Prefeitura autônoma dai de Xishuangbanna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Xishuangbanna
Jinghongcity.jpg

Cidade de Jinghong

Geografia
País
Província
Parte de
Southern Yunnan (d)
Área
19 096,05 km2
Departamentos
Jinghong (en)
Condado de Menghai (en)
Condado de Mengla (en)
Coordenadas
Location of Xishuangbanna Prefecture within Yunnan (China).png
Demografia
População
1 133 515 hab. ()
Densidade
59,4 hab./km2 ()
Funcionamento
Estatuto
Assembleia deliberante
Congresso Popular da Prefeitura Autônoma dai de Xishuangbanna (d)
Geminação
Identificadores
Código postal
666100
Prefixo telefônico
691
Website

Xishuangbanna, Sibsongbanna ou Sipsong Panna (em Tai Lü: ᩈᩥ᩠ᨷᩈ᩠ᩋᨦᨻᩢ᩠ᨶᨶᩣ, nova escrita Tai Lü: ᦈᦹᧈᦈᦹᧈᦵᦋᦲᧁᧈᦘᦱᦉᦱᦺᦑ᧑᧒ᦗᧃᦓᦱ; chinês simplificado: 西双版纳傣族自治州; em tailandês: สิบสองปันนา; em laociano: ສິບສອງພັນນາ; em : သိပ်းသွင်ပၼ်းၼႃး; birmanês: စစ်ဆောင်ပန္နား), abreviado para Banna, é uma prefeitura autônoma para o povo dai no extremo sul da província de Iunã, China, na fronteira com Myanmar e Laos. A sede da prefeitura é Jinghong, o maior assentamento na área e que se estende pelo rio Mecom, chamado de "Rio Lancang" em chinês.[1]

Esta região da China é conhecida pela cultura distinta de seus grupos étnicos, que é muito diferente da dos chineses han. O povo, a arquitetura, a língua e a cultura se assemelham mais aos dos povos , dai e tai, que incluem os tais e os laocianos.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Sipsongpanna (cognato em tailandês: สิบสองปันนา, RTGS: Sipsong Panna) é um composto da língua Tai Lü, que consiste em sipsong "doze", pan "município" e na "arrozal". O nome refere-se à divisão tradicional de mueang em doze distritos que eram chamados de panna (literalmente "campos de arroz municipais").[2][3] A etimologia é paralela à região autônoma de língua tai na Indochina Francesa de 1890 a 1945 chamado Sip Song Chau Tai, que significa "doze cantões de lingua tai".

História[editar | editar código-fonte]

Antes de 1886, a região era chamada de Chiang Hung, um reino de lingua Tai Lue disputado entre e as dinastias de Lanna e birmanesas. Os britânicos ocuparam toda a Birmânia em 1886, tornando-se parte da Índia britânica. Em 1892, os britânicos transferiram Chiang Hung para a dinastia Qing. No século XIX, tornou-se brevemente um Estado tributário de Luang Prabang e da dinastia Rattanakosin. O Reino de Chiang Hung foi submetido à dinastia Qing durante o final do século XIX.

No caos da Revolução Xinhai, que derrubou o governo Qing em 1911 em favor de um governo republicano chinês, um líder local, Chao Maha de Meng Jie, encenou uma rebelião contra os oficiais remanescentes Qing. O governo provincial de Iunã da recém-criada República da China enviou tropas em 1913 para expulsar os rebeldes de Chao Meng Jie.[4] Ke Shuxun permaneceu em Xishuangbanna para governar com seus "13 Princípios de Governar a Fronteira", que enfatizava a igualdade entre os han e os dai em áreas como propriedade de terras e tributação, permitia o casamento entre os grupos étnicos e promovia a educação em assuntos seculares e técnicos, ao invés do que a educação monástica baseada em birmanês.[5] A Segunda Guerra Sino-Japonesa (1931-1945) viu o pesado bombardeio de Xishuangbanna pelas tropas japonesas e um influxo simultâneo de propaganda pan-taiista do aliado do Japão, a Tailândia. De acordo com Hsieh,[6] isso reduziu o apelo de uma ampla identidade pan-tai entre os dai lue.

