Prostatectomia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gray1152

Anatomia da próstata
Próstata e os órgãos ao redor

Prostatectomia (do Grego προστάτης prostátēs, "próstata", e ἐκτομή ektomē, "excisão") é a remoção cirúrgica de parte ou toda a próstata. Esta operação é feita em condições benignas que causam retenção urinária, e também para câncer de próstata, e para outros quadros de câncer de pelve.

Existem dois tipos principais de prostatectomia. A prostatectomia simples (também conhecida como prostatectomia subtotal) que envolve a remoção de apenas uma parte da próstata. Cirurgiões tipicamente carregam prostatectomia simples para remoção de tumores benignos.[1] E a prostatectomia radical, que é a remoção total da próstata, as vesículas seminais, e os ducto deferente, e é realizada em tumores malignos.[2]

Existem muitas formas de se fazer a operação: seja por cirurgia aberta (através de uma grande incisão na parte inferior do abdômen), por laparoscopia, ou com a ajuda de um robô (um tipo minimamente invasivo de cirurgia) através da uretra ou do períneo.

Outros termos que podem ser utilizados para descrever uma prostatectomia incluem:

  • Poupadores de nervos: os vasos sanguíneos e nervos que promovem as ereções penianas são deixados no corpo e não são retirados com a próstata.
  • Dissecção limitada de linfonodos pélvicos: os linfonodos que cercam e fecham a próstata são restiradas (tipicamente da área definida pela veia ilíaca externa anteriormente, o nervo obturador posteriormente, a origem da artéria ilíaca interna proximalmente, o ligamento de Cooper distalmente, a bexiga medialmente, e o assoalho pélvico lateralmente.[3]
  • Dissecção extendida de linfonodos pélvicos: os linfonodos mais afastados da próstata também são removidos (a área tipicamente definida como limite superior é o assoalho pélvico.[3]

Uso médico[editar | editar código-fonte]

Em tumores benignos[editar | editar código-fonte]

Indicações de remoção da próstata em um estado benigno inclui retenção urinária aguda, infecção recorrente do trato urinário, hematuria incontrolável, pedras nos rins secundárias à obstrução da saída da bexiga, sintomas significantes de obstrução da saída da bexiga que são refratárias a terapia minimamente invasiva, e doenças crônicas nos rins que são secundárias à obstrução crônica da saída dos rins.[4]

Em câncer[editar | editar código-fonte]

Remoção de próstata

Em situações de câncer se executa uma prostatectomia radical. Para câncer de próstata, o melhor tratamento geralmente depende do nível de risco apresentado pela doença. Para a maior parte dos câncers de próstata classificados como de risco muito baixo, e baixo, a prostatectomia radical é uma das várias opções de tratamento. As outras incluem radiação e vigilância ativa (por exemplo "espera atenta"). Para riscos intermediários e altos, a prostatectomia é muito recomendada em adição a outras opções de tratamento. Prostatectomia radical não é recomendada no estágio chamado de metástase, quando o câncer já se espalhou pela próstata, para os linfonodos ou outras partes do corpo.[5] Antes da decisão acerca da melhor opção de tratamento para os cânceres de mais alto risco, são feitas tomografias computadorizadas, ressonâncias magnéticas, ou radiografias para se assegurar que o câncer não se espalhou para fora da próstata.

Contraindicações[editar | editar código-fonte]

As contraindicações de prostatectomia são as mesmas contraindicações para qualquer outra cirurgia.

Métodos[editar | editar código-fonte]

Existem diversas formas de se realizar essa remoção:

TURP[editar | editar código-fonte]

Ressecção transuretral de próstata (RTUP ou TURP): um cistoscópio é passado pela uretra até a próstata, onde o tecido que circunda a próstata é removido. É uma operação comum para hiperplasia benigna de próstata (HBP) e os resultados são excelentes para uma grande porcentagem dos pacientes (80-90%). Uma operação mais segura e refinada é por meio de um laser vermelho de alta potência "holmium".

