Sexismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Preconceito sexual)
Ir para: navegação, pesquisa
Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este verbete conforme o guia de tradução.

Sexismo ou discriminação de gênero é o preconceito ou discriminação baseada no sexo ou gênero de uma pessoa. O sexismo pode afetar qualquer gênero, mas é particularmente documentado como afetando mulheres e meninas.[1] Tem sido ligado a estereótipos e papéis de gênero[2][3] e pode incluir a crença de que um sexo ou gênero é intrinsecamente superior a outro. O sexismo extremo pode fomentar o assédio sexual, estupro e outras formas de violência sexual.[4]

Etimologia e definições[editar | editar código-fonte]

De acordo com Fred R. Shapiro, o termo "sexismo" foi mais provavelmente cunhado em 18 de novembro de 1965, por Pauline M. Leet durante um "Student-Faculty Forum" no Franklin and Marshall College.[5][6] Especificamente, a palavra sexismo aparece na contribuição ao fórum de Leet "Mulheres e Graduação", e ela a define comparando-a com racismo afirmando em parte (na página 3): "Quando você argumenta .. que uma vez que menos mulheres escrevem boa poesia isso justifica a sua exclusão total, você está tomando uma posição análoga à do racista - eu poderia chamá-lo neste caso de "sexista"... Tanto o racista quanto o sexista estão agindo como se tudo o que aconteceu nunca tivesse acontecido e ambos estão tomando decisões e chegando a conclusões sobre o valor de alguém, referindo-se a fatores que, em ambos os casos, são irrelevantes".[5]

Também segundo Shapiro, a primeira vez que o termo "sexismo" apareceu na imprensa foi no discurso de Caroline Bird, On Being Born Female, publicado em 15 de novembro de 1968, em Discursos Vitais do Dia.[5]Neste discurso, ela disse: "Há um reconhecimento no exterior de que somos, de muitas maneiras, um país sexista, o sexismo está julgando as pessoas pelo seu sexo quando o sexo não importa, o sexismo tem a intenção de rimar com racismo".

História[editar | editar código-fonte]

Antiguidade[editar | editar código-fonte]

Sati, Ou a auto-imolação pelas viúvas, prevaleceu na sociedade Hindu até o início do século XIX.

O status das mulheres no Egito antigo dependia de seus pais ou maridos, mas elas tinham direito à propriedade e eram autorizadas a comparecer à corte, inclusive como demandantes.[7] As mulheres da era anglo-saxônica também comumente tinham um status igual.[8] Entretanto fatalm evidência para suportar a idéia que muitas sociedades pré-agricultura mantinham as mulheres sob um status mais elevado do que mulheres têm hoje.[9][10] Após a adoção da agricultura e das culturas sedentárias, foi estabelecido o conceito de que um gênero era inferior ao outro; mais freqüentemente isso foi imposto às mulheres e meninas.[11] Exemplos de sexismo no mundo antigo incluem leis escritas que impedem as mulheres de participar do processo político. As mulheres na Roma antiga não podiam votar ou manter o magistrado romano.[12]

Caça às bruxas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Caça às bruxas
Página de título da sétima edição Colónia) do Malleus Maleficarum, 1520. O título latino é "MALLEUS MALEFICARUM, Maleficas, & earum hæresim, ut phramea potentissima conterens". (Geralmente traduzido como "O Martelo das Bruxas que destrói Bruxas e sua heresia como com uma espada de dois gumes")[13]

O sexismo pode ter sido o ímpeto que alimentou os julgamentos das bruxas entre os séculos XV e XVIII.[14] No início da Europa moderna e nas colônias europeias da América do Norte, foram feitas afirmações que bruxas eram uma ameaça ao Cristianismo. A misoginia daquele período desempenhou um papel na perseguição dessas mulheres.[15][16]

Cobertura e outros regulamentos de casamento[editar | editar código-fonte]

Até o século XX, a lei norte-americana e inglesa observava o sistema de Cobertura, onde "pelo casamento, o marido e a esposa são uma só pessoa na lei, ou seja, o próprio ser ou a existência legal da mulher é suspensa durante o casamento".[17] As mulheres americanas não eram legalmente definidas como "pessoas" até 1875 (Minor v. Happersett, 88 U.S. 162).[18]