Durante a fase final da Guerra Civil Chinesa, muitos remanescentes do Kuomintang fugiram das forças comunistas de Xishuangbanna para o Estado Xã da Birmânia. A nova República Popular da China enviou várias expedições não militares a Xishuangbanna a partir de 1949 para fornecer serviços como escolas e hospitais para substituir os dos missionários ocidentais cristãos.[7]

Os comunistas assumiram o controle da prefeitura dos lealistas Kuomintang em 1952. Em 23 de janeiro de 1953, a República Popular da China criou a Região Autônoma dai de Xishuangbanna e encerrou o sistema de chefes nativos. Naquele ano, o Congresso do Povo de Xishuangbanna criou o novo alfabeto tai lue, baseado no alfabeto tai tham, para imprimir material na língua tai lü.[8]

Xishuangbanna tornou-se uma prefeitura autônoma em 1955, mas perdeu algum território com a criação do distrito autônomo de Jingdong Yi e do distrito autônomo de Jiangcheng Hani e Yi.[9] A reforma agrária começou para valer em janeiro de 1956, destruindo o poder dos chefes das aldeias.[10] As plantações de seringueiras estatais respondiam pela maior parte da riqueza da região durante o início do período da República Popular da China.

Xishuangbanna também recebeu um influxo de jovens educados durante o Campanha de Envio ao Campo da Revolução Cultural (1966-1976). Durante este período, os templos budistas em Xishuangbanna foram usados como celeiros, apenas sendo restaurados ao seu propósito original em 1981.[11]

Em 1987, o governo de Xishuangbanna promulgou a Lei para a Autonomia da Prefeitura Autônoma de Nacionalidade dai de Xishuangbanna para alinhar as leis locais com a Lei nacional da República Popular da China para a Autonomia Regional Nacional.[12]

Shao Cunxin (召存信 1922–2015), ex-chefe do conselho externo do chefe tribal (1944–1950) e chefe de Meng Peng (1938–1950), foi o chefe da prefeitura autônoma de 1955 a 1992.

Subdivisões administrativas[editar | editar código-fonte]

Populações históricas
AnoPop.±%
2000C 993 397—    
2010C 1 133 515+14.1%
fontes:[13]

Xishuangbanna governa uma cidade administrativa e dois distritos.

Mapa
Nome Caracteres chineses Pinyin População
(2000C)
População
(2010C)
Pop. urbana
(2000C)
Pop. urbana
(2010C)
Área (km2) Densidade
(/km2)
Cidade de Jinghong 景洪市 Jǐnghóng Shì 443 600 519 935 138 939 205 523 7 133 73
Distrito de Menghai 勐海县 Měnghǎi Xiàn 314 100 331 850 34 241 94 945 5 511 60
Distrito de Mengla 勐腊县 Měnglà Xiàn 235 ,700 281 ,730 55 ,632 84 ,625 7 ,056 40
  • referências:Xishuangbanna Gov,[14] Citypopulation.de Yunnan Urban Populations.[15]

Geografia[editar | editar código-fonte]

A prefeitura tem uma área de 19.700 km². Xishuangbanna é a região natural da etnia dai. A região fica em uma altitude mais baixa do que a maioria da província de Iunã, e tem um clima tropical. Está rapidamente se tornando um destino turístico muito procurado. Ela fica próxima a Myanmar, Laos e Tailândia.

Biodiversidade[editar | editar código-fonte]

Passiflora xishuangbannaensis

Xishuangbanna abriga grande parte da biodiversidade da província de Iunã, que possui grande parte da biodiversidade da China. Seu clima tropical e seu isolamento até tempos recentes contribuíram muito para isso. Além da abundância de plantas, Xishuangbanna é o lar dos últimos elefantes-asiáticos que ainda estão na China; a espécie perambulava por grande parte do país até há algumas centenas de anos. Os elefantes são protegidos em uma reserva, mas a diversidade vegetal está ameaçada e há cinco décadas pela proliferação de plantações de seringueiras, que destroem completamente a floresta e a substituem por uma monocultura de árvores originalmente trazidas do Brasil.[16]

A Passiflora xishuangbannaensis é uma recém-descoberta do gênero botânico passiflora, que é endêmica de Xishuangbanna.

