Protestos na Catalunha de 2019

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o julgamento que desencadeou esses protestos, veja Julgamento dos líderes da independência da Catalunha.
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um evento político atualmente em curso. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 19 de outubro de 2019) Sami Parliament Sweden election apportionment diagram.svg
Protestos na Catalunha de 2019
Parte da(o) Independentismo catalão
Período 14 de outubro de 2019 — presente (30 dias)
Local Catalunha, Espanha
Situação A decorrer
Causas Condenação de nove líderes da independência da Catalunha pelo Supremo Tribunal de Espanha
Independentismo catalão
Objetivos Independência da Catalunha
Características Manifestações, desobediência civil, tumultos.
207 policiais feridos; 300 manifestantes feridos e 83 presos.[1]

Os protestos Catalunha de 2019 são um movimento de protesto em andamento desencadeado pela condenação de nove líderes da independência catalã em um julgamento de 2019 pelo Supremo Tribunal de Espanha. Eles foram condenados por sedição e outros crimes contra o Estado espanhol por seu papel na organização do referendo sobre a independência da Catalunha em 2017.[2]

Em 17 de outubro, o presidente pró-independência do governo autônomo da Catalunha, Quim Torra, pediu uma interrupção imediata da violência e se desassociou dos manifestantes violentos, ao mesmo tempo em que pedia mais protestos pacíficos. No entanto, a situação em Barcelona evoluiu para batalhas de rua abertas entre manifestantes e policiais, quando manifestantes violentos atacaram e provocaram forças policiais, e policiais acusaram manifestantes pacíficos por sua proximidade com os violentos.[3]

Pouco tempo depois, o presidente catalão tentou reunir a multidão afirmando que pressionaria por um novo referendo de independência, enquanto os protestos em larga escala continuavam pelo quarto dia.[4]

Em 18 de outubro, Barcelona ficou paralisada, quando dezenas de milhares de manifestantes pacíficos responderam ao chamado do presidente catalão e se uniram em apoio aos líderes da independência presos.[5] A manifestação cresceu rapidamente, com a polícia de Barcelona contando pelo menos 525.000 manifestantes na cidade.[6]

O El Clásico, jogo entre o Real Madrid e o Barcelona, teve de ser adiado por causa da situação da cidade com os protestos. [7]

Referências

  1. «Violent clashes rock Barcelona on fifth day of separatist protests». Reuters (em inglês). 18 de outubro de 2019. Consultado em 19 de outubro de 2019 
  2. «Violent clashes as Spain jails Catalan separatists» (em inglês). 14 de outubro de 2019. Consultado em 19 de outubro de 2019 
  3. «Watch dramatic street battles in Barcelona» (em inglês). BBC News. Consultado em 19 de outubro de 2019 
  4. «Catalan leader pushes for second independence vote» (em inglês). 17 de outubro de 2019. Consultado em 19 de outubro de 2019 
  5. «Demonstrations paralyse Barcelona» (em inglês). BBC News. Consultado em 19 de outubro de 2019 
  6. Madrid, Stephen Burgen Sam Jones in (18 de outubro de 2019). «Barcelona: violence erupts after huge rally over jailing of Catalan separatists». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 19 de outubro de 2019 
  7. «Barcelona vs Real Madrid postponed due to political protests». The Independent (em inglês). 18 de outubro de 2019. Consultado em 19 de outubro de 2019