Protestos no Paraguai em 2021

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Os protestos paraguaios de 2021 são protestos em massa e manifestações violentas contra a resposta do governo à pandemia Covid-19 no Paraguai, pedindo a renúncia de Mario Abdo Benítez e de todo o seu gabinete. As manifestações deixaram centenas de feridos e muitos gravemente feridos após protestos de cidadãos e saques em todo o país. Isso resultou na renúncia do ministro da Saúde, Julio Mazzoleni[1] [2] e nas demais trocas do ministro da Educação, Eduardo Petta, da ministra da Mulher, Nilda Romero, e do chefe de gabinete do governo, Ernesto Villamayor.[3]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

O Paraguai tem um histórico de protestos, com a crise paraguaia de 2017, a agitação do Marzo paraguaio e os protestos de 1986. A crise política é a pior desde os protestos de 2017. Tiros foram ouvidos durante os protestos, enquanto os manifestantes bloqueavam as estradas e detonavam barricadas no país. O governo não enfrentou esse tipo de protesto, recusando-se a renunciar e reprimindo duramente os protestos. [4]

O presidente do Paraguai nomeou Julio Borba como novo chefe do ministro da Saúde.

Protestos[editar | editar código-fonte]

Os protestos começaram em 5 de março, depois que os manifestantes realizaram cacerolazos em Assunção, depois protestando e pedindo a renúncia do governo. Incêndios ocorerram em Assunção enquanto os protestos em toda a cidade se transformavam em violência e tumultos generalizados. [5]

Os manifestantes gritaram slogans contra o governo e marcharam apesar das balas de borracha, gás lacrimogêneo, munição real e canhão d'água disparados contra manifestantes pela polícia de choque, sendo os protestos mais sangrentos desde a crise paraguaia de 2017. [6]

Centenas de pessoas atiraram pedras e incendiaram o país também, mas em menor magnitude. A raiva com a resposta levou a pedidos para que o governo renunciasse em meio a violentos tumultos e confrontos com as forças de segurança, leais a Mario Abdo Benitez. [7]

À medida que os protestos e manifestações populares aumentaram no dia seguinte, a presença da polícia aumentou e pequenas brigas com os manifestantes resultaram na supressão das manifestações com centenas de feridos. Os manifestantes marcharam repetidamente em manifestações organizadas pacificamente em camisas vermelhas coloridas no dia seguinte, e participando de Cacerolazo em toda a capital e país. [8]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Daniela Desantis (5 de março de 2021). «Fire, smoke, gunshots in Paraguay capital as pandemic response ignites protests» (em inglês). Reuters / Thomson Reuters. Consultado em 28 de março de 2021 
  2. «Paraguay protests against pandemic response» (em inglês). TRT World (Social Videos). 6 de março de 2021. Consultado em 28 de março de 2021 
  3. «Após protestos devido à gestão da pandemia, presidente do Paraguai troca ministros da Educação, da Mulher e chefe de gabinete». G1 Mundo. 6 de março de 2021. Consultado em 28 de março de 2021 
  4. Tom Ambrose (6 de março de 2021). «Protesters injured after police clashes of Paraguay's Covid response» (em inglês). The Independent. Consultado em 28 de março de 2021 
  5. Reuters / Thomson Reuters (5 de março de 2021). «Fire, Smoke, Gunshots in Paraguay Capital as Pandemic Response Ignites Protests». US News. Consultado em 28 de março de 2021 
  6. «Protests erupt over Paraguay's handling of COVID-19» (em inglês). Al Jazeera. 6 de março de 2021. Consultado em 28 de março de 2021 
  7. «Paraguay protests erupt over government handling of Covid-19» (em inglês). France 24. 6 de março de 2021. Consultado em 28 de março de 2021 
  8. Reuters / Thomson Reuters (5 de março de 2021). «Protesters and Police Clash in Paraguay Amid Anger Over Pandemic Response» (em inglês). The New York Times. Consultado em 28 de março de 2021