Demografia[editar | editar código-fonte]

No censo de 2000, Xishuangbanna tinha 993 397 habitantes e uma densidade populacional de 50,43 habitantes por km². De acordo com o censo nacional de 2000, o povo dai compõe a pluralidade com 29,89%, com os chineses han chegando em segundo lugar, com 29,11%. Na época do censo de 1977, no entanto, a etnia han constituía o maior grupo étnico único em Xishuangbanna, constituindo 36,53% de uma população de 627 089 habitantes, enquanto os dais representavam 33,15% e outros 30,32%. O governo Xishuangbanna tem se empenhado em manter esse equilíbrio étnico de cerca de 33% de cada grupo: han, dai e outros; esta política é conhecida como "o plano de três-três-três" (chinês simplificado: 三三三计划, pinyin: sān-sān-sān jìhuà)[17]

Antes da crescente mobilidade social da década de 1940, os habitantes de Xishuangbanna se chamavam de "povo do vale" (chinês tradicional: 壩區民族, pinyin: bàqū mínzú) ou "povo da montanha" (chinês tradicional: 山區民族, pinyin: shānqū mínzú) em referência à localização estereotipada dos grupos. Os hans e dais viviam principalmente em torno das montanhas e desempenhavam um papel socialmente dominante, enquanto as minorias étnicas não-dai viviam nos vales e eram politicamente privadas de seus direitos.[18] Os dais costumavam ser chamados de Baiyi (摆夷), e até a reforma Kuomintang de 1936, a parte bai era escrita com o radical cão (). O governo da República Popular da China decidiu que, independentemente de radical, o termo Baiyi é pejorativo e adotou dai () em seu lugar.[19] Historicamente, algumas minorias étnicas adaptaram algumas características dai a fim de aliviar a discriminação e aumentar seu estatuto social, como o povo blang que adotou o sarongue, a matrilocalidade, o modo de vida em que o casal recém-casado decide ir viver com a família da esposa e o aprendizado do alfabeto Tai Tham..[20]

Grupos étnicos[editar | editar código-fonte]

Aldeia de etnia blang em Manpo

Grupos étnicos em Xishuangbanna, segundo o censo de 2000

Etnicidade População Porcentagem
Dai (Tai Lü, Tai Ya, Tai Nüa, Tai Yuan, Lao) 296 930 29,89%
Chinês han 289 181 29,11%
Hanis 186 067 18,73%
Yi 55 772 5,61%
Lahu 55 548 5,59%
Blang 36 453 3,67%
Jino 20 199 2,03%
Yao 18 679 1,88%
Miao 11 037 1,11%
Bai 5 931 0,60%
Jingpo 5 640 0,57%
Hui 3 911 0,39%
Wa 3 112 0,31%
Zhuang 2 130 0,21%
Outros 2 807 0,30%

Na cidade de Jinghong e distrito de Menghai, os dois principais subgrupos hani são jiuwei 鸠为 and jizuo 吉坐.[21] Os jizuo 吉坐 são o maior subgrupo étnico hani em Jinghong.

Os jiuwei afirmam ter migrado de Honghe e Mojiang. Os jiuwei vivem em vários vilarejos em Jinghong, incluindo:

  • Mengbozhai 勐波寨, município de Menghan 勐罕寨, cidade de Jinghong
  • Agupu 阿古普 (também chamado Manwoke 曼窝科) em Leiwu 类吴, município de Mengsong 勐宋, cidade de Jinghong
  • Napazhai 那帕寨 em Damenglong 大勐笼, cidade de Jinghong
  • aldeia Baiya 拜牙村 em Menghun 勐混, distrito de Menghai (o subgrupo de língua Ake 阿克 vive em Lougu 楼固村, também localizado em Menghun 勐混)
  • Babingzhai 坝丙寨, Xidingshan 西定山, distrito de Menghai

Há também hanis étnicos, chamados localmente de aini 爱尼, que vivem em 7 vilas na Montanha Nanlin 南林山 do sudoeste de Jinghong, a saber, Manbage 曼八阁, Manjinglong 曼景龙, Manjingnan 曼景囡, Mangudu 曼固独, Manbaqi 曼把奇, Manbasan 曼巴伞, e Manjingmai 曼景卖.[22]