Em 1957, James Everett, então Ministro da Justiça na Irlanda, afirmou que: "O progresso da sociedade organizada é julgado pelo status ocupado pelas mulheres casadas".[19] As restrições aos direitos das mulheres casadas eram comuns nos países ocidentais até algumas décadas atrás: por exemplo, as mulheres casadas francesas obtiveram o direito de trabalhar sem a permissão do marido em 1965,[20][21][22] na Alemanha Ocidental as mulheres obtiveram esse direito em 1977.[23][24] Durante a era Franco, Em Espanha, uma mulher casada exigia o consentimento do seu marido (chamada permiso marital) para o emprego, propriedade de bens e viajar para longe de casa; O permiso marital só foi abolido em 1975.[25] Na Austrália, até 1983, a solicitação de passaporte de uma mulher casada devia ser autorizada pelo marido.[26]

Mulheres em partes do mundo continuam a perder direitos legais no casamento. Por exemplo, os regulamentos de casamento do Iêmen declaram que uma esposa deve obedecer a seu marido e não deve sair de casa sem sua permissão.[27] No Iraque, a lei permite aos maridos "punir" legalmente suas esposas.[28] Na República Democrática do Congo, o Código da Família estabelece que o marido é o chefe da família; A esposa deve obediência a seu marido; Uma esposa tem de viver com seu marido onde quer que ele escolha viver; e as esposas devem ter a autorização de seus maridos para levar um caso no tribunal ou iniciar outros processos legais.[29]

Abusos e práticas discriminatórias contra as mulheres no casamento são muitas vezes enraizados em pagamentos financeiros, tais como dote, preço da noiva e contra dote.[30] Essas transações muitas vezes servem como legitimação (controle coercitivo) da esposa por seu marido e em dar-lhe autoridade sobre ela; Por exemplo, o artigo 13 do Código do Estatuto Pessoal da Tunísia estabelece que "O marido não deve, em falta de pagamento do contra dote, forçar a mulher a consumar o casamento",[31][32] Implicando que, se o dote for pago, é permitido o estupro marital (a este respeito, os críticos têm questionado os supostos ganhos das mulheres na Tunísia) e sua imagem como um país progressista na região, argumentando que a discriminação contra as mulheres continua a ser muito forte nesse país).[33][34][35]

A OMCT reconheceu a "independência e capacidade de deixar um marido abusivo" como crucial para parar os maus-tratos às mulheres.[36] No entanto, em algumas partes do mundo, uma vez casadas, as mulheres têm muito pouca chance de deixar um marido violento: a obtenção de um divórcio é muito difícil em muitas jurisdições por causa da necessidade de provar o problema ou abuso em corte; Enquanto tentando uma separação de facto (afastar-se da casa conjugal) também não é possível devido a leis que impedem isso. Por exemplo, no Afeganistão, uma esposa que deixa sua casa conjugal corre o risco de ser presa por "fuga".[37][38] Além disso, muitas antigas colónias britânicas, incluindo a Índia, mantêm o conceito de restituição dos direitos conjugais[39] do qual uma mulher pode ser ordenada por tribunal para voltar ao seu marido; se ela falhar em fazê-lo, ela pode ser presa por desacato.[40][41] Outros problemas têm a ver com o pagamento do preço da noiva: Se a esposa quiser partir, seu marido pode exigir de volta o preço da noiva que ele pagou à família da mulher; e a família da mulher muitas vezes não pode ou não quer pagar de volta.[42][43][44]

As leis, os regulamentos e as tradições relacionados com o casamento continuam a discriminar as mulheres em muitas partes do mundo e a contribuir para os maus tratos infligidos às mulheres, em especial nas áreas relacionadas com a violência sexual e à autodeterminação de sua Sexualidade, sendo a violação deste último agora reconhecida como uma violação dos direitos das mulheres; Em 2012, Navi Pillay, Alta Comissária para os Direitos Humanos, afirmou que:

