Protestos contra o governo Dilma Rousseff

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Protestos contra o governo Dilma Rousseff
2015 Brazil protests collage.jpg
Manifestantes na Avenida Paulista, no Congresso Nacional e na Praia de Copacabana.
Período 15 de março, 12 de abril, 16 de agosto e 13 de dezembro de 2015
março, abril e julho de 2016
Local  Brasil — 337 cidades de 26 estados e Distrito Federal[1]
Mundo — 6 cidades[2][3]
Resultado Impeachment da presidente Dilma Rousseff
Causas  • Governo Dilma Rousseff[4]
 • Escândalo da Petrobras[5]
 • Corrupção[6]
 • Baixo crescimento econômico[5]
 • Medidas de ajuste fiscal[5]
 • Descaso com o dinheiro público[7]
Objetivos  • Fim da corrupção[8]
 • Renúncia ou impeachment de Dilma Rousseff[9]
 • Prisão dos responsáveis pelo Petrolão[8]
 • Reforma política[7]
Participantes do protesto
Opositores de Dilma
  • Revoltados Online[11]

* Movimento Endireita Brasil[13]
  • Políticos de oposição[14]
Líderes
Movimento Brasil Livre

Revoltados Online

  • Marcello Reis[15]
  • Beatriz Kicis

Vem pra Rua

Movimento Endireita Brasil
  • Ricardo Salles[13]

Movimento NasRuas

  • Carla Zambelli
  • Carmelo Neto

Partidos simpatizantes:

Manifestantes
15 de março de 2015

2 400 000 — 3 000 000[17][17][18]


12 de abril de 2015

701 000 – 1 500 000[19]


16 de agosto de 2015

879 000 – 2 000 000[20]


13 de dezembro de 2015

83 000 – 407 000[21]

13 de março de 2016

3 600 000 – 6 900 000[22]


17 de abril de 2016

318 000 – 1 300 000[23]


31 de julho de 2016

44 000 – 151 000[24]


Presos e feridos
20 presos[25]
3 feridos[26][27]
Este artigo faz parte de uma série sobre Dilma Rousseff



Os protestos contra o governo Dilma Rousseff foram manifestações populares que ocorreram em diversas regiões do Brasil tendo como principais objetivos protestar contra o governo Dilma Rousseff e defender a Operação Lava Jato.[28][29][30]

O movimento reuniu milhões de pessoas nos dias 15 de março, 12 de abril, 16 de agosto e 13 de dezembro de 2015,[31] e, segundo algumas estimativas, foram as maior mobilizações populares no país desde o início da Nova República.[32][33]

Manifestações populares voltaram a ocorrer em todas as regiões do Brasil no dia 13 de março de 2016. Foi o maior ato político na história do Brasil,[34] superando as Diretas já.[35][36]

Após o impeachment de Dilma Rousseff, as manifestações passaram a se focar apenas na defesa da Lava Jato.

Contexto[editar | editar código-fonte]

Em 26 de outubro de 2014, após a campanha mais acirrada desde a eleição de 1989, Dilma Rousseff foi reeleita presidente do Brasil com 51,6% dos votos válidos.[37] Em relação ao pleito anterior, Dilma perdeu mais de 1,25 milhão de votos e venceu, sobretudo, devido à votação maciça que obteve no Nordeste – quase o triplo de votos que o candidato oposicionista Aécio Neves.[37] Em dezembro, antes de anunciar um impopular ajuste fiscal que inclui mudanças nas regras de benefícios previdenciários,[38] o governo gozava da aprovação de 52% da população.[39]

Após os primeiros impactos do ajuste fiscal serem sentidos, em fevereiro de 2015, a aprovação de Dilma caiu para 23%.[40] Segundo a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a mudança na regra de concessão dos benefícios previdenciários atinge 49 milhões de pessoas no caso do seguro desemprego, 23 milhões de pessoas no caso do abono salarial e 600 mil pescadores no caso do seguro-defeso.[38] Em meio a esse cenário econômico desfavorável, além de novos desdobramentos da Operação Lava Jato (o Supremo Tribunal Federal decidiu que seriam investigados cerca de 50 políticos supostamente envolvidos no esquema de corrupção, a maioria pertencente a partidos aliados do governo),[10][25] grupos oposicionistas como Vem Pra Rua, Movimento Brasil Livre e Revoltados Online marcaram protestos contra a presidente no dia 15 de março de 2015, convocando os participantes através das redes sociais.[31] Apesar de se dizerem apartidários,[41] os protestos foram apoiados por partidos de oposição como PSDB, DEM, PPS e SD, que convocaram seus filiados para os atos.[42]

À época dos protestos, pesquisas internas do governo, divulgadas tanto pela oposição à direita como pela "oposição à esquerda", indicaram quedas ainda maiores nos índices de aprovação do governo, para 7% (Veja) ou 10% (CartaCapital).[43][44]

Dois dias antes da data marcada para a primeira das manifestações, em 13 de março, partidos de esquerda, centrais sindicais e movimentos sociais realizaram um ato em defesa da Petrobras e contra o ajuste fiscal em 24 estados e no Distrito Federal.[45] Apesar de criticar as medidas de ajuste fiscal, os manifestantes se declararam contra o impeachment da presidente,[45] sendo a defesa da democracia um dos motes do movimento.[46] A CUT estimou que cem mil pessoas tenham participado do ato em cidade de São Paulo, número que, para a PM, foi de doze mil manifestantes.[45]

Organização[editar | editar código-fonte]

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, o Movimento Brasil Livre (MBL) foi o principal responsável pela convocação das manifestações.[47][48] O grupo é sediado em São Paulo e, segundo o The Economist, foi "fundado no último ano para promover as respostas do livre mercado para os problemas do país".[47] Em manifesto publicado na internet, o MBL cita seus cinco objetivos: "imprensa livre e independente, liberdade econômica, separação de poderes, eleições livres e idôneas e fim de subsídios diretos e indiretos a ditaduras".[49] Segundo o blog Outras Palavras, o bilionário David Koch financia o MBL, apontando ligações entre institutos mantidos por Koch e integrantes do MBL.[47] O interesse de Koch em desestabilizar o governo brasileiro seria adquirir os direitos de exploração do pré-sal, uma vez que uma das principais atividades da Koch Industries é a exploração de petróleo.[47] Os coordenadores nacionais do MBL negaram que são financiados por grandes empresários e declararam que dependem de doações feitas pela internet.[48]

Outro grupo que ajudou a organizar os protestos foi o Revoltados Online, fundado em 2004 por Marcello Reis com o objetivo original de "rastrear pedófilos".[50] Com quase 700 mil seguidores no Facebook, o Revoltados Online alimenta as redes sociais com publicações diárias contra o governo.[50] O grupo tem como seu ícone o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) e considera o impeachment da presidente Dilma e do vice Michel Temer sua principal bandeira, além de defender a volta do voto de papel, a consolidação de um regime parlamentarista no Brasil e a existência de apenas cinco partidos no país – “um de centro, direita, extrema direita, esquerda e extrema esquerda”.[51] O Revoltados Online financia-se através da venda de "kits pró-impeachment".[51] Por fim, há o Vem Pra Rua, considerado o grupo mais moderado ideologicamente entre os que organizaram os protestos, por não defender o impeachment ou uma intervenção militar.[52][53] O grupo foi fundado em setembro de 2014 em apoio ao então candidato presidencial Aécio Neves.[15] Para Renan Santos, do MBL, "os caras do Vem Pra Rua são mais velhos, mais ricos e têm o PSDB por trás".[47]