As línguas de minorias étnicas faladas em Sipsongpanna incluem:

  • Língua Tai Lü
  • Língua Man Met
  • Língua Hu
  • Língua Blang
  • Língua Muak Sa-aak
  • Língua Bit

Cultura[editar | editar código-fonte]

Jardim étnico dai, a 30 quilômetros da cidade de Jinghong, é um parque temático étnico popular com a vila natural dai e o templo budista

A famosa região das seis montanhas de chá (chinês: 六大茶山, pinyin: Liù Dà Chá Shān), localizada na prefeitura, produz alguns dos mais conceituados chás Pu-erh do século XX.

Xishuangbanna é rica em recursos naturais, históricos e culturais, conhecida por seu folclore, florestas tropicais, plantas raras e vida selvagem. Suas principais atrações turísticas incluem: o Jardim Botânico Tropical de Menglun,[23] os pagodes de Manfeilong (Tanuozhuanglong),[24] o Pavilhão octogonal de Jingzhen,[25] a reserva de elefante selvagem de Gully,[26] a aldeia de etnia dai em Ganlanba.[27] O templo budista Manchunman, que tem uma história de mais de 1400 anos, também é uma atração turística muito popular. O complexo é composto por quatro partes: o salão principal, o pavilhão de coleta de sutras, o pagode de ouro e a torre do tambor. O templo é bem conhecido na região do sudeste asiático e todos os anos atrai monges budistas e visitantes do Sri Lanka, Tailândia, Myanmar e Laos.[28]

O mais conhecido festival tradicional é o Ano Novo dai, conhecido como Festival do Borrifo d'Água. Tem a duração de três dias, de 13 a 15 de abril.[29] Além do evento do Festival da Água, também consiste em alguns outros eventos, como corridas de Barco Dragão, a queima de fogos de artifício e as lanternas voadoras de Kongming.

Transportes[editar | editar código-fonte]

Desde a inauguração do Aeroporto Internacional Xishuangbanna Gasa (anteriormente "Aeroporto Internacional de Jinghong"), em 1990, viajar para Xishuangbanna por via aérea se tornou mais popular e conveniente e há voos diários que ligam Xishuangbanna com Kunming. A área também tem conexões aéreas com Dali, Chengdu e Bangkok. O Aeroporto Xishuangbanna está localizado a 6 km ao sul da cidade de Jinghong.[30]

Também há linhas de ônibus para lugares em Iunã e nas províncias vizinhas. São 590 quilômetros de Kunming a Jinghong. Os ônibus de longa distância partem da Estação Sul de Kunming e chegam à Estação Rodoviária de Jinghong, com duração de cerca de 8–10 horas.[30]

Em outubro de 2010, foram anunciados planos para a construção de uma ferrovia de 530 km ligando Xishuangbanna a Vientiane no Laos;[31] também são possíveis conexões para a Tailândia.[32]

