Prospecção geofísica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A prospecção geofísica consiste num conjunto de trabalhos que inclui medidas dos campos físicos ou das variações na propagação de ondas até o estudo da relação das medidas obtidas com as feições subsuperficiais. Na íntegra, o conjunto de trabalhos envolve: estudos geofísicos ditos preliminares, a preparação da área, as medidas propriamente ditas, a apresentação das medidas, o tratamento das mesmas e, finalmente, a interpretação do que foi medido, que corresponde à obtenção de informação sobre a subsuperfície.

A prospecção geofísica não é um trabalho realizado isoladamente, mas faz parte de uma sequência de trabalhos de reconhecimento, detalhamento e avaliação (ou cubagem) de uma área cujo fim é, em geral, a exploração de depósitos minerais de valor econômico até profundidades que chegam a cinco quilômetros, como é o caso da prospecção de petróleo. Por isso mesmo, a prospecção geofísica é também chamada de exploração geofísica. [1]

Além disso, existem diversos métodos geofísicos que podem ser aplicados e estes variam de acordo com o estudo e com as propriedades do material que está sendo investigado, estes variam entre: eletrorresistividade, magnetometria, gravimetria, eletromagnéticos e sísmicos.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre geologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Predefinição:GEOSCAN