai da Portela». Extra. 29 de março de 2007. Consultado em 15 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2022 
  226. «Mistura de cores e muito movimento dão tom ao desfile da Portela». Portal G1. Consultado em 6 de maio de 2018. Arquivado do original em 7 de fevereiro de 2008 
  227. «Portela – Um grito de alerta para salvar o planeta: Dentro de enredo ecologicamente correto, tradição dá lugar à inovações». O Globo. 5 de fevereiro de 2008. p. 8. Consultado em 30 de outubro de 2019. Arquivado do original em 30 de outubro de 2019 
  228. «2008: Livre de acusações, Beija-Flor leva mais um caneco». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  229. «Salgueiro e Portela festejam volta por cima: Segundo e quarto lugares são comemorados como títulos, porque representam retorno ao desfile das campeãs; Mangueira, em décimo, quase desce; Dom João não deu sorte». O Globo. 7 de fevereiro de 2008. p. 14. Consultado em 30 de outubro de 2019. Arquivado do original em 30 de outubro de 2019 
  230. Silva, Fábio (13 de fevereiro de 2008). «Cahe Rodrigues é o novo carnavalesco da Grande Rio». Galeria do Samba. Consultado em 15 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2022 
  231. Silva, Fábio (1 de março de 2008). «Lane Santana e Jorge Caribé são os novos carnavalescos da Portela». Galeria do Samba. Consultado em 15 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2022 
  232. a b «Luma de Oliveira é a nova rainha de bateria da Portela». G1. 25 de novembro de 2008. Consultado em 15 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2022 
  233. a b «Presidente da Portela anuncia nome do novo casal de mestre-sala e porta-bandeira». SRzd. 27 de março de 2008. Consultado em 15 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 14 de dezembro de 2022 
  234. «Portela encerra desfile 'poético' na Sapucaí». Portal G1. Consultado em 3 de junho de 2018. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2009 
  235. «Portela desfila na Sapucaí viagem de amor da Europa a Madureira». O Globo. Consultado em 27 de fevereiro de 2009. Arquivado do original em 26 de fevereiro de 2009 
  236. «2009: Salgueiro bate tambor com força e quebra jejum». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  237. Silva, Fábio (23 de março de 2009). «Amauri Santos e Alex de Oliveira são os novos carnavalescos da Portela». Galeria do Samba. Consultado em 10 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2022 
  238. Bruno, Leonardo (17 de outubro de 2019). «Diogo Nogueira é campeão de samba pela quarta vez seguida na Portela». extra.globo.com. Extra. Consultado em 2 de junho de 2019. Cópia arquivada em 4 de julho de 2021 
  239. a b «Portela, 2010». www.gresportela.org.br. Consultado em 10 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2022 
  240. a b Silva, Fábio (24 de março de 2009). «Lucinha Nobre e Rogerinho formam o novo casal de mestre-sala e porta-bandeira da Portela». Galeria do Samba. Consultado em 10 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 10 de dezembro de 2022 
  241. a b c «Substituta de Luma de Oliveira é coroada na Portela». EGO. 10 de dezembro de 2009. Consultado em 4 de outubro de 2010. Arquivado do original em 3 de fevereiro de 2014 
  242. «2010: Tijuca revela segredos e finalmente vai além». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 22 de junho de 2017 
  243. a b Azevedo, Raphael (16 de maio de 2010). «A Portela reelegeu neste domingo Nilo Mendes Figueiredo para mais três anos à frente da presidência». www.quintaldosamba.com. Consultado em 20 de março de 2016. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2022 
  244. a b «Sheron Menezes é coroada rainha de bateria da Portela». EGO. 30 de outubro de 2010. Consultado em 30 de outubro de 2010. Arquivado do original em 10 de janeiro de 2013 
  245. a b «Portela, 2011». www.gresportela.org.br. Consultado em 9 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2022 
  246. «Incêndio atinge a Cidade do Samba, no Rio de Janeiro». Veja. Consultado em 27 de maio de 2018. Cópia arquivada em 27 de maio de 2018 
  247. «Incêndio atinge a Cidade do Samba no Rio». Portal G1. Consultado em 5 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2018 
  248. Vianna, Rodrigo (11 de fevereiro de 2011). «Após incêndio, Portela refaz fantasias para desfile sobre navegadores». G1. Consultado em 5 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2011 
