Mosteiro de Santa Marinha da Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Pousada de Santa Marinha)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pousada de Santa Marinha
Pousada de Santa Marinha da Costa.jpg

-

Mapa de Portugal - Distritos plain.png

-

Concelho Guimarães
Região Minho
Tipo de Pousada Histórica
Património associado

A Pousada de Guimarães - Santa Marinha, situa-se na encosta da Penha, sobranceira à cidade de Guimarães, e encontra-se instalada no antigo Mosteiro de Santa Marinha da Costa.[1]

Integra a rede Pousadas de Portugal com a classificação de Pousada Histórica.

História do edifício[editar | editar código-fonte]

Os precursores[editar | editar código-fonte]

Admite-se que o Mosteiro tenha sido erguido sobre um pequeno templo de nave e ábside únicas, dos finais do século IX, por sua vez construído sobre um anterior estabelecimento romano havendo vestígios arqueológicos de ocupações pré-românicas e românicas. Das investigações históricas e arqueológicas efectuadas, supõe-se que este tenha sido o local dos paços condais portucalenses, e que a sua igreja tenha sido a capela palatina.[2]

Mosteiro dos cónegos de Santo Agostinho[editar | editar código-fonte]

Este conjunto terá passado a mosteiro nos finais do século XI, tendo sido entregue no século XII aos cónegos regrantes de Santo Agostinho. Durante os 350 anos em que o mantiveram, ampliaram a igreja e construíram quatro novas alas envolvendo um novo claustro.[3]

Mosteiro da ordem de São Jerónimo[editar | editar código-fonte]

Em 27 de Janeiro de 1528, por execução de uma bula pontifícia do Papa Clemente VII, foi lá instituída a ordem de São Jerónimo, que instalou um colégio que ministrava os estudos preparatórios de humanidades e artes, e os estudos de ensino superior em Teologia. Mais tarde, em 1541, um alvará de D. João III, permitiu a atribuição dos graus de licenciado, bacharel e doutor em artes, equiparados aos da Universidade de Coimbra. .[4] Esta escola superior foi frequentada por filhos de reis, nomeadamente de Dom Manuel I e D. João III, conforme o atesta uma lápide colocada na igreja. É durante este novo período da vida do mosteiro que são executadas importantes obras, desde um novo retábulo-mor da autoria de uma importante figura do renascimento português, Frei Carlos, até à construção de um novo claustro e reformulação da fachada da igreja.[2]

As obras efectuadas nos séculos XVII e XVIII, levaram à reconstrução das alas conventuais, a uma nova capela-mor (1713), a uma actualização estética do interior e à definição da cerca do mosteiro.[2]

Após a extinção das ordens religiosas masculinas os monges são intimados a abandonar o edifício, que passa para a posse do Estado, sendo depois vendido a particulares em hasta pública.[4]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Em 1936 o Mosteiro e a sua Igreja foram classificados como Imóvel de Interesse Público(Dec. nº 26 450, DG 69 de 24 Março 1936).

Em 1951 um grandioso incêndio destruiu boa parte do edifício, nomeadamente vários importantes painéis de azulejo que revestiam as paredes de acesso às celas dos frades e também a escadaria de pedra que conduzia à Sala do Capítulo e Varanda de Frei Jerónimo(que conseguiram escapar às chamas). Apesar disso o edifício ficou desde então em estado de total abandono.[3]

Por fim em 1972 é adquirido pelo Estado que inicia as obras de restauro cinco anos depois, com vista à sua transformação em pousada.[3] Esta situação viria a proporcionar, segundo o IPPAR, uma das "mais importantes campanhas arqueológicas, em edifícios medievais, no nosso país".[2]

Preservado foi igualmente o jardim de contornos de buxo e a cerca que se desenvolvem ao longo da encosta do monte da Penha, sobre a cidade de Guimarães. As alamedas que o atravessam são ladeadas por árvores centenárias, proporcionando o acesso a diversificadas espécies vegetais, bem como a um pequeno curso de água que alimenta um tanque circular no cimo do jardim, assim como um antigo moinho recuperado.[3]

De especial significado no ângulo noroeste do claustro do mosteiro, a presença da base de uma torre com uma porta moçárabe da época pré-românica e que era o acesso ao interior do convento.[3]

O projecto de reconstrução do mosteiro e adaptação do espaço a pousada foi da autoria do arquitecto Fernando Távora, que, por tal trabalho, veio a receber o "Prémio Nacional de Arquitectura" do ano de 1987.

A Pousada[editar | editar código-fonte]

A fachada do edifício, com a imponente igreja a norte, ostenta um corpo de dois pisos onde se encontram as instalações da pousada, bem como um novo corpo rebaixado pintado num grená contrastante e onde se situam 27 dos quartos com uma decoração totalmente contrastante, pelo seu despojamento, com o restante edifício.

A entrada da Pousada faz-se pela área que teria sido o refeitório do mosteiro, vendo-se ainda a moldura de granito que sustentava o púlpito de onde eram efectuadas as leituras religiosas durante as refeições. A sala do bar desenvolve-se no que terá sido a cozinha, dando acesso ao restaurante da unidade.

Em vários locais das paredes da pousada é possível ver a descoberto vestígios arqueológicos das ocupações pré-românicas e românicas. Vastas áreas são revestidas a azulejos, nomeadamente os acessos ao Salão Nobre e à Sala do capítulo. Encontra-se igualmente preservada a varanda de São Jerónimo, ao fundo do corredor das celas monacais (agora transformadas em 22 quartos e 2 suites), debruçada sobre o jardim.

O conforto térmico de um edifício desta dimensão durante o Inverno foi conseguido à custa de um aquecimento radiante colocado sob os pisos, que permite obter uma temperatura homogénea a constante ao longo do mosteiro.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Directório das Pousadas - 2003, Lisboa, Ed. Enatur.
  • Guia das Pousadas e Hotéis de Sonho - Vol.2 - 2001 - Lisboa - Ed. Expresso.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Guimarães Património Religioso Brasão de Guimarães
Igrejas Nossa Senhora da Oliveira | São Miguel do Castelo | Misericórdia | São Pedro | São Domingos | Igreja e Convento das Domínicas | Nossa Senhora da Consolação e Santos Passos vulgarmente conhecida por Igreja de São Gualter | Serzedelo | São Cipriano de Taboadelo | São João de Calvos | Santa Maria de Corvite | São Martinho de Candoso
Mosteiros e Conventos Igreja e Convento das Domínicas | São Francisco | Santa Clara | Santa Marinha da Costa
Santuários Santuário da Penha | Santuário de São Torcato | Santuário da Lapinha
Capelas Bom Despacho | Espírito Santo | Nossa Senhora da Conceição | Capelas dos Passos da Paixão de Cristo | São Torcato | Santa Cruz
Cruzeiros Nossa Senhora da Guia | Cruzeiro de Souto | Cruzeiro fronteiro ao adro da Igreja de São Francisco