Problema de Dirichlet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2014)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

Em matemática, um problema de Dirichlet consiste em encontrar uma função que satisfaça uma equação diferencial parcial (EDP) dada no interior de uma região dada e que toma valores prescritos na fronteira (contorno) desta.

Originalmente, o problema foi proposto para a equação de Laplace. Nesse caso ele pode ser apresentado da seguinte forma: dada uma função definida no contorno de um dado conjunto em Rn, existe uma única função contínua u diferenciável continuamente duas vezes no interior e contínua no contorno, tal que é harmônica no interior e no contorno?

A exigência imposta sobre na fronteira do conjunto é chamada de condição de contorno de Dirichlet. A questão principal é provar a existência de uma solução. A unicidade pode ser demonstrada usando-se o princípio do máximo.

História[editar | editar código-fonte]

O problema de Dirichlet é nomeado em homenagem a Lejeune Dirichlet, que propôs uma solução para um método variacional que tornou-se conhecido como princípio de Dirichlet. A existência de uma única solução é muito plausível pelo 'argumento físico': qualquer distribuição de carga no contorno deveria, pelas leis da eletrostática, determinar um potencial elétrico como solução.

Entretanto, Weierstrass encontrou uma falha no argumento de Dirichlet, e uma rigorosa prova de existência foi encontrada somente em 1900 por Hilbert. Ocorre que a existência de uma solução depende delicadamente da suavidade do contorno e os dados prescritos.

Solução geral[editar | editar código-fonte]

Para um domínio tendo um contorno suficientemente suave , a solução geral para o problema de Dirichlet é dada por

onde é a função de Green para a equação diferencial parcial, e

é a derivada da função de Green ao longo do vetor unidade com orientação normal interno . A integração é realizada sobre o contorno, com medida . A função é dada pela solução única à equação integral de Fredholm do segundo tipo,

A função de Green a ser usada na integral acima é uma que desaparece no contorno:

para e . Tal função de Green é usaulmente uma soma da função de Greem de campo livre e uma solução harmônica à equação diferencial.

Existência[editar | editar código-fonte]

O problema de Dirichlet para funções harmônicas sempre tem uma solução, e esta solução é única, quando o contorno é suficientemente suave e é contínua. Mais precisamente, tem, solução quando

para , onde denota a condição de Hölder.

Exemplo: o disco unidade em duas dimensões[editar | editar código-fonte]

Em alguns casos simples o problema de Dirichlet pode ser resolvido explicitamente. Por exemplo, a solução para o problema de Dirichlet para o disco unidade em R2 é dado pela fórmula integral de Poisson.

Se é uma função contínua no contorno de um disco unidade aberto , então a solução para o problema de Dirichlet é dado por

A solução é contínua no disco unidade fechado e harmônica sobre

O integrando é conhecido como o núcleo de Poisson; esta solução segue-se da função de Green em duas dimensões:

onde é harmônica

e escolhida tal que para .

Generalizações[editar | editar código-fonte]

Problemas de Dirichlet são típicos de equações diferenciais parciais elípticas, e teoria potencial, e a equação de Laplace em particular. Outros exemplos incluem a equação biharmônica e equações relacionadas em teoria da elasticidade.

Eles são alguns dos diversos tipos de classes de problemas de EDP definidos pela informação dada no contorno, incluindo problemas de Neumann e problemas de Cauchy.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]