Dentre os grupos regionais que participaram da organização do protesto, destaca-se o Movimento Endireita Brasil (MEB), tradicional organizador do Dia da Liberdade de Impostos em São Paulo.[54] O MEB existe desde 2006 e sua página no Facebook tem mais de 184 mil curtidas.[13] A pauta do Movimento é a defesa do estado mínimo, da propriedade privada e das liberdades individuais, atuando nas manifestações em São Paulo, Curitiba e Porto Alegre.[55] Segundo o líder do MEB, Ricardo Salles, o "lugar do governo é fora da economia" e a atual crise econômica que o Brasil enfrenta é consequência dos excessos do governo Dilma.[13]

15 de março de 2015[editar | editar código-fonte]

Disposição geográfica[editar | editar código-fonte]

No dia 15 de março, ocorreram protestos em todos os estados brasileiros, em ao menos 160 cidades.[1][25] Os estados de São Paulo, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Rio de Janeiro registraram as maiores adesões, enquanto os estados do Norte e do Nordeste tiveram menor índice de participação.[32] Em Palmas, por exemplo, não houve protesto contra Dilma.[56] Também foram registrados protestos em seis cidades do exterior: Buenos Aires, Londres, Lisboa, Miami, Montreal e Nova York.[57][58][59] As estimativas totais de participantes variam. Enquanto as polícias militares estimam entre 1 400 000 e 2 400 000, os organizadores afirmam que estiveram presentes 3 000 000 de pessoas.[17][18]

Independente da fonte, o protesto ocorrido na cidade de São Paulo foi o maior de todos. Às 15h40, a Polícia Militar do Estado de São Paulo estimou que estavam presentes 1 000 000 de manifestantes na Avenida Paulista e ruas adjacentes.[60] O Datafolha, usando metodologia própria, calculou em 210 mil o número de manifestantes, ressaltando que esta foi a maior manifestação política na capital paulista desde as Diretas Já.[61] Segundo o instituto, que não considerou as pessoas presentes nas adjacências da Avenida Paulista,[62] a aglomeração máxima nos 135,5 mil m² da Paulista é de 950 mil pessoas.[56]

O protesto[editar | editar código-fonte]

Manifestantes na cidade de São Paulo.

O discurso predominante entre os manifestantes pedia o impeachment da presidente Dilma e a responsabilização do Partido dos Trabalhadores (PT) pelo escândalo de corrupção na Petrobrás.[63] Alguns manifestantes defendiam uma intervenção militar.[1] A maioria dos manifestantes vestiam roupas com as cores da Bandeira do Brasil e camisetas da Seleção Brasileira de Futebol.[10] O clima era festivo e muitos manifestantes aproveitaram para tirar selfies com policiais.[64] Em determinado momento, um grupo de cerca de quarenta caminhoneiros também se juntou à manifestação na Avenida Paulista. Segundo o Comando Nacional do Transporte, não houve endosso da ação. Eles seguiram para a Avenida Paulista e posteriormente desceram a Avenida Consolação, paralisando parcialmente o trânsito.[65]

O governo do Estado de São Paulo liberou, pela primeira vez em um protesto, as catracas do metrô de São Paulo para os manifestantes.[31] Em outros protestos, como os de junho de 2013, a PM usou balas de borracha e bombas de efeito moral para impedir que manifestantes pulassem as catracas das estações de metrô.[31] Durante certo tempo, os manifestantes puderam passar pelas catracas livremente sem a cobrança de passagem.[66] Críticos ao protesto encararam isso como um apoio do governo de São Paulo, liderado pelo oposicionista Geraldo Alckmin, aos protestos.[56] Também muito criticada foi a cobertura da mídia. Vários artistas globais demonstraram seu apoio convocando manifestantes em suas redes sociais.[67] Além disso, a Globo transmitiu, em caráter extraordinário, o informativo Globo Notícia a cada quarenta minutos com a cobertura das manifestações em todo o Brasil.[68]

Perfil do público[editar | editar código-fonte]

Em 17 de março, o Datafolha divulgou uma pesquisa feita durante as manifestações na Avenida Paulista. O instituto entrevistou 432 manifestantes e traçou um perfil dos manifestantes na capital paulista.[69] Destes, 47% foram protestar contra a corrupção, 27% pelo impeachment de Dilma, 20% contra o Partido dos Trabalhadores e 14% contra os políticos em geral.[69] A democracia foi amplamente defendida, sendo que 85% consideram que "a democracia é sempre melhor". Outros 10% acham que "em certas circunstâncias, é melhor uma ditadura" e 3% são indiferentes.[69] A maioria absoluta – 82% – declarou ter votado em Aécio Neves no segundo turno da eleição presidencial de 2014 e 37% manifestaram simpatia pelo PSDB.[69] O público também possuía um perfil mais elitista do que a população em geral: 76% têm ensino superior completo e 68% ganham mais de R$ 3.940,00 mensais.[69] Para 90%, Dilma "sabia da corrupção da Petrobras, mas deixou ocorrer", e 9% acreditam que "ela sabia da corrupção, mas nada poderia fazer".[69] Quanto à aprovação da presidente, 96% dos entrevistados avaliam o governo como ruim ou péssimo e 3% como regular.[69] Sobre a aprovação do Congresso Nacional, 77% o consideram ruim ou péssimo, 19% o avaliam como regular e 3% como ótimo ou bom.[69]

Em Porto Alegre, os institutos Índex e Amostra entrevistaram 1 176 manifestantes.[7] Na pesquisa do Índex, 60,1% responderam que o maior problema do país é a corrupção, 8,6% a administração pública, 6% a saúde e 5,7% a educação.[7] A maior decepção dos manifestantes, de acordo com o Índex, são com a classe política (56,8%), o PT (44%), a presidente Dilma (28,5%) e a base aliada (18,5%).[7] Na pesquisa do Amostra, os motivos principais que levaram os entrevistados a participar do protesto foram o combate à corrupção (43,8%) e o descontentamento com o governo (21%).[7] Quanto ao impeachment de Dilma, 66,3% declararam-se favoráveis e 29,8% contrários.[7] O perfil dos entrevistados, tanto na pesquisa do Índex quanto na do Amostra, indicaram que mais de 65% possuem renda mensal superior a R$ 4.728,00 e mais de 68% têm ensino superior completo.[7]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Governo[editar | editar código-fonte]

Entre os dias 16 e 17 de março, o Datafolha realizou uma pesquisa de popularidade da presidente Dilma, publicado pelo jornal Folha de S.Paulo. Segundo a pesquisa 13% dos brasileiros aprovam o governo Dilma, o menor índice para um presidente da República em mais de vinte anos.[70] A pesquisa revelou que 62% dos brasileiros consideram o governo ruim ou péssimo.[70] A pesquisa mostrou ainda que 50% avaliam como ruim ou péssimo o desempenho de senadores e deputados no Congresso Nacional, enquanto 9% consideram ótimo ou bom.[71]

Dilma Rousseff concede entrevista coletiva no Palácio do Planalto em 16 de março.

