Príncipe britânico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Príncipe do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte é um título real historicamente concedido aos herdeiros diretos e indiretos de antigos ou atuais monarcas britânicos. Atualmente, o título é também detido pelo Duque de Edimburgo, cônjuge e consorte de Isabel II. O título de Príncipe britânico é concedido pelo monarca reinante, na condição de fons honorum, através da emissão de cartas-patente como expressão do desejo real.

Aqueles agraciados com o título de Príncipe geralmente são referidos como Sua Alteza. Quando do matrimônio com alguém que não porta o título de príncipe ou princesa, este passa a portar o título do cônjuge em igualdade. O caso mais recente na história britânica é o de Princesa Miguel de Kent, que casou-se com Miguel de Kent em 1978.

Por outro lado, Diana, Princesa de Gales - apesar da grande atribuição popular e midiática - nunca portou formalmente o título de "Princesa".

História[editar | editar código-fonte]

Até 1714, o título de príncipe e o tratamento de "Sua Alteza Real" não eram costumeiramente utilizados. Filhos e filhas do soberano não eram automaticamente elevados à condição de príncipes. Uma exceção foi o Príncipe de Gales, título conferido ao filho primogênito do soberano inglês desde o reinado de Eduardo I de Inglaterra. No Reino da Escócia, mesmo após a criação de um principado honorífico por Jaime I, o herdeiro aparente do trono era referido somente como Duque de Rothesay. Alguns outros incluem João, irmão de Ricardo I e posteriormente monarca soberano, corriqueiramente denominado "Príncipe João".

Após a ascensão de Jorge I (o primeiro monarca da Casa de Hanôver), tornou-se comum denominar herdeiros em primeiro e segundo grau do soberano de linhagem masculina como 'Príncipe', acrescido do tratamento 'Sua Alteza Real'. Netos e bisnetos do soberano eram intitulados 'Sua Alteza'.

Apenas três semanas após o nascimento de seu quarto bisneto, a Rainha Vitória emitiu cartas-patente em 1864 que formalmente confirmaram a prática de nomear filhos e bisnetos por linhagem masculino como Sua Alteza Real enquanto os qualitativos de Príncipe ou Princesa serviriam como prefixo aos nomes de batismo. As cartas-patente não estabelecia o tratamento de bisnetos ou demais descendentes como Sua Alteza ou Príncipe/Princesa.

Após 1864, foram acrescidas algumas modificações na questão dos príncipes britânicos, com a emissão de específicas cartas-patente modificando o título e o tratamento dos seguintes grupos:

  • Em 1898, os filhos de Jorge, Duque de Iorque, o filho mais velho do então Príncipe de Gales, eram denominados príncipes com o tratamento de Alteza por serem descendentes masculinos de Vitória. Com cartas-patente datadas de 28 de maio de 1989, a Coroa concedia o tratamento de Alteza Real a qualquer dos netos do Príncipe de Gales.

Atuais príncipes britânicos[editar | editar código-fonte]

Os membros atuais da Família real britânica que portam o título de Príncipe são:[1]

Referências

  1. «Royal Family tree and line of succession». BBC News. 4 de setembro de 2017. Consultado em 11 de fevereiro de 2019