Programa Erasmus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O humanista Erasmo de Roterdão nomeia e serve de ícone ao programa.
Ver artigo principal: Erasmus+

O programa Erasmus, acrónimo do nome oficial em língua inglesa, European Region Action Scheme for the Mobility of University Students (Plano de Ação da Comunidade Europeia para a Mobilidade de Estudantes Universitários), é um plano de gestão de diversas administrações públicas, que apoia e facilita a mobilidade académica dos estudantes e professores universitários através do mundo inteiro.[1][2] Este programa faz parte do Espaço Europeu de Educação Superior.[3] Erasmus+, ou Erasmus Mais, é o novo programa que combina todos os atuais planos da UE para educação, formação, juventude e desporto, e que iniciou em janeiro de 2014.[4]

Ação específica Programa Erasmus+ [5]
Ação Comenius Ação Erasmus Ação Erasmus Mundus Ação Leonardo da Vinci Ação Grundtvig Ação Juventude em Ação Ação Jean Monet Ação Desporto
Âmbito Educação infantil, pré-primária, básica e secundária Educação superior Diplomas conjuntos de mestrado Erasmus Mundus Formação profissional Educação de adultos Aprendizagem não-formal e informal dos jovens Estudos sobre a União Europeia Desporto escolar e universitário
Participante[6] Estudante, aprendiz, professor, membro do pessoal, conferencista, jovem, voluntário, estagiário e praticante de desporto escolar e universitário
Países aderentes ao Programa Erasmus.

Foi criado em 1987 por iniciativa da associação estudantil AEGEE Europe, fundada por Franck Biancheri (mais tarde presidente do partido transeuropeu Newropeans), e promovida e posteriormente apadrinhada pelo Comissário europeu da Educação da Comissão Delors, Manuel Marín, com o especial apoio do presidente da República Francesa, François Mitterrand e do Governo de Espanha, Felipe González.[7][8] O programa, juntamente com um número de outros programas independentes, incorporou-se no programa Sócrates criado pela Comissão Europeia em 1994. O programa Sócrates terminou em 31 de dezembro de 1999 e foi substituído pelo programa Sócrates II a 24 de Janeiro de 2000, o qual por sua vez foi substituído pelo Programa de Aprendizagem Permanente 2007–2013 a 1 de janeiro de 2007.[9]

Está orientado para a educação superior, tem como objetivo «melhorar a qualidade e fortalecer a dimensão europeia da educação superior fomentando a cooperação transnacional entre universidades, estimulando a mobilidade na Europa e melhorando a transparência e o pleno reconhecimento académico dos estudos e qualificações em toda a União». Foi eleito o referido acrónimo porque coincide com o nome em latim do filósofo, teólogo, e humanista Erasmo de Roterdão (1465-1536).[10]

Desde o ano de 2014 o programa continua num formato mais alargado, sendo denominado Erasmus+ como parte da Estratégia Europeia 2020.[11]

Participação[editar | editar código-fonte]

Existem atualmente mais de 4,000 instituições de educação superior participando no Erasmus ao longo de 37 países envolvidos no programa Erasmus e em 2013, 3 milhões de estudantes[12] haviam participado desde o início do programa em 1987. Apenas em 2012-13, 270,000 participaram, tendo os destinos mais populares sido Espanha, Alemanha, Itália e França.[13] Os estudantes de Erasmus representaram 5 porcento das graduações europeias em 2012.[14]

Diversos estudos levantaram questões relacionadas com a seleção no programa e com a representatividade dos participantes. Tais estudos levantaram dúvidas sobre a inclusividade do programa, segundo o contexto socioeconómico, o nível do estudo ou o desempenho académico. Assim, um estudo analisou as questões financeiras e antecedentes familiares dos estudantes de Erasmus, mostrando que apesar do acesso ao programa ter sido moderadamente alargado, ainda existem barreiras socioeconómicas importantes à participação no programa.[15] Outro estudo argumenta que a razão pela qual o programa Erasmus erra a sua marca para reforçar uma identidade europeia é que ele se dirige a estudantes universitários, que já são muito propensos a sentirem-se Europeus.[16] Finalmente, outro estudo descobriu o que parece ser uma auto-seleção adversa dos estudantes Erasmus baseada no seu desempenho académico anterior, com alunos com melhor desempenho menos propensos a participar do que os com baixo desempenho. Contudo, este caso foi baseado apenas num número de quatrocentos graduados de uma universidade espanhola.[17]

Requisitos[editar | editar código-fonte]

O programa Erasmus tinha sido previamente restrito a candidatos que tivessem completado pelo menos um ano de estudos de nível superior ou estudos de nível terciário, mas agora está também disponível para os estudantes da educação secundária.