  249. «Após incêndio, Liesa decide não rebaixar no grupo especial do RJ». Portal G1. Consultado em 5 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  250. «Liesa decide que nenhuma escola será rebaixada: Mudança no regulamento foi acertada em reunião com o prefeito Eduardo Paes». O Globo. 8 de fevereiro de 2011. p. 11. Consultado em 12 de novembro de 2019. Arquivado do original em 12 de novembro de 2019 
  251. «2011: Incêndio na Cidade do Samba e título da Beija-Flor». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  252. «Portela supera incêndio e empolga com desfile sobre mistérios do mar». Carnaval 2011. 7 de março de 2011. Consultado em 9 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 10 de março de 2011 
  253. «Portela, 2012». www.gresportela.org.br. Consultado em 9 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2022 
  254. «Portela festeja Clara Nunes e leva o carnaval do Pelourinho à Sapucaí». Portal G1. Consultado em 31 de maio de 2018. Cópia arquivada em 23 de junho de 2016 
  255. «Portela cantou a Bahia e emocionou público com belo desfile». O Globo. Consultado em 31 de maio de 2018. Cópia arquivada em 31 de maio de 2018 
  256. «2012: Tijuca coroa o rei do Sertão e leva a glória». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  257. Galdo, Rafael (6 de fevereiro de 2020). «Deu 'Madureira sobe o Pelô': samba da Portela para o carnaval de 2012 é escolhido o melhor da década». O Globo. Consultado em 15 de julho de 2021. Cópia arquivada em 12 de julho de 2021 
  258. O Dia (30 de agosto de 2012). «Portela surpreende e demite casal de mestre-sala e porta-bandeira». 23:19. Consultado em 31 de agosto de 2012. Arquivado do original em 31 de dezembro de 2012 
  259. Santoro, João (30 de agosto de 2012). «Após saída de Lucinha e Rogerinho, Portela acerta com o casal Robson e Ana Paula». Site Carnavalesco. Consultado em 31 de agosto de 2012. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2012 
  260. a b Ortiz, Fabíola (7 de fevereiro de 2013). «"Tem espaço para todo mundo", diz rainha de bateria da Portela que foge do padrão». BOL. Consultado em 9 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2022 
  261. «Portela, 2013». www.gresportela.org.br. Consultado em 9 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2013 
  262. «Portela encerra 1ª noite no Rio cantando os 400 anos de Madureira». Portal G1. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 3 de julho de 2017 
  263. «Portela encerra primeiro dia de desfiles do Rio de Janeiro com homenagem a Madureira». UOL. 11 de fevereiro de 2013. Consultado em 25 de março de 2021. Cópia arquivada em 25 de março de 2021 
  264. «2013: Brilho da Vila e vitória do samba-enredo». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  265. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome :97
  266. «Gilsinho não é mais intérprete da Portela». Marquês da Folia. 2 de abril de 2013. Consultado em 8 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2022 
  267. Araújo, Felipe (20 de maio de 2013). «Serginho Procópio é o novo presidente da Portela». Marquês da Folia. Consultado em 25 de julho de 2021. Cópia arquivada em 25 de julho de 2021 
  268. Araújo, Felipe (3 de junho de 2013). «Portela anuncia seu enredo para o carnaval de 2014». Marquês da Folia. Consultado em 25 de julho de 2021. Cópia arquivada em 24 de julho de 2021 
  269. «Portela usa tecnologia em desfile empolgante sobre a história do Rio». G1. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 1 de março de 2015 
  270. «Portela entra na avenida com Glória Pires e drone em forma de águia». UOL. 4 de março de 2014. Consultado em 30 de março de 2021. Arquivado do original em 16 de abril de 2015 
  271. «Portela, 2014». www.gresportela.org.br. Consultado em 8 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 8 de dezembro de 2022 
  272. «2014: Tijuca acelera com Ayrton Senna e recebe bandeirada à frente das favoritas». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 7 de julho de 2017 
  273. «Portela, 2015». www.gresportela.org.br. Consultado em 7 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2022 
  274. Araujo, Felipe (19 de março de 2014). «Diogo Jesus não é mais mestre-sala da Portela». Marquês da Folia. Consultado em 7 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2022 
