Profissão de fé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Uma profissão de fé é a declaração pública de uma crença ou . É individual, ao contrário de confissão de fé.

Judaísmo[editar | editar código-fonte]

No Judaísmo, a profissão de fé assume a forma de Shema Israel (שמע ישראל em hebraico). [1] É recitado todos os dias, de manhã e à noite; ao lado da cama dos moribundos; pelo jovem judeu na época de seu Bar Mitzvah. Ele aparece nos tefilin (filactérios), os pedaços de pergaminho usados na testa e no braço esquerdo, de acordo com as instruções de Deuteronômio, bem como em um pequeno pergaminho colocado em o lintel da porta da frente, o mezouzah.

Cristianismo[editar | editar código-fonte]

A profissão de fé tem sua origem no Novo Testamento, onde os crentes, como Cornelius, declarou sua fé em Jesus no batismo. [2] Na Primeira Epístola a Timóteo no capítulo 6, versículo 12, Paulo de Tarso lembra Timóteo de sua profissão de fé na frente de várias pessoas. [3] Na Igreja Primitiva, no kerigma, ou na proclamação de Jesus Cristo Messias e Filho de Deus, morte e ressuscitado, resumiu a profissão de fé. [4]

Catolicismo[editar | editar código-fonte]

No catolicismo, é uma cerimônia antigamente chamada de "comunhão solene", pela qual os jovens fiéis afirmam a fé de seu batismo recebido como um bebê. [5] Pode acontecer durante o batismo, se não for um bebê.

Protestantismo[editar | editar código-fonte]

No Protestantismo, a profissão de fé é semelhante à confirmação. [6]Designa uma cerimônia onde um crente afirma sua fé em Jesus.

Cristianismo Evangélico[editar | editar código-fonte]

No Cristianismo evangélico, a profissão de fé consiste em testemunhar a conversão pessoal e a fé em Jesus, antes do batismo do crente. [7][8]Este rito é, portanto, reservado para adolescentes e adultos. [9]

Islã[editar | editar código-fonte]

No Islã, a profissão de fé é chamada de "shahâda" (em língua árabe, "testemunho"), é um dos Cinco pilares do Islamismo , e o mais importante. [10]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Norman Solomon, Historical Dictionary of Judaism, Rowman & Littlefield, USA, 2015, p. 422
  2. Anthony R. Cross, Recovering the Evangelical Sacrament: Baptisma Semper Reformandum, Wipf and Stock Publishers, USA, 2012, p. 41
  3. Samuel Cheetham, A History of the Christian Church During the First Six Centuries, Macmillan, UK, 1894, p. 114
  4. Schubert M. Ogden, The Understanding of Christian Faith, Wipf and Stock Publishers, USA, 2010, p. 74
  5. William J. Collinge, Historical Dictionary of Catholicism, Scarecrow Press, USA, 2012, p. 359
  6. Pascale Marson, Le guide des religions et de leurs fêtes, Presses de la Renaissance, Paris, 1999, p. 152-153
  7. Walter A. Elwell, Evangelical Dictionary of Theology, Baker Academic, USA, 2001, p. 132
  8. Sébastien Fath, Du ghetto au réseau: Le protestantisme évangélique en France, 1800-2005, Édition Labor et Fides, France, 2005, p. 366
  9. Edward E. Hindson, Daniel R. Mitchell, The Popular Encyclopedia of Church History: The People, Places, and Events That Shaped Christianity, Harvest House Publishers, USA, 2013, p. 33
  10. Roger Foehrlé, L'Islam pour les profs : recherches pédagogiques, Karthala Éditions, 1992, p. 66