Postulado de Planck

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


O Postulado de Planck é um dos princípios fundamentais da mecânica quântica ele postula que a energia dos osciladores em um corpo negro é quantificada, e é dada por

E=nh\nu\,,

onde n é um inteiro (1, 2, 3...), h é a constante de Planck e \nu (a letra grega nu, não a letra latina v) é a frequência do oscilador.

História[editar | editar código-fonte]

O postulado de Planck foi introduzido por Max Planck em sua derivação de sua lei de radiação de corpo negro em 1900. Esta suposição permitiu a Planck derivar uma fórmula para todo o Espectro da radiação emitida por um corpo negro. Planck foi capaz de justificar esta suposição baseada em física clássica, ele considerou a quantização como sendo puramente um truque matemático, em vez de (como sabemos agora) uma mudança fundamental em nossa compreensão do mundo.[1]

Em 1905, em um de seus três trabalhos mais importantes, Albert Einstein adaptou o postulado de Planck para explicar o efeito fotoelétrico,[2] mas Einstein propôs que a energia dos fótons em si eram quantificadas e que a quantização não era apenas um característica de osciladores microscópicos. O postulado de Planck foi ainda aplicado para compreender o efeito Compton e por Niels Bohr para explicar o espectro de emissão do átomo de hidrogénio e assim derivar o valor correto da constante de Rydberg.[3]

Referências

  1. Kragh, Helge (1/12/2000), Max Planck: the reluctant revolutionary, PhysicsWorld.com, http://physicsworld.com/cws/article/print/373 (em inglês)
  2. Ivan S. Oliveira. Física Moderna para iniciados, inter. e afic. vol 1. Editora Livraria da Fisica; 2005. ISBN 978-85-88325-40-1. p. 105.
  3. CARLOS CHESMAN; AUGUSTO MACEDO; CARLOS ANDRE. Física Moderna Experimental e Aplicada. Editora Livraria da Fisica; 2004. ISBN 978-85-88325-18-0. p. 131.

Ver também[editar | editar código-fonte]