Programa H

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Programa H
Logo do programa entre 1996 e 1999.
Informação geral
Formato Programa de auditório
Gênero Variedades
Duração 90 minutos
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Cristiano Mendes
Apresentador(es) Luciano Huck
Otaviano Costa
Sabrina Parlatore
Elenco Suzana Alves
Joana Prado
Flávio Mendonça
Gustavo Mendonça
Tema de abertura Instrumental
Exibição
Emissora de televisão original Band
Transmissão original 28 de outubro de 1996 – 15 de fevereiro de 2002
N.º de temporadas 6

Programa H (também conhecido como O+ em 2000 Superpositivo entre 2000 e 2002) foi um programa produzido e exibido pela emissora Band, voltado ao público jovem. Foi exibido entre 28 de outubro de 1996 e 15 de fevereiro de 2002, sendo dividido em três fases, apresentadas por Luciano Huck, Otaviano Costa e Sabrina Parlatore, respectivamente.

História[editar | editar código-fonte]

1996–99: Programa H[editar | editar código-fonte]

O programa estreou em 28 de outubro de 1996, inicialmente exibido as 16h, apresentado por Luciano Huck e com a música comandada pelo DJ Théo Werneck.[1] Em fevereiro de 1998 Suzana Alves passou a integrar o programa como a personagem Tiazinha, utilizando um biquíni preto, máscara e chicote sadomasoquista, sendo inspirada na Mulher-Gato dos quadrinhos da DC Comics.[2] A jovem ajudava como assistente de palco e participava das brincadeiras com os meninos, os quais eram colocados em cadeiras de dentista e tinham que responder corretamente as perguntas ou pagar a prenda estipulada por ela – que ia desde algumas chicotadas, até depilar alguma parte do corpo do rapaz.[2] Pelo teor das brincadeiras, a atração passou a ser exibido as 21h, no horário nobre, alavancando a audiência da emissora de 1 para 5 pontos no horário.[2] O programa, que inicialmente era mais musical, passou a apostar em jogos e maior interação com a plateia.[3] Em pouco tempo Tiazinha se tornou um fenômeno, tendo diversos produtos licenciados e recebendo em torno de 50 cartas diárias, a campeã nacional de correspondência da televisão naquela época, batendo Claudio Heinrich, da Rede Globo, que era o principal do gênero.[2][4]

Em 6 de dezembro outra assistente de palco, Feiticeira, personagem incorporada por Joana Prado e inspirada no seriado Jeannie É um Gênio em uma roupagem erótica, trazendo a modelo de biquíni, enrolada em panos transparentes e um véu cobrindo a boca, simbolizando que ela não podia falar.[5] Lucidamente, a personagem era uma amiga de Tiazinha que chegava da Arábia Saudita para ajudá-la a seduzir e punir os homens nas brincadeiras.[5] Em setembro de 1999 Suzana deixa o programa para estrelar seu próprio seriado na emissora, As Aventuras de Tiazinha, idealizado pelo próprio Luciano, embora a direção do programa tivesse tentado mantê-la nas duas produções, oferecendo-lhe a chance de co-apresentar o H, o que foi recusado por ela.[6] No mesmo mês Luciano assina contrato com a Rede Globo e, em 2 de outubro, se despede do programa.[7]

1999–00: O+[editar | editar código-fonte]

Em 4 de outubro o programa passa a ser comandado por Otaviano Costa, vindo da MTV Brasil e seguindo a mesma linha de Luciano, uma aposta da emissora para não afastar o público caso colocasse um apresentador radicalmente diferente.[8] Entre as mudanças estiveram o fato da Feiticeira passar a falar e realizar reportagens sobre beleza e qualidade de vida, além do DJ Théo Werneck comandar um quadro de entrevistas com bandas e novos artistas.[9] Em 17 de janeiro de 2000 o programa passa por uma reformulação e muda de nome para O+ ("Ó positivo") para adequar-se ao nome do novo apresentador, além de apostar em uma nova personagem, Índia, interpretada pela modelo descendente de indígenas Aigo Enaudo e que tinha a missão de substituir a Tiazinha no imaginário do público.[10] Apesar da jovem chegar a mostrar os seios ao vivo para popularizar-se com os homens, a personagem sofreu grande rejeição e, em 8 de fevereiro, Aigo foi demitida da emissora com apenas um mês de trabalho.[11]