Prostatectomia aberta[editar | editar código-fonte]

Em uma prostatectomia aberta, a próstata é acessada através de uma grande e única incisão através da parte baixa do abdômen ou do períneo. Outros termos descrevem que a próstata é acessada anatomicamente através dessa incisão (prostatectomia retropúbica vs. suprapúbica vs. perineal).

  • Uma prostatectomia retropúbica é um procedimento que acessa a próstata pela parte baixa do abdômen, atrás do osso púbico.
  • A prostatectomia suprapúbica é um procedimento que corta através da parte baixa do abdômen e através da bexiga para acessar a próstata.
  • Uma prostatectomia perineal é feita através de uma incisão entre o reto e o escroto na parte inferior do abdômen. A desvantagem desse procedimento é a não realização da linfadenectomia (retirada dos linfonodos).

Minimally invasive[editar | editar código-fonte]

Existem duas técnicas de execução da prostatectomia consideradas minimamente invasivas: a laparoscópica e a prostatectomia roboticamente auxiliada.

  • Laparoscópica: quatro pequenas incisões são feitas no abdômen e a próstata inteira é removida, preservando nervos que mais facilmente lesados por uma abordagem retropúbica ou suprapúbica. A prostatectomia laparoscópica possui mais vantagens que a operação perineal ou retropúbica, sendo mais econômica que a técnica cirúrgica auxiliada por um robô.
  • Prostatectomia roboticamente auxiliada: nessa operação, os braços robóticos laparoscópicos são controlados por um cirurgião. O robô fornece ao cirurgião muito mais destreza, liberdades de movimentos e visão do que a laparoscopia convencional, apesar da perda do feedback tátil, enquanto oferece as mesmas vantagens em relação à prostectomia aberta: incisões muito menores, menos dor, menos sangramento, menor risco de infecção, menor tempo de cura e menor tempo de estadia no hospital.[6][7][8] Apesar dos custos deste tipo de procedimentos ainda serem altos, os preços estão baixando rapidamente.[9] A funcionalidade e superioridade oncológica ainda não foram provadas.[10][11][12]

Riscos e complicações[editar | editar código-fonte]

Qualquer procedimento cirúrgico possui riscos associados. Complicações que ocorrem no período depois de qualquer cirurgia incluem risco de hemorragia, infecção no local da incisão ou pelo corpo inteiro, risco de formação de coágulos sanguíneos na perna ou nos pulmões, risco de ataque cardíaco, acidente vascular, e risco de morte, até mesmo em laparoscopia.

Podem ocorrer irritação severa, em caso de operações que utilizam inserção de cateter de látex dentro do trato urinário, caso a pessoa seja alérgica a látex. Isto pode ser especialmente severa em caso de prostatectomia radical, devido à ferida aberta e a exposição prolongada, por exemplo, por duas semanas. O paciente pode passar por intensa dor nessa situação.[13]

Um artigo de 2005 para o periódico médico Reviews in Urology listou a incidência de diversas complicações na sequência de uma prostatectomia: mortalidade <0,3%, impotência >50%, disfunção ejaculatória 100%, disfunção orgásmica 50%, incontinência <5%-30%, embolia pulmonar <1%, lesão no reto <1%, estenose uretral <5%, e transfusão 20%.[14] A longo prazo, as complicações mais comuns e específicas da prostatectomia incluem: disfunção erétil, incontinência urinária e disfunção sexual pós-operatória.

Disfunção erétil[editar | editar código-fonte]

A remoção cirúrgica da próstata aumenta as chances dos pacientes terem algum tipo de disfunção erétil. A prostatectomia radical é geralmente associada com um maior decréscimo na função sexual que a radioterapia por feixe externo.[15] As cirurgias poupadoras de nervos reduzem o risco dos pacientes em terem disfunção erétil. No entanto, a experiência e habilidade do cirurgião são fatores críticos na probabilidade de ocorrência de disfunção erétil.[16]

Na sequência de uma prostatectomia, os pacientes não conseguirão ejacular sêmen devido à natureza do procedimento, resultando em uma necessidade permanente de técnicas de reprodução assistida caso o paciente deseje fertilidade futura.[17] É possível preservar a ejaculação normal depois de uma TURP, prostatectomia aberta, ou enucleação a laser do adenoma, e a vaporização a laser da próstata, no entanto, a ejaculação retrógrada é um problema comum. A preservação da ejaculação é o objetivo de novas técnicas.[18] Uma vez que a próstata e as vesículas são removidas, mesmo que uma ereção parcial seja atingida, a ejaculação é uma experiência bastante diferente, com muito pouco da liberação compulsiva, que é comum à ejaculação com os órgãos intactas.