  275. «Aos 95 anos, Dona Dodô da Portela morre no Rio de Janeiro». Correio Braziliense. 6 de janeiro de 2015. Consultado em 7 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2022 
  276. «Portela 2015: Desfile será uma viagem de reinvenção dos cartões postais do Rio». Marquês da Folia. 20 de março de 2014. Consultado em 31 de julho de 2021. Cópia arquivada em 31 de julho de 2021 
  277. «2015: Beija-Flor deixa polêmica de lado, exalta Guiné Equatorial e recupera o título». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 7 de julho de 2017 
  278. «Águia Redentora da Portela volta à Avenida». Extra Online. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 19 de maio de 2018 
  279. «Portela faz voo rasante na Sapucaí com desfile-ostentação». Portal G1. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 19 de julho de 2017 
  280. «Com paraquedistas, drones e águia-robô, Portela leva tecnologia à Sapucaí». UOL. 16 de fevereiro de 2015. Consultado em 2 de abril de 2021. Arquivado do original em 22 de setembro de 2015 
  281. «Carnavalesco Paulo Barros vai para a Portela». G1. 25 de fevereiro de 2015. Consultado em 7 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2015 
  282. Silva, Fábio (14 de maio de 2015). «Portela terá enredo autoral de Paulo Barros em 2016». Galeria do Samba. Consultado em 7 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2021 
  283. Silva, Fábio (8 de maio de 2015). «Gilsinho está de volta à Portela». Galeria do Samba. Consultado em 7 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 7 de agosto de 2021 
  284. a b c «Insatisfeita com notas, coreógrafa da comissão de frente da Portela deixa escola». SRZD - Sidney Rezende. 9 de março de 2016. Consultado em 20 de março de 2016. Cópia arquivada em 10 de março de 2016 
  285. «Ousadia de Paulo Barros na Portela impressiona com efeitos e coreografias». UOL. 9 de fevereiro de 2016. Consultado em 6 de abril de 2021. Arquivado do original em 10 de fevereiro de 2016 
  286. «Portela viaja pela Sapucaí na estreia de Paulo Barros na escola». Portal G1. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 23 de junho de 2017 
  287. «Mangueira se consagra campeã do Carnaval 2016 no Rio de Janeiro». UOL. Consultado em 9 de maio de 2018. Arquivado do original em 8 de janeiro de 2018 
  288. «2016: Menina de Oyá emociona e abre os caminhos para a Mangueira ganhar». Pedro Migão - Ouro de Tolo. Consultado em 25 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 22 de julho de 2017 
  289. a b c «Aclamado presidente da Portela, Falcon anuncia o enredo autoral para o Carnaval 2017 na feijoada». carnavalesco.com. 29 de maio de 2016. Consultado em 29 de maio de 2016. Cópia arquivada em 2 de junho de 2016 
  290. «Portela define enredo para 2017 e Paulo Barros provoca: 'Preparam-se para um tsunami na Avenida'». Extra. 4 de junho de 2016. Consultado em 15 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2021 
  291. «Puxador experiente, Wantuir desabafa sobre saída da Portela: 'Nunca pedi privilégios, pedi igualdade'». Extra. 24 de fevereiro de 2016. Consultado em 2 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2022 
  292. «Gracyanne Barbosa perde vaga de rainha da Portela para Bianca Monteiro». Extra. 21 de outubro de 2016. Consultado em 2 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2022 
  293. a b «Bianca Monteiro, a 'Beyoncé do samba', é coroada rainha da Portela». Revista Quem. 26 de novembro de 2016. Consultado em 2 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2022 
  294. a b «Renato Vieira desvenda "a grande discórdia" com Paulo Barros». SRzd. 16 de janeiro de 2017. Consultado em 2 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2022 
  295. Satriano, Nicolás; Teixeira, Patrícia (26 de setembro de 2016). «Marcos Falcon, presidente da Portela, é assassinado a tiros no Rio». G1. Consultado em 15 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2016 
  296. Vieira, Isabela (27 de setembro de 2016). «Corpo de candidato a vereador e presidente da Portela é velado no Rio». Agência Brasil. Consultado em 15 de agosto de 2021. Cópia arquivada em 15 de agosto de 2021 