"As mulheres são freqüentemente tratadas como propriedade, são vendidas em casamento, em tráfico, em escravidão sexual. A violência contra as mulheres assume frequentemente a forma de violência sexual. As vítimas de tal violência são muitas vezes acusadas de promiscuidade e responsabilizadas pelo seu destino, enquanto as mulheres inférteis são rejeitadas por maridos, famílias e comunidades. Em muitos países, as mulheres casadas não podem recusar ter relações sexuais com os seus maridos, e muitas vezes não têm qualquer direito a decidir se usam contracepção (...) Assegurar que as mulheres tenham plena autonomia sobre os seus corpos é o primeiro passo crucial para alcançar a igualdade substantiva entre mulheres e homens. Questões pessoais - como quando, como e com quem eles escolhem ter relações sexuais, e quando, como e com quem escolhem ter filhos - estão no centro de uma vida digna."[45]

Exemplos[editar | editar código-fonte]

Serviço militar obrigatório[editar | editar código-fonte]

Soldadas israelenses

A Conscrição ou serviço/alistamento militar obrigatório, tem sido criticado como sendo sexista.[46]:102[47] Na maioria dos países a partir do século XX, apenas homens foram obrigados a conscrição,[46]:255[48][49][50][51] e a maioria dos países ainda exigem apenas homens para servir no exército.

Em seu livro The Second Sexism: Discrimination Against Men and Boys (2012), David Benatar afirma que "A suposição prevalecente é de que, quando a conscrição for necessária, somente os homens devem ser recrutados e, da mesma forma, que apenas os homens sejam forçados a combater. "Isso", acredita ele, "é uma suposição sexista ".[46]:102 Anthropologist Ayse Gül Altinay comentou que "dada a igualdade de direitos de sufrágio, não há outra prática de cidadania que diferencie tão radicalmente entre homens e mulheres quanto o recrutamento masculino obrigatório".[52]:34

Atualmente, apenas nove países recrutam mulheres em suas forças armadas: China, Eritréia, Israel, Líbia, Malásia, Coréia do Norte, Noruega, Peru e Taiwan.[53][54] Outros países - como a Finlândia, a Turquia e Cingapura - ainda usam um sistema de recrutamento que exige o serviço militar apenas de homens, embora as mulheres possam servir voluntariamente. Em 2014, a Noruega tornou-se o primeiro país da OTAN a introduzir o serviço militar obrigatório para as mulheres como um ato de igualdade de gênero[54][55] e em 2015, o governo holandês começou a preparar um projecto de lei neutro em termos de género.[56] O projeto seletivo de gênero tem sido desafiado nos Estados Unidos.[57]