Referências

  1. Hyde, Sandra Teresa (2007). «Sex tourism and the lure of the ethnic erotic in Southwest China». In: Jensen, Lionel M.; Weston, Timothy B. China's transformations: the stories beyond the headlines. [S.l.]: Rowman & Littlefield. pp. 216–239 
  2. Davis 2006, p. 106.
  3. Hansen 1999, p. 90.
  4. Hsieh 1989, pp. 137–138.
  5. Hsieh 1989, pp. 156–158.
  6. Hsieh 1989, p. 173–174.
  7. Hsieh 1989, pp. 193–194.
  8. Hsieh 1989, p. 243–244.
  9. Hsieh 1989, p. 40.
  10. Hsieh 1989, pp. 188–189, 211.
  11. Hsieh 1989, p. 239.
  12. Hsieh 1989, p. 68.
  13. «CHINA: Administrative Population». Citypopulation.de. 12 de maio de 2012. Consultado em 31 de outubro de 2013 
  14. «2010年西双版纳州第六次全国人口普查主要数据公报(第1号)». web.archive.org. 2 de novembro de 2013. Consultado em 27 de junho de 2022 
  15. «Yunnan (China): Province, Major Cities & Counties: Urban Population - Statistics & Maps on City Population». web.archive.org. 2 de novembro de 2013. Consultado em 27 de junho de 2022 
  16. «Corruption 'threatens China rainforest'» (em inglês). 21 de agosto de 2008. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  17. Hsieh 1989, pp. 62–64.
  18. Hsieh 1989, pp. 44, 52.
  19. Hsieh 1989, p. 257.
  20. Hsieh 1989, p. 54.
  21. Yunnan Editors Committee 2009, p. 116-119.
  22. Yunnan Editors Committee 2009, p. 109-119.
  23. «Menglun Tropical Botanical Garden, Travel Blog of Menglun Tropical Botanical Garden in Xishuangbanna – Yunnan Exploration: Yunnan Travel, Yunnan Trip, Yunnan Tours 2020/2021». www.yunnanexploration.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  24. «The Manfeilong Pagodas | China & Asia Cultural Travel» (em inglês). 13 de janeiro de 2016. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  25. «Jingzhen Octagonal Pavilion | Jingzhen Octagonal Pavilion Xishuangbanna – Wendy Wei Tours». Wendy Wei Tours: Private Guilin Tours with amazing experiences across Southern China (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  26. «Wild Elephant Gully - Yunnan Province travel guide - China travel guide, Yunnan China travel services, Yunnan tours». www.chinaplanner.com. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  27. «Dai Minority Park, Ganlanba (Olives Dam), Xishuangbanna». www.chinahighlights.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  28. «Manchunman Buddhist Temple-Yunnan Tourism Website». web.archive.org. 29 de abril de 2018. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  29. Deason, Rachel (28 de abril de 2018). «An Introduction to China's Dai People». Culture Trip. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  30. a b «Xishuangbanna Transportation: How to Get to Xishuangbanna & How to Get Around Xishuangbanna – Yunnan Exploration: Yunnan Travel, Yunnan Trip, Yunnan Tours 2020/2021». www.yunnanexploration.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  31. «New China-Laos». www.railwaysafrica.com. Consultado em 4 de janeiro de 2022 
  32. «Standard gauge for Thailand». www.railwaysafrica.com. Consultado em 4 de janeiro de 2022 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Davis, Sara (2006). «Premodern Flows in Postmodern China: Globalisation and the Sipsongpanna Tais». Centering The Margin: Agency And Narrative In Southeast Asian Borderlands. [S.l.]: Berghahn Books. pp. 87–110 
  • Giersch, Charles Patterson (2006). Asian Borderlands: The Transformation of Qing China's Yunnan Frontier. [S.l.]: Harvard University Press 
  • Forbes, Andrew; Henley, David (2011). China's Ancient Tea Horse Road. Chiang Mai: Cognoscenti Books. ASIN B005DQV7Q2 
  • Hsieh, Shih-Chung (julho de 1989). Ethnic-political adaptation and ethnic change of the Sipsong Panna Dai: an ethnohistorical analysis (PhD). The University of Washington 
  • Hansen, Mette Halskov (1999). «Teaching Backwardness or Equality: Chinese State Education Among the Tai in Sipsong Panna». China's National Minority Education: Culture, Schooling, and Development. [S.l.]: Routledge. pp. 243–279 
  • Hansen, Mette Halskov (2004). «The Challenge of Sipsong Panna in the Southwest: Development, Resources, and Power in a Multiethnic China». Governing China's Multiethnic Frontiers. [S.l.]: University of Washington Press. pp. 53–83 
  • Sethakul, Ratanaporn (2000). «Tai Lue of Sipsongpanna and Müang Nan in the Nineteenth-Century». Civility and Savagery: Social Identity in Tai States. [S.l.]: Curzon Press 
  • 云南省编辑委员会 [Yunnan Editors Committee], ed. (2009). 景洪县哈尼族社会调查 [Social Survey of Hani Nationality in Jinghong County]. 哈尼族社会历史调查 [Social History Survey of Hani Nationality]. [S.l.]: 民族出版社. ISBN 9787105087754 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]