Incontinência urinária[editar | editar código-fonte]

Os pacientes prostatectomizados tem um risco maior de terem vazamentos de urina em pequena quantidade imediatamente depois da cirurgia, e a longo prazo, geralmente necessitam utilizar aparelhos de incontinência urinária como cateteres ou fraudas. Uma grande análise da incidência de incontinência urinária concluiu que 12 meses após a cirurgia, 75% dos pacientes não precisavam de frauda, enquanto de 9 a 16% precisavam. Fatores associados com o aumento do risco de incontinência urinária a longo prazo incluem: idade avançada, alto índice de massa corporal, outras comorbidades, o tamanho da próstata removida, além da experiência e técnica do cirurgião.[19] Um estudo prova que a prostatectomia radical é associada com mais incontinência urinária que radioterapia com feixe externo, um tratamento alternativo.[20]

As opções de manejo cirúrgico para incontinência urinária decorrente de prostatectomia inclui a implantação de eslingas no períneo, e esfíncteres urinários artificiais.[21] Apesar da quantidade limitada de dados nos resultados a longo prazo para homens, as eslingas no períneo são oferecidas para incontinência pós-prostatectomia leve e moderada.[22][23] Em um estudo retrospectivo, a taxa de sucesso do implante de eslinga perineal no tratamento de incontinência urinária na sequência de prostatectomia alcançou 86% em um acompanhamento mediano de 22 meses após o procedimento.[24] Os esfíncteres urinários artificiais são oferecidos em casos de incontinência urinária moderada e severa em homens, e possuem bons índices de eficácia a longo prazo e segurança.[22][23][25][26] O uso de esfíncteres urinários artificiais para incontinência pós-prostatectomia é apoiado pela recomendação da Associação Europeia de Urologia e Consulta Internacional de Incontinência.[23]

A ressecção transuretral de próstata possui pouco impacto no manejo de incontinência urinária pós-prostatectomia, e a evidência que estes agentes podem apresentar uma evolução nos quadros de incontinência é muito fraca. O treinamento da musculatura do assoalho pélvico pode aumentar a velocidade de recuperação da incontinência na sequência de prostatectomia.

Remédios para disfunção sexual no pós-operatório[editar | editar código-fonte]

Poucos cirurgiões dirão que os pacientes recuperam a função erétil que tinham antes da cirurgia. As taxas de recuperação erétil que os cirurgiões citam são qualificadas pela adição de Viagra no regime de recuperação.[27] Entre os remédios para disfunção sexual no pós-operatório, temos:[28]

  • Medicação
  • Supositórios intrauterinos
  • Injeções penianas
  • Aparelhos à vácuo
  • Implantes penianos

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

O uso de prostatectomia radical como tratamento para câncer de próstata aumentou significativamente de 1980 à 1990. Em 2000, a mediana de idade de homens submetidos à prostatectomia radical para câncer de próstata localizado foi de 62.[29]

Apesar de ser um procedimento comum, o nível de experiência do cirurgião realizando a operação é importante na determinação dos resultados, taxas de complicações, e efeitos colaterais. Quanto mais prostatectomias realizadas pelo cirurgião, melhores os resultados. Isto também se aplica tanto às prostatectomias abertas,[30] quanto às prostatectomias minimamente invasivas.[31]

History[editar | editar código-fonte]