Referências

  1. Há um claro e amplo consenso entre acadêmicos em vários campos de que o sexismo se refere principalmente à discriminação contra as mulheres, e afeta principalmente mulheres. Por exemplo:
    • «Sexism». New Oxford American Dictionary 3 ed. Oxford University Press. 2010. ISBN 9780199891535  Define o sexismo como "preconceito, estereotipagem ou discriminação, tipicamente contra as mulheres, com base no sexo".
    • «Sexism». Encyclopedia Britannica, Online Academic Edition. 2015  Define o sexismo como "preconceito ou discriminação baseada em sexo ou gênero, especialmente contra mulheres e meninas". Observa que "o sexismo em uma sociedade é mais comumente aplicado contra mulheres e meninas, que funciona para manter o patriarcado, ou a dominação masculina, através de práticas ideológicas e materiais de indivíduos, coletivos e instituições que oprimem mulheres e meninas com base em sexo ou gênero . "
    • Cudd, Ann E.; Jones, Leslie E. (2005). «Sexism». A Companion to Applied Ethics. London: Blackwell  Observa que "Sexismo" refere-se a uma forma histórica e global de opressão contra as mulheres".
    • Masequesmay, Gina (2008). «Sexism». In: O'Brien, Jodi. Encyclopedia of Gender and Society. SAGE  Observa que "o sexismo geralmente se refere ao preconceito ou à discriminação com base no sexo ou no gênero, especialmente contra mulheres e meninas". Também afirma que "o sexismo é uma ideologia ou práticas que mantêm o patriarcado ou a dominação masculina".
    • Hornsby, Jennifer (2005). «Sexism». In: Honderich, Ted. The Oxford Companion to Philosophy 2 ed. Oxford  Define o sexismo como "pensamento ou prática que pode permear a linguagem e que assume a inferioridade das mulheres em relação aos homens".
    • «Sexism». Collins Dictionary of Sociology. Harper Collins. 2006  Define o sexismo como "qualquer desvalorização ou difamação de mulheres ou homens, mas particularmente de mulheres, que é incorporada em instituições e relações sociais".
    • «Sexism». Palgrave MacMillan Dictionary of Political Thought. Palgrave MacMillan. 2007  Observa que "qualquer dos dois sexos pode ser objeto de atitudes sexistas... no entanto, é comumente observado que, nas sociedades desenvolvidas, as mulheres têm sido as vítimas habituais".
    • «Sexism». The Greenwood Encyclopedia of Love, Courtship, and Sexuality through History, Volume 6: The Modern World. Greenwood. 2007  "Sexismo é qualquer ato, atitude ou configuração institucional que sistematicamente subordina ou desvaloriza as mulheres Construído sobre a crença de que homens e mulheres são constitucionalmente diferentes, o sexismo leva essas diferenças como indicações de que os homens são inerentemente superiores às mulheres, o que então é usado para justificar o domínio quase universal dos homens nas relações sociais e familiares, bem como na política, na religião, na linguagem, na lei e na economia ".
    • Foster, Carly Hayden (2011). «Sexism». In: Kurlan, George Thomas. The Encyclopedia of Political Science. CQ Press. ISBN 9781608712434  Observa que "homens e mulheres podem experimentar o sexismo, mas o sexismo contra as mulheres é mais difundido".
    • Johnson, Allan G. (2000). «Sexism». The Blackwell Dictionary of Sociology. Blackwell  Sugere que "o teste-chave de se algo é sexista ... reside em suas conseqüências: se suporta o privilégio masculino, então é por definição sexista. Eu especifico "privilégio masculino" porque em todas as sociedades conhecidas onde existe desigualdade de gênero, os homens são privilegiado em relação às mulheres. "
    • Lorber, Judith. Gender Inequality: Feminist Theories and Politics Oxford University Press [S.l.], 2011. p. 5  Observa que "embora falemos de desigualdade de gênero, geralmente as mulheres são desfavorecidas em relação a homens em posições similares".
    • Wortman, Camille B., Elizabeth S. Loftus, e Charles A Weaver. Psychology McGraw-Hill [S.l.], 1999  "Como ao longo da história, hoje as mulheres são as principais vítimas do sexismo, o preconceito dirigido a um sexo, mesmo nos Estados Unidos".
  2. Matsumoto, 2001. P.197.
  3. Nakdimen KA The American Journal of Psychiatry [1984, 141(4):499-503]
  4. Forcible Rape Institutionalized Sexism in the Criminal Justice System| Gerald D. Robin Division of Criminal Justice, University of New Haven