  297. «Portela passa como um rio pela Sapucaí em busca de quebra de jejum». G1. 28 de fevereiro de 2017. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 7 de março de 2017 
  298. «Madureira sorriu: Depois de 33 anos, torcida da Portela volta a gritar 'é campeã!'». O Globo. 2 de março de 2017. p. 6. Consultado em 20 de novembro de 2019. Arquivado do original em 20 de novembro de 2019 
  299. «Desfile das Campeãs do Rio é noite de aclamação à Portela, Ivete e lembra acidentes». Portal G1. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 12 de março de 2017 
  300. «Mocidade rebate jurado e diz que entregou roteiro de desfile dentro do prazo». Extra Online. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 3 de junho de 2017 
  301. «'Mocidade vai em busca do que é seu por direito', diz vice-presidente da escola». Portal G1. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2018 
  302. «Mocidade é declarada campeã do Carnaval do Rio ao lado da Portela». UOL. Consultado em 9 de maio de 2018. Cópia arquivada em 8 de maio de 2017 
  303. «Liesa decide dividir título do carnaval do Rio entre Mocidade e Portela». Portal G1. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 21 de maio de 2017 
  304. «Depois de vencer o carnaval, Paulo Barros deixa a Portela». G1. 6 de março de 2017. Consultado em 2 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 2 de setembro de 2021 
  305. Torres, Lívia (7 de março de 2017). «Rosa Magalhães deixa a São Clemente é a nova carnavalesca da Portela». G1. Consultado em 2 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 2 de setembro de 2021 
  306. a b «Portela tem novo casal de mestre-sala e porta-bandeira». www.gresportela.com.br. 13 de março de 2017. Consultado em 13 de março de 2017. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2017 
  307. a b «Portela: Sergio Lobato é o novo coreógrafo da comissão de frente». SRzd. 8 de março de 2017. Consultado em 2 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2022 
  308. «Superando crise, Grupo Especial do Rio deve ter desfile equilibrado». UOL. Consultado em 19 de abril de 2018. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2018 
  309. «Prefeitura do Rio quer cortar 50% dos recursos para escolas de samba». UOL. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2017 
  310. «Liga da Escolas de Samba do Rio suspende desfiles do Carnaval 2018». UOL. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 24 de novembro de 2017 
  311. «Barracões da Cidade do Samba são interditados pelo Ministério do Trabalho». O Globo. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2017 
  312. «Barracões na Cidade do Samba são liberados para trabalhar após interdição». UOL. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 6 de maio de 2018 
  313. «Portela levanta Sapucaí com enredo sobre refugiados e tem chance de bicampeonato». Portal G1. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2018 
  314. «Em busca do bi, Portela leva Estátua da Liberdade e refugiados à Sapucaí». UOL. 13 de fevereiro de 2018. Consultado em 12 de abril de 2021. Cópia arquivada em 12 de abril de 2021 
  315. «Veja as notas de apuração do carnaval 2018 do Rio». Portal G1. Consultado em 6 de maio de 2018. Cópia arquivada em 16 de fevereiro de 2018 
  316. «Enredo da Portela em 2019 vai exaltar brasilidade da obra de Clara Nunes». Extra. 23 de maio de 2018. Consultado em 20 de setembro de 2021. Cópia arquivada em 20 de setembro de 2021 
  317. a b Tesi, Romulo (2 de março de 2018). «Carlinhos de Jesus assume comissão de frente da Portela». Setor 1. Consultado em 1 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 1 de dezembro de 2022 
  318. «Prefeitura reduz subvenção da Série A em 50% pelo segundo ano». Jornal Extra. 26 de dezembro de 2018. Consultado em 20 de abril de 2021. Cópia arquivada em 20 de abril de 2021 
  319. «Portela presta homenagem a Clara Nunes e faz uma conexão Minas Gerais, Madureira e África». G1. 5 de março de 2019. Consultado em 14 de abril de 2021. Cópia arquivada em 14 de abril de 2021 
  320. «Para voltar a vencer sozinha, Portela celebra Clara Nunes na Sapucaí». UOL. 5 de março de 2019. Consultado em 14 de abril de 2021. Cópia arquivada em 14 de abril de 2021 
  321. «Carnaval 2019: veja as notas da apuração do Rio». G1. 6 de março de 2019. Consultado em 14 de abril de 2021. Cópia arquivada em 14 de abril de 2021 
