Princípio TINA

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Princípio TINA (também argumento TINA ou síndrome TINA) é um slogan político e é normalmente referido com intenção polémica de uma posição que defende, que não há uma alternativa para a competitividade do mercado, especialmente em economia e política. TINA é um acrónimo do inglês para There Is No Alternative (Não há alternativa).1

A frase hoje é usada como uma abreviação, principalmente em conexão com a crítica da globalização e da crítica de privatização, bem como a palavra da moda geral da esquerda política.

Não há alternativa foi uma expressão muitas vezes repetida de Margaret Thatcher, usada para descartar quaisquer alternativas plausíveis para sua marca de durão neoliberalismo. Porque não há alternativa, ou se considera por princípio que a alternativa é má, não há que consultar os cidadãos.2

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Valeria da Vinha, Paula Rubea, B. M. Ebraico, 1° pagina, ultimo paragrafo
  2. [1], João Cardoso Rosas, Professor Universitário no Economico, 13 de fevereiro 2013

Ligações externos[editar | editar código-fonte]