O crédito pela realização da primeira prostatectomia intencional, pela via suprapúbica é do Dr. William Belfield, realizadas em 1885, 1886 ou 1887 no Cook County Hospital em Chicago.[32][33] O Dr. Hugh H. Young, em colaboração com o Dr. William Stewart Halsted desenvolveram a prostatectomia aberta, radical e perineal em 1904 no Instituto Urológico de Johns Brady, que foi a primeira versão do procedimento que tornou-se geralmente aplicável.[34] O cirurgião irlandês, Dr. Terrence Millin (1903–1980) desenvolveu a prostatectomia retropubica radical em 1945.[35] O urologista americano, Dr. Patrick C. Walsh (1938—present) desenvolveu o método moderno, poupador de nervos, de prostatectomia retropubica, com perda mínima de sangue.[36] A primeira prostatectomia laparoscópica foi realizada em 1991 pelo Dr. William Schuessler e seus colegas no Texas.[37]

Custos[editar | editar código-fonte]

Uma pesquisa de custos de prostatectomia de 201 estimou que para pacientes sem seguro, o custo médio entre 70 hospitais americanos foi de US$34,720 para o hospital, e US$8,280 para anestesistas e cirurgiões.[38]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Khera, Mohit (23 de outubro de 2013). «Simple Prostatectomy». Medscape. Consultado em 8 de novembro de 2014 
  2. McAninch, Jack W. (2008). Smith and Tanagho's General Urology. New York: McGraw Hill Medical. 368 páginas. ISBN 978-0-07-162497-8 
  3. a b Wider, Jeff A. (2014). Pocket Guide to Urology. [S.l.: s.n.] pp. 141–142. ISBN 978-0-9672845-6-9 
  4. Khera, Mohit (23 de outubro de 2013). «Simple Prostatectomy». Medscape. Consultado em 13 de novembro de 2014 
  5. «NCCN Guidelines version 1.2015 - Prostate Cancer» (PDF). NCCN Guidelines. National Comprehensive Cancer Network. 24 de outubro de 2014. Consultado em 13 de novembro de 2014 
  6. Center for the Advancement of Health; August 29, 2005; Robot-assisted Prostate Surgery Has Possible Benefits, High Cost [1]
  7. Center for the Advancement of Health; August 29, 2005; Robot-assisted Prostate Surgery Has Possible Benefits, High Cost [2]
  8. O’Neil, Brock; Koyama, Tatsuki; Alvarez, JoAnn; Conwill, Ralph M.; Albertsen, Peter C.; Cooperberg, Matthew R.; Goodman, Michael; Greenfield, Sheldon; Hamilton, Ann S.; Hoffman, Karen E.; Hoffman, Richard M. (2016). «The Comparative Harms of Open and Robotic Prostatectomy in Population Based Samples». Journal of Urology (em inglês). 195 (2): 321–329. ISSN 0022-5347. PMC 4916911Acessível livremente. PMID 26343985. doi:10.1016/j.juro.2015.08.092 
  9. Cost Analysis of Radical Retropubic, Perineal, and Robotic Prostatectomy; Scott V. Burgess, Fatih Atug, Erik P. Castle, Rodney Davis, Raju Thomas; Journal of Endourology 2006 20:10, 827-830 [3]
  10. Cost Analysis of Radical Retropubic, Perineal, and Robotic Prostatectomy; Scott V. Burgess, Fatih Atug, Erik P. Castle, Rodney Davis, Raju Thomas; Journal of Endourology 2006 20:10, 827–830 [4]
  11. Bolenz, C.; Gupta, A.; Hotze, T.; Ho, R.; Cadeddu, J.; Roehrborn, C.; Lotan, Y. (2010). «Cost comparison of robotic, laparoscopic, and open radical prostatectomy for prostate cancer.». European Urology. 57 (3): 453–458. PMID 19931979. doi:10.1016/j.eururo.2009.11.008 
  12. Barocas, D. A.; Salem, S.; Kordan, Y.; Herrell, S. D.; Chang, S. S.; Clark, P. E.; Davis, R.; Baumgartner, R.; Phillips, S.; Cookson, M. S.; Smith Jr, J. A. (2010). «Robotic Assisted Laparoscopic Prostatectomy Versus Radical Retropubic Prostatectomy for Clinically Localized Prostate Cancer: Comparison of Short-Term Biochemical Recurrence-Free Survival». The Journal of Urology. 183 (3): 990–996. PMID 20083261. doi:10.1016/j.juro.2009.11.017 