  322. «Portela não renova o contrato de Rosa Magalhães». Carnavalesco. 13 de março de 2019. Consultado em 12 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2021 
  323. «Renato Lage e Márcia Lage são os novos carnavalescos da Portela». Carnavalesco. 14 de março de 2019. Consultado em 13 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2021 
  324. «Portela define enredo para Carnaval 2020». SRzd. 21 de julho de 2019. Consultado em 13 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2021 
  325. Lima, Ludmilla de (26 de fevereiro de 2020). «Diferente das escolas do Rio, Viradouro contou com apoio milionário da prefeitura de Niterói». O Globo. Consultado em 8 de junho de 2020. Cópia arquivada em 8 de junho de 2020 
  326. Motta, Aydano André (24 de fevereiro de 2020). «Portela encerra primeira noite de desfile com dia claro e promove "arrastão" na Sapucaí». O Globo. Consultado em 9 de junho de 2020. Cópia arquivada em 9 de junho de 2020 
  327. «Portela canta sobre 'paraíso' encontrado por tupinambás no Rio de Janeiro pré-colonização». G1. 24 de fevereiro de 2020. Consultado em 23 de abril de 2021. Cópia arquivada em 23 de abril de 2021 
  328. «Carnaval 2020: veja as notas da apuração do Rio». G1. 26 de fevereiro de 2020. Consultado em 21 de abril de 2021. Cópia arquivada em 9 de março de 2020 
  329. «Grande Rio leva Estandarte de Ouro de melhor escola do Grupo Especial». O Globo. 25 de fevereiro de 2020. Consultado em 4 de março de 2020. Cópia arquivada em 4 de março de 2020 
  330. «Tamborim de Ouro 2020». O Dia. 26 de fevereiro de 2020. Consultado em 8 de março de 2020. Cópia arquivada em 8 de março de 2020 
  331. «Morre Carlinhos Maracanã, ex-presidente da portela e fundador da LIESA». www.gresportela.org.br. 7 de fevereiro de 2020. Consultado em 27 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2022 
  332. «Carlinhos de Jesus não é mais o coreografo da comissão de frente da Portela». www.gresportela.org.br. 27 de fevereiro de 2020. Consultado em 16 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2022 
  333. a b «Leo Senna e Kelly Siqueira são os novos coreógrafos da comissão de frente da Portela». www.gresportela.org.br. 28 de dezembro de 2021. Consultado em 16 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2022 
  334. Tesi, Romulo (21 de janeiro de 2021). «Liesa se pronuncia e declara apoio ao cancelamento dos desfiles de 2021». Setor 1. Consultado em 17 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2021 
  335. «Prefeitura do Rio de Janeiro cancela o Carnaval em julho de 2021». CNN Brasil. 21 de janeiro de 2021. Consultado em 17 de outubro de 2021. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2021 
  336. Mendonça, Alba (4 de julho de 2020). «Portela divulga enredo pela internet para o próximo carnaval no Rio». G1. Consultado em 4 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2021 
  337. Magalhães, Luiz Ernesto (16 de dezembro de 2021). «Carnaval 2022: Prefeitura do Rio libera subsídio de R$ 1,5 milhão para cada escola do Grupo Especial». Extra. Consultado em 7 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2022 
  338. «Escolas de Samba do Rio aceleram para deixar tudo pronto para o Carnaval». CNN Brasil. 9 de outubro de 2021. Consultado em 2 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2021 
  339. «Morre no Rio, aos 88 anos, Monarco, presidente de honra da Portela e símbolo do samba». G1. 11 de dezembro de 2021. Consultado em 16 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2022 
  340. Mendonça, Alba Valéria (21 de janeiro de 2022). «Nilo Figueiredo, ex-presidente da Portela, morre no Rio». G1. Consultado em 9 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 2 de maio de 2022 
  341. «Carnaval em abril: Rio adia desfiles para feriado de Tiradentes». G1. 21 de janeiro de 2022. Consultado em 5 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 5 de fevereiro de 2022 
  342. «Portela leva sua águia à savana africana e exalta o poder ancestral do baobá». G1. 24 de abril de 2022. Consultado em 28 de maio de 2022. Cópia arquivada em 28 de maio de 2022 
  343. «Grande Rio é a campeã do carnaval 2022 do Rio, o primeiro título da história da Tricolor». G1. 26 de abril de 2022. Consultado em 28 de maio de 2022. Cópia arquivada em 28 de maio de 2022 