  5. a b c Mary Kosut (2012). Encyclopedia of Gender in Media. SAGE Publications. p. 555. ISBN 978-1-5063-3828-6.
  6. Daniel J. Siegel (2015). The Wise Legacy: How One Professor Transformed the Nation. Daniel J. Siegel. p. 54. ISBN 978-1-5076-2559-0. (em inglês)
  7. David P. Silverman. Ancient Egypt Oxford University Press [S.l.], 2003. pp. 80–84. ISBN 019521952X. 2016 
  8. Stanford Lehmberg. A History of the Peoples of the British Isles: From Prehistoric Times to 1688 Routledge [S.l.], 2013. p. 35. ISBN 1134415281. 2016 
  9. Craig Lockard. Societies, Networks, and Transitions: A Global History Cengage Learning [S.l.], 2014. pp. 88–89. ISBN 130517707X. 2016 
  10. Eller, Cynthia (2000) The Myth of Matriarchal Prehistory Boston: Beacon Press.
  11. Peter N. Stearns (Narrator). A Brief History of the World Course No. 8080 [Audio CD] The Teaching Company [S.l.] ASIN B000W595CC 
  12. Bruce W. Frier and Thomas A.J. McGinn, A Casebook on Roman Family Law (Oxford University Press: American Philological Association, 2004), pp. 31–32, 457, et passim.
  13. A tradução inglesa é desta nota para introdução do Summers de 1928.
  14. Thurston 2001. p. 01.
  15. Barstow, Anne Llewellyn (1994) Witchcraze: A New History of the European Witch Hunts San Francisco: Pandora.
  16. Thurston 2001. pp. 42-45.
  17. Blackstone, William. «Extracts from William Blackstone's Commentaries on the Laws of England 1765-1769». Cópia arquivada desde o original em 5 October 2008. Consultado em 15 March 2015 
  18. «Legacy '98: Detailed Timeline». Legacy98.org. 2001-09-19. Consultado em 2010-11-20 
  19. http://historical-debates.oireachtas.ie/S/0047/S.0047.195701160007.html[ligação inativa]
  20. Allwood, Gill (1999). «Women in France» (PDF) 
  21. «France's leading women show the way». Parisvoice.com. Consultado em July 20, 2013 
  22. «Lesson - The French Civil Code (Napoleonic Code) - Teaching Women's Rights From Past to Present». Womeninworldhistory.com. Consultado em July 20, 2013 
  23. Benhold, K (2010) 20 years after fall of wall, women of former East Germany thrive. The New York Times. Retrieved 17 April 2015 from http://www.nytimes.com/2010/10/06/world/europe/06iht-letter.html?_r=1&pagewanted=all
  24. Trzcinski, E. & Holst, E. (2010) Gender differences in subjective well-being in and out of management positions. Deutsches Institut fur Wirtschaftsforschung. Retrieve 17 April 2015 from http://www.diw.de/documents/publikationen/73/diw_01.c.356386.de/dp998.pdf
  25. «Spain - Social Values And Attitudes». Countrystudies.us. Consultado em July 20, 2013 
  26. «The History of Passports in Australia». 14 June 2006 
  27. Amnesty International (2009) Yemen's dark side: Discrimination and violence against women and girls. Retrieved 17 April 2015 from http://www2.ohchr.org/english/bodies/hrc/docs/ngos/Yemen%27s%20darkside-discrimination_Yemen_HRC101.pdf
  28. «A lei afirma: "A punição de uma esposa por seu marido, a disciplina por pais e professores de crianças sob sua autoridade [é permitida] dentro de certos limites previstos pela lei ou pelo costume"» (PDF). Law.case.edu. Consultado em 2015-03-31 
  29. «THE WAR WITHIN THE WAR». Hrw.org. Consultado em 2015-03-31 
  30. http://www.unwomen.org/~/media/headquarters/attachments/sections/library/publications/2012/12/unw-legislation-supplement-en%20pdf.pdf
  31. Sfeir, George N. (1 January 1957). «The Tunisian Code of Personal Status (Majallat Al-Ahw Al Al-Shakhsiy Ah)»: 309–318. doi:10.2307/4322925. JSTOR 4322925 
  32. "Article 13 reads in French: "Le mari ne peut, s'il n'a pas acquitté la dot, contraindre la femme à la consommation du mariage" http://www.jurisitetunisie.com/tunisie/codes/csp/Csp1015.htm
  33. «7 raisons pour les hommes et les femmes de remettre en cause le CSP... ou pas». Al Huffington Post. Consultado em 14 June 2015 
  34. «Nouveaux progrès, mais il ne faut pas pour autant pavoiser». Le Temps. Consultado em 14 June 2015 
  35. FIDH. «Les violences sexuelles en Tunisie : après le déni, un début de (...)». FIDH - Worldwide Human Rights Movement. Consultado em 14 June 2015 
