Procnias albus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaAraponga-da-amazônia
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Família: Cotingidae
Gênero: Procnias
Espécie: P. albus
Nome binomial
Procnias albus
(Hermann, 1783)
Distribuição geográfica
Distribuição de P. albus
Distribuição de P. albus

Procnias albus, conhecido popularmente como araponga-da-amazônia, é uma de ave da família Cotingidae. É encontrada em florestas nas Guianas, com uma população pequena na Venezuela e nos estados brasileiros Pará e Roraima, assim como em Trinidad e Tobago. Do mesmo modo que nas duas outros espécies do gênero Procnias, os machos têm apêndices carnudos, estruturas semelhantes à pele vermelha que fica pendurada na garganta do galos.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A araponga-da-amazônia mede aproximadamente 28 cm de comprimento. O macho é branco puro com um bico preto que tem um apêndice carnudo negro, esparsamente emplumado com penas brancas, que tem origem no topo do bico e fica pendurado para o lado, geralmente o lado direito; a fêmea possui uma coloração geral verde-oliva, com listras verde-oliva nas partes inferiores amareladas, e se assemelha às fêmeas de outras espécies de arapongas. É improvável que o macho seja confundido com qualquer outra espécie, mas a fêmea se parece com a da araponga-do-nordeste (Procnias averano), mas este tem uma cabeça oliva escura e listras pretas na garganta.[2]

De acordo com um estudo publicado em 2019, a araponga-da-amazônia tem a vocalização mais alta já registrada em aves, alcançando 125 dB.[3][4] A marca era anteriormente atribuída ao cricrió com 116 dB.[5]

Conservação[editar | editar código-fonte]

Apesar da araponga-da-amazônia ser incomum, estima-se que sua população total seja grande. A população pode estar em leve declínio devido ao desmatamento, mas não em ritmo rápido o suficiente para ser considerada ameaçada, então a IUCN avaliou o seu estado de conservação em pouco preocupante.[1]

Referências

  1. a b BirdLife International (2012). «Procnias albus». Consultado em 26 de Novembro de 2013 
  2. Ridgely, Robert S.; Tudor, Guy (2009). Field Guide to the Songbirds of South America: Vol. II, The Suboscine Passerines. [S.l.]: University of Texas Press. p. 762. ISBN 978-0-292-71748-0 
  3. Podos, Jeffrey; Cohn-Haft, Mario (21 de Outubro de 2019). «Extremely loud mating songs at close range in white bellbirds». Current Biology. 29 (20). pp. R1068–R1069. PMID 31639347. doi:10.1016/j.cub.2019.09.028 
  4. «World's 'loudest bird': Meet the white bellbird». Newsbeat (vídeo). BBC News. 22 de Outubro de 2019 
  5. Nemeth, Erwin (1 de Janeiro de 2004). «Measuring the Sound Pressure Level of the Song of the Screaming Piha Lipaugus Vociferans: One of the Loudest Birds in the World?». Bioacoustics. 14 (3). pp. 225–228. ISSN 0952-4622. doi:10.1080/09524622.2004.9753527 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Snow, D.W. (1982). The Cotingas: Bellbirds, Umbrella birds and their allies. British Museum Press. ISBN 0-19-858511-X
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Procnias albus