Primeira onda do feminismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A primeira onda do feminismo refere-se a um período de atividade feminista durante o século XIX e início do século XX em todo o mundo, em particular em países como França, Reino Unido, Canadá, Países Baixos e Estados Unidos. Este movimento debruçou-se sobre questões jurídicas, principalmente na conquista do direito ao voto feminino (o direito de voto).

O feminismo tem sua origem no século XVIII, especificamente no Iluminismo, neste movimento cultural e filosófico houve uma controvérsia sobre a igualdade e as diferenças de gênero. Na época surgiu um novo discurso crítico que utilizou as categorias universais desta filosofia política. O movimento do Iluminismo, portanto, não era feminista em suas raízes.

As origens políticas do feminismo vieram da Revolução Francesa (1789). Este evento elevou a igualdade jurídica, as liberdades e os direitos políticos como seus objetivos centrais, mas logo veio a grande contradição que marcou a luta adiantada do feminismo: as liberdades, os direitos e a igualdade legal que foram as grandes conquistas das revoluções liberais não afetaram as mulheres. A teoria política de Rousseau projetou a exclusão das mulheres do campo da propriedade e dos direitos. Assim, na Revolução Francesa, a voz das mulheres começou a se expressar coletivamente.

O termo "primeira onda" foi cunhado em março de 1968 por Marsha Lear ao escrever na The New York Times Magazine, que ao mesmo tempo também usou o termo "segunda onda do feminismo".[1][2] Na época, o movimento de mulheres lutava contra as desigualdades enfrentadas de facto pelas mulheres, uma forma de distinguir-se dos objetivos das feministas anteriores.

Origens[editar | editar código-fonte]

De acordo com Miriam Schneir, Simone de Beauvoir escreveu que a primeira mulher a "levantar sua caneta em defesa de seu sexo" foi Christine de Pizan, no século XV.[3] Heinrich Cornelius Agrippa von Nettesheim e Modesta di Pozzo di Forzi também escreveram sobre o tema no século XVI.[3] Marie Le Jars de Gournay, Anne Bradstreet e François Poullain de la Barre também escreveram no século XVII.[3]

Mary Wollstonecraft publicou um dos primeiros tratados feministas, A Vindication of the Rights of Woman (1792), em que ela advoga a igualdade social e moral dos sexos. Seu romance mais tarde inacabado, Maria: or, The Wrongs of Woman, lhe rendeu críticas consideráveis em um debate sobre os desejos sexuais das mulheres. Ela morreu jovem, e seu viúvo, o filósofo William Godwin, rapidamente escreveu um livro de memórias dela que, ao contrário de suas intenções, destruiu sua reputação de gerações. Wollstonecraft é considerada a avó do feminismo britânico e suas ideias tomaram forma com as suffragettes, que fizeram campanha pelo voto feminino.

Linha do tempo da primeira onda[editar | editar código-fonte]

1809

  • EUA, Connecticut: Mulheres casadas foram autorizadas a ter propriedades.[4]

1810

  • Suécia: O direito informal de uma mulher solteira a ser declarada maior legalmente pela dispensa real foi oficialmente confirmada pelo parlamento.[5]

1811

  • Áustria: As mulheres casadas obtiveram uma economia separada e o direito de escolher as suas profissões.[6]
  • Suécia: As mulheres de negócios casadas tiveram o direito de tomar decisões sobre seus próprios assuntos sem o consentimento do marido.[7]

1821

  • EUA, Maine: As mulheres casadas foram autorizadas a possuir e gerenciar propriedades em seu próprio nome durante a incapacidade de seu cônjuge.[8]

1827

  • Brasil: Foram abertas as primeiras escolas primárias para meninas e a profissão de professora.[9]

1829

  • Índia: Sati foi banido.[10]
  • Suécia: As parteiras podiam usar instrumentos cirúrgicos, que eram únicos na Europa na época e lhes davam status cirúrgico.[11]

1832

  • Brasil: Dionísia Gonçalves Pinto, sob o pseudônimo de Nísia Floresta Brasileira Augusta, publicou seu primeiro livro e o primeiro no Brasil a lidar com a igualdade intelectual feminina, sua capacidade e direito à educação e participação na sociedade em igualdade de condições com os homens com os direitos das mulheres e a injustiça dos homens.[12] Era uma tradução de Woman not Inferior to Man, muitas vezes atribuída a Mary Wortley Montagu.[13]