  13. «Radical Prostatectomy» 
  14. Sexual Dysfunction after Radical Prostatectomy; Andrew R McCullough; Reviews in Urology; 2005 7:(Suppl 2), S3–S10.
  15. Chen, Cheng; Chen, Zhen; Wang, Kun; Hu, Linkun; Xu, Renfang; He, Xiaozhou (17 de novembro de 2017). «Comparisons of health-related quality of life among surgery and radiotherapy for localized prostate cancer: a systematic review and meta-analysis». Oncotarget. 8 (58): 99057–99065. ISSN 1949-2553. PMC 5716791Acessível livremente. PMID 29228751. doi:10.18632/oncotarget.21519 
  16. John P. Mulhall, M.D., Saving Your Sex Life: A Guide for Men with Prostate Cancer, Chicago, Hilton Publishing Company, 2008, pp. 56, 58, Table 1: Factors Predicting Erectile Function Recovery after Radical Prostatectomy, p. 65.
  17. Tran, Stéphanie; Boissier, Romain; Perrin, Jeanne; Karsenty, Gilles; Lechevallier, Eric (2015). «Review of the Different Treatments and Management for Prostate Cancer and Fertility». Urology. 86 (5): 936–941. PMID 26368508. doi:10.1016/j.urology.2015.07.010 
  18. Alloussi, Saladin Helmut; Lang, Christoph; Eichel, Robert; Alloussi, Schahnaz (19 de agosto de 2013). «Ejaculation-Preserving Transurethral Resection of Prostate and Bladder Neck: Short- and Long-Term Results of a New Innovative Resection Technique». Journal of Endourology. 28 (1): 84–89. ISSN 0892-7790. PMID 23952037. doi:10.1089/end.2013.0093 
  19. Ficarra, Vincenzo; Novara, Giacomo; Rosen, Raymond C.; Artibani, Walter; Carroll, Peter R.; Costello, Anthony; Menon, Mani; Montorsi, Francesco; Patel, Vipul R. (setembro de 2012). «Systematic review and meta-analysis of studies reporting urinary continence recovery after robot-assisted radical prostatectomy». European Urology. 62 (3): 405–417. ISSN 1873-7560. PMID 22749852. doi:10.1016/j.eururo.2012.05.045 
  20. Chen, Cheng; Chen, Zhen; Wang, Kun; Hu, Linkun; Xu, Renfang; He, Xiaozhou (17 de novembro de 2017). «Comparisons of health-related quality of life among surgery and radiotherapy for localized prostate cancer: a systematic review and meta-analysis». Oncotarget. 8 (58): 99057–99065. ISSN 1949-2553. PMC 5716791Acessível livremente. PMID 29228751. doi:10.18632/oncotarget.21519 
  21. Kretschmer, Alexander; Nitti, Victor (outubro de 2017). «Surgical Treatment of Male Postprostatectomy Incontinence: Current Concepts». European Urology Focus. 3 (4-5): 364-376. PMID 29174616. doi:10.1016/j.euf.2017.11.007. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  22. a b Averbeck, Marcio A.; Woodhouse, Christopher; Comiter, Craig; Bruschini, Homero; Hanus, Thomas; Herschorn, Sender; Goldman, Howard B. (23 de outubro de 2018). «Surgical treatment of post-prostatectomy stress urinary incontinence in adult men: Report from the 6th International Consultation on Incontinence». Neurourology Urodynamics. 38 (1): 398-406. doi:10.1002/nau.23845. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  23. a b c Burkhard, F.C.; Bosch, J.L.H.R.; Cruz, F.; Lemack, G.E.; Nambiar, A.K.; Thiruchelvam, N.; Tubaro, A. (2018). EAU Guidelines on Urinary Incontinence in Adults (PDF). Arnhem, The Netherlands: European Association of Urology. ISBN 978-94-92671-01-1. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  24. Siracusano, Salvatore; Visalli, Francesco; Favro, Michele; Tallarigo, Carlo; Kugler, Mauro; Kugler, Alexander; Diminutto, Alberto; Talamini, Renato; Artibani, Walter (13 de setembro de 2017). «Argus-T Sling in 182 Male Patients: Short-Term Results of a Multicenter Study». Urology. 