  344. Araújo, Vera (24 de abril de 2022). «Grande Rio leva Estandarte de Ouro de melhor escola do carnaval 2022». O Globo. Consultado em 27 de abril de 2022. Cópia arquivada em 24 de abril de 2022 
  345. a b c d «Fábio Pavão é eleito presidente da Portela e Tia Surica se torna presidente de honra». O Dia. 29 de maio de 2022. Consultado em 16 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2022 
  346. «Cinco personagens contam o enredo do centenário da Portela». Carnavalesco. 29 de junho de 2022. Consultado em 18 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 18 de outubro de 2022 
  347. Portal Academia do Samba. «Origens dos Desfiles de Carnaval». Consultado em 20 de julho de 2010 
  348. a b «título=Portela-História». www.gresportela.com.br. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  349. «Portela Web - Outros Carnavais » Portela 1933: Voando para a Glória». www.portelaweb.com.br. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  350. Academia do Samba. «título=desfile de 1934». Consultado em 24 de março de 2010 
  351. «Portela Web - Outros Carnavais » Portela 1934: Academia do Samba». www.portelaweb.com.br. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  352. a b c «Portela - Carnaval de 1935 - O samba dominando o mundo - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  353. «Portela Web - Outros Carnavais » Portela 1935: O Samba Dominando o Mundo». www.portelaweb.com.br. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  354. «Portela - Carnaval de 1936 - Não houve enredo - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  355. «Portela Web - Outros Carnavais » Portela 1936: não houve enredo». www.portelaweb.com.br. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  356. a b «Portela - Carnaval de 1937 - O Carnaval - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  357. «Portela Web - Outros Carnavais » Portela 1937: O Carnaval». www.portelaweb.com.br. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  358. «Portela - Carnaval de 1938 - Democracia no samba - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  359. «Portela Web - Outros Carnavais » Portela 1938: Democracia no Samba». www.portelaweb.com.br. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  360. a b «Portela - Carnaval de 1939 - Teste ao samba - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  361. «Portela Web - Outros Carnavais » Portela 1939: Teste ao Samba». www.portelaweb.com.br. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  362. «Portela - Carnaval de 1940 - Homenagem à Justiça - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  363. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay az ba bb bc bd be bf bg bh bi bj bk bl bm bn bo bp bq br bs bt bu bv bw bx by «SAMBARIO - O site dos sambas-enredo». www.sambariocarnaval.com. Consultado em 6 de março de 2016 
  364. «Portela - Carnaval de 1941 - Dez anos de glórias - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  365. «Portela - Carnaval de 1942 - A Vida do Samba - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  366. «Portela - Carnaval de 1943 - Carnaval de guerra - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  367. «Portela - Carnaval de 1944 - Brasil glorioso - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  368. «Portela - Carnaval de 1945 - Motivos patrióticos - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  369. «Portela - Carnaval de 1946 - Alvorada do novo mundo - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  370. a b «Portela - Carnaval de 1947 - Honra ao mérito - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  371. a b c «Portela - Carnaval de 1948 - Exaltação à Redentora - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  372. a b «Portela - Carnaval de 1949 - O despertar de um gigante - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 10 de janeiro de 2023 
  373. «Portela - Carnaval de 1950 - Riquezas do Brasil - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  374. «Portela - Carnaval de 1951 - A volta do filho pródigo - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  375. «Portela - Carnaval de 1952 - Brasil de ontem - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  376. a b «Portela - Carnaval de 1953 - Seis Datas Magnas - Deixa Falar - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  377. a b «Portela - Carnaval de 1954 - São Paulo quatrocentão (O despertar do gigante) - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  378. a b c «Portela - Carnaval de 1953 - As seis datas magnas - Carnaval dos 400 pontos - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Deixa Falar - O MEGAFONE DA CULTURA - Portela. Consultado em 10 de janeiro de 2023 