  36. World Organization Against Torture. (2009) Combating extrajudicial executions, enforced disappearances, torture and other cruel, inhumane and degrading treatment in the Philippines by addressing their economic, social and cultural root causes. Information submitted to the European Parliament Subcommittee on Human Rights in connection with the exchange of views on the Philippines. Acessado em 17 de abril de 2015 de http://www.europarl.europa.eu/meetdocs/2004_2009/documents/dv/droi_090121_9omct/DROI_090121_9OMCTen.pdf
  37. Human Rights Watch. (2012)"I had to run away": The imprisonment of women and girls for "moral crimes" in Afghanistan. Retrieved 17 April 2015 from http://www.hrw.org/sites/default/files/reports/afghanistan0312webwcover_0.pdf
  38. «More Afghan women jailed for 'moral crimes', says HRW - BBC News». Bbc.com. Consultado em 2015-03-31 
  39. «Smt. Saroj Rani vs Sudarshan Kumar Chadha on 8 August, 1984». Indiankanoon.org. Consultado em 2015-03-31 
  40. [1] Archived April 2, 2015, at the Wayback Machine.
  41. «Manupatra Articles». Manupatrafast.com. Consultado em 2015-03-31 
  42. Equality Now (2007) Protecting the girl child: Using the law to end child, early and forced marriage and related human rights violations. Retrieved 17 April 2015 from http://www.equalitynow.org/sites/default/files/Protecting_the_Girl_Child.pdf
  43. Lelieveld, M. (2011)Child protection in the Somali region of Ethiopia. A report for the BRIDGES project Piloting the delivery of quality education services in the developing regional states of Ethiopia. Retrieved 17 April 2015 from http://www.savethechildren.org.uk/sites/default/files/docs/FINALChild_Protection_in_the_Somali_Region_30511.pdf
  44. Stange, Mary Zeiss, and Carol K. Oyster, Jane E. Sloan. Encyclopedia of Women in Today's World, Volume 1 SAGE [S.l.], 2011. p. 496. ISBN 9781412976855 
  45. Pillay, N. (2012) Valuing women as autonomous beings: Women's sexual reproductive health rights. United Nations Human Rights Office of the High Commissioner. Retrieved 18 April 2015 from http://www.chr.up.ac.za/images/files/news/news_2012/Navi%20Pillay%20Lecture%2015%20May%202012.pdf
  46. a b c Benatar, David. The Second Sexism: Discrimination Against Men and Boys John Wiley & Sons [S.l.], May 15, 2012. ISBN 978-0-470-67451-2. April 26, 2015 
  47. Berlatsky, Noah (May 29, 2013). «When Men Experience Sexism». The Atlantic. Arquivado desde o original January 5, 2015. Consultado em April 26, 2015 
  48. Goldstein, Joshua S. (2003). "War and Gender: Men's War Roles – Boyhood and Coming of Age". In Ember, Carol R.; Ember, Melvin Encyclopedia of Sex and Gender: Men and Women in the World's Cultures. Volume 1. Springer. p. 108. ISBN 978-0-306-47770-6. Retrieved April 25, 2015.
  49. Kronsell, Anica (June 29, 2006). "Methods for studying silence: The 'silence' of Swedish conscription". In Ackerly, Brooke A.; Stern, Maria; True, Jacqui Feminist Methodologies for International Relations. Cambridge University Press. p. 113. ISBN 978-1-139-45873-3. Retrieved April 25, 2015.
  50. Selmeski, Brian R.. Multicultural Citizens, Monocultural Men: Indigineity, Masculinity, and Conscription in Ecuador. Syracuse University: ProQuest, 2007. p. 149. ISBN 978-0-549-40315-9. April 25, 2015 
  51. Joenniemi, Pertti. The Changing Face of European Conscription Ashgate Publishing [S.l.], 2006. pp. 142–149. ISBN 978-0-754-64410-1. April 25, 2015 
  52. Altinay, Ayse Gül. The Myth of the Military-Nation: Militarism, Gender, and Education in Turkey Palgrave Macmillan [S.l.], publicado em December 10, 2004, 2004-12-09. ISBN 978-1-403-97936-0 
  53. «INDEPTH: FEMALE SOLDIERS – Women in the military — international». CBC News. May 30, 2006. Arquivado desde o original April 4, 2015. Consultado em May 2, 2015 
  54. a b Koranyi, Balazs; Fouche, Gwladys (June 14, 2014). Char, Pravin: . «Norway becomes first NATO country to draft women into military». Oslo, Norway [s.n.] Reuters. Arquivado desde o original January 28, 2015. Consultado em April 26, 2015 
  55. «Women in the Armed Forces». Norwegian Armed Forces. October 27, 2014. Arquivado desde o original May 2, 2015. Consultado em May 2, 2015 
  56. «Kaderwet dienstplicht wordt aangepast voor vrouwen». Rijksoverheid. 2 February 2016 
  57. Angelluci, Marc E. (April 13, 2013). «National Coalition for Men v. Selective Service System» (PDF). United States Government. Arquivado (PDF) desde o original March 21, 2015. Consultado em May 2, 2015  |website= e |publisher= redundantes (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]