Praça Mauá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Monumento ao Barão de Mauá no centro da praça, com o Museu do Amanhã ao fundo.

A Praça Mauá é uma praça localizada no centro da cidade do Rio de Janeiro à beira da Baía de Guanabara. A Praça Mauá marca o início da Avenida Rio Branco e também da Zona Portuária (a numeração dos armazéns do Porto do Rio de Janeiro se inicia na praça).

O centro da praça é ocupado pela estátua de Irineu Evangelista de Souza, Barão de Mauá, industrial pioneiro do Brasil. Colocada sobre uma coluna, é obra do escultor Rodolfo Bernardelli e foi inaugurada em 1910, por iniciativa do Clube de Engenharia.

História[editar | editar código-fonte]

O novo porto da cidade foi construído entre 1904 e 1910 e representou um grande avanço para o comércio e indústria. Junto à praça se encontra a Estação Terminal de Passageiros do porto, um curioso e pequeno edifício com uma torre em estilo medievalista e belos vitrais no interior. Na praça também se localiza o imponente Palacete D. João VI, construído por volta de 1912 em estilo clássico, com um corpo central dotado de cúpula afrancesada, atualmente parte integrante do Museu de Arte do Rio, além do moderno edifício RB1.[carece de fontes?]

Outro ícone da praça é o edifício do jornal "A Noite" (chamado hoje Edifício Joseph Gire), um marco da arquitetura em concreto armado no Brasil, finalizado em 1930. O autor do projeto Art Déco foi Joseph Gire, arquiteto francês também responsável pelo hotel Copacabana Palace e pela sede do Iate Clube do Rio de Janeiro. O edifício tem 22 andares foi um dos primeiros a marcar a tendência verticalista da arquitetura da cidade, seguindo o modelo das grandes cidades dos Estados Unidos e afastando-se dos modelos europeus. No seu auge, nas décadas de 1930-40, o edifício foi um ponto muito badalado no centro da cidade, mas a proximidade do porto o levou à decadência. No edifício funciona desde 1936 a Rádio Nacional do Rio de Janeiro.[carece de fontes?]

Revitalização[editar | editar código-fonte]

Por estar localizada próxima ao local de desembarque de navios de passageiros e de marinha mercante, a região desenvolveu várias atividades comerciais ligadas ao turismo e ao câmbio, incluindo bares e boates de prostituição. A construção do Elevado da Perimetral, que atravessava a praça, a prejudicou esteticamente. No âmbito do projeto Porto Maravilha, o elevado foi demolido e a praça submetida a extensas obras de reurbanização e requalificação do entorno. A Praça Mauá foi reinaugurada em 6 de setembro de 2015.[1]

Além dos já mencionados, se localizam na Praça Mauá o Arsenal da Marinha e as sede do INPI e da Polícia Federal no Rio de Janeiro. O Museu do Amanhã, localizado no Píer Mauá, área adjacente à praça, foi inaugurado em 17 de dezembro de 2015 com a presença da presidente Dilma Rousseff[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Praça Mauá

Referências

  1. G1, : (6 de setembro de 2015). «Após 4 anos, Praça Mauá, no Rio, é reinaugurada com shows gratuitos». Consultado em 21 de dezembro de 2015. 
  2. G1, : (17 de dezembro de 2015). «Dilma participa da inauguração do Museu do Amanhã no Rio». Consultado em 21 de dezembro de 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]