  379. a b «Portela - Carnaval de 1956 - Gigante pela própria natureza - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  380. a b c «Portela - Carnaval de 1957 - Legados de D. João VI - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  381. «Portela - Carnaval de 1958 - Vultos e efemérides do Brasil - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  382. «Portela - Carnaval de 1959 - Brasil, Panteon de Glórias - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  383. a b «Portela - Carnaval de 1960 - Rio, capital eterna do samba ou Rio, cidade eterna - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  384. a b «Portela - Carnaval de 1961 - Jóias das lendas brasileiras - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  385. a b c «Portela - Carnaval de 1962 - Rugendas ou Viagens pitorescas através do Brasil - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  386. a b c «Portela - Carnaval de 1963 - Barão de Mauá e suas realizações ou Barão de Mauá e sua época - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  387. a b c «Portela - Carnaval de 1964 - O segundo casamento de D. Pedro I - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  388. a b c «Portela - Carnaval de 1965 - Histórias e tradições do Rio quatrocentão, do morro Cara de Cão à Praça Onze - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  389. a b c d «Portela - Carnaval de 1966 - Memórias de um sargento de milícias - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  390. a b c d e f «Portela - Carnaval de 1967 - Tal dia é o batizado - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  391. a b c d «Portela - Carnaval de 1968 - O tronco do ipê - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  392. a b c d «Portela - Carnaval de 1969 - Treze naus - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  393. a b «Portela - Carnaval de 1970 - Lendas e mistérios da Amazônia - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  394. a b «Portela - Carnaval de 1971 - Lapa em três tempos - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  395. a b c d e «Portela - Carnaval de 1972 - Ilu Ayê, a terra da vida - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  396. a b «Portela - Carnaval de 1973 - Pasárgada, o amigo do rei - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  397. a b c «Portela - Carnaval de 1974 - O mundo melhor de Pixinguinha - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  398. a b «Portela - Carnaval de 1975 - Macunaíma, herói de nossa gente - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  399. a b c «Portela - Carnaval de 1976 - O Homem do Pacoval - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  400. a b c «Portela - Carnaval de 1977 - Festa da aclamação - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  401. a b «Portela - Carnaval de 1978 - Mulher à brasileira - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  402. a b c «Portela - Carnaval de 1979 - Incrível, fantástico, extraordinário - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  403. a b c d «Portela - Carnaval de 1980 - Hoje tem marmelada - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  404. a b «Portela - Carnaval de 1981 - Das maravilhas do mar, fez-se o esplendor de uma noite - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  405. a b c «Portela - Carnaval de 1982 - Meu Brasil brasileiro - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  406. a b c «Portela - Carnaval de 1983 - A ressurreição das coroas - reisado, reino e reinado - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  407. a b «Portela - Carnaval de 1984 - Contos de Areia - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  408. «Carnaval de 1984 - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Carnavais. Consultado em 6 de março de 2016 
