Povo de Israel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde maio de 2018). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

Povo de Israel (PVI), também chamados de inimigos dos Inimigos[1][2] ou Portal 001[2], é uma facção criminosa do Rio de Janeiro, criada em 2004, no presídio de Água Santa.[2] É formada por criminosos renegados por outras facções, tais como estupradores, autores de atentado violento ao pudor ou mortes e agressões de grande repercussão, mal vistos pelos chefões do tráfico, além de Homossexuais e travestis.[2]

Ao contrário das demais facções, o PVI não possui controle territorial sobre nenhuma favela, e concentra suas atividades ilícitas em extorsões por telefone, através do golpe do falso sequestro.[2] Seu integrante mais conhecido é o bandido Anderson Gonçalves dos Santos, o Lorde, que foi expulso do Comando Vermelho e ameaçado de morte após matar cinco pessoas, entre elas um bebê, carbonizadas num ataque a um ônibus em 2005.[2] Em 2011, no entanto, foi dito que o Povo de Israel teria sido criado com o objetivo de diferenciar integrantes do chamado "seguro" das cadeias, que ali estavam por não terem sido aceitos ou terem sido expulsos de outras facções, de criminosos como estupradores e pedófilos.[3]

Referências

  1. Jorge Alexandre Salvador Mota. «GLOSSÁRIO DE PALAVRAS E EXPRESSÕES UTILIZADA POR FACÇÕES CRIMINOSAS E PRESOS» (PDF). Consultado em 10 de maio de 2018  line feed character character in |titulo= at position 24 (ajuda)
  2. a b c d e f Terra (11 de maio de 2008). «Detentos formam facção para extorquir por telefone». Consultado em 10 de maio de 2018 
  3. Guilherme Felitti (Publicado em 22 mar 2011). «O bicho que pega dentro da cadeia». Consultado em 10 de maio de 2018  Verifique data em: |data= (ajuda)