Power chord

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Power chord (do inglês) ''Acorde Forte'' é uma técnica de execução de acordes geralmente usado em guitarras elétricas distorcidas.

Origens[editar | editar código-fonte]

A origem do Power chord remete às primeiras bandas de rock e blues que começaram a usar a saturação[desambiguação necessária] do amplificador e posteriormente a distorção como principais efeitos em suas músicas. Ele se tornou popular porque, quando tocado, amplifica o efeito da saturação e não provoca as dissonâncias causadas por outras notas das escalas quando distorcidas, como a terça por exemplo.

De acordo com um artigo em um jornal americano de nome Free-Lance Star, Link Wray, guitarrista de rock'n'roll, foi o primeiro a usar a técnica. O guitarrista de blues Elmore James usou largamente o power chord com distorção no início dos anos 50, como na música I Need You.

Análise[editar | editar código-fonte]

Quando duas ou mais notas são tocadas através de um processo de distorção que transforma o sinal de áudio de forma não linear, frequências adicionais são geradas nas somas e subtrações das frequências dos harmônicos daquelas notas. Quando um acorde típico contendo esses intervalos (por exemplo, um acorde maior ou menor) é tocado com distorção, o número das frequências geradas, e as proporções complexas entre elas, pode tornar o som indistindo. Esse efeito é acentuado pois a maioria das guitarras são afinadas baseadas em temperamento igual, onde terceiras menores são mais estreitas e terceiras maiores mais largas do que seriam em entonação justa.

Entretando, num power chord, a proporção entre as frequências da tônica e da quinta são próximas ao intervalo 3:2. Quando tocadas através da distorção, a intermodulação produz frequências adicionais próximas às frequências dos harmônicos das notas originais, produzindo um som mais coerente. A intermodulação faz o espectro sonoro expandir em ambas as direções e, com distorção suficiente, um novo componente da frequência fundamental aparece uma oitava abaixo da nota tônica do acorde sem distorção, criando um som mais rico, grave e subjetivamente mais "poderoso" do que o sinal não distorcido. Mesmo quando tocados sem distorções, as proporções simples entre os harmônicos das notas de um power chord podem dar um som forte e poderoso.

Terminologia[editar | editar código-fonte]

Há divergência teórica se um power chord pode ser considerado um acorde no sentido tradicional, pois certas definições definem um "acorde" como uma combinação de no mínimo três graus de uma escala (a terceira maior ou menor (que determina se o acorde é maior ou menor) e a quinta justa). Quando o mesmo intervalo é encontrado na música clássica, ele não é chamado de "acorde", mas sim de "díade". Entretanto, o termo é aceito como um termo específico de música pop e rock, principalmente associado a estilos de guitarra distorcida, como hard rock, heavy metal, punk rock e gêneros similares.

Power chords normalmente são escritos como 5 ou (no 3). Por exemplo, "C5" ou "C(no 3)" referem-se a tocar a nota tônica (C) e a quinta justa (G). O acorde pode ser invertido, tocando o G abaixo do C (transformando o intervalo numa quarta). Eles também podem ser tocados com a oitava da nota tônica, o que torna o som subjetivamente mais agudo e com menos ataque nas frequências baixas, mas mantendo o caráter geral de power chord.

Outra notação é "ind", designando o acorde como "indeterminado". Isso se refere ao fato de que um power chord não é maior ou menor, visto que não há terceiro grau da escala presente. Isso dá ao power chord uma característica de camaleão: se tocado onde se esperaria um acorde maior, ele soa como um acorde maior. Se tocado onde se esperaria um acorde menor, soa menor.

Técnicas[editar | editar código-fonte]

O Power chord é feito tocando a nota tônica - podendo ser usada tanto a mais grave quanto oitava (ou ambas) - e a quinta nota de uma escala.O Power Chord não difere entre notas maiores ou menores, mas existem variações. São largamente usados em ritmos vindos do Rock, principalmente no punk rock e no metal. É descrito nas cifras como sendo o acorde seguido de um 5 - em alusão à quinta nota -, como por exemplo C5 (um em power chord), ou simplesmente é citado como um acorde maior.

Ele também pode ser executado tocando-se somente a tônica e a oitava de uma escala, em uma técnica também conhecida como oitavada.

Por omitir a terça nota de sua formação, o Power chord torna sua execução indiferente para acordes menores e maiores, ou até para outras variações mais complexas. Em contrapartida, a melodia quem dá a referência do modo do acorde (maior ou menor) e da tonalidade da música.

Exemplo de Power chord comum: (em tablatura)

     E5      F5      A5      B5      D5
e||--------------------------------------|
B||---------------------------------(3)--|
G||-----------------(2)-----(4)------2---|
D||-(2)-----(3)------2-------4-------0---|
A||--2-------3-------0-------2-----------|
E||--0-------1---------------------------|
     E5      G5      A5      B5      C5
|-----------(3)-----(5)------2-------3-----
|---(5)------3-------5-------0-------1-----
|----4-------0-------2---------------------
|----2-------------------------------------
|------------------------------------------
|------------------------------------------

Posições no braço da guitarra[editar | editar código-fonte]

Posições de um power chord no braço da guitarra em C (dó).

A maioria das posições acima está em dó (C), o símbolo acima de cada desenho representa a cifra e abaixo está o número da casa em que o padrão deve ser tocado.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.