Preso político

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Dezembro de 2016).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Um preso político é um indivíduo encarcerado numa prisão pelas autoridades de um país por exprimir, por palavras ou actos, a sua discordância com o regime político em vigor[1].

A existência de presos políticos está, em regra, associada a regimes políticos ditatoriais, mas se estende também a países com regime democratico.

Muitas vezes, são presas pessoas que estão fazendo protestos contra o governo ou que publicamente questionam o governo. Estas são presas e muitas vezes são, na cadeia, torturadas, estupradas e até assassinadas. Existem outros que são obrigados a se mudar do país.

Atualmente, a prisão política é considerada por muitos uma violação dos direitos humanos.

Alguns presos políticos no Brasil[editar | editar código-fonte]

Presidente eleita, Dilma Rousseff, foi condenada a seis anos de prisão em 1970.
Mário Soares, preso e deportado durante o Estado Novo em Portugal.

Na época da ditadura militar brasileira que durou de 1964 a 1985, alguns conhecidos foram presos, alguns deles, ainda que tivessem cometido crimes comuns, tais como Roubo a Banco, sequestro e assassinatos, foram considerados presos políticos, como:

Os presos políticos em Portugal[editar | editar código-fonte]

Em Portugal no período da Ditadura Nacional (1926-1933) e do Estado Novo (1933-1974) foram encarcerados sem julgamento ou após julgamento em tribunais especiais, milhares de portugueses[2] que marcaram a sua oposição à ditadura portuguesa.

Entre alguns dos mais conhecidos presos políticos contam-se[3]:

Presos políticos em Angola[editar | editar código-fonte]

Países com presos políticos[editar | editar código-fonte]

Atualmente, existem alguns países que têm prisão política, como estes:

Notas

  1. É possível distinguir dentro dos presos políticos os presos de consciência. Sobre o assunto ver, por exemplo, este artigo da Radio Nederland.
  2. ROSAS, Fernando; PIMENTEL, Irene Flunser; REZOLA, Maria Inácia; FARINHA, Luís. MADEIRA, João. Tribunais Políticos: Tribunais Militares Especiais e Tribunais Plenários durante a Ditadura e o Estado Novo. Lisboa: Temas e Debates. ISBN 9789896440541. Sobre esta obra ver, por exemplo, este apontamento de um dos autores.
  3. A lista é, naturalmente, meramente exemplificativa
  4. «José Eduardo dos Santos Tem Medo de Livros e de "Miúdos"» 
  5. «José Eduardo dos Santos Tem Medo de Livros e de "Miúdos"» 
  6. Refugees, United Nations High Commissioner for. «Refworld | Angola: The Angolan Revolutionary Movement [Movimento Revolucionário de Angola] (MRA [MRAN]), including its structure, leaders, members and objectives; the treatment of its members by authorities (2015)». Refworld (em inglês) 
  7. Defenders, Frontline. «2014». Frontline Defenders 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Preso político

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.