  409. a b «Portela - Carnaval de 1985 - Recordar é viver - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  410. a b c d «Portela - Carnaval de 1986 - Morfeu no carnaval, a utopia brasileira - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  411. a b c «Portela - Carnaval de 1987 - Adelaide, a pomba da paz - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  412. a b c «Portela - Carnaval de 1988 - Na lenda carioca, os sonhos do vice-rei - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  413. «Portela - Carnaval de 1989 - Achado não é roubado - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  414. a b «Portela - Carnaval de 1990 - É de ouro e prata esse chão - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  415. a b «Portela - Carnaval de 1991 - Tributo à vaidade - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  416. a b c «Portela - Carnaval de 1992 - Todo o azul que o azul tem - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  417. a b «Portela - Carnaval de 1993 - Cerimônia de casamento - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  418. a b c d «Portela - Carnaval de 1994 - Quando o samba era samba - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  419. a b c d e f «Portela - Carnaval de 1995 - Gosto que me enrosco - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  420. a b c «Portela - Carnaval de 1996 - Essa gente bronzeada mostra seu valor - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  421. a b c d e «Portela - Carnaval de 1997 - Linda, eternamente Olinda - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  422. a b c «Portela - Carnaval de 1998 - Os olhos da noite - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  423. a b c d «Portela - Carnaval de 1999 - De Volta aos Caminhos de Minas Gerais - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  424. a b c d «Portela - Carnaval de 2000 - Trabalhadores do Brasil, a época de Getúlio Vargas - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  425. a b c d «Portela - Carnaval de 2001 - Querer é Poder - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  426. a b «Portela - Carnaval de 2002 - Amazonas, esse desconhecido. Delírios e verdades do Eldorado Verde - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  427. a b c d «Portela - Carnaval de 2003 - Ontem, hoje e sempre Cinelândia - O samba entra em cena na Broadway Brasileira - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  428. a b c d e f «Portela - Carnaval de 2004 - Lendas e mistérios da Amazônia - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  429. a b c d e f «Portela - Carnaval de 2005 - Nós podemos: oito ideias para mudar o mundo! - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  430. a b c d e «Portela - Carnaval de 2006 - Brasil marca a tua cara e mostra para o mundo - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  431. a b c d «Portela - Carnaval de 2007 - Os Deuses do Olimpo na terra do carnaval: uma festa dos esportes, da saúde e da beleza - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 20 de março de 2016 
  432. a b c «Portela - Carnaval de 2008 - Reconstruindo a natureza, recriando a vida: o sonho vira realidade - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  433. a b «Portela - Carnaval de 2009 - E por falar em amor, onde anda você? - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  434. a b «Portela - Carnaval de 2010 - Derrubando fronteiras, conquistando a liberdade... Rio de paz, em estado de graça! - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  435. a b c «Portela - Carnaval de 2011 - Rio, azul da cor do mar - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  436. a b c «Portela - Carnaval de 2012 - ...E o povo na rua cantando... É feito uma reza, um ritual... - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  437. a b c d e «Portela - Carnaval de 2013 - Madureira... Onde o meu coração se deixou levar - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 20 de março de 2016 
  438. a b c d e «Portela - Carnaval de 2014 - Um Rio de mar a mar: do Valongo à Glória de São Sebastião - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  439. a b c «Portela - Carnaval de 2015 - ImaginaRio, 450 janeiros de uma cidade surreal - Galeria do Samba - As Escolas de Samba do Rio de Janeiro». Galeria do Samba - Escolas de Samba - Portela. Consultado em 20 de março de 2016 
  440. a b «Portela - Carnaval de 2016 - No voo da Águia, uma viagem