Postmortem (livro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Postmortem
Post Mortem
Postmortem
Post Mortem (BR)
Autor(es) Patricia Cornwell
Idioma inglês
País EUA
Gênero Romance policial, Thriller Médico
Série Kay Scarpetta
Localização espacial Richmond (Virgínia)
ISBN 9780743477154
Edição brasileira
Tradução Celso Nogueira
Editora Companhia das Letras
Lançamento 1 de Abril de 1999
Páginas 344
ISBN 9788571648777
Cronologia
-
Body of Evidence

Postmortem(Post-mortem no Brasil) é o primeiro livro da escritora norte-americana Patricia Cornwell, publicado pela primeira vez em 1990 e protagonizado pela médica-legista Kay Scarpetta. O livro já recebeu os prêmios Edgar, Creasey, Anthony, Macavity e o Prix du Roman d'aventure.

Enredo[editar | editar código-fonte]

O livro começa com o assassinato da médica Lori Petersen, ela é a quarta vítima de um misterioso maníaco que mata e estupra mulheres sempre nas noites de sexta-feira, entrando pela janela, e amordaçando as mulheres que morriam por asfixia. Para a polícia e principalmente para o policial Pete Marino, os crimes são cometidos por um louco que sente prazer em matar, mas a médica legista Kay Scarpetta, chefe do Departamento de Medicina de Richmond, na Virgínia, e uma das cidades mais violentas dos EUA, o assassino é uma pessoa perfeitamente normal que ela chama de Sr. Ninguém. O pouco que se sabe sobre o maníaco é que é um não-secretor, ou seja, seu DNA não pode ser descoberta pela saliva e nem mesmo pelo sêmen, o que significa que o assassino pode ser qualquer um dos 22 mil não secretores do sexo masculino em Richmond, e que o assassino possui um estranho odor corporal.[1]

3 das 4 vítimas eram brancas, sendo que a única negra, Cecile Tyler, que era recepcionista, supõe-se morta por engano. Através do exame dos corpos Scarpetta, descobre algumas poucas ligações entre os assassinatos, como por exemplo, as manchas brilhantes que o assassino deixava em tudo o que tocava. Não bastando o mistério das mortes, Kay terá de enfrentar outros problemas, como a sua adversidade por Abby Turnbull, consagrada repórter sensacionalista cuja irmã se tornou a quinta vítima, uma infiltração no computador de seu escritório, e manter sua sobrinha, Lucy longe do universo de violência que domina Richmond. [1]

Personagens[editar | editar código-fonte]

  • Kay Scarpetta: médica legista de aproximadamente 40 anos, chefe do Departamento de Medicina da Polícia de Richmond, faz o exame dos corpos em busca de pistas sobre os assassinatos.
  • Pete Marino: policial experiente, visto por Kay como um homem machista, que enche sua mesa com revistas pornográficas.
  • Lucy Scarpetta: sobrinha de Kay, filha de Dorothy, irmã de Kay, Lucy tem 10 anos e uma mente muito desenvolvida para sua idade, possui conhecimentos em informática que fazem com que sua tia suspeite que foi Lucy quem infiltrou-se em seu computador.
  • Bill Boltz: policial de quase 40 anos, porém com aparência jovem e atraente, tem um caso secreto com Kay Scarpetta, que descobre-se posteriormente, não é tão secreto assim. Bill se envolve em um escândalo com Abby Turnbull, fazendo com que perca a confiança de Kay, e se torne suspeito por ser um não-secretor.
  • Abby Turnbull: repórter sensacionalista que publica informações confidenciais do Depto. de Medicina. A irmã de Abby, Henna Yarborough, foi a quinta vítima do maníaco de Richmond. A polícia suspeitou de que o objetivo do assassino era matar Abby e não a irmã.
  • Benton Wesley: agente do FBI enviado a Richmond para ajudar as investigações policiais.
  • Amburgey: chefe de polícia que suspeita que Kay esteja falicitando informações à imprensa.
  • Matt Petersen: marido de Lori Petersen que se torna suspeito da polícia por ser não-secretor.

Referências

  1. a b Scribd Post-Mortem (em espanhol). Página visitada em 13 de Maio de 2011
Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.