Detalhes[editar | editar código-fonte]

Os estudantes que se juntarem ao programa Erasmus estudam pelo menos 3 meses ou fazem um estágio por um período de pelo menos 2 meses a um ano académico num outro país. O programa Erasmus garante que o período passado no estrangeiro seja reconhecido pela sua universidade quando regressarem, desde que cumpram os termos previamente acordados. A Suíça foi suspensa como participante no programa Erasmus a partir de 2015, após o voto popular para limitar a imigração de cidadãos da UE para a Suíça. Como consequência, os estudantes suíços não não poderão candidatar-se ao programa e os estudantes Europeus não poderão passar um tempo numa universidade suíça ao abrigo desse programa.[18]

A parte principal do programa é que os estudantes não pagam propinas extra à universidade que visitam. Os estudantes também podem solicitar uma bolsa Erasmus para ajudar a cobrir as despesas adicionais de viver no exterior. Alunos com deficiência podem solicitar um subsídio adicional para cobrir despesas extraordinárias.

A fim de reduzir despesas e aumentar a mobilidade, muitos estudantes também usam a rede de alojamento apoiada pela Comissão Europeia, Housing Anywhere, FlatClub, Studentinn, Eurasmus,[19] Erasmate ou Student Mundial, que são sítios web gratuitos onde os estudantes e jovens podem arrendar, subarrendar, oferecer e trocar de alojamento – numa base nacional e internacional. Um benefício derivado é que os alunos podem compartilhar conhecimentos e trocar dicas e sugestões uns com os outros antes e depois de ir para o exterior.

A quantia da bolsa Erasmus em Portugal[editar | editar código-fonte]

Portugal é o sétimo país a receber mais estudantes Erasmus com cerca de 50.000 estudantes nos anos de 2015 e 2016, mas apenas o décimo segundo em termos de envio para o exterior. Este elevado número de estudantes recebidos atendendo à população do país, representa um enorme esforço, justificável pelo bom clima em comparação com o norte europeu. O reverso deste movimento poderia ser incentivado, numa dimensão semelhante, no entanto a baixa taxa de graduados em Portugal, a baixa taxa de praticantes de desporto universitário, a elevada taxa de abandono universitário e a situação económica desfavorável mantêm-se como obstáculos à execução do programa Erasmus em Portugal.[20]

A bolsa Erasmus conta com três componentes principais.

Em primeiro lugar, todos os estudantes Erasmus recebem uma ajuda da União Europeia de aproximadamente 110 euros por mês. A nível nacional, o Ministério da Educação, Cultura e Desporto, concede ajudas aos estudantes Erasmus de 185 euros por mês como máximo, dependendo da situação económica de cada estudante, coisa que à data de 29 de outubro de 2013 se modificou, podendo receber esta contribuição só se haver sido beneficiário de uma bolsa do Ministério no ano letivo anterior, mudança que foi acolhida com grande discrepância por fazer-se com caráter retroativo, obrigando a milhares de Erasmus portugueses sentados no seu destino a deslocar-se de regresso a Portugal por não poder fazer frente ao gasto. Por último, algumas Regiões Autónomas também concedem ajudas cuja quantia depende de cada região.[21]

No total, um estudante Erasmus pode reunir entre 200 e 800 euros por mês, segundo a sua situação financeira familiar e a Região Autónoma na qual resida.

A "Experiência Erasmus"[editar | editar código-fonte]

Fenómeno cultural[editar | editar código-fonte]

Para muitos estudantes Europeus, o programa Erasmus é a primeira vez que vivem e estudam noutro país. Por isso, tornou-se um fenómeno cultural e é muito popular entre os estudantes europeus, passando a ser objeto cinematográfico como o filme francês L'Auberge espagnole, e o documentário Erasmus 24 7[22]O programa promove a aprendizagem e compreensão do país anfitrião. A experiência Erasmus é considerada tanto um tempo para aprender como uma oportunidade para socializar.

Os tutores costumam fazer com que os estudantes de Política ou Relações Internacionais participem no programa. É visto como uma grande oportunidade para estudar no estrangeiro sem ter o custo de viver fora da União Europeia, uma vez que as bolsas disponíveis para estudantes Erasmus não estão disponíveis para aqueles que optam por deixar o continente para estudar.

Alguns académicos especularam que os antigos alunos Erasmus provarão ser uma força poderosa na criação de uma identidade pan-europeia. O cientista político Stefan Wolff, por exemplo, argumentou que "Dê 15, 20 ou 25 anos, e a Europa será dirigida por líderes com uma socialização completamente diferente da de hoje", referindo-se à chamada "geração Erasmus".[23]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

A maioria das personagens no filme L'Auberge Espagnole são participantes no programa Erasmus e o programa desempenha um papel central na trama.