110: 177-183. PMID 28917606. doi:10.1016/j.urology.2017.07.058. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  25. Haab, Francois; Trockman, Brett A.; Zimmern, Philippe E.; Leach, Gary E. (1 de agosto de 1997). «Quality of life and continence assessment of the artificial urinary sphincter in men with minimum 3.5 years of followup». Journal of Urology. 158 (2): 435-439. PMID 9224318. doi:10.1016/S0022-5347(01)64496-3. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  26. Llorens, Christophe; Pottek, Tobias (25 de outubro de 2017). «Urinary artificial sphincter ZSI 375 for treatment of stress urinary incontinence in men: 5 and 7 years follow-up report». Urologia Journal. 84 (4): 263-266. PMID 28525665. doi:10.5301/uj.5000243. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  27. John P. Mulhall, M.D., Saving Your Sex Life: A Guide for Men with Prostate Cancer, Chicago, Hilton Publishing Company, 2008, p. 69.
  28. John P. Mulhall, M.D., Saving Your Sex Life: A Guide for Men with Prostate Cancer, Chicago, Hilton Publishing Company, 2008
  29. Moul, J. W. (agosto de 2002). «Epidemiology of radical prostatectomy for localized prostate cancer in the era of prostate-specific antigen: an overview of the Department of Defense Center for Prostate Disease Research national database.». Surgery. 132 (2): 213–9. PMID 12219014. doi:10.1067/msy.2002.125315 
  30. Vickers, A., Bianco, F., Cronin, A., Eastham, J., Klein, E., Kattan, M., Scardino, P. (abril de 2010). «The learning curve for surgical margins after open radical prostatectomy: implications for margin status as an oncological end point.». Journal of Urology. 183 (4): 1360–5. PMC 2861336Acessível livremente. PMID 20171687. doi:10.1016/j.juro.2009.12.015 
  31. Vickers, A. J., Savage C. J, Hruza, M., Tuerk, I., Koenig, P., Martínez-Piñeiro, L., Janetschek, G., Guillonneau, B. (maio de 2009). «The surgical learning curve for laparoscopic radical prostatectomy: a retrospective cohort study.». Lancet Oncol. 10 (5): 475–80. PMC 2777762Acessível livremente. PMID 19342300. doi:10.1016/S1470-2045(09)70079-8 
  32. Thorndike, P (1903). «Present status of the surgery of prostate gland». Boston Med Surg J. 149 (7): 167–171. doi:10.1056/nejm190308131490701 
  33. Zorgniotti, AW (2012). «Suprapubic prostatectomy: An Anglo-American success story». In: Hinman, Jr, F; Boyarsky, S. Benign Prostatic Hypertrophy. [S.l.]: Spring. pp. 45–58. ISBN 978-1-4612-5478-2 
  34. Young, HH (1905). «VIII. Conservative perineal prostatectomy: The results of two years' experience and report of seventy-five cases» (PDF). Ann Surg. 41 (4): 549–557. PMC 1426005Acessível livremente. PMID 17861622. doi:10.1097/00000658-190504000-00006 
  35. Millin, T (1945). «Retropubic prostatectomy: A new extravesical technique report; report of 20 cases». Lancet. 2 (6380): 693–696. PMID 21007347. doi:10.1016/S0140-6736(45)91030-0 
  36. Walsh, PC (2007). «The discovery of the cavernous nerves and development of nerve sparing radical retropubic prostatectomy». J Urol. 177 (5): 1632–1635. PMID 17437775. doi:10.1016/j.juro.2007.01.012 
  37. Schuessler, WW; Schulam, PG; Clayman, RV; Kavoussi, LR (1997). «Laparoscopic radical prostatectomy: Initial short-term experience». Urology. 50 (6): 854–857. PMID 9426713. doi:10.1016/s0090-4295(97)00543-8 
  38. Pate, S. C., Uhlman, M. A., Rosenthal, J. A., Cram, P., Erickson, B. A. (março de 2014). «Variations in the open market costs for prostate cancer surgery: a survey of US hospitals». Urology. 83 (3): 626–30. PMID 24439795. doi:10.1016/j.urology.2013.09.066