Em 11 de março, quatro dias antes do primeiro protesto, a página oficial de Dilma no Facebook publicou um texto defendendo o direito de manifestação. A presidente declarou: "Eu acredito que uma das maiores conquistas do nosso País foi a democracia. Assim sendo, não tenho o menor interesse, o menor intuito, nem tampouco o menor compromisso com qualquer processo de restrição à livre manifestação neste País."[72] Durante a manifestação do dia 15 de março, a presidente Dilma se reuniu com vários ministros no Palácio do Planalto. No início da noite, o então ministro da Justiça José Eduardo Cardozo e o então ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República Miguel Rossetto concederam uma entrevista coletiva para avaliar as manifestações.[73] Os ministros, que representavam a presidente, declararam que o governo anunciará um pacote de medidas de combate à corrupção.[73][74] Rossetto também destacou a importância da democracia e reiterou que não deve haver "manifestações autoritárias e fascistas".[75] O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, declarou que são "corretíssimas as observações do ministro Rossetto sobre o erro daqueles que pedem o retorno dos militares. Seria um imenso retrocesso para o Brasil. O ministro Cardozo insiste num erro deliberado e frequente: o de insinuar que as iniciativas do MPF e da PF são impulsionadas pelo Governo. Num dia como o de hoje, achei um erro botar ministros de Estado para falar. O momento era para a Chefe de Estado se dirigir à Nação. Ponto."[76] Durante a fala, foram registrados "panelaços" em algumas cidades.[77] Em 1° de maio de 2015, Dilma desistiu de fazer o tradicional discurso do Dia do Trabalhador em rede nacional de televisão, preferindo divulgar a fala pela internet, no que foi interpretado pela oposição como uma reação acanhada do governo aos "panelaços".[78]

Em 16 de março, os ministros José Eduardo Cardozo e Eduardo Braga afirmaram que o governo vai "ouvir" as manifestações com "humildade".[79] Dilma reiterou o pronunciamento dos ministros ao afirmar que "o governo irá sempre dialogar com manifestações das ruas... O sentimento tem de ser de humildade e firmeza".[80] Ela declarou ainda que "ontem, quando eu vi centenas e milhares de cidadãos se manifestando, não pude deixar de pensar que valeu a pena lutar pela liberdade, valeu a pena lutar pela democracia. Este país está mais forte que nunca". Ela também reiterou que o governo irá "dialogar" com as manifestações e que pretende enviar ao Congresso Nacional medidas de combate à corrupção.[81] Na noite do mesmo dia, Dilma se reuniu com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com o presidente nacional do PT Rui Falcão para avaliar os protestos e definir as estratégias do governo.[82] Em 17 de março, José Eduardo Cardozo, e Pepe Vargas, apresentaram um pacote anticorrupção a Renan Calheiros, presidente do Senado. As propostas serão encaminhadas pelo governo ao Congresso Nacional.[83] Segundo especialistas ouvidos pela BBC, as medidas apresentadas são positivas, mas podem ser insuficientes na prevenção de delitos.[84]

Oposição[editar | editar código-fonte]

De saída do PT, a senadora Marta Suplicy (SP) criticou a presidente Dilma e defendeu o ato.[85] Aécio Neves disse que "impeachment não é golpe" e que "não torço para que isso ocorra",[86][87] mas convocou a militância para protestar contra o governo. O senador não foi às manifestações para evitar um "terceiro turno".[88][89] O líder da oposição no Senado, Álvaro Dias (PSDB-PR), afirmou que "a resposta do governo à maior mobilização popular de protesto da história da democracia brasileira é pífia, é insuficiente [...]".[90] O deputado federal Mendonça Filho, líder dos Democratas, postou no Twitter que "a manifestação aqui em São Paulo ecoa com muita força o grito de insatisfação com o Governo Dilma dado hoje no País inteiro [...]."[76] O deputado Paulo Pereira da Silva destacou que "as manifestações de hoje só mostram que o Solidariedade tem razão. A Dilma não tem mais condições de dirigir o Brasil. É hora do impeachment."[76]

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em entrevista no dia 18 de março ao programa Jornal da Manhã da rádio Jovem Pan, afirmou que a presidente está perdendo as condições políticas de governar e os protestos são reflexos dessa fraqueza política, embora tenha declarado não ser a favor do impeachment de Dilma neste momento, ressaltando ainda a obrigação da classe política de respeitar as instituições democráticas.[91] Já o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), classificou como "ilegalidade" e "golpismo" a discussão sobre o impeachment da presidente. Para ele, "ela [Dilma] saiu desse processo eleitoral e não teve a percepção de que não teve hegemonia política. Não teve hegemonia eleitoral. Teve vitória eleitoral. Começou o segundo mandato em crise política achando que a simples nomeação para cargos públicos seria suficiente. Sabia que tinha que fazer ajuste fiscal, começou a propor, mas sem discutir antes as medidas, não só com aqueles que compõem a sua base, mas com a sociedade como um todo".[92]

Mídia internacional[editar | editar código-fonte]

O jornal britânico The Guardian chamou os protestos de "manifestações da direita" causadas por insatisfação crescente com a economia e com o escândalo de corrupção na Petrobras. Afirmou também que os protestos reuniram pessoas "mais velhas, mais brancas e mais ricas" que os de 2013.[93]

O Financial Times destacou que os manifestantes "em verde e amarelo, com bandeiras e balões" evocaram uma atmosfera semelhante à dos protestos de junho de 2013.[94] A Bloomberg noticiou que a insatisfação popular cresceu depois que o governo aumentou impostos e preços que estavam represados ao passo que o país passa por seu "maior escândalo de corrupção".[95] O Washington Post divulgou que houve massivos protestos pedindo o impeachment da presidente Dilma Rousseff estreitando suas opções para resolver as crise política e econômica, o que vai significar mais turbulência para o país nos próximos meses, embora sua saída da presidência pareça improvável.[96] O Wall Street Journal afirmou que os protestos são reflexos dos escândalos de corrupção e da crise econômica enfrentada pelo governo,[97] destacando que os brasileiros das classes alta e média-alta, tradicionalmente opositores aos governos petistas, afirmam que Dilma não é capaz de gerir a economia, enquanto classes mais modestas e movimentos sociais, tradicionalmente bases de apoio do governo, sentem-se traídas desde que ela passou a anunciar medidas contrárias às defendidas durante a campanha de 2014, enxergando nelas retrocessos nas políticas sociais.[25][98]

O New York Times afirmou que a possibilidade de um impeachment parece distante e defendeu a postura de Dilma diante dos protestos. O jornalista Simon Romero, chefe do escritório do jornal na cidade do Rio de Janeiro, afirmou: "Em contraste com outros líderes da região que responderam à dissidência com ataques a seus críticos e uso de forças de segurança, a senhora Rousseff assumiu uma postura relativamente pouco confrontadora".[99] A agência britânica de notícias Reuters mostrou que o impeachment da presidente Dilma Rousseff estava entre as principais reivindicações dos manifestantes.[100] A emissora do Qatar Al Jazeera publicou que milhões protestaram contra a presidente, mostrando o quanto os brasileiros estão desiludidos com o governo e a política em geral, embora as chances da deposição da presidente sejam escassas.[101] Já a francesa France 24 afirmou que manifestantes marcharam em todo o Brasil para protestar contra uma economia em crise, aumento dos preços, corrupção e ainda para pedir o impeachment da presidente esquerdista.[102]

O jornal argentino Clarín referiu-se aos protestos como "uma crise vizinha".[103] O espanhol El País, em sua capa, enfatizou que "os protagonistas das marchas pertencem às classes médias mais educadas".[104] A revista alemã Der Spiegel afirmou que a situação "não está boa" para a presidente.[105]

12 de abril de 2015[editar | editar código-fonte]

Disposição geográfica[editar | editar código-fonte]

