Programação orientada a eventos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Programação orientada a eventos é um paradigma de programação. Diferente de programas tradicionais que seguem um fluxo de controle padronizado, o controle de fluxo de programas orientados a evento são guiados por indicações externas, chamadas eventos.[1] Sua aplicação é grande no desenvolvimento de sistemas de interface com o usuário.

A maioria das ferramentas e arquiteturas de desenvolvimento de GUI existentes depende de programação orientada a eventos. [2] A estrutura Java AWT processa todas as alterações na interface do usuário em um único thread, chamado de thread de despacho de eventos . Da mesma forma, todas as atualizações da interface do usuário na estrutura Java JavaFX ocorrem no JavaFX Application Thread.

Além disso, sistemas como o Node.js também são controlados por eventos.[2]

Visão geral[editar | editar código-fonte]

Diferente de aguardar por um comando completo que processa a informação, o sistema em tal paradigma é programado em sua base em um laço de repetição de eventos, que recebem repetidamente informação para processar e disparam uma função de resposta de acordo com o evento.

O método pelo qual a informação é adquirida por camadas mais baixas do sistema é irrelevante. As entradas podem ser enfileiradas ou uma interrupção pode ser registrada para reagir, ou ainda ambos.

Programas orientados a evento geralmente consistem em vários pequenos tratadores, programas que processam os eventos para produzir respostas, e um disparador, que invoca os pequenos tratadores. Uma alternativa consiste em disparar os tratadores por eles próprios, criando um efeito de evento em cascata.

Esse método é bastante flexível e permite um sistema assíncrono. Programas com interface com o usuário geralmente utilizam tal paradigma. Sistemas operacionais também são outro exemplo de programas que utilizam programação orientada a eventos, este em dois níveis. No nível mais baixo encontram-se o tratamento de interrupções como tratadores de eventos de hardware, com a CPU realizando o papel de disparador. No nível mais alto encontram-se os processos sendo disparados novamente pelo sistema operacional.

Um interpretador de comandos pode ser visto como um caso especial de modelo orientado a eventos, no qual o sistema, até então inativo, espera um comando para ser disparado através das instruções do usuário.

Referências

  1. Samek, Miro (April 1, 2013). «Who Moved My State?». Dr. Dobb's. Consultado em 28 de janeiro de 2018  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. Node.js & Event-driven programming.
  • Grant Palmer: Java Event Handling, Prentice Hall, ISBN 0-13-041802-1
  • David Luckham: The Power of Events - An Introduction to Complex Event Processing in Distributed Enterprise Systems, Addison-Wesley, ISBN 0-201-72789-7
  • George S. Fishman: Discrete-Event Simulation - Modeling, Programming, and Analysis, Springer, ISBN 0-387-95160-1
  • Bertrand Meyer (2004): The power of abstraction, reuse and simplicity: an object-oriented library for event-driven design, in Festschrift in Honor of Ole-Johan Dahl, eds. Olaf Owe et al., Springer-Verlag, Lecture Notes in Computer Science 2635, also available online.
  • Miro Samek: Practical Statecharts in C/C++: Quantum Programming for Embedded Systems, CMP Books, ISBN 1-57820-

Ligações externas[editar | editar código-fonte]