2000–02: Superpositivo[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2000 o programa passa por uma reformulação, que incluía novos cenários, reportagens externas e uma nova alteração de nome para Superpositivo.[12] Além disso, a atração passou a mais democrático e também visar o público feminino ao contratar os gêmeos Flávio e Gustavo Mendonça para realizarem as brincadeiras com as mulheres, vestidos apenas com uma bermuda, no qual a vencedora dos jogos era carregada por eles e recebia uma dança erótica.[12] Em menos de dois meses os irmãos se tornaram recordistas de cartas da emissora e passaram a estampar a capa de diversas revistas, renovando a repercussão do programa.[12] Em setembro foi a vez do público masculino ganhar uma nova assistente, a Internética, interpretada por Marina Filizola, que ficava dentro de uma redoma de vidro e respondia as perguntas sobre sexo enviadas pelos internautas deitada em uma cama vestindo apenas lingerie.[13] Em 7 de maio de 2001 Sabrina Parlatore passa a dividir o comando do programa com Otaviano após a direção avaliar como positiva sua receptividade com o público no comando do reality show Território Livre.[14]

Dois meses depois, no entanto, Otaviano assinou com a RecordTV, alegando estar insatisfeito com todo o erotismo do programa, sendo que a partir de 27 de agosto Sabrina passa a comandá-lo sozinha.[15][16] O programa seguiu com os mesmos moldes até 15 de fevereiro de 2002, quando foi extinto, uma vez que a direção avaliou que o formato estava desgastado e Sabrina precisava de mais tempo para se dedicar ao Clipmania.[17]

Equipe[editar | editar código-fonte]

Apresentadores
Assistentes de palco
  • Suzana Alves (Tiazinha) (1998–99)
  • Joana Prado (Feiticeira) (1998–02)
  • Aigo Enaudo (Índia) (2000)
  • Flávio e Gustavo Mendonça (2000–02)
  • Marina Filizola (Internética) (2000–02)
Música
  • DJ Théo Werneck (1998–02)

Referências

  1. «Emissora muda suas tardes». Folha de S.Paulo. 27 de outubro de 1996. Consultado em 6 de julho de 2015 
  2. a b c d «Suzana Alves, a Tiazinha do programa 'H'». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de junho de 2017 
  3. «Brincando com Tiazinha, a recordista absoluta de vendas de "Playboy"». Terra. Consultado em 27 de junho de 2017 
  4. «Suzana Alves – Um presentão para a Granja Viana». Revista Circuito. Consultado em 27 de junho de 2017 
  5. a b «"H' tenta emplacar sua Feiticeira». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de junho de 2017 
  6. «Heroína sem H». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de junho de 2017 
  7. «Globo se rende a "talentos" da concorrência». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de junho de 2017 
  8. «Novo "H" estréia hoje sob o comando de Otaviano Costa». Folha de S.Paulo. 4 de outubro de 1999. Consultado em 6 de julho de 2015 
  9. «Começa a nova temporada do H, antigo programa de Luciano Huck na Rede Bandeirantes, agora comandado por Otaviano Costa». Terra. Consultado em 27 de junho de 2017 
  10. «Programa "H" vira "O+" e ganha até uma musa virtual». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de junho de 2017 
  11. «India Aigo é demitida do programa O+, da Band». Terra. Consultado em 27 de junho de 2017 
  12. a b c «Gêmeos são destaque no "O Super Positivo"». Estadão. Consultado em 27 de junho de 2017 
  13. «Internética, a nova musa do "O+"». Estadão. Consultado em 27 de junho de 2017 
  14. «Band tira do ar "Silvia" e programa de Sabrina». Folha de S.Paulo. 21 de abril de 2001. Consultado em 18 de julho de 2016 
  15. «Insatisfeito na Bandeirantes, o apresentador assina contrato com a Record, onde quer fazer um programa com a sua marca». Terra. Consultado em 27 de junho de 2017 
  16. «Otaviano ganha "férias" da Band (28/08/01)». Geocities. Consultado em 27 de junho de 2017 
  17. «Feiticeira mostra excesso de músculos na "Casa dos Artistas"». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de junho de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]