Assim que as manifestações do dia 15 de março se encerraram, os organizadores prometeram um novo dia de manifestações para o dia 12 de abril sob o mote "Vai ser ainda maior".[106] De fato, os protestos registraram público inferior aos do dia 15 de março.[31] Com protestos em 24 estados e no Distrito Federal, 700 mil pessoas saíram às ruas para protestar contra o governo Dilma, segundo as polícias militares.[31] O número foi a metade do estimado no ato de março, quando 1,4 milhão de pessoas se manifestaram.[31] Assim como ocorreu no ato de março, os principais focos dos protestos continuaram sendo em São Paulo, Brasília, Curitiba, Porto Alegre e Rio de Janeiro.[31] Desta vez, a PM-SP, que dias antes disse não esperar um público maior em 12 de abril,[107] estimou o número de manifestantes em 275 mil pessoas, enquanto o Datafolha registrou 100 mil manifestantes.[31] Novamente São Paulo registrou o maior ato anti-Dilma.[31] Na capital gaúcha, a polícia estimou 35 mil pessoas no protesto. Em Brasília, os protestos encolheram de 45 mil, em março, para 25 mil pessoas. No Rio de Janeiro, as manifestações em Copacabana caíram de 15 mil para 10 mil, na comparação entre os atos de março e abril.[31]

O protesto[editar | editar código-fonte]

Durante o protesto em São Paulo, Kim Kataguiri, um dos líderes do MBL, fez discurso dizendo que "o PT tem que tomar um tiro na cabeça", o que foi interpretado como uma apologia ao crime.[31] Por outro lado, segundo Alex Antunes: "A frase foi tirada de contexto. Era uma resposta ao senador do PSDB, Aloysio Nunes Ferreira, que tinha declarado que não queria o impeachment, mas sim deixar o governo sangrar."[108] Duas senhoras, uma no Rio e outra em São Paulo, teriam sido hostilizadas por defenderem a presidente Dilma.[31] O MBL tentou se afastar de grupos mais radicais, que pediam a intervenção militar. Na sexta-feira, 10 de abril, integrantes do MBL entraram com uma liminar na Justiça pedindo que o carro de som do grupo SOS Forças Armadas, que defende a retirada violenta de Dilma do poder, ficasse a 400 metros de distância dos movimentos a favor do impeachment.[31]

Novamente o governo de São Paulo foi acusado de incentivar a participação da população nos protestos. A PM-SP mudou o horário de jogos do Campeonato Paulista alegando que queria vitar que duas grandes concentrações de pessoas se encontrassem no mesmo local e horário.[107] Assim como ocorreu em março, quando o jogo do Palmeiras foi alterado das 16h para às 11h do domingo 15, a PM procurou a Federação Paulista de Futebol e acordou a mudança de horário dos jogos da semifinal do campeonato.[107] Corinthians e São Paulo tiveram seus jogos transferidos para o sábado contra a Ponte Preta e Red Bull Brasil, respectivamente.[107] O Santos jogou contra o XV de Piracicaba, na cidade de Santos, e o Palmeiras enfrentou o Botafogo de Ribeirão Preto, às 11 horas do domingo 15.[107] A antecipação do horário dos jogos de domingo foi alvo de críticas nas redes sociais por internautas que enxergaram na medida uma forma de incitar a participação nos protestos.[107] Desta vez, no entanto, a PM negou que as catracas do metrô seriam liberadas para os manifestantes.[107]

Segundo a CartaCapital, os protestos apresentaram queda no público por apresentarem pauta de discussão difusa, "sem haver consenso sobre o que deveria acontecer após um possível impeachment ou sobre a necessidade de um reforma política".[31] Outro possível motivo seria a falta de engajamento dos manifestantes do dia 15 de março nos grupos que organizaram os protestos.[31] Segundo o Datafolha, 91% das pessoas presentes no dia 15 disseram não ter ligação com nenhum dos grupos organizadores.[31]

Perfil do público[editar | editar código-fonte]

Pesquisas de campo utilizando métodos quantitativos conduzidas nos protestos do dia 12 de abril por pesquisadores baseados na Universidade de São Paulo para a cidade de São Paulo, e por professores da Universidade Federal de Minas Gerais em Belo Horizonte revelam características diversas do perfil específico dos manifestantes. Em São Paulo eram compostos por uma grande maioria de grupos de alta renda, em sua maioria brancos, afirmando um alto grau de desconfiança dos partidos políticos em geral (mas com uma forte confiança em Aécio Neves, o candidato derrotado nas eleições presidenciais de 2014), revelando uma preferência pelo jornalismo político de cunho conservador, e sustentando uma crença de que o Partido dos Trabalhadores tem um projeto visando a implementação de um regime comunista no Brasil. Em Belo Horizonte, a maioria dos manifestantes se identificam como situados ao centro ou à direita do espectro político; sustentando a ideia de que as políticas de distribuição de renda implementadas pelo governo federal torna a população de baixa renda preguiçosa e pouco disposta a trabalhar; a favor de direitos de porte e propriedade de armas de fogo; e propondo como desdobramento do problema de legitimidade da presidente da república, em primeiro lugar sua renúncia, seguida de seu impeachment, tendo o apoio à intervenção militar como a terceira resposta mais frequente, com a minoria dos manifestantes concordando com a necessidade da intervenção militar (ao serem perguntados acerca desta questão específica num formato de sim ou não como únicas respostas possíveis).[109][110]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Governo[editar | editar código-fonte]

Diante da adesão menor aos protestos de 12 de abril, o governo federal e o Diretório Nacional do PT decidiram alterar a estratégia de comunicação e anunciaram que não iriam se manifestar sobre os protestos.[31] Por meio de sua assessoria de imprensa, o vice-presidente Michel Temer (PMDB) afirmou que "o fato de ter menos gente nas ruas não diminui a importância do alerta que está sendo dado pela população, mostrando que é fundamental que o governo compreenda que há necessidade de dialogar e ouvir mais".[31] Chefe da Secretaria de Comunicação Social do governo federal, Edinho Silva afirmou que, independentemente do tamanho, os protestos devem ser reconhecidos e que "o governo capitaliza o descontentamento com a forma como foi organizado o sistema político".[31]

Oposição[editar | editar código-fonte]

Em 22 de maio, o PSDB recuou no seu apoio ao impeachment de Dilma, o que levou alguns dos principais grupos anti-Dilma a se rebelar contra o partido.[111] Para o MBL, "Aécio traiu o Brasil".[111] Em um vídeo postado no Facebook, o líder do Revoltados Online, Marcelo Reis, disse que "Aécio está sendo covarde. Dilma tem mais colhões que ele".[111] O partido decidiu abandonar a tese do impeachment depois de receber um parecer do jurista Miguel Reale Júnior, ex-ministro da Justiça de Fernando Henrique Cardoso.[111] Segundo o jurista, os ativistas do Movimento Brasil Livre não têm "informação e cultura política".[112]

Marcha pela Liberdade[editar | editar código-fonte]

Após o protesto de 12 de abril, o MBL lançou uma marcha de São Paulo até Brasília para pedir o impeachment da presidente. A Marcha da Liberdade saiu de São Paulo no dia 24 de abril e chegou em Brasília em 27 de maio.[113] Na capital federal, ingressaram com um pedido de impeachment contra a presidente no Congresso Nacional.[113] Os manifestantes foram recebidos por líderes da oposição no Congresso Nacional e, em seguida, se reuniram com o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que disse que iria analisar o pedido de impeachment protocolado pelo grupo e então se manifestaria sobre o caso.[113] Durante a marcha, Kim Kataguiri, um dos líderes do MBL, sofreu um acidente quando um motorista atingiu o carro que dava suporte ao grupo na estrada.[113]

16 de agosto de 2015[editar | editar código-fonte]

Em 16 de agosto, ocorreram protestos em pelo menos 291 cidades de todos os Estados e no Distrito Federal, além de outras cidades ao redor do mundo.[114] De acordo com o Datafolha, o protesto da cidade de São Paulo reuniu mais pessoas, cerca de 135 mil.[115] O número total de manifestantes foi estimado entre 879 mil (pelas polícias militares) e em 2 milhões (pelos organizadores), sendo assim menor que os de março, mas maior que os de abril.[116]

Mais uma vez, os protestos foram convocados pelo Movimento Brasil Livre, com apoio dos grupos Vem Pra Rua e Revoltados ON LINE.[117] O foco dos três grupos foi não só o impeachment, como também o repúdio ao "acordão"[118][119] feito entre a presidente Dilma Rousseff, o senador Renan Calheiros e o procurador-geral da República, Rodrigo Janot.[120]

Com mais este protesto, o Movimento Brasil Livre passou a ser reconhecido internacionalmente como uma nova força política brasileira.[121] Como seus próprios fundadores já declararam, o movimento pensa "como uma startup" e deve continuar crescendo para não "morrer".[122] Seus líderes foram recebidos na manifestação da Avenida Paulista como astros, sofrendo tanto assédio quanto os políticos mais carismáticos, tirando centenas de selfies com fãs e sendo fervorosamente aplaudidos em cada discurso.[123] O caminhão de som do Vem Pra Rua atraiu um público mais velho, em sua maioria brancos de classe média alta. O caminhão do MBL foi o que mais cativou o público, com mais de seis horas de discurso de seus jovens líderes e músicas criadas e tocadas pela bateria do movimento.[124]

Pela primeira vez, os principais nomes da oposição no Brasil participaram das manifestações nas ruas: em Belo Horizonte, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi carregado nos ombros por populares; em São Paulo, onde ocorreu a maior manifestação, na Avenida Paulista, o senador José Serra (PSDB-SP) foi muito assediado e teve o nome conclamado pelos ativistas; o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) também participou das manifestações na Avenida Paulista.[125] Poucos dias antes dos protestos, o PSDB usou seu tempo de inserção de anúncios na televisão para apoiar os protestos contra a presidente e a convidar a população a ir para as ruas.[126]

13 de Março de 2016[editar | editar código-fonte]

Manifestação na Avenida Paulista em 13 de março de 2016
Manifestações no Palácio do Planalto contrárias a nomeação de Lula para o governo, em 16 de março de 2016.

Manifestações populares ocorreram em todas as regiões do Brasil no dia 13 de março de 2016 tendo como principais objetivos protestar contra o Governo Dilma Rousseff e a corrupção. Foi o maior ato sobre política na história do Brasil, superando as Diretas já.[127][128][129][130]

A primeira cidade a realizar os protestos foi Chapecó no Oeste do estado de Santa Catarina no dia 12 de março e levou cerca de 25 mil pessoas as ruas.[131]Todas as demais cidades realizaram a manifestação em 13 de março, com a presença confirmada de mais de três milhões de pessoas na maior manifestação já registrada.[132] O movimento levou 6,9 milhões de pessoas as ruas em todos os estados do país e no Distrito Federal de acordo com os organizadores. Já de acordo com as PMs das unidades federativas este número foi de 3,6 milhões.[133]

Em Maceió, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), investigado em sete inquéritos pela Operação Lava Jato,[134] também foi lembrado em faixas.[135] A ideia do impeachment foi defendida por milhares de pessoas em todas as regiões.[135]

Os protestos continuaram nos dias 16, 17, 18, 19, 20 e 21 de março[136][137][138][139][140] contra a corrupção, contra o governo, a favor do impeachment e contra a nomeação de Lula como ministro da Casa Civil.[139][141][142]

Acampamento na avenida Paulista[editar | editar código-fonte]

Manifestantes a favor do impeachment da então presidente Dilma Rousseff estavam acampados na época da formação da comissão de impedimento na Câmara. Eles estavam em frente à sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na Avenida Paulista, na manhã do dia 19 de março. Eram quinze barracas na calçada, erguidas como reação ao protesto do PT e de entidades sindicais, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT,) que defendiam a presidente Dilma, ocorrido na Paulista durante a tarde do dia 19. Os manifestantes já estavam acampados antes desse ato pró-Dilma, mas eles foram retirados em uma ação da Tropa de Choque, devido ao do protesto do Partido dos Trabalhadores, que seria realizado à tarde. Naquele momento, eles estavam acampados há 39 horas.[143]

Em 21 de março de 2016, o grupo de manifestantes continuaram acampados em frente ao prédio da FIESP, com 37 barracas. O boneco Pixuleco foi inflado como uma forma de chamar atenção para causa.[140]

Repercussão internacional[editar | editar código-fonte]

O The Wall Street Journal destacou que "milhares protestaram contra a presidente Dilma Rousseff e o partido do governo". A publicação no jornal ainda comentou que "muitos culpam o governo pelo escândalo de corrupção, que causou colapso da economia local e humilhou o maior país da América Latina".[144]

31 de Julho de 2016[editar | editar código-fonte]

Em 31 de julho, dezenas de milhares de manifestantes realizaram atos contra a então presidente Dilma Rousseff, em vinte estados e no Distrito Federal.

Além do apoio ao impeachment da presidente, alguns atos também declararam apoio a reivindicações específicas, como as investigações da Operação Lava Jato, a autonomia da Polícia Federal e o fim da corrupção.[145]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Flag of Brazil.svg Portal Brasil
A coloured voting box.svg Portal Política
Diversity of youth in Oslo Norway.jpg Portal Sociedade

Referências

  1. a b c «Manifestantes protestam contra Dilma em todos os estados, DF e exterior». G1. 15 de março de 2015. Consultado em 15 de março de 2015 
  2. Carolina Camargo (15 de março de 2015). «Brasileiros protestam contra governo no exterior». G1. Consultado em 15 de março de 2015 
  3. «Brasileiros protestam contra governo em pelo menos seis países». UOL Notícias - Política. 15 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  4. «Manifestantes protestam contra Dilma em 18 estados, no DF e no exterior». G1. 15 de março de 2015. Consultado em 15 de março de 2015 
  5. a b c «Protesto contra governo federal leva 1 milhão de pessoas à avenida Paulista». R7. 15 de março de 2015. Consultado em 15 de março de 2015 
  6. Raquel Morais, Mateus Rodrigues e Renan Ramalho (15 de março de 2015). «Manifestantes lotam Esplanada para protestar contra Dilma e corrupção». G1. Consultado em 15 de março de 2015 
  7. a b c d e f g h Carlos Ismael Moreira (16 de março de 2015). «Institutos de pesquisa fazem levantamentos sobre o perfil dos manifestantes em Porto Alegre». Folha de S.Paulo. Consultado em 17 de março de 2015 
  8. a b Nina Ramos (15 de março de 2015). «Nas ruas, manifestantes pedem desde o fim da corrupção até intervenção militar». R7. Consultado em 15 de março de 2015 
  9. «Manifestações pelo impeachment de Dilma estão marcadas em ao menos 25 capitais e no DF». R7. 15 de março de 2015. Consultado em 15 de março de 2015 
  10. a b c «Millones de brasileños salieron a la calle para gritar "fuera Dilma" (Fotos)». La Patilla. 15 de março de 2015. Consultado em 15 de março de 2015 
  11. «Protesto em Juiz de Fora reúne movimentos contra corrupção». G1. 15 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  12. «Movimentos anti-Dilma divulgam manual de comportamento para manifestação». Em. 14 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  13. a b c d Guilherme Waltenberg (29 de março de 2015). «Economia em pauta: o que pensam os líderes dos protestos anti-Dilma». Fato Online. Consultado em 22 de maio de 2015 
  14. a b «PSDB, DEM, PPS e SD convocam a população para o dia 15». Blog do Kardec. 10 de março de 2015. Consultado em 15 de março de 2015 
  15. a b c d Pieter Zalis e Eduardo Gonçalves (11 de março de 2015). «Quais são e como pensam os movimentos que vão para a rua contra Dilma no domingo». Veja. Consultado em 16 de março de 2015 
  16. Marcelo Gonzato (13 de março de 2015). «Quais são e como pensam os movimentos que vão para a rua contra Dilma no domingo». Veja. Consultado em 18 de março de 2015 
  17. a b c «Mapa das manifestações no Brasil neste domingo, 15». G1. 15 de março de 2015. Consultado em 15 de março de 2015 
  18. a b Miguel Martins (15 de março de 2015). «Brasil vive dia de protestos massivos contra Dilma». Carta Capital. Consultado em 16 de março de 2015 
  19. «Hundreds of thousands rally against corruption in Brazil». BBC News. 13 de abril de 2015. Consultado em 14 de abril de 2015 
  20. «Todos os estados e o DF têm protestos contra o governo Dilma». G1. 16 de agosto de 2015. Consultado em 17 de abril de 2015 
  21. Sulleiro, Rosa (14 de dezembro de 2015). «Brazil impeachment protests downsized but still determined». Yahoo News (em inglês). AFP 
  22. «MAPA DAS MANIFESTAÇÕES CONTRA DILMA, 13/03». G1. 13 de março de 2016. Consultado em 3 de maio de 2016 
  23. «MAPA DAS MANIFESTAÇÕES CONTRA DILMA, 17/04». G1. 17 de abril de 2016. Consultado em 3 de maio de 2016 
  24. «MAPA DAS MANIFESTAÇÕES CONTRA DILMA, 31/07». G1. 13 de julho de 2016. Consultado em 1 de agosto de 2016 
  25. a b c d Magalhaes, Luciana; Jelmayer, Rogerio (15 de março de 2015). «Protesters Across Brazil Demonstrate Against President on Sunday». The Wall Street Journal. Consultado em 15 de março de 2015 
  26. Pedro Fonseca, Caroline Stauffer e Maria Carolina Marcello (15 de março de 2015). «Mais de 1 milhão de pessoas protestam contra Dilma pelo país». Exame. Consultado em 15 de março de 2015 
  27. Leandro Machado (15 de março de 2015). «Drone contratado pela Folha cai na avenida Paulista e fere duas pessoas». Folha de S.Paulo. Consultado em 17 de março de 2015 
  28. «Manifestações favoráveis ao "impeachment" de Dilma tomam conta de capitais e chegam na PB». PB Agora. 15 de março de 2015. Consultado em 15 de março de 2015 
  29. «Panorama das manifestações de 15 de março no Brasil». Agência Brasil. 15 de março de 2015. Consultado em 15 de março de 2015 
  30. «Protestos testam força do movimento anti-Dilma». DW.DE. 14 de março de 2015. Consultado em 15 de março de 2015 
  31. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t Pellegrini, Marcelo. "Manifestações contra o governo encolhem em todo Brasil". CartaCapital. 12 de abril de 2015. Página visitada em 2 de junho de 2015.
  32. a b Marcos Coronato e Marco Vergotti (15 de março de 2015). «Manifestação anti-Dilma entra para a história». Época. Consultado em 15 de março de 2015 
  33. «Paulista reúne maior ato político desde as Diretas-Já, diz Datafolha». Folha de S.Paulo. 15 de março de 2015. Consultado em 15 de março de 2015 
  34. O Estado de S.Paulo (13 de março de 2016). «Maior manifestação da história do País aumenta pressão por saída de Dilma». Estadão. Consultado em 27 de janeiro de 2017 
  35. «Protesto na av. Paulista é o maior ato político já registrado em São Paulo». Folha de S.Paulo. 13 de março de 2016. Consultado em 13 de março de 2016 
  36. «Brasil tem maior manifestação contra Dilma». UOL. 13 de março de 2016. Consultado em 13 de março de 2016 
  37. a b "Dilma perde para Aécio no Sul, no Sudeste e no Centro-Oeste". Folha de S.Paulo. 26 de outubro de 2014. Página visitada em 1° de junho de 2015.
  38. a b Drummond, Carlos. "A punhalada fiscal de Levy e Dilma". CartaCapital. 18 de janeiro de 2015. Página visitada em 2 de junho de 2015.
  39. Toledo, José Roberto. "Ibope: Popularidade de Dilma volta ao nível pré-campanha eleitoral". O Estado de S. Paulo. 17 de dezembro de 2014. Página visitada em 2 de junho de 2015.
  40. «Popularidade de Dilma cai de 42% para 23%, diz Datafolha». Zero Hora. 7 de fevereiro de 2015. Consultado em 7 de março de 2015 
  41. "Brasileiros se manifestam em vários estados contra corrupção e governo". Fantástico. 15 de março de 2015. Página visitada em 2 de junho de 2015.
  42. Venceslau, Pedro; Filho, Valmar Hupsel. "Siglas de oposição dão suporte para protestos do dia 15". O Estado de S. Paulo. 10 de março de 2015. Página visitada em 2 de junho de 2015.
  43. «Pesquisas internas do PT apontam Dilma com popularidade menor que Collor, diz revista». Bahia Notícias. 12 de março de 2015. Consultado em 17 de março de 2015 
  44. Sergio Lirio (15 de março de 2015). «O hoje e o amanhã». Carta Capital. Consultado em 17 de março de 2015 
  45. a b c "Manifestações em apoio à Petrobras e a Dilma reúnem milhares em 24 Estados e DF". Zero Hora. 13 de março de 2015. Página visitada em 2 de junho de 2015.
  46. Oliveira, Ana Flávia; Shalom, David. "Pacífico, protesto em SP reúne 12 mil pessoas a favor de Dilma e contra ajuste". iG São Paulo. 13 de março de 2015. Página visitada em 2 de junho de 2015.
  47. a b c d e Antonio Carlos (13 de março de 2015). «Quem está por trás do protesto no dia 15». Carta Capital. Consultado em 16 de março de 2015 
  48. a b Marcelo Gonzatto (14 de março de 2015). «Quem são os articuladores nacionais do protesto contra Dilma». Zero Hora. Consultado em 16 de março de 2015 
  49. «No que acreditamos». Movimento Brasil Livre. Consultado em 16 de março de 2015 
  50. a b Carolina Garcia (13 de março de 2015). «Bolsonaro é o mais indicado à Presidência, diz integrante do Revoltados Online». Ig. Consultado em 16 de março de 2015 
  51. a b Talita Abrantes (15 de março de 2015). «Quem são e o que defendem os líderes dos protestos do dia 15». Exame. Consultado em 16 de março de 2015 
  52. «Três grupos organizam os atos anti-Dilma, em meio a divergências». El País. 15 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  53. Valmir Hupsel Filho, Ricardo Galhardo e Ricardo Chapola (12 de março de 2015). «Mais moderado, movimento Vem pra Rua conta com 450 membros e evita 'Fora Dilma'». O Diário. Consultado em 16 de março de 2015 
  54. Felipe Tau e Fabiana Leal (25 de maio de 2010). «Em protesto, posto vende gasolina "sem imposto" a R$ 1,18». Portal Terra. Consultado em 22 de maio de 2015 
  55. «Protesto na avenida Paulista reuniu 1 milhão de pessoas». Hoje em Dia - Portal R7. 15 de março de 2015. Consultado em 22 de maio de 2015 
  56. a b c Sobrinho, Wanderley Preite. "Número de manifestantes no 15 de março causa polêmica". CartaCapital. 17 de março de 2015. Página visitada em 2 de junho de 2015.
  57. «Brasileiros no exterior fazem protestos contra o governo e a corrupção». Fantástico. 15 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  58. Leandra Felipe (15 de março de 2015). «Brasileiros protestam em cidades norte-americanas». Empresa Brasileira de Comunicação. Consultado em 16 de março de 2015 
  59. Iara Falcão (15 de março de 2015). «Brasileiros no Canadá protestam contra a corrupção no Brasil». Empresa Brasileira de Comunicação. Consultado em 16 de março de 2015 
  60. Igor Gadelha (15 de março de 2015). «PM estima 1 milhão de manifestantes na Avenida Paulista». Exame. Consultado em 16 de março de 2015 
  61. «Protesto em São Paulo tem público recorde». O Dia. 15 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  62. «Protesto em SP reúne 1 milhão de pessoas na Avenida Paulista». Bom Dia Brasil. 16 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  63. «Protestos contra o governo reúnem quase 1 milhão pelo país». Folha de S.Paulo. 15 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  64. Giba Bergamim Jr. e Renata Agostini (15 de março de 2015). «Manifestantes tietam e tiram 'selfies' com policiais do Batalhão de Choque». Folha de S.Paulo. Consultado em 17 de março de 2015 
  65. Diego Moura e Daniela Amorim (15 de março de 2015). «Caminhoneiros reforçaram ato na Paulista». Estadão. Consultado em 16 de março de 2015 
  66. Cristiane Agostinho (18 de março de 2015). «Metro de SP liberou catraca para manifestantes em ato contra Dilma». Valor. Consultado em 20 de março de 2015 
  67. «Famosos postam vídeo no Instagram chamando para protesto no dia 15» 
  68. «a-estrategia-da-globo-para-atrair-mais-gente-ao-protesto-de-domingo» 
  69. a b c d e f g h Lucas Ferraz (17 de março de 2015). «Maioria foi às ruas contra corrupção, diz Datafolha». Folha de S.Paulo. Consultado em 17 de março de 2015 
  70. a b Redação (18 de março de 2015). «Popularidade de Dilma despenca para 13%, diz Datafolha». Revista VEJA. Consultado em 18 de março de 2015 
  71. «Aprovação a Dilma cai para 13%, diz Datafolha». G1. 18 de março de 2015. Consultado em 18 de março de 2015 
  72. «Presidenta Dilma comenta sobre manifestações do dia 15 no Facebook a cala oposição». Belo Horizonte de A a Z. 12 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  73. a b «Ministros se pronunciam em nome de Dilma Rousseff». Último Instante. 15 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  74. «Governo defende reforma política e fala em medidas contra corrupção». EBC. 15 de março de 2015. Consultado em 17 de março de 2015 
  75. «15 de março: os protestos pelo Brasil». Época. 15 de março de 2015. Consultado em 17 de março de 2015 
  76. a b c "Políticos comentam as manifestações deste domingo; saiba o que disseram". G1 (15 de março de 2015). Visitado em 17 de março de 2015.
  77. «Panelaços são registrados pelo Brasil durante entrevista de ministros na TV». G1. 15 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  78. «Efeito panelaço: Dilma desiste de falar na TV no 1º de Maio». Veja. 27 de abril de 2015. Consultado em 2 de junho de 2015 
  79. Leandro Prazeres (16 de março de 2015). «Um dia após protestos, governo fala em "humildade"». Uol. Consultado em 16 de março de 2015 
  80. «Dilma diz que governo tem obrigação de abrir diálogo e prega humildade». Reuters. 16 de março de 2015. Consultado em 17 de março de 2015 
  81. Filipe Matoso e Fernanda Calgaro (16 de março de 2015). «Protestos mostram que 'valeu a pena' lutar por democracia, afirma Dilma». G1. Consultado em 16 de março de 2015 
  82. Filioe Matoso (16 de março de 2015). «Um dia após protestos, Dilma volta a se reunir com Lula no Alvorada». G1. Consultado em 16 de março de 2015 
  83. Lucas Salomão (17 de março de 2015). «Ministros entregam a Renan proposta do governo de combate à corrupção». G1. Consultado em 17 de março de 2015 
  84. Adamo, Paula; Senra, Ricardo (19 de março de 2015). «Pacote anticorrupção agrada, mas especialistas cobram mais medidas de prevenção». BBC Brasil. BBC. Consultado em 2 de junho de 2015 
  85. Naira Trindade (16 de março de 2015). «Enquanto oposição se anima com protestos, base tem problemas no Legislativo». Em. Consultado em 17 de março de 2015 
  86. «Aécio critica fala de ministros e diz que não estavam no 'planeta Terra'». G1. 16 de março de 2015. Consultado em 17 de março de 2015 
  87. «"Não torço para que isso ocorra", diz Aécio Neves sobre impeachment». Zero Hora. 16 de março de 2015. Consultado em 17 de março de 2015 
  88. «Manifestação no Rio mistura impeachment e golpe militar». O Dia. 15 de março de 2015. Consultado em 17 de março de 2015 
  89. «Após convocar militância para protestar contra governo, Aécio diz que não irá a manifestação». R7. 11 de março de 2015. Consultado em 17 de março de 2015 
  90. «Líder do bloco de oposição diz que governo oferece promessas velhas e recicladas». Diário do Grande ABC. 16 de março de 2015. Consultado em 17 de março de 2015 
  91. Joseval Peixoto (18 de março de 2015). «Dilma está perdendo condições políticas de governar, diz FHC». Jovem Pan. Consultado em 19 de março de 2015 
  92. «Eduardo Cunha rejeita impeachment, mas critica gestão de Dilma». G1. 16 de março de 2015. Consultado em 17 de março de 2015 
  93. «Brazil: hundreds of thousands of protesters call for Rousseff impeachment». The Guardian. 16 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  94. «One million join anti-Rousseff protests in Brazil». Financial Times. 15 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  95. David Biller (15 de março de 2015). «More Than a Million Hit Brazil Streets to Protest Rousseff». Bloomberg. Consultado em 16 de março de 2015 
  96. «Mídia internacional vê protesto "mais velho, mais branco e mais rico" do que os de 2013». Uol. 16 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  97. Luciana Magalhaes and Rogerio Jelmayer (15 de março de 2015). «Mass Protests Across Brazil Reflect Anger at President». Wall Street Journal. Consultado em 18 de março de 2015 
  98. «O que muda com os protestos de domingo? - Cinco análises». BBC. 16 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  99. Simon Romero (15 de março de 2015). «In Nationwide Protests, Angry Brazilians Call for Ouster of President». New York Times. Consultado em 16 de março de 2015 
  100. Reuters/Nacho Doce (16 de março de 2015). «Anti-Rousseff protests in Brazil». Reuters. Consultado em 18 de março de 2015 
  101. Adam Raney (15 de março). «Squeezed among the million Sao Paulo protesters». Al Jazeera. Consultado em 18 de março  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  102. NEWS WIRES (15 de março de 2015). «Nearly a million Brazilians march to demand president's ouster». France 24. Consultado em 18 de março de 2015 
  103. «Tras las marchas del domingo, Dilma promete medidas anticorrupción». Carín. 16 de março de 2015. Consultado em 16 de março de 2015 
  104. Ludmila Moreira (16 de março de 2015). «Protestos de domingo repercutem na mídia internacional». Diário da Manhã. Consultado em 16 de março de 2015 
  105. mbö/dpa/AFP (16 de março de 2015). «Centenas de milhares de pessoas vão às ruas contra o governo». Der Spiegel. Consultado em 16 de março de 2015 
  106. Monteiro, Marcelo. "Manifestantes prometem protesto "ainda maior" no próximo domingo". Zero Hora. 10 de abril de 2015. Página visitada em 2 de junho de 2015.
  107. a b c d e f g Pellegrini, Marcelo. "Dilma enfrenta novos protestos neste domingo". CartaCapital. 12 de abril de 2015. Página visitada em 2 de junho de 2015.
  108. Alex Antunes (26 de abril de 2015). «É o dinheiro, estúpido – ou o "tiro na cabeça do PT"». Yahoo. Consultado em 16 de março de 2015 
  109. Helcimara de Souza Telles (14 de abril de 2015). «O QUE OS PROTESTOS TRAZEM DE NOVO PARA A POLÍTICA BRASILEIRA?» (PDF). Universidade Federal de Minas Gerais. Consultado em 18 de setembro de 2015 
  110. Pablo Ortellado, Esther Solano, e vários outros (12 de abril de 2015). «Pesquisa com os participantes da manifestação do dia 12 de abril de 2015 sobre confiança no sistema político e fontes de informação». USP e Unifesp. Consultado em 18 de setembro de 2015 
  111. a b c d "'Aécio está sendo covarde', diz líder de grupo anti-Dilma". Revista Nordeste. 22 de maio de 2015. Página acessada em 2 de junho de 2015.
  112. Estadão. "'Falta cultura política aos meninos da marcha', diz jurista Miguel Reale Junior". UOL. 26 de maio de 2015. Página visitada em 2 de junho de 2015.
  113. a b c d Prazeres, Leandro. (27 de maio de 2015). «Esvaziada, marcha que saiu de SP para pedir impeachment chega ao Congresso». UOL. Consultado em 2 de junho de 2015 
  114. Marcelo Vergotti e Ariel Tonglet (16 de agosto de 2015). «Quantas pessoas participaram das manifestações de 16 de agosto». Época. Globo.com. Consultado em 17 de agosto de 2015 
  115. «Protesto contra Dilma reuniu 135 mil em São Paulo». Folha de S.Paulo. 16 de agosto de 2015. Consultado em 17 de agosto de 2015 
  116. «Manifestações anti-Dilma voltam às ruas do Brasil». El País Brasil. El País. 17 de agosto de 2015. Consultado em 17 de agosto de 2015 
  117. «Movimentos de rua convocam protesto contra ajuste do PT». Folha de S.Paulo. 23 de junho de 2015. Consultado em 18 de agosto de 2015 
  118. News, Blasting. «Desesperada, Dilma faz pacto com Renan e isola Eduardo Cunha». Consultado em 18 de agosto de 2015 
  119. «Para MBL, protestos agora terão como foco Renan e TCU». O Globo. Consultado em 18 de agosto de 2015 
  120. «Após reatar com Planalto, Renan vira alvo dos grupos». Estadão. Consultado em 18 de agosto de 2015 
  121. «'Dilma caerá, el momento ahora es más propicio que nunca'» (em espanhol). elmundo.es. Consultado em 18 de agosto de 2015 
  122. Azevedo, Rita. «Conheça a "startup" que surgiu para fazer protestos». Exame. Consultado em 18 de agosto de 2015 
  123. «Líderes do Movimento Brasil Livre são recebidos como estrelas». Época. Agosto de 2015. Consultado em 18 de agosto de 2015 
  124. «[RELATO] Estivemos no Ato fora Dilma, fora PT». midialegalindependente.org. Consultado em 18 de agosto de 2015 
  125. «Com líderes da oposição, 'Fora, Dilma' reúne 795 mil pelo Brasil, diz PM». Uol. 16 de agosto de 2015. Consultado em 17 de agosto de 2015 
  126. «PSDB divulga inserção em que apoia protestos contra Dilma». Diário de Pernambuco. 6 de agosto de 2015. Consultado em 17 de agosto de 2015 
  127. «Protesto na av. Paulista é o maior ato político já registrado em São Paulo». Folha de S.Paulo. 13 de março de 2016. Consultado em 13 de março de 2016 
  128. «Brasil tem maior manifestação contra Dilma». UOL. 13 de março de 2016. Consultado em 13 de março de 2016 
  129. «Maior manifestação da história do País aumenta pressão por saída de Dilma». Estadão. 13 de março de 2016. Consultado em 14 de março de 2016 
  130. «A maior manifestação da história brasileira». G1. Globo.com. 13 de março de 2016. Consultado em 14 de março de 2016 
  131. «Manifestantes protestam contra corrupção em Santa Catarina». G1. Globo.com. 12 de março de 2016. Consultado em 13 de março de 2016 
  132. «Brasil tem maior manifestação contra Dilma». UOL. 13 de março de 2016. Consultado em 13 de março de 2016 
  133. «Manifestantes fazem maior protesto nacional contra o governo Dilma». G1. Globo.com. 13 de março de 2016. Consultado em 13 de março de 2016 
  134. Marcelo Cosme, Vladimir Netto e Mariana Oliveira (11 de março de 2016). «PGR pede abertura do 7º inquérito para investigar Renan Calheiros». G1. Globo.com. Consultado em 13 de março de 2016 
  135. a b «13 de março: protesto sem precedentes contra Dilma e PT não indica que líder pode emergir da crise». Veja. 13 de março de 2016. Consultado em 13 de março de 2016 
  136. Roney Domingos (16 de março de 2016). «Manifestantes fazem protesto contra Lula e Dilma e bloqueiam Av. Paulista». G1. Consultado em 20 de março de 2016 
  137. Aguirre Talento e Machado da Costa (17 de março de 2016). «Protesto em Brasília reúne 8.000 em frente ao Congresso, diz polícia». Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de março de 2016 
  138. Elaine Patricia Cruz (17 de março de 2016). «Manifestantes seguem na Avenida Paulista em protesto contra governo». EBC. Consultado em 20 de março de 2016 
  139. a b O Estado de São Paulo (19 de março de 2016). «Manifestantes pró-impeachment voltam a montar barracas na Avenida Paulista». Estadão. Consultado em 20 de março de 2016 
  140. a b Bruno Fávero (21 de março de 2016). «Manifestantes pró-impeachment inflam Pixuleko na Avenida Paulista». Folha de S.Paulo. Consultado em 21 de março de 2016 
  141. «Manifestantes percorrem ruas da Savassi contra Dilma e Lula». Estado de Minas. 20 de março de 2016. Consultado em 20 de março de 2016 
  142. Martha Alves (20 de março de 2016). «Grupo pró-impeachment continua acampado na calçada da Paulista». Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de março de 2016 
  143. «Manifestantes pró-impeachment acampam na Paulista». G1. Globo.com. 19 de março de 2016. Consultado em 19 de março de 2016 
  144. «Imprensa internacional repercute protestos contra o governo no Brasil». G1. Globo.com. 13 de março de 2016. Consultado em 13 de março de 2016 
  145. «Cidades tem domingo de protestos contra dilma e contra temer». G1. Globo.com. Consultado em 1 de agosto de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Protestos contra o governo Dilma Rousseff