TINA (slogan)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Princípio TINA)
Ir para: navegação, pesquisa

TINA, acrónimo do inglês para There Is No Alternative (em português, 'Não há alternativa'), também referido como argumento TINA ou princípio TINA, é um slogan político cuja criação é normalmente atribuída a Margaret Thatcher, quando esta era primeira-minstra do Reino Unido. [1] [2] Significa que não há alternativa às leis do mercado, ao capitalismo, ao neoliberalismo e à globalização, os quais, afinal, seriam não só necessários mas benéficos. Da mesma forma, não existiria alternativa ao próprio thatcherismo; logo, não haveria por que consultar os cidadãos.[3]

De fato, Thatcher pouco se utilizou desssa expressão em suas manifestações oficiais.[4] No entanto, a frase - especialmente na forma de acrônimo - permaneceu, principalmente em conexão com a crítica da globalização e da privatização.[5]

Essa fórmula caracteriza, segundo os altermundialistas, a atual ordem mundial. O sociólogo suíço Jean Ziegler, por exemplo, em seu livro Os Novos Senhores do Mundo e os seus opositores (no original, Les nouveaux maîtres du monde, 2002), descreve esse slogan como o do terceiro poder totalitário depois do bolchevismo e do nazismo : "Não existe alternativa ao sistema emergente do mercantilismo que foi instalado por empresas apoiadas no Estado e é enunciado com a ajuda de diferentes mantras, tais como a globalização e o livre-mercado". Para Noam Chomsky todavia, "bater-se contra o TINA, é afrontar um empreendimento intelectual que não se pode comparar aos campos de concentração nem ao gulag ", porque existe, segundo ele, uma "oposição contra a globalização econômica em escala mundial"[6] [7]

Atualmente, o acrônimo TINA identifica a linha de pensamento que considera o neoliberalismo como a única ideologia que permanece válida.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. « A lifetime of public speaking », BBC News, 22 mars 2002.
  2. Berlinski, Claire. There Is No Alternative: Why Margaret Thatcher Matters
  3. Má comunicação. Por João Cardoso Rosas . Economico, 13 de fevereiro 2013
  4. « The boneless wonder of New Labour », The Daily Telegraph, 1º de abril de 1997.
  5. Ver, por exemplo, Europe : les errements de Tina, por Éric Chol, Courrier International, 30 de maio de 2013.
  6. « Le lavage de cerveaux en liberté », Le Monde diplomatique, agosto de 2007.
  7. Blundell, John Margaret Thatcher: A Portrait of the Iron Lady

Ver também[editar | editar código-fonte]