1833

  • EUA, Ohio: A primeira universidade co-educacional americana, Oberlin College, foi fundada.[14]
  • Guatemala: O divórcio foi legalizado; Esta lei foi rescindida em 1840 e reintroduzida em 1894.[15]

1835

  • EUA, Arkansas: As mulheres casadas foram autorizadas a possuir (mas não controlar) a propriedade em seu próprio nome.[16]
  • Ilhas Pitcairn: As Ilhas Pitcairn concederam às mulheres o direito ao voto.[17]

1838

  • EUA, Kentucky: Kentucky deu o sufrágio escolar (o direito de votar nas reuniões escolares) para viúvas com crianças em idade escolar.[18]
  • EUA, Iowa: Iowa foi o primeiro estado dos EUA a permitir a custódia exclusiva de uma criança à sua mãe no caso de um divórcio.[18]

1839

  • EUA, Mississippi: O Mississippi foi o primeiro estado dos EUA a dar às mulheres casadas direitos de propriedade limitados.[18]
  • Grã-Bretanha: A Lei de Custódia de Menores de 1839 tornou possível que as mães divorciadas recebessem a custódia de seus filhos menores de sete anos, mas somente se o Chanceler concordasse com ele e somente se a mãe fosse de boa índole.[19]

1840

  • EUA, Texas: As mulheres casadas foram autorizadas a possuir propriedade em seu próprio nome.[20]

1841

  • Bulgária: A primeira escola secular de meninas na Bulgária foi aberta, tornando a educação e a profissão de professora disponível para as mulheres.[21]

1842

  • Suécia: Iniciado a escola primária obrigatória para ambos os sexos.[22]

1844

  • EUA, Maine: Maine foi o primeiro estado dos Estados Unidos que aprovou uma lei para permitir que mulheres casadas possuam propriedade separada em seu próprio nome (economia separada) em 1844.[23] No mesmo ano, Maine aprovou a Lei Sole Trader que concedeu mulheres casadas a capacidade de se envolver em negócios sem a necessidade de consentimento dos seus maridos.[18]
  • EUA, Massachusetts: mulheres casadas foram concedidas economia separada.[24]

1845

  • Suécia: A herança igual para filhos e filhas (na ausência de um testamento) tornou-se lei.[25]
  • EUA, Nova York: mulheres casadas foram concedidas direitos de patente.[26]

1846

  • Suécia: As profissões de comércio e artesanato foram abertas a todas as mulheres solteiras.[27]

1847

  • Costa Rica: A primeira escola secundária para meninas foi aberta, e a profissão de professora foi aberta às mulheres.[28]

1848

  • EUA, Estado de Nova York: A Lei Married Women's Property conceder mulheres casadas uma economia separada.[29]
  • EUA, de 14 a 15 de junho, o candidato presidencial de terceiro mandato, Gerrit Smith, tornou o sufrágio das mulheres uma proposta na plataforma do Partido da Liberdade.[30]
  • Pérsia (agora chamado Irã): A Conferência de Badasht foi realizada em junho-julho.[31]
  • EUA, Estado de Nova York: Uma convenção de direitos das mulheres chamada Declaração de Seneca Falls foi realizada em julho. Foi a primeira convenção americana sobre os direitos da mulher.[32]

1849

  • EUA: Elizabeth Blackwell, nascida na Inglaterra, tornou-se a primeira médica médica na história americana.[33]

1850

  • Inglaterra: O primeiro movimento organizado do feminismo inglês foi Langham Place Circle da década de 1850, incluindo entre outras Barbara Bodichon (née Leigh-Smith) e Bessie Rayner Parkes.[34] Elas também fizeram campanha para melhorar os direitos das mulheres no emprego e na educação.
  • Haiti: Foi aberta a primeira escola permanente para meninas.[35]
  • Islândia: É necessária igualdade de herança entre homens e mulheres.[36]
  • EUA, Califórnia: A Lei de Propriedade de Mulheres Casadas concedeu às mulheres casadas economia separada.[37]
  • EUA, Wisconsin: O Ato de Propriedade de Mulheres Casadas concedeu às mulheres casadas economia separada.[37]
  • EUA, Oregon: Mulheres solteiras foram autorizadas a possuir terras.[6]
  • O movimento feminista começou na Dinamarca com a publicação do livro feminista Clara Raphael, Tolv Breve, que significa "Clara Raphael, Doze Cartas", de Mathilde Fibiger.[38]

1851

  • Guatemala: A cidadania plena foi concedida a mulheres economicamente independentes, mas isso foi rescindido em 1879.[39]
  • Canadá, New Brunswick: Mulheres casadas foram concedidas economia separada.[40]

1852

  • EUA, Nova Jersey: Mulheres casadas foram concedidas economia separada.[41]

1853

  • Colômbia: O divórcio foi legalizado; foi rescindido em 1856 e reintroduzido em 1992.[15]
  • Suécia: A profissão de professor de ensino primário e primário público foi aberta a ambos os sexos.[42]

1854

  • Noruega: É necessária herança igual para homens e mulheres.[6]
  • EUA, Massachusetts: Massachusetts concedeu às mulheres casadas economia separada.[37]
  • Chile: abertura da primeira escola pública de ensino fundamental para meninas.[43]

1855

  • EUA, Iowa: A Universidade de Iowa tornou-se a primeira universidade pública ou estadual coeducacional nos Estados Unidos.[44]
  • EUA, Michigan: As mulheres casadas receberam economia separada.[21]

1857

  • Dinamarca: A maioria jurídica foi concedida a mulheres solteiras.[6] No mesmo ano, uma nova lei estabeleceu o direito das mulheres solteiras a ganhar a vida em qualquer ofício ou comércio.[45]
  • Reino Unido: A Lei de Matrimonial Causes de 1857 permitiu que os casais conseguissem obter o divórcio através de processos cíveis.[46]
  • Países Baixos: O ensino primário foi obrigatório para as moças e para os rapazes.[47]
  • Espanha: O ensino fundamental tornou-se obrigatório tanto para meninas e meninos.[48]
  • EUA, Maine: As mulheres casadas foram concedidas o direito de controlar seus próprios ganhos.[41]

1858

  • Rússia: Foi aberto o ensino médio para as moças.[49]
  • Suécia: Foi concedida a maioridade legal às mulheres solteiras se solicitado; A maioridade jurídica automática foi concedida em 1863.[25]

1859

  • Oeste do Canadá: As mulheres casadas receberam economia separada.[40]
  • Dinamarca: O posto de professor na escola pública foi aberto às mulheres.[50]
  • Rússia: As mulheres foram autorizadas a auditar conferências universitárias, mas esta foi retraída em 1863.[49]
  • Suécia: Os postos de professor universitário e funcionário inferior das instituições públicas foram abertos às mulheres.[51]
  • EUA, Kansas: A lei da propriedade das mulheres casadas concedeu às mulheres casadas a economia separada.[37]
1860
  • EUA, Nova York: Nova York aprovou uma Lei de Propriedade de Mulheres Casadas revisada que deu às mulheres a posse compartilhada de seus filhos, permitindo que elas tivessem uma palavra na vontade de seus filhos, salários e concedendo-lhes o direito de herdar propriedades.[52]
1861
  • Sul da Austrália South A Austrália concedeu às mulheres proprietárias o direito de votar nas eleições locais.[53]
  • EUA, Kansas: Kansas deu o sufrágio escolar a todas as mulheres. Muitos Estados dos EUA seguiram o exemplo antes do início do século XX.[18]
1862
  • Suécia: O sufrágio local restrito foi concedido às mulheres na Suécia. Em 1919 o sufrágio foi concedido com restrições, e em 1921 todas as restrições foram levantadas.[54]
1863
  • Finlândia: Em 1863, as mulheres contribuintes foram concedidas o sufrágio municipal na parte campestre do país, e em 1872, a mesma reforma foi dada às cidades.[55]
1869
  • Reino Unido: O Reino Unido concedeu às mulheres o direito de votar nas eleições locais.[56]
  • EUA, Wyoming: Wyoming concedeu às mulheres o direito de votar, o primeiro estado dos EUA a fazê-lo.[57]
1870
  • EUA, Utah: O território de Utah concedeu as mulheres o direito de voto, mas foi revogado pelo Congresso em 1887 como parte de um esforço nacional para livrar o território da poligamia. Foi restaurado em 1895, quando o direito de votar e ocupar um cargo foi garantido na constituição do novo Estado.[58]
  • Inglaterra: A Lei de Propriedade das Mulheres Casadas foi aprovada em 1870 e expandida em 1874 e 1882, dando às mulheres inglesas controle sobre seus próprios ganhos e propriedades.[23]
1871
  • Dinamarca: Em 1871, a primeira organização de direitos da mulher foi fundada por Mathilde Bajer e seu marido Frederik Bajer, chamada Sociedade das Mulheres Dinamarquesa (ou Dansk Kvindesamfund), que ainda existe até hoje.
  • Países Baixos: Teve sua primeira estudante acadêmica, Aletta Jacobs, matriculada em uma universidade holandesa (Universidade de Groningen).
1872
  • Finlândia: Em 1872, as mulheres contribuintes foram concedidas o sufrágio municipal nas cidades.[55]
1881
  • Ilha de Man: O direito ao voto foi ampliado às mulheres solteiras e às viúvas que possuíam propriedades e, como resultado, 700 mulheres foram votar, incluindo cerca de 10% do eleitorado de Manx.[59]
1884
  • Canadá: As viúvas e solteiras foram as primeiras mulheres a ter direito a votar nos municípios de Ontário, tendo as outras províncias feito o mesmo ao longo da década de 1890.[60]
1886
1891
  • Austrália: Foi fundada a New South Wales Womanhood Suffrage League.[63]
1893
  • EUA, Colorado: Colorado garantiu a mulher o direito ao voto.[64]
  • Nova Zelândia: A Nova Zelândia tornou-se o primeiro país autônomo do mundo no qual todas as mulheres tinham o direito de votar nas eleições parlamentares.[65]
  • Ilhas Cook: As Ilhas Cook concedeu às mulheres o direito ao voto nos conselhos insulares e no parlamento federal.[66]
1894
  • Austrália do Sul: Garantiu as mulheres o direito ao voto.[66]
  • Reino Unido: Ampliou o direito de voto nas eleições locais às mulheres casadas.[67]
1895
  • EUA: Quase todos os estados dos EUA haviam passado alguma forma de Leis de Comerciantes Únicos, Leis de Propriedade e Leis de Ganhos, concedendo a mulheres casadas o direito de negociar sem o consentimento de seus maridos, possuir e / ou controlar sua própria propriedade e controlar seus próprios ganhos.[18]
1896
  • EUA, Idaho: Idaho garantiu as mulheres o direito ao voto.[68]
1900
  • Austrália Ocidental: A Austrália Ocidental concedeu às mulheres o direito ao voto.[69]
  • Bélgica: A maioria legal foi concedida a mulheres solteiras.[70]
  • Egito: Uma escola para professoras foi fundada no Cairo.[71]
  • França: As mulheres podiam exercer a advocacia.[72]
  • Coréia: A profissão de correios foi aberta às mulheres.[73]
  • Tunísia: Abertura da primeira escola pública de ensino fundamental para meninas.[71]
  • Japão: A primeira universidade para mulheres foi aberta.[74]
  • Baden, Alemanha: Universidades abertas às mulheres.[75]
  • Suécia: Foi concedida a licença maternidade a trabalhadoras industriais.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Henry, Astrid (2004). Not My Mother's Sister: Generational Conflict and Third-Wave Feminism. [S.l.]: Indiana University Press. p. 58. ISBN 9780253111227 
  2. First Wave Feminism | BCC Feminist Philosophy
  3. a b c Schneir, Miram, 1972 (1994). Feminism: The Essential Historical Writings. [S.l.]: Vintage Books. p. xiv. ISBN 0-679-75381-8 
  4. "Married Women's Property Laws:Law Library of Congress". Memory.loc.gov. 
  5. Christine Bladh: Månglerskor: att sälja från korg och bod i Stockholm 1819–1846 (1991)
  6. a b c d Richard J Evans (1979). Kvinnorörelsens historia i Europa, USA, Australien och Nya Zeeland 1840–1920 (The Feminists: Women's Emancipation Movements in Europe, America and Australasia, 1840–1920) Helsingborg: LiberFörlag Stockholm. ISBN 91-38-04920-1 
  7. Mansdominans i förändring: om ledningsgrupper och styrelser : betänkande - Sverige Utredningen om kvinnor pĺ ledande poster i näringslivet - Google Böcker. Books.google.se. p. 56. ISBN 9789138219539
  8. [1] Archived October 29, 2012, at the Wayback Machine.
  9. A companion to gender history by: Teresa A. Meade, Merry E. Wiesner-Hanks
  10. "Abolition of Sati by Lord William Bentinck - Indian History - General Knowledge Today". Gktoday.in. 
  11. Stig Hadenius, Torbjörn Nilsson & Gunnar Åselius: Sveriges historia. Vad varje svensk bör veta
  12. Gender, Race, and Patriotism in the Works of Nísia Floresta - Charlotte Hammond Matthews - Google Books
  13. South American Independence: Gender, Politics, Text - Catherine Davies, Claire Brewster, Hilary Owen - Google Books
  14. "Oberlin College | NCAC: North Coast Athletic Conference". .northcoast.org. 
  15. a b Women's Roles in Latin America and the Caribbean by Kathryn A. Sloan
  16. "Arkansas Married Woman's Property Law". Encyclopedia of Arkansas. 
  17. Yes Means Yes!: Visions of Female Sexual Power and A World Without Rape - Jaclyn Friedman, Jessica Valenti - Google Books.
  18. a b c d e f g "Powered by Google Docs" (PDF). 
  19. "British Women's Emancipation since the Renaissance". Historyofwomen.org.
  20. Janet L. Coryell: Negotiating boundaries of southern womanhood. Books.google.se. p. 92. ISBN 978-0-8262-1295-5
  21. a b The Oxford encyclopedia of women in world history, Volym 1 Av Bonnie G. Smith. Books.google.se. 2008-01-23. p. 189. ISBN 978-0-19-514890-9
  22. "Kampen om kunskapen av Christina Florin, professor i kvinnohistoria". Göteborgs universitetsbibliotek. 
  23. a b "Powered by Google Docs" (PDF). 
  24. Roberts, Evan (2006-09-16). "Women's Rights and Women's Labor: Married Women's Property Laws and Labor Force Participation, 1860–1900". Spanalumni.academia.edu.
  25. a b Lilla Focus Uppslagsbok (Little Focus Encyclopedia) Focus Uppslagsböcker AB (1979) 
  26. The revised statutes of the state of New York: together with all the other ... - New York (State) - Google Books. Books.google.com
  27. "Viktiga årtal". Göteborgs universitetsbibliotek. 
  28. Ilse Abshagen Leitinger: The Costa Rican women's movement: a reader. Books.google.se. ISBN 978-0-8229-5543-6.
  29. "Married Woman's Property Act New York State (1848)" (PDF). Mccarter.org. 
  30. Wellman, Judith. The Road to Seneca Falls, p. 176. University of Illinois Press, 2004. ISBN 0-252-02904-6
  31. "Bahá'í Reference Library - The Dawn-Breakers: Nabíl's Narrative of the Early Days of the Bahá'í Revelation, Pages 288-301". Reference.bahai.org. 
  32. "Seneca falls | National Portrait Gallery, Smithsonian Institution". Npg.si.edu. 
  33. "Changing the Face of Medicine | Dr. Elizabeth Blackwell". Nlm.nih.gov.
  34. "Oxford DNB theme: Langham Place group". Oxforddnb.com.
  35. "Femmes d'Haiti : Repères chronologiques". Haiticulture.ch.
  36. "SJFE : Women and Law in Europe: politics - women and politics in Scandinavia". Helsinki.fi. 
  37. a b c d History of the United States by Charles Austin Beard, Mary Ritter Beard. Books.google.se. p. 485. ISBN 978-1-60620-216-6.
  38. Historical Dictionary of Scandinavian Literature And Theater - Jan Sjĺvik - Google Books. Books.google.com
  39. Sisterhood is global: the international women's movement anthology by Robin Morgan. Books.google.se. p. 281. ISBN 978-1-55861-160-3
  40. a b Courtship, love, and marriage in nineteenth-century English Canada by W. Peter Ward. Books.google.se. 1993-03-31. p. 40. ISBN 978-0-7735-1104-0.
  41. a b Roberts, Evan (2006-09-16). "Women's Rights and Women's Labor: Married Women's Property Laws and Labor Force Participation, 1860–1900"
  42. Inger Hultgren (Swedish): Kvinnors organisation och samhällets beslutsprocess (1982)
  43. The Oxford encyclopedia of women in world history, Volym 1 by Bonnie G. Smith
  44. May, A.J., University of Rochester History
  45. The Growth of Scandinavian Law - Lester B. Orfield - Google Books. Books.google.com. 2002-05-30.
  46. "Family History Research Timeline: Family Secrets". BBC.
  47. The Modern Woman's Rights Movement - Kaethe Schirmacher - Google Böcker. Books.google.se. p. 67. ISBN 978-1-4068-9616-9
  48. The Educated Woman: Minds, Bodies, and Women's Higher Education in Britain ... - Katharin Rowold - Google Böcker. Books.google.se. 2008-10-15. ISBN 978-0-415-20587-0
  49. a b Barbara Alpern Engel: Women in Russia, 1700–2000. Books.google.se. 2003-10-13. p. 35. ISBN 978-0-521-00318-6.
  50. Women Educators: Employees of Schools in Western Countries - Google Boeken. Books.google.com.
  51. Sidansvarig: KvinnSam. "Årtalslistor". Göteborgs universitetsbibliotek.
  52. Dicker, 2008, pp. 30, 38.
  53. "Powered by Google Docs" (PDF). Docs.google.com.
  54. "European Database: Women in Decision-making | Country Report Sweden". Db-decision.de. 
  55. a b Woman suffrage: history, arguments and results - Google Books. Books.google.com.
  56. "Exhibitions | Citizenship | Brave new world". The National Archives. 
  57. "Wyoming grants women the vote — History.com This Day in History — 12/10/1869". History.com. 
  58. "Women's Suffrage in Utah". Historytogo.utah.gov. 
  59. "Social Changes - Isle of Man Government Manx National Heritage:". Gov.im.
  60. "Notice ! The Township of Woolwich fonds contains nomination and election notices from the period 1977 tp 1905 for representatives to the Township of Woolwich Council and Waterloo County Council" (PDF)
  61. "Official Site of Korea Tourism Org.: Ewha Womans University". English.visitkorea.or.kr.
  62. Bauer, K., "The Domestication of Radical Ideas and Colonial Spaces," in M. Schulze, et al., eds., German Diasporic Experiences (Waterloo, ONWilfrid Laurier University Press, 2008), pp. 345–358.
  63. Woman Suffrage in Australia - Audrey Oldfield - Google Books. Books.google.com.
  64. "Virginia Minor and Women's Right to Vote - Jefferson National Expansion Memorial". Nps.gov. 
  65. "New Zealand women and the vote | NZHistory, New Zealand history online". Nzhistory.net.nz. 
  66. a b "World suffrage timeline - women and the vote | NZHistory, New Zealand history online". Nzhistory.net.nz. 
  67. "Powered by Google Docs" (PDF). Docs.google.com
  68. Hart, Arthur (2006-01-24). "01/24/2006: Idaho women win right to vote | Idaho History". Idahostatesman.com.
  69. "Australian Women's History: Timeline". Womenshistory.com.au.
  70. "Milestones in the history of women in Belgium"(PDF). Rosadoc.be
  71. a b Women in the Middle East and North Africa: restoring women to history by Guity Nashat, Judith E. Tucker (1999)
  72. Gender and crime in modern Europe by Margaret L. Arnot, Cornelie Usborne
  73. Gender and Modernity in Colonial Korea - Jennifer J. Jung-Kim - Google Böcker. Books.google.se. p. 102. ISBN 978-0-549-71329-6
  74. Kumiko Fujimura-Fanselow; Atsuko Kameda (1995). Japanese Women: New Feminist Perspectives on the Past, Present, and Future. Feminist Press at the City University of New York. ISBN 9781558610941.
  75. Gender and the Modern Research University: The Admission of Women to German ... - Patricia Mazon - Google Böcker. Books.google.se. p. 10. ISBN 978-0-8047-4641-0

Bibliografia[editar | editar código-fonte]