Livros[editar | editar código-fonte]

O romance "Jannat K Patte" (Leaves of Heaven) do romancista paquistanês Nimra Ahmed é baseado no programa Erasmus, onde a protagonista Haya vai para a Universidade Sabancı através do Erasmus Mundus, o qual marca um ponte de viragem na sua vida.[24]

cafébabel[editar | editar código-fonte]

O fórum público online cafébabel foi fundado em 2001 por estudantes do programa de intercâmbio Erasmus, e está sediado em Paris. O fórum é baseado no princípio do jornalismo participativo. Em julho de 2013 contava com mais de 16,000 membros registados, até 1,500 colaboradores e 20 ‘escritórios locais’ escrevendo sobre a Europa como eles a vêem. Contribuidores voluntários traduzem simultaneamente o fórum em seis idiomas – Francês, Inglês, Alemão, Italiano, Espanhol e Polaco.[25]

Origem do nome[editar | editar código-fonte]

O programa deve o seu nome ao filósofo holandês Erasmo de Roterdão (em neerlandês, Erasmus), conhecido como oponente do dogmatismo, que viveu e trabalhou em vários locais da Europa para expandir o seu conhecimento e ganhar novos conhecimentos, e que deixou a sua fortuna à Universidade de Basileia. E.R.A.S.M.U.S. é, também, uma sigla para European Region Action Scheme for the Mobility of University Students (ou, em português, Esquema de Ação Regional Europeia para a Mobilidade de Estudantes Universitários).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Artigos relativos ao Erasmus+

Plataformas e redes de organização do programa Erasmus+

Plataformas de pesquisa de parceiros e projetos na União Europeia

Plataformas de gestão, colaboração e reporte para as instituições participantes

Bases de dados europeias dos sistemas nacionais

Painéis e redes de pesquisa e avaliação dos resultados do Erasmus+

Plataformas europeias de debate

Organizações internacionais parceiras do Erasmus+

Associações de estudantes parceiras

Associações europeias de universidades

Redes parceiras de intercâmbio de pessoas com incapacidades

Serviço de Apoio Linguístico em Linha

Cartas de Mobilidade Erasmus+ das instituições participantes

Carta de Mobilidade Erasmus+ do estudante

Certificados de reconhecimento das aprendizagens

Agência europeia de gestão do programa Erasmus+

Agências nacionais em Portugal

Redes de alojamento apoiadas pela Comissão Europeia

Redes parceiras do programa Erasmus+

Referências

  1. «Qui peut participer? - Erasmus+ - European Commission». Erasmus+ 
  2. Council decision, OJ L 166, 25.06.1987
  3. L'espace européen de l'enseignement supérieur : Les grands programmes Erasmus, Jean Monnet, Erasmus Mundus
  4. http://eur-lex.europa.eu/legal-content/EN/TXT/?uri=CELEX%3A31987D0327
  5. Anonymous (7 de outubro de 2016). «Parte A - Informações gerais acerca do Programa Erasmus+ - Erasmus+ - European Commission». Erasmus+ - European Commission (em inglês). Consultado em 21 de outubro de 2018 
  6. Smith, John (19 de janeiro de 2016). «Organizações - Erasmus+ - European Commission». Erasmus+ - European Commission (em inglês). Consultado em 21 de outubro de 2018 
  7. Aegee Europe
  8. Franck Biancheri
  9. Newropeans
  10. «What's in a name? History of the Erasmus Programme». Cópia arquivada em 4 de abril de 2013 
  11. «O que é Erasmus+?» 
  12. «Reaching the three million student mobility target, page 30» (PDF) 
  13. «Press release--Another record-breaking year for Erasmus» 
  14. «Erasmus students as a proportion of graduates in 2012, page 35» (PDF) 
  15. Otero, Manuel Souto (12 de fevereiro de 2008). «The Socio-Economic Background of Erasmus Students: A Trend Towards Wider Inclusion?». International Review of Education (em inglês). 54 (2): 135–154. ISSN 0020-8566. doi:10.1007/s11159-007-9081-9 
  16. Kuhn, Theresa (1 de novembro de 2012). «Why Educational Exchange Programmes Miss Their Mark: Cross-Border Mobility, Education and European Identity*». JCMS: Journal of Common Market Studies (em inglês). 50 (6): 994–1010. ISSN 1468-5965. doi:10.1111/j.1468-5965.2012.02286.x 
  17. Varela, Diego (5 de maio de 2016). «Grade uncertainty and the adverse selection of Erasmus students: a Spanish experience». Journal of Contemporary European Research (em inglês). 12 (2). ISSN 1815-347X 
  18. «Swiss students out of Erasmus program starting in 2015» 
  19. «Student rooms and accommodation, internships and erasmus guides.» 
  20. «Portugal: Programme Erasmus+ National Evaluation Report» (PDF). Comissão Europeia 
  21. Quantia da bolsa Erasmus
  22. «Erasmus 24_7 Official Website» 
  23. Bennhold, Katrin. «Quietly sprouting: A European identity». International Herald Tribune 
  24. «Online novels by Nimra Ahmed» 
  25. «cafébabel, the first European media». Comissão Europeia