Protestos no Equador em 2019

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um evento atual. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 12 de outubro de 2019)
Manifestantes se juntam no centro cultural.

Os protestos no Equador em 2019 são uma série de protestos e revoltas contra o cancelamento dos subsídios aos combustíveis e contra outros ajustes econômicos (denunciados como austeridade) adotados pelo presidente do Equador Lenín Moreno e sua administração.

Contexto[editar | editar código-fonte]

Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este verbete conforme o guia de tradução.
Lenín Moreno durante sua posse como presidente, em 24 de maio de 2017

O presidente equatoriano Lenín Moreno foi eleito em 2017 com o compromisso da Aliança PAIS de seguir as políticas econômicas de esquerda do presidente Rafael Correa que haviam transformado o Equador através da Revolução dos Cidadãos . Correa havia estabelecido grandes programas de assistência social e conseguiu reduzir a pobreza, aumentando ao mesmo tempo o padrão de vida médio no Equador.[1] Na época, Moreno estava preparado para ser o mantenedor do socialismo do século XXI no país.

No entanto, após sua eleição para o cargo, Moreno mudou a posição da Aliança PAIS mais para a direita através de um processo de "Des-Correaização",[2] abolindo muitas das políticas de Correa, abandonando a ALBA altermondialista[3] em favor de laços mais estreitos com a os Estados Unidos[4] e adotando uma política econômica neoliberal[5] que alienou tanto o ex-presidente Correa quanto uma grande porcentagem dos apoiadores de seu próprio partido. As políticas econômicas de Moreno se mostraram muito impopulares com os cidadãos do Equador, resultando em uma queda de seus índices de aprovação de 70% em 2017 para menos de 30% em 2019.[6] Isso culminou na decisão de Moreno de abolir um subsídio de combustível,[7] que até então garantira gasolina e diesel a preços acessíveis para os cidadãos equatorianos. Isso enfureceu certos setores da sociedade equatoriana, desencadeando o início do movimento de protesto.[8]

Protestos[editar | editar código-fonte]

Os protestos começaram no dia 3 de outubro quando taxistas, caminhoneiros e motoristas de ônibus saíram as ruas para protestar contra a intenção do governo de abolir os subsídios aos combustíveis. Grupos indígenas aderiram aos protestos logo em seguida, junto com estudantes universitários e sindicatos. Os manifestantes declararam suas intenções de manter uma greve geral por tempo indeterminado, que duraria até o governo recuar em sua decisão.[9]

O presidente Moreno declarou um estado de emergência no dia 4 de outubro em meio a protestos em todo o país contra o aumento do preço dos combustíveis. , amid nationwide protests against a hike in fuel prices. Os protestos haviam prejudicado a rede rodoviária do país, com todas as principais estradas e pontes bloqueadas na capital Quito.[10]

Logo em seguida, Moreno categoricamente se recusou a discutir uma potencial reversão da abolição dos subsídios, dizendo que ele "não negociaria com criminosos",[11] o que gerou tensão entre a Polícia Nacional do Equador e os manifestantes, que estavam tentando entrar no Palácio de Carondelet na capital Quito.[12]

No dia 7 de outubro, as Forças Armadas do Equador foram empregadas pelo governo para forçar os manifestantes a libertarem mais de 50 militares que estavam mantidos em cativeiro por grupos indígenas que faziam parte dos protestos.[13]

No dia 8 de outubro, o presidente Moreno disse que seu governo tinha se realocado para a cidade costal de Guayaquil depois que manfiestantes ocupado a capital Quito, inclusiveo Palácio de Carondelet. No mesmo dia, Moreno acusou seu predecessor Rafael Correa de ter orquestrado um golpe contra ele com a ajuda do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, uma acusação que Correa negou. Mais tarde naquele dia, as autoridades cancelaram a produção de petrólea no campo Sacha, que produz 10% de todo o petróleo nacional, depois de ele ter sido ocupado por manifestantes. Mais dois campos de petróleo foram capturados por manifestantes logo em seguida. Manifestantes também capturaram antenas, fazendo a TV estatal e o rádio ficarem fora do ar em partes do país. Manifestantes indígenas bloquearam a maioria das ruas principais do Equador, interrompendo completamente o transporte para a cidade de Cuenca. Former president Rafael Correa disse que Moreno estava "acabado" e chamou por eleições antecipadas..[14][15]

No dia 9 de outubro, manifestantes conseguiram ocupar brevemente a Assembleia Naciona, antes de serem expulsos pela polícia, que usou gás lacrimogêneo. Embates violentos emergiram entre manifestantes e forças policias enquanto os protestos se espalhavam. Moreno declarou que se recusaria a renunciar em qualquer circunstância e impôs um toque de recolher na nação.[16][17]

No dia 10 de outubro, o país permaneceu paralizado enquanto milhares de manifestantes marchavam e gritavam demandas para a volta do subsídio e a renúncia do presidente. Embora pacífica inicialmente, a violência surgiu depois de os manifestantes irem de encontro à polícia, que tentou dispersara multidão com gás lacrimogênio. Os manifestantes responderam arremessando pedras.[18][19] O Ministro da Energia reportou que o principal oleoduto tinha parado de operar depois de ser apreendido por manifestantes indígenas.[20][21]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «What to expect from Ecuador's elections». The Economist. ISSN 0013-0613 
  2. «From Rafael Correa to Lenín Moreno: Ecuador's Swing to the Right» (em inglês) 
  3. «Ecuador leaves Venezuelan-run regional alliance». AP NEWS 
  4. «Galapagos island 'to be used by US military'» 
  5. «Équateur : Lenín Moreno et le néolibéralisme par surprise - Europe Solidaire Sans Frontières». www.europe-solidaire.org (em francês) 
  6. «Ecuador moves government out of capital as violent protests rage». The Guardian. ISSN 0261-3077 
  7. «Ecuador declares state of emergency as protesters decry end to fuel subsidies». The Guardian. ISSN 0261-3077 
  8. «Ecuador moves government out of capital as violent protests rage». The Guardian. ISSN 0261-3077 
  9. «Ecuador declares state of emergency as fuel protests block roads». www.aljazeera.com 
  10. «Ecuador declares state of emergency amid protests» (em inglês). 4 de outubro de 2019 
  11. «Hundreds arrested as Ecuador protests turn violent» 
  12. «Ecuador declares state of emergency as fuel protests block roads». www.aljazeera.com 
  13. «Ecuador government leaves capital city amid violent protests». CNN 
  14. «Ecuador Protests Shut Major Oilfield During State of Emergency». www.bloomberg.com 
  15. «As Ecuador protests grow, president moves government out of the capital». Washington Post 
  16. «Ecuador protesters storm parliament amid unrest» 
  17. «Ecuador imposes curfew as protests force President Lenin Moreno to leave Quito». www.cbsnews.com (em inglês) 
  18. «Ecuador paralyzed by national strike as Moreno refuses to step down». The Guardian. ISSN 0261-3077 
  19. «In pictures: Quito in crisis as protests continue» 
  20. «Ecuador's protesters march; clashes break out in Quito». AP NEWS 
  21. «Ecuador's protesters march; clashes